Manifesto

do

Partido do Bolchevismo Mundial

 

[- por ocasião do

100º aniversário do Bolchevismo ]

1903 - 2003

 

publicado pelo Comintern (EH)

 

escrito e traduzido da língua Alemã por:

Wolfgang Eggers

 

 

 

 

Introdução


"Um fantasma (que todos diziam estar morto) ainda assombra o mundo – o fantasma do Bolchevismo.

Todas as potências e superpotências imperialistas, todos os poderes do fascismo e da reacção mundial bem como os seus lacaios não desistem da sua aliança centenária para exorcizar este fantasma.”

Se Karl Marx e Friedrich Engels escrevessem hoje um “Manifesto do Bolchevismo Mundial”, estas seriam provavelmente as palavras que eles utilizariam. É verdade que o fundador do Bolchevismo foi o seu grande sucessor – o camarada Lenine.

Entretanto, já se passaram mais de 100 anos e a burguesia reaccionária mundial é forçada a repetir as suas calúnias anti-Bolcheviques pela milionésima vez. Isto demonstra que eles ainda têm medo do Bolchevismo e que ainda o encaram como sendo o seu inimigo mais perigoso. Infelizmente para eles, nada, nem sequer o revisionismo, pode salvar o imperialismo mundial do triunfo do Bolchevismo mundial.

É tempo de nós – os Bolcheviques actuais -  desmascararmos a para sempre a lenda do fantasma Bolchevique.

Seguindo as palavras do Manifesto Comunista, nós – os Bolcheviques – recusamos esconder as nossas ideias e objectivos.

Nós declaramos que só há uma razão pela qual nós, Bolcheviques, ainda estamos activos:

O derrube revolucionário da ordem imperialista mundial!

 Deixemos que a burguesia mundial trema com a ideia de uma revolução Bolchevique mundial. Os proletários mundiais não têm nada a perder a não ser as suas cadeias. Eles têm um mundo a ganhar – o mundo do comunismo.

 

PROLETÁRIOS DE TODOS OS PAÍSES, UNI-VOS!

PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO – UNAM TODOS OS PAÍSES! 

 

 Este é o propósito deste breve Manifesto do Partido Bolchevique Mundial, o Comintern (EH).

Em todo mundo, não haverá poder que nos possa deter a nós, Bolcheviques Mundiais. E isto porque nós sabemos como conquistar os corredores do poder e como consolidar e manter a vitória da revolução socialista mundial.

 

 

 

1.

O que é o

Bolchevismo Mundial?

 

a)

o Bolchevismo Mundial é … 

... a teoria e a táctica global Marxista-Leninista do proletariado mundial, do seu partido Bolchevique, a Internacional Comunista (Estalinista-Hoxhaista), e das suas Secções em todos os países,

pela destruição revolucionária total e definitiva do sistema capitalista mundial,

pela abolição da ordem imperialista mundial,

pela realização do socialismo mundial através do estabelecimento da ditadura do proletariado mundial,

e, finalmente, para concretizar o objectivo final – a sociedade sem classes

- o Comunismo Mundial.

 

 

 

b)

o Bolchevismo Mundial é ...

... o princípio táctico da inevitabilidade da vitória da luta de classes proletária á escala internacional de acordo com os ensinamentos de Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha,

E tudo isto apesar de que a burguesia mundial fez retroceder temporariamente o Bolchevismo na União Soviética e na Albânia – com a ajuda dos revisionistas.

O Bolchevismo Mundial é o coveiro do Revisionismo Mundial!


 

 

 

 

2

Qual é o significado do

Bolchevismo Mundial?

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa a vitória da ditadura do proletariado á escala global.  

 

  

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa a vitória do proletariado mundial sobre a burguesia através da revolução socialista mundial – o ponto culminante da luta de classes global – liderada pelo Comintern (EH) e pelas suas secções em cada país.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

- é a expropriação de todos os bancos do mundo, das corporações multinacionais, dos monopólios mundiais e de todos os meios de produção que são propriedade privada dos capitalistas (incluindo os recursos e riquezas naturais do mundo),

A expropriação da propriedade privada e do equipamento de manufactura e produção, etc.

- e por fim, a abolição da ordem capitalista mundial através do estabelecimento de uma nova ordem mundial – o sistema económico socialista.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa o fim de Wall Street e dos especuladores dos mercados mundiais,

a destruição final da exploração e da opressão capitalista,

a libertação dos povos da escravatura do imperialismo mundial,

a abolição do colonialismo e do neo-colonialismo e o fim da divisão dos países em dominantes e dominados,

o fim da época das superpotências e dos seus blocos de domínio rivais, etc., etc.

- isto significa liberdade para todos – e para cada um – pela primeira vez na história.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa abolir a inevitabilidade da guerra imperialista e a abolição da inevitabilidade da restauração do fascismo em todo o mundo – através da transição directa da luta económica combinada, da luta anti-fascista e anti-guerra contra o imperialismo mundial para a luta socialista pela revolução proletária mundial e para o estabelecimento da ditadura do proletariado mundial.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa a concretização da base material para assegurar o futuro do povo trabalhador para que ele crie o seu próprio mundo sem exploração nem opressão.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa o domínio mundial do proletariado, o governo global dos operários e dos camponeses e o governo da República Soviética Mundial.

 

 


A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa a aplicação correcta e globalizada dos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo,

Significa a continuação do caminho revolucionário mundial do Comintern de Lenine e de Estaline – e a sua protecção dos desvios revisionistas,

Significa a vitória do Comintern (EH), o verdadeiro sucessor do Comintern de Lenine e de Estaline.

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

- Significa a realização do programa de 1928 da Internacional Comunista e do Manifesto do Partido do Bolchevismo Mundial tal como é apresentado aqui

[e desde 2009 também na “Plataforma do Comintern (EH) ”]

[declaração programática mundial]

 

 

A vitória do Bolchevismo Mundial –

Significa a implementação da Linha-Geral do Comintern (EH), e da nossa estratégia e táctica da revolução socialista e proletária.

 

O triunfo do Bolchevismo – á escala global –

Não está ainda assegurado.

Mas a vitória do Bolchevismo for a do seu país nativo – a União Soviética – já está provada!

Sem a restauração do Bolchevismo no poder (na Rússia E NA Albânia), sem a continuação da grande herança da União Soviética e da Albânia, a vitória do Bolchevismo á escala mundial é impossível.

 

 

 

 


3

O programa do

Bolchevismo Mundial

(resumido)

  

A história das sociedades é a história das lutas de classe. A época do imperialismo é a época do capitalismo moribundo – primeiro num só país e depois em todo o mundo, é a época de uma das fases mais elevadas do desenvolvimento da luta de classes em toda a história das sociedades de classe.

Tanto as guerras imperialistas e as crises como a realização do socialismo na União Soviética e na Albânia aceleraram e encurtaram o curso da história mundial para substituir a ordem capitalista mundial pela ordem socialista mundial.


Hoje, atingimos um ponto no qual a questão da revolução mundial se tornou num assunto que requer uma solução prática num momento em que o mundo enfrenta a escolha final:  

Socialismo mundial ou barbárie mundial.

 

Durante a história da luta de classes entre a burguesia mundial e o proletariado mundial, os proletários triunfaram inicialmente com a vistoria da Revolução de Outubro na Rússia, com a criação do campo socialista de Estaline e com a vitória da revolução anti-fascista na Albânia que estabeleceu a ditadura proletária num só país. Assim, o final inevitável da burguesia mundial está assegurado historicamente; no entanto, a nível global ele apenas dá os primeiros passos.

A revolução proletária mundial ainda não foi concretizada porque a burguesia mundial conseguiu derrotar temporariamente o socialismo num só país, derrubar o campo socialista mundial de Estaline, reconquistar o poder e restaurar o capitalismo.  

Um só país socialista ou até mesmo um número reduzido de países socialistas podem ser derrotados, mas a burguesia mundial nunca será capaz de fazer retroceder a revolução universal e global de todo o proletariado mundial.

 

O manifesto do Bolchevismo Mundial

é o programa da vitória e do estabelecimento da ditadura do proletariado mundial.  

 

 As leis objectivas do desenvolvimento social nunca podem ser limitadas, convertidas, repelidas ou abolidas.

A remoção do imperialismo mundial através do socialismo mundial é inevitavelmente afectada pela lei universal do desenvolvimento da actual sociedade de classes.

 

 E o Manifesto do Bolchevismo Mundial pretende concretizar o objectivo do desenvolvimento revolucionário mundial através dos recursos e forças mais eficazes percorrendo o caminho mais rápido, curto e simples á escala global.

 

As leis da economia política – quer seja no contexto do capitalismo ou do socialismo – são leis objectivas que determinam os processos económicos mundiais – independentemente da nossa vontade.

Com a ajuda do socialismo científico, o proletariado mundial é capaz de prever o curso dos acontecimentos na vida económica de todos os países e povos. O proletariado mundial vai demonstrar a sua habilidade para guiar e manobrar a economia global em seu próprio benefício e em benefício de toda a comunidade mundial.

O proletariado mundial vai ter o papel principal no desenvolvimento político e económico da sociedade socialista mundial.

O proletariado mundial vai tomar o poder no mundo – e isto apesar das derrotas e retrocessos passados e presentes. Nada nem ninguém pode mudar isto.

Nós, Bolcheviques Mundiais, não podemos prever o momento exacto em que o socialismo vai começar, mas sabemos que o proletariado mundial vai transformar o socialismo mundial num facto épico, tal como já demonstrámos a construção do socialismo em dois países – a União Soviética e a Albânia – enquanto facto histórico incontornável.

Os capitalistas já globalizaram as forças da produção mundial e a sua distribuição, por isso elas estão prontas para a sua socialização global enquanto base para a construção do sistema económico socialista mundial.

O passo decisivo é a aniquilação revolucionária global de todas as relações capitalistas de produção existentes – sem excepção.

A diferença entre o proletariado mundial e as outras classes que já existiram ao longo da história e que revolucionarizaram as relações de produção, é que o proletariado mundial é a única classe global cujos interesses se fundem com os interesses da vasta maioria da população mundial.

A revolução proletária mundial não significa a abolição de uma determinada forma de exploração num dado país, mas sim a abolição de todos os tipos de exploração em todos os países do mundo – sem excepção.

As revoluções de todas as outras classes permaneceram sempre dentro dos limites dos seus próprios interesses de classe que sempre estiveram em conflito com os interesses da maioria da sociedade.

No futuro, o socialismo mundial vai criar uma nova estrutura de classe cujo carácter  nada terá em comum com a estrutura das classes exploradoras do mundo capitalista. Um proletariado mundial inteiramente novo vai surgir através do derrube revolucionário da velha ordem capitalista. O proletariado mundial que destruiu o mundo capitalista não será o mesmo que vai criar o mundo socialista.

Mesmo a vitória da ditadura proletária criou uma nova estrutura de classe na história da humanidade, a estrutura de classe da sociedade socialista num só país.  

Todas as classes exploradoras foram liquidadas no socialismo num só país. Apenas a classe operária, a classe camponesa e o estrato intelectual permaneceram.

No sistema económico capitalista mundial, a classe capitalista  possui todos os meios de produção, que são instrumentos com os quais o proletariado mundial e as outras classes são globalmente explorados.

Na União Soviética socialista e na Albânia socialista, a classe capitalista foi liquidada. Os meios de produção estavam nas mãos dos trabalhadores, por isso qualquer possibilidade de exploração da classe operária estava excluída.

O socialismo foi implementado tal como Karl Marx ensinou:

Para se libertar, o proletariado deve esmagar a classe capitalista, deve confiscar e socializar a propriedade privada capitalista de todos os meios de produção. As relações de produção que escravizam o proletariado têm de ser destruídas pelo proletariado.  

Ao fazer isto, o proletariado da União Soviética e da Albânia transformou-se numa classe completamente nova, numa classe operária socialista que criou a propriedade socialista e avançou em direcção ao comunismo.

Também o proletariado mundial vai transformar-se a si mesmo em classe socialista mundial.

Mesmo a classe camponesa vai ser transformada pelo socialismo mundial em classe socialista global.

Na sociedade capitalista, os agricultores são uma classe de pequenos produtores, eles pertencem á classe média ou á baixa classe média na sua vasta maioria. Eles não devem ser confundidos com os operários agrícolas ou com os pobres aldeãos. A pequena burguesia tem tendência para se proletarizar, porque o nível de vida da pequena burguesia vai decrescendo por causa da industrialização dos monopólios agrícolas. Os camponeses pobres são explorados pelos latifundiários, pelos capitalistas agrícolas e pelos monopólios multinacionais que dominam a agricultura industrializada global – esta é uma característica da globalização actual. Estas relações da produção agrícola globalizada têm de ser destruídas, socializadas e substituídas por novas formas de propriedade colectiva global.

A União Soviética e a Albânia desenvolveram um campesinato livre da exploração. A propriedade privada não era a base da economia do campesinato, ma sim a propriedade colectiva que se desenvolveu com base no trabalho colectivo.

Durante o período avançado do socialismo, o estado socialista começará gradualmente a substituir a propriedade colectiva pela propriedade do estado – em direcção ao comunismo.

Apenas na época do socialismo mundial é que a pequena burguesia vai deixar de ser uma classe privilegiada perante o proletariado mundial. Ela fundir-se-á com a classe operária antes de deixar de existir. No entanto, o proletariado mundial não vai esquecer que a pequena burguesia nunca vai abandonar o seu papel de restauradora do capitalismo. Por isso, a ditadura do proletariado mundial é necessária mesmo quando a burguesia já tiver sido abolida há muito tempo.

O socialismo mundial significa a globalização da propriedade colectiva dos camponeses.

O socialismo mundial protege a propriedade de todos os povos da restauração da propriedade capitalista. Isto será garantido pela globalização da propriedade pública dos povos.  

Começa assim a época da fusão completa da propriedade do estado de cada nação com a propriedade do estado mundial.

 

 O Manifesto do Partido Bolchevique Mundial declara que:

Num mundo socializado, a propriedade pública dos povos será transformada na propriedade pública do estado mundial; e isto antes de o estado e de a propriedade serem definitivamente abolidos pelo Comunismo mundial.

 

 A globalização do capitalismo conduz á intensificação das contradições entre a cidade e o campo.

A globalização do socialismo conduz á redução e á eliminação das contradições entre a cidade e o campo.

 O socialismo deu origem a um novo estrato social: o dos intelectuais trabalhadores que nunca tinham existido antes. Sob o capitalismo e mesmo antes dele os intelectuais serviam os ricos e eram recrutados maioritariamente entre as classes ricas.

 Na sociedade socialista não existirão classes exploradoras, e consequentemente elas não precisarão mais de quem as sirva. Sob o socialismo, os intelectuais servirão a classe operária. E a nova intelectualidade trabalhadora dera recrutada maioritariamente de entre os operários e os camponeses.

 No contexto da nova estrutura de classe socialista, as fronteiras entre a classe operária e o campesinato desaparecerão. E isto diz respeito também às fronteiras entre a classe operária e os agricultores colectivos, por um lado, e o novo estrato da intelectualidade trabalhadora, por outro lado. O velho elitismo da sociedade capitalista de classes será aniquilado.

Uma das principais características da estrutura de classe socialista foi o facto de que, e primeiro lugar, a distância entre os grupos sociais diminui cada vez mais, e em segundo lugar, tanto as contradições económicas como políticas entre estes grupos sociais serão também cada vez menores. Sob a liderança da classe operária, eles formam uma força unida pela concretização do objectivo comum do comunismo.

A estrutura de classe socialista inclui vestígios tanto da velha estrutura de classes como da futura sociedade sem classes. Podemos falar de uma estrutura de classe que representa a transição da velha sociedade para a nova sociedade sem classes – inicialmente á escala nacional, e posteriormente á escala internacional durante o segundo período do socialismo.

Deve ser realçado que este desenvolvimento só pode ter lugar no contexto da luta de classes contra aquilo que resta da velha ordem exploradora. Finalmente, é um facto histórico bem conhecido o de que a estrutura de classe revisionista restaurou a estrutura de classe burguesa.


Devido á derrota temporária do socialismo, a estrutura de classe socialista foi destruída. Mas ainda assim ela deixou traços detectáveis. O capitalismo pós-socialista não consegue apagar a herança do passado socialista glorioso. Ninguém conhece melhor as vantagens do socialismo sobre o capitalismo do que os trabalhadores dos antigos países socialistas. Por isso, ninguém no mundo é capaz de lutar tão consistentemente como eles pela restauração do socialismo.

Os povos que já construíram o socialismo no seu próprio país serão os primeiros a lutar pela revolução socialista mundial. Apenas o socialismo mundial é capaz de ultrapassar os erros cometidos durante o primeiro período do socialismo.

 

A restauração do socialismo – concretizada através da criação do socialismo mundial – constitui um dos pilares do Manifesto do Partido Bolchevique Mundial.

 

Actualmente, as contradições de classe antagónicas globalizaram-se. Estamos na época das lutas de classes mais ferozes que jamais existiram; lutas essas nas quais o mundo inteiro está envolvido.

Há uma extrema polarização das classes globalizadas. A luta de classes global entre a burguesia mundial e o proletariado mundial decidirá o futuro da humanidade. Estas duas classes determinarão o destino do mundo. Enquanto o proletariado mundial representa a vasta maioria da população mundial, a burguesia mundial representa apenas uma pequena minoria.

Ou a burguesia mundial ganha – e então o capitalismo mundial vai atirar o planeta para o abismo. Ou o proletariado mundial ganha e constrói um novo mundo sem exploração e sem opressão. Não existem outras alternativas.

 

Assim, este Manifesto apela á frente unida de todas as forças progressistas mundiais para que participem na batalha final do proletariado mundial contra a burguesia mundial.

 

 A burguesia mundial provoca conflitos entre as nações para manter o seu poder global.

 

O proletariado mundial une todos os países pelo derrube do poder capitalista mundial.

Apenas através da unificação da revolução socialista mundial é que os trabalhadores de todos os países podem ser vitoriosos!

 

Trabalhadores de todo o mundo – uni-vos!

Proletários de todo o mundo – unam todos os países!  

 

A globalização do capitalismo mundial é requisito para a globalização do socialismo mundial.

Sem globalização capitalista – não pode haver globalização socialista!

 A globalização do capitalismo significa mais riqueza para as nações abastadas, por um lado, e muito mais empobrecimento para as nações pobres, por outro lado.

A globalização do socialismo significa a minimização e a eliminação das contradições entre as nações ricas e pobres.

O socialismo mundial será construído pelas forças unidas do proletariado e dos seus aliados de todas as nações, e tudo aquilo que eles produzirem será distribuído entre eles de forma adequada:

 

De cada país segundo as suas capacidades –

a cada país segundo as suas necessidades!”

 

 A consciência espontânea do proletariado mundial desenvolve-se em direcção á consciência de classe comunista através do partido Bolchevique mundial que é o porta-bandeira da ciência socialista moderna. Os ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo são a base e o guia para a luta de classes consciente do movimento operário mundial.

Graças á organização combinada entre a doutrina do Marxismo-Leninismo e o verdadeiro movimento operário, graças á aplicação das ideias do internacionalismo proletário na luta de classes centralizada global, o proletariado mundial cria as condições subjectivas necessárias para o triunfo da revolução proletária mundial através da liderança do seu Partido Bolchevique Mundial.

 

O Manifesto do Partido Bolchevique Mundial declara:  

 A revolução proletária mundial é a única maneira de acabarmos definitivamente com as crises do capitalismo mundial.

 

O capitalismo mundial e as crises mundiais são inseparáveis entre si. No entanto, a actual crise mundial é a mais grave de todas as que já ocorreram na história do capitalismo. É a crise do mundo globalizado que faz tremer todo o sistema do capitalismo até aos seus fundamentos. Mas os capitalistas mundiais só serão derrubados através da revolução socialista do proletariado mundial – não há outra maneira!

A presente crise mundial não enfraquece apenas a posição económica da burguesia mundial, mas também a sua posição política.

Nesta situação, é tarefa do proletariado mundial tirar proveito das actuais fraquezas do capitalismo mundial e da oportunidade de unir as suas forças nas acções revolucionárias conjuntas.

Lenine aproveitou a sua oportunidade de forma bem-sucedida no contexto das fraquezas do imperialismo mundial na época da Primeira Guerra imperialista mundial.

Os Bolcheviques mundiais de hoje devem aproveitar a oportunidade para tirar proveito da actual crise mundial que enfraquece os imperialistas mundiais.

Isto significa que temos de seguir o caminho Bolchevique do camarada Lenine!


 O programa Bolchevique Mundial não é só um programa para o derrube e expropriação dos capitalistas de todo o mundo, mas também um programa para a construção da economia socialista mundial.

 

Dos coveiros do capitalismo num só país emergem os coveiros do capitalismo internacional.

O proletariado mundial não vai ficar parado até que os imperialistas tenham arruinado a vida no planeta.

A classe operária quer manter-se viva e recusa-se a ir atrás da burguesia mundial. A luta pelo derrube da burguesia mundial é vital para a existência do proletariado mundial. Por isso, os proletários do mundo não vão perder uma única oportunidade para capturarem o poder com o propósito de  substituir rapidamente o capitalismo arruinado pela nova economia socialista mundial.

  

 Um dia, os produtos globais serão propriedade comum de todos os povos do mundo. Eles serão usados para preencher as necessidades mais urgentes desses povos.

Apenas através da estrita limitação das esferas do modo de funcionamento da lei internacional do valor e do seu papel de regulador da produção global será possível ultrapassar a inevitabilidade das crises capitalistas mundiais de superprodução.  

A lei do valor é eficaz enquanto reguladora da produção através das condições da circulação de produtos, através da existência da propriedade privada dos meios de produção globais, através da competição nos mercados mundiais, através da anarquia da produção mundial, através das crises, e especialmente através da compra e venda da força de trabalho nos mercados, etc.  

Na economia socialista mundial, a esfera de acção da lei do valor será drasticamente reduzida pela presença da propriedade social dos meios de produção globais e pelo poder da lei do desenvolvimento planificado da economia mundial.  

O valor é – tal como a lei do valor – uma categoria histórica que está relacionada com a existência da produção de mercadorias. Se a produção de mercadorias desaparecer, então tanto o valor (em todas as suas formas) como a lei do valor desaparecerão também.

 

O Manifesto do Partido Bolchevique Mundial declara:

Nós lutamos pela abolição da sociedade mundial baseada na compra e na venda de mercadorias. Nós lutamos pela abolição da mercadoria do trabalho.

Nós queremos a troca global directa dos produtos produzidos globalmente.

 

 

O Marxismo-leninismo argumenta que a transição do socialismo para o comunismo e o princípio comunista da distribuição das mercadorias exclui qualquer tipo de troca de mercadorias. Consequentemente, o comunismo exclui expressamente qualquer transformação de produtos em mercadorias, e com isso a sua transformação em valor.  

Na segunda fase da sociedade comunista, o trabalho dispendido na produção dos bens globais não será medido através das formas do seu valor, ao contrário do que sucedia durante a produção de mercadorias.  

O trabalho comunista será determinado directamente através da quantidade de tempo e do número de horas que tiver sido gasto na fabricação dos produtos.

 No que respeita á distribuição do trabalho, essa distribuição não será regulada pela lei do valor (que já não está em vigor) entre os sectores da produção internacional, mas sim pela procura crescente da comunidade mundial.

Assim, este será um mundo no qual a produção é regulada pelas necessidades da população mundial, e onde a inclusão das necessidades da população mundial será de primeira importância para os Planos Quinquenais do socialismo mundial, para as instituições de planeamento internacionais, para as comissões de planeamento global, etc., nas quais os representantes dos povos do mundo expressarão as suas opiniões.

Nessa altura, o mundo da produção capitalista, os tempos da exploração do trabalho em que tudo era guiado pelo lucro desaparecerá para sempre. A lei económica do capitalismo não estará mais em vigor.

Qual é o propósito da produção capitalista global?

Marx explica o objectivo da produção capitalista:

 “O propósito directo da produção capitalista não é a produção de bens, mas sim a de mais valia lucrativa na sua forma ais desenvolvida, não o produto, mas sim a mais valia desse produto. Deste ponto de vista, o próprio trabalho só é produtivo se criar lucro ou mais valia para o capital.

Se o trabalhador não conseguir isto, então o seu trabalho é improdutivo. Assim, o volume do trabalho produtivo aplicado só é interessante para o capital na medida em que lhe dá lucro. O propósito permanente da produção capitalista é o de fabricar o máximo de mais valia com o mínimo de capital. E enquanto este resultado não for atingido através do trabalho dos operários, o capital tem tendência para criar produtos através do mínimo esforço possível – economizando trabalho e custos…

Segundo esta posição, os trabalhadores surge como aquilo que realmente são no contexto do modo capitalista de produção – um mero meio de produção, não um fim em si mesmos nem um objectivo da produção.” (ver: Theories of Surplus Value, Volume II, Part 2, traduzido da edição em Inglês).

No que respeita ao consumo, o capitalismo só necessita dele na medida em que este satisfaz o seu propósito de criar lucro. Sem ser por isto, a questão do consumo da população mundial não tem sentido para o capitalismo. Os povos e as suas necessidades desapareceram do mundo capitalista.

 


Qual é o propósito da produção socialista mundial?

 

A satisfação das necessidades da população mundial é o objectivo principal do mundo socialista.

O propósito da produção socialista mundial não é o lucro, mas sim a satisfação das necessidades materiais e culturais de todos os povos do mundo.

 

Engels realçou:

Após o capitalismo, “surgirá uma regulação socialmente planificada da produção segundo as necessidades de todos e de cada um – que substituirá a anarquia da produção. Com isto, o modo de produção e de apropriação capitalista (no qual o produto escraviza primeiro o produtor, e mais tarde também o apropriador) é substituído pelo modo de apropriação dos produtos que, em si próprio, se baseia na natureza dos modernos meios de produção:

Por um lado, a apropriação social directa enquanto meio de preservar e de expandir a produção, e por outro lado, a apropriação directa individual enquanto meio de satisfação das necessidades básicas.” (Friedrich Engels' Anti-Dühring, traduzido da versão em Inglês).

 

No que respeita ao consumo, o capitalismo só necessita dele na medida em que este satisfaz o seu propósito de criar lucro. Sem ser por isto, a questão do consumo da população mundial não tem sentido para o capitalismo. Os povos e as suas necessidades desapareceram do mundo capitalista.

 


Qual é o propósito da produção socialista mundial?

 

A satisfação das necessidades da população mundial é o objectivo principal do mundo socialista.

O propósito da produção socialista mundial não é o lucro, mas sim a satisfação das necessidades materiais e culturais de todos os povos do mundo.

 

Engels realçou:

Após o capitalismo, “surgirá uma regulação socialmente planificada da produção segundo as necessidades de todos e de cada um – que substituirá a anarquia da produção. Com isto, o modo de produção e de apropriação capitalista (no qual o produto escraviza primeiro o produtor, e mais tarde também o apropriador) é substituído pelo modo de apropriação dos produtos que, em si próprio, se baseia na natureza dos modernos meios de produção:

Por um lado, a apropriação social directa enquanto meio de preservar e de expandir a produção, e por outro lado, a apropriação directa individual enquanto meio de satisfação das necessidades básicas.” (Friedrich Engels' Anti-Dühring, traduzido da versão em Inglês).

 Como se pode concluir, já não se trata de assegurar o lucro máximo capitalista através da exploração, ruína e empobrecimento da maioria da população mundial, através da subjugação e do roubo sistemático dos povos de todos os países, especialmente dos países coloniais e neo-coloniais através das guerras imperialistas e da militarização da economia mundial.

Em vez de assegurarmos os lucros máximos = asseguramos a satisfação máxima das necessidades materiais e culturais da sociedade global;

 em vez de um declínio crítico da produção provocado por períodos de crises = expansão contínua da produção relacionada com o crescimento e comas necessidades da população mundial;

em vez da destruição das forças produtivas mundiais (acompanhada pelas guerras imperialistas, pelas crises de superprodução e pelas interrupções periódicas no desenvolvimento da tecnologia) = melhoramento contínuo da produção global com base na alta tecnologia mundial sempre combinada com as maiores preocupações ambientais.

A lei do desenvolvimento planificado da economia mundial só se pode desenvolver se for baseado na aplicação da lei económica do socialismo mundial que será efectiva tanto em cada país como á escala global:

 Estaline formulou:

As características essenciais e as exigências da lei económica fundamental do socialismo poderiam ser formuladas aproximadamente do seguinte modo: garantia da máxima satisfação das necessidades materiais e culturais, sempre crescentes, de toda a sociedade, por meio do ininterrupto aumento e aperfeiçoamento da produção socialista, à base de uma técnica superior.” (Problemas Económicos do Socialismo na URSS, 7. As Leis Económicas Fundamentais do Capitalismo Contemporâneo e do Socialismo, 1952, edição em Português)


O propósito a longo prazo do Manifesto do Partido Bolchevique Mundial é:

- a transição para o comunismo mundial

 

No que respeita á reprodução, Karl Marx afirmou que a sua teoria da reprodução também é válida para a produção socialista. Assim, ela é a base da reprodução socialista mundial. Na sua “Crítica do Programa de Gotha”, Karl Marx analisou as leis económicas do socialismo durante o período de transição para o comunismo e adoptou as teses mais importantes da sua teoria da reprodução que ele declarava serem obrigatórias na sociedade comunista. Isto também se aplica a Engels no seu "Anti-Dühring".

 

 Para a transição para o comunismo mundial, existem pelo menos três pré-condições básicas que devem ser seguidas:

 

1.

Em primeiro lugar, é necessário assegurar o crescimento estável da produção mundial através do crescimento dos meios de produção. O crescimento preferencial da produção dos meios de produção não é apenas necessário porque eles têm de suportar tanto as unidades de produção em cada país como á escala global, mas também porque de outra forma não pode haver expansão da reprodução mundial.

 

2.

Em segundo lugar, é necessário elevar a propriedade colectiva ao nível da propriedade geral de todo o mundo (através de transições graduais que sejam vantajosas tanto para as quintas colectivas em cada país como para as quintas colectivas de todo o mundo e para a população mundial).

E a circulação de mercadorias deve ser substituída por um sistema de troca de produtos entre todos os países (também através da transições graduais).

É necessária uma autoridade central mundial ou algum tipo de quartel-general socio-económico que seja capaz de estimar e de avaliar a produção global e a sua distribuição no interesse da população mundial.

 

3.

Em terceiro lugar, é necessário atingir um tal nível cultural no contexto da sociedade socialista mundial que forneça a todos os seus membros a possibilidade de desenvolvimento do seu potencial físico e mental.

Os membros da comunidade socialista mundial devem receber uma educação que seja suficiente para serem participantes activos no novo desenvolvimento social global e que lhes permita escolherem livremente todas as suas actividades.

Ninguém deve estar amarrado a um determinado tipo de actividade por causa da divisão do trabalho nos diferentes países.

Os países socialistas individuais devem possuir espaço e tempo suficientes para promoverem o seu desenvolvimento cultural.

Estas são as três principais condições para a preparação da transição para o comunismo mundial. Apenas depois do preenchimento destas três condições é que se espera que o trabalho deixe de ser encarado pelos membros do socialismo mundial como sendo um ónus para passar a ser “o primeiro desejo da vida” (Karl Marx) e se tornar num “prazer” (Friedrich Engels).

A propriedade social deve ser considerada como a base inviolável da existência da humanidade por parte de todos os membros da comunidade socialista mundial.


Só depois da concretização destas condições (na sua totalidade) é que a fórmula
socialista:

 “Cada país segundo as suas capacidades – cada país segundo as suas concretizações.”

poderá ser transformada na fórmula comunista:

De cada país Segundo as suas capacidades, a cada país segundo as suas necessidades.”

Nisto consistirá a transição fundamental da economia do socialismo mundial para a economia mais elevada do comunismo mundial.

 

No que respeita ao planeamento da economia global com base na economia política comum do socialismo mundial, só há duas condições que têm de ser preenchidas para que se obtenham resultados positivos 

 

a)

reflectir verdadeiramente as exigências da lei do planeamento e do desenvolvimento balanceado da economia mundial,

 

b)

estar em harmonia com as exigências da lei económica básica do socialismo mundial.

Enquanto a economia política estuda as leis do desenvolvimento das relações de produção no mundo, a política económica do socialismo mundial tira conclusões políticas, concretiza-as e implementa-as diariamente.

 O objecto da economia política consiste nas relações de produção, as relações económicas dos povos de todos os países do mundo.

 

Estas incluem:

 

a)

as formas de propriedade dos meios de produção;

 

b)

a posição dos diferentes grupos sociais dentro da produção mundial e as suas interacções ou, como Marx dizia: a maneira como eles “intercambiam as suas actividades”;

 

c)

as formas de distribuição dos produtos que são determinadas por si mesmas.

 

Tudo isto é objecto da economia política mundial.

O sistema capitalista mundial tem a sua própria lei básica e – em contraste – o sistema socialista mundial possui também a sua própria lei económica básica.

 Aquilo que costumava ser válido para a concordância entre as forças produtivas e as relações de produção na economia dos antigos países socialistas aplica-se ainda mais á economia socialista mundial.

Tal como as relações de produção não pararam atrás do crescimento das forças produtivas dos antigos países socialistas (e como se sabe, as forças de produção são as forças mais revolucionárias de todas) – também no socialismo mundial elas tomarão a dianteira.

Apenas depois de algum tempo é que as relações globais de produção podem ser transformadas de uma forma que corresponde completamente ao carácter das forças produtivas. Então, nós conseguimos a harmonia perfeita entre as relações de produção e o carácter das forças produtivas – de acordo com a lei económica universal do socialismo mundial.

O papel das novas relações de produção na economia do socialismo mundial não é o de um obstáculo que deve ser ultrapassado através do crescimento das forças produtivas.

Pelo contrário, as novas relações globais de produção são o poder mais importante e decisivo no mundo socialista, elas determinam o desenvolvimento das forças produtivas. Sem as relações socialistas de produção mundial, as forças produtivas estarão condenadas a vegetar, tal como sucede na presente crise capitalista.

 As forces produtivas mundiais não se podem regenerar e consolidar até que a revolução proletária mundial tenha triunfado.

Elas não o podem fazer até que as velhas relações capitalistas de produção tenham sido substituídas por novas relações socialistas de produção, até que as forças produtivas possam atingir a sua capacidade máxima.

Sem esta revolucionarização permanente das relações de produção, as forças produtivas do socialismo mundial estagnariam tal como acontece no capitalismo.

É claro que as novas relações de produção não podem nem vão existir eternamente imutáveis. Elas começam a envelhecer e a desenvolverem-se gradualmente transformando-se numa contradição ao crescimento das focas produtivas, elas começam a perder o seu papel de principal força produtiva e colocam-se em oposição á produção mundial.

Assim, surgem novas relações de produção que substituem as antigas e que tomam o papel da principal força que lidera o desenvolvimento das forças produtivas.

Esta peculiaridade do desenvolvimento das relações de produção que as leva desde o seu papel de opositor ás forças produtivas ao papel de seu apoiante principal e, mais uma vez, do seu papel de apoiante principal ao papel de seu opositor – constitui um dos elementos da dialéctica materialista Marxista (Estaline, Problemas Económicos do Socialismo na URSS).

 

A questão da propriedade dos meios de produção globais é a questão fundamental do movimento revolucionário do proletariado mundial.

 

 Durante a época do socialismo mundial, seria pouco provável que as novas contradições entre as forças produtivas e as relações de produção permanecessem sem solução. É claro que isto poderia ser perigoso porque as contradições não antagónicas poderiam transformar-se em antagónicas. E isto causaria inevitavelmente conflitos e lutas de classe.

 No entanto, existem métodos, instrumentos e formas socialistas de elevar as antigas relações de produção de acordo com o carácter das forças produtivas. E através da sua implementação correcta, todas as situações perigosas podem ser evitadas. Uma dos traços particulares do socialismo mundial – em contraste com o carácter dos antigos países socialistas – é que o perigo de restauração do capitalismo se torna EVITÁVEL!

 É sabido que não existem classes exploradoras no socialismo. Existem apenas vestígios que tenta organizar uma certa resistência.

Assim, o desafio é remover estas contradições, por exemplo através da transição da propriedade colectiva para a propriedade estatal e da propriedade pública das nações para a propriedade do estado mundial (gradualmente, é claro).

Outro método seria a introdução paulatina de troca de bens, partilha de produção, etc. de forma a abolir sucessivamente a circulação de mercadorias.

 

É claro que o perigo de restauração do capitalismo vai existir enquanto as classes existirem.

 

 Assim, a luta de classes permanecerá como um instrumento necessário para evitar conflitos entre relações de produção não progressistas e o carácter das novas forças produtivas.

O uso das leis económicas está sempre dependente dos interesses de classe no contexto de uma sociedade classista, e isto aplica-se até mesmo á economia socialista mundial durante o domínio da ditadura do proletariado mundial.

 O proletariado mundial é a classe mais progressista, ele manobrará as leis económicas no interesse da comunidade mundial.

No entanto, as classes moribundas lideradas pela burguesia mundial vão tentar opor-se e resistir a todos os desenvolvimentos do socialismo mundial enquanto os seus vestígios não tiverem desaparecido.

A luta de classes no contexto do socialismo mundial é incomparavelmente mais profunda do que a luta de classes nos antigos países socialistas.

No entanto, apesar da crescente intensidade da luta de classes internacional, a burguesia mundial não tem os meios nem a oportunidade para se retirar e regenerar.

 

Num mundo completamente socialista não existem áreas de retirada!

 

O proletariado mundial está determinado a proteger a sua ditadura de classe global!

 Durante o curso do desenvolvimento do socialismo mundial, as distinções de classe desaparecerão gradualmente á escala global. A produção mundial estará concentrada nas mãos de uma vasta associação e o poder público perderá o seu carácter político.

Na verdade, o poder político é o poder organizado de uma classe que oprime outra classe.

Se o proletariado se unir numa classe internacional na luta contra a burguesia mundial, se o proletariado mundial se tornar na classe dominante através da vitória da revolução socialista mundial, se o proletariado mundial destruir violentamente as antigas relações de produção do capitalismo mundial, então após ter atravessado a época de transição entre o capitalismo e o comunismo (a longo prazo), o proletariado mundial vai finalmente abolir todas as relações de produção nas quais se baseia a sua própria existência enquanto classe, então o proletariado mundial vai abolir a sua própria ditadura e a sua própria existência enquanto classe – com o propósito de abrir caminho para as relações de produção no contexto de uma comunidade mundial sem classes.

Em vez da velha sociedade burguesa, com as suas classes e antagonismos de classe, teremos uma associação mundial na qual o livre desenvolvimento de cada um é condição para o livre desenvolvimento de todos os habitantes deste planeta

 

- o comunismo mundial!