Bem-vindo ao Comintern (EH)!

 

 

1968 / 1969 – 2012 / 2013


44º Aniversário do Partido Comunista da Alemanha / Marxista-Leninista (PCA / ML)

No dia 31 de Dezembro de 1968, o PCA / ML foi fundado pelo camarada


ERNST AUST


O PCA / ML estava envolvido na luta contra o revisionismo moderno

 


Texto retirado da publicação:


“Amanhecer Vermelho” – Julho 1972


Para os revolucionários do nosso país é muito importante estar sempre ciente de que a classe trabalhadora da Alemanha Ocidental e de Berlim Ocidental deve estar unida no seu partido na luta contra o revisionismo moderno. Esta luta é também crucial para a continuação das grandes tarefas dos revolucionários no nosso país.

Há 15 anos atrás, no final dos anos cinquenta, o movimento operário Alemão sofreu um duro golpe.

Os renegados e os revisionistas Soviéticos tais como Khrushchev e Ulbricht, traíram o Marxismo-Leninismo e arrastaram os líderes do PCA para o pântano do revisionismo moderno, renegando o passado de luta heróica do partido sob a liderança de Ernst Thalmann.

A formação de um partido novo e verdadeiramente revolucionário para a classe trabalhadora Alemã constitui uma necessidade absoluta.

"Aqueles elementos do movimento operário na Alemanha Ocidental e em Berlim Ocidental que haviam permanecido leais ao Marxismo-Leninismo foram-se tornando conscientes desta tarefa e lançaram as bases para a sua realização, assumindo a luta contra a traição revisionista do PCA." (ver: Auto-crítica da Primeira Comissão Central do PCA / ML, em AV, 1/2 - 1972).

Sob a liderança do camarada Ernst Aust, hoje presidente do PCA / ML, os defensores do Marxismo-Leninismo, os verdadeiros Bolcheviques, os protectores da herança de Thälmann, os autênticos comunistas prepararam-se em conjunto para a separação definitiva entre as forças Marxistas-Leninistas do novo Partido Comunista e as forças que levaram ao apodrecimento revisionista do antigo PCA.

A melhor ferramenta para resolver estes problemas tem sido as publicações do “Amanhecer Vermelho”.

O primeiro número do “Amanhecer Vermelho” apareceu há quase exactamente 5 anos atrás, em Julho de 1967.

Naquela época, o nome do “Amanhecer Vermelho” era “Jornal do Partido Comunista – Marxista-Leninista”. A publicação “Amanhecer Vermelho” travou uma luta ideológica acentuada contra o revisionismo moderno.

Ela tornou-se num organizador colectivo, no principal instrumento do recrutamento das forças Marxistas-Leninistas na Alemanha Ocidental e em Berlim Ocidental. Ele foi um factor decisivo na preparação e criação de um novo partido Marxista-Leninista.

Sob a liderança do camarada Ernst Aust, o PCA/ML foi fundado em Hamburgo no dia 31 de Dezembro de 1968. Este foi um evento de grande significado histórico para o desenvolvimento do movimento operário da Alemanha Ocidental.

Foi um elemento aglutinador das melhores forças do proletariado da Alemanha Ocidental. Assim, as conclusões históricas necessárias extraídas da degeneração revisionista do Partido Comunista Alemão constituíram o começo de uma nova etapa no desenvolvimento do movimento operário revolucionário na Alemanha Ocidental e em Berlim Ocidental.

A fundação do PCA / ML foi um passo crucial no caminho para a revolução.

Ela foi um duro golpe contra o sistema capitalista.

Ela foi um duro golpe contra o revisionismo moderno, contra o Trotskismo e contra todas as outras correntes burguesas que penetram no movimento revolucionário.

O partido recém-formado tem seguido desde o início uma linha Marxista-Leninista correcta.

A declaração política proferida no congresso de fundação foi adoptada pelo I. Congresso Anual do PCA / ML e constitui um importante documento programático do nosso partido.

Isto mostra claramente a necessidade da luta implacável contra o revisionismo moderno e afirma que não pode haver outro caminho para a libertação da classe trabalhadora a não ser o caminho da revolução violenta, o caminho da luta armada.

Ela afirma claramente que o objectivo do actual estágio da luta no nosso país consiste na derrubada da burguesia e no estabelecimento da ditadura do proletariado.

Ela ressalta que a classe trabalhadora Alemã tem de lutar por uma Alemanha unida, independente e socialista.

A tendência principal do mundo de hoje é a revolução.

Desde o início, o partido reconheceu a necessidade da construção do partido Bolchevique.

Logo após a fundação do partido, foram publicadas as 12 teses de Estaline acerca do Bolchevismo no “Amanhecer Vermelho”, que se tornou no órgão central do PCA / ML.

O partido foi formado de forma claramente Bolchevique e abriu, ao mesmo tempo, a frente da luta contra as concepções oportunistas e pequeno-burguesas acerca da natureza e da estrutura do partido.

Assim, no fogo da luta contra o capitalismo e o revisionismo moderno, surgiu mais uma vez um partido verdadeiramente comunista no nosso país, um partido que tomou a bandeira do Partido Comunista revolucionário de Thalmann para a levar adiante em direcção a novas batalhas e a novas vitórias da classe operária Alemã.

 

31 de Dezembro de 2000

 
31 de Dezembro de 2012


 

12 º

 

 

Aniversário da

 

Internacional Comunista

 

(Estalinista-Hoxhaista)
 

12 anos

- 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo




Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

 

Viva o comunismo mundial!

Mensagem de Ano Novo a todos os camaradas do mundo

 

 

 

 

 

em língua Russa

Enver Hoxha.

"Estudar a teoria Marxista-Leninista em estreita conexão com a prática revolucionária”

[Discurso no encontro por ocasião do 25º aniversário da Escola do Partido VI Lenine, no dia 8 de Novembro de 1970]

(Editora estatal, Naim Frasheri, Tirana, 1970, em Russo, 63 páginas)
"Nós, Marxistas-Leninistas, somos responsáveis pela luta em defesa da nossa teoria contra os seus manipuladores, mas para conseguirmos levar a cabo esta luta nós precisamos de ter em consideração os princípios teóricos … e não apenas as conclusões históricas que reflectem a luta revolucionária dos nossos grandes líderes em certas épocas. Assim, cada ideia de Marx, Engels, Lenine e Estaline deve tornar-se para nós objecto de reflexão para podermos compreender a sua essência de forma correcta e aplicá-la criativamente durante um período no qual nós vivemos e lutamos, ás condições específicas do país, ao nosso desenvolvimento social ou aos assuntos que devem ser resolvidos, mas nunca de forma dogmática…” (excerto do discurso).

Graças ao site www.enverhoxha.ru

 

 

Mensagens de saudação da Rússia

Obrigado pelas vossas felicitações! Nós, Marxistas-Leninistas Russos vamos erguer sempre a grande bandeira da ideologia Estalinista-Hoxhaista! Eu também felicito todos os camaradas nesta data extraordinária! Viva a Revolução Proletária sob a bandeira do Marxismo-Leninismo e do Estalinismo-Hoxhaismo!

Camarada Aleksei, Moscovo; 21 de Dezembro de 2012

---------

 

Saudamo-vos e felicitamo-vos por ocasião do 133º aniversário da data de nascimento do grande líder da teoria e da prática do Marxismo-Leninismo – José Estaline!

O seu nome e a sua obra são imortais!

Viva José Estaline!

Viva o Marxismo-Leninismo!

Os camaradas do site www.enverhoxha.ru ; 21 de Dezembro de 2012

 

 

Viva o 133º aniversário

do camarada Estaline!

O legado do amarada Estaline é imortal!

 

Site especial de aniversário em

 

INGLÊS

 

ALEMÃO

 

PORTUGUÊS

 

 

Por ocasião do aniversário de Estaline,

Nós publicamos um site especial acerca da

 

BATALHA DE

ESTALINEGRADO

1942/43

 

INGLÊS

ALEMÃO

PORTUGUÊS

 

 

 

 

Carta de um camarada Alemão

Na verdade, o mérito de tradições comunistas dos comunistas Alemães dá-nos esperança e fé para servir a causa revolucionária do proletariado mundial com todas as forças do nosso coração e do nosso cérebro.

 

Mas hoje, nós camaradas Alemães, somos muito menos do que cinco dedos numa mão (!)
Nós lamentamos representarmos uma força tão limitada na ajuda ao proletariado do sul da Europa, enfraquecendo o imperialismo Alemão no nosso próprio país.
Enfraquecer o inimigo de classe no seu próprio país – como ensinaram Lenine e Liebknecht - é a essência fundamental do internacionalismo proletário. Como se sabe, há também uma "tradição" de uma forte burguesia Alemã ("inteligente" no sentido de astúcia em enganar as massas).

A burguesia Alemã tem também explorado as nossas ideias comunistas nos seus próprios interesses de classe). O anti-comunismo no berço do comunismo ainda é o mais forte do mundo. E a burguesia social-fascista na antiga Alemanha Oriental foi uma grande ajuda para a luta anti-comunista na Alemanha.

 

Como se sabe: Desde 1956, o KPD ainda está proibido na Alemanha e os sindicalistas revolucionários estão proibidos de serem membros dos sindicatos. Não é por acaso que os líderes dos sindicatos Alemães também são líderes da Frente dos Sindicatos Mundiais. E os profissionais especializados das organizações da social-democracia Alemã contribuem em toda a parte para criar baluartes contra o comunismo. A exportação Alemã de anti-comunismo é muito procurada pela burguesia de todos os países do mundo.

 

Assim, a derrota da burguesia Alemã é um desafio que precisa indispensavelmente da solidariedade do proletariado europeu.

E a presente luta do proletariado da Europa do Sul é certamente uma grande ajuda para nós, comunista Alemães, e para o proletariado revolucionário Alemão nos seus propósitos de enfraquecimento e queda final da nossa própria burguesia.

 

A burguesia Alemã é capaz de retirar vantagens de todo o leque político entre o fascismo e a "democracia" burguesa.

Os imperialistas Alemães dependem de uma forte aristocracia operária que é alimentada pelo excedente dos lucros roubados aos povos que os imperialistas Alemães exploram e oprimem.
Todos conhecem o papel traiçoeiro da social-democracia Alemã na II. Internacional.
O Kautskismo foi uma das ideologias burguesas que se infiltraram na União Soviética com o propósito da sua liquidação. E essa "tradição" ainda está presente, por exemplo:
os social-democratas Alemães estiveram envolvidos na organização da renovação da burguesia Tunisina durante a revolução. Assim, os imperialistas Alemães não são apenas um dos maiores exportadores de armas técnicas, mas também um dos maiores exportadores de armas ideológicas no apoio á contrarrevolução mundial contra a revolução socialista mundial.
E é preciso também lembrar as "tradições" do papel traidor do revisionismo Alemão dentro do movimento comunista mundial, dentro do KPD de Thälmann, dentro do Comintern – etc.
A burguesia mundial sabe muito bem que se os comunistas Alemães se tornassem muito fortes, se a Revolução de Novembro e a insurreição de Hamburgo (organizada pelo camarada Thälmann) fossem vitoriosas, isso significaria a propagação da Revolução de Outubro em todo o mundo – o socialismo e o comunismo mundial.

 

Hitler foi o mais forte baluarte anti-comunista do mundo imperialista na luta contra a União Soviética de Lenine e Estaline e a revolução mundial. E também após a derrota da guerra imperialista de Hitler, os imperialistas Anglo-Americanos (os restos do imperialismo mundial) não temiam nada mais do que uma Alemanha socialista. É por isso que a Alemanha foi o ponto mais quente da "guerra fria" e o centro do anti-comunismo no mundo.

E o golpe principal voltou a bater á porta dos comunistas Alemães.

 

O KPD / ML era muito perigoso para a burguesia mundo porque nós lutávamos simultaneamente em duas frentes contra a burguesia - contra o social-fascismo na Alemanha de Leste e contra o fascismo na Alemanha Ocidental. Nenhum outro partido Marxista-Leninista teve que resolver uma tarefa tão difícil.

 

Mesmo durante o processo da derrubada revisionista da ditadura do proletariado Albanesa, os revisionistas dentro das fileiras do partido do camarada Ernst Aust (KPD / ML) desempenharam um papel decisivo.

Assim, a nossa luta para manter a existência do KPD / ML como o único partido sobrevivente do extinto Movimento Mundial Marxista-Leninista do camarada Enver Hoxha é apenas um pequeno consolo para todos nós.

12. 12. 2012

 

 

E aqui estão algumas palavras de saudação para Portugal:


Obrigado pelas tuas palavras gentis. Elas são particularmente importantes nesta época, na qual as contradições aumentam rapidamente e nós temos de lidar com todos os traidores (revisionistas, Trotskistas, Maoistas, etc.). Por isso, a nossa coesão e união tem de ser feita de aço! E este é o ponto que mais interessa: sozinhos, nós não somos nada. Apenas unidos nós seremos fortes!


Agora, existem condições diferentes nos nossos países. Em Portugal, Grécia, Espanha, Itália… tudo acontece – greves gerais sucedem-se simultaneamente com os recordes de desemprego de mais de 25% e o empobrecimento das massas.

 
Na grande potência industrializada e imperialista que é a República Federal da Alemanha, não se consegue percepcionar muito da crise revolucionária mundial (apesar de ser aqui que se encontram as raízes e as causas da crise da dívida na Europa). Aqui, a crise é ocultada pró detrás de “resgates” e de programas de estímulo. A Alemanha tem as maiores dívidas da Europa que são impostas ao povo trabalhador Alemão.

No contexto da crise global, a bancarrota da Alemanha é inevitável, e acontecerão batalhas decisivas entre o proletariado Europeu e a burguesia Europeia. Mas o mais essencial é que exista uma Secção do Comintern (EH) em cada país e que estejamos preparados para permanecermos juntos e unidos quando for mais necessário.


Enviamo-vos as nossas saudações mais calorosas, camaradas!”

 

 

 

Por uma República

Socialista do Egipto forte!

 

Por uma Federação Socialista de Nações

Árabes num Mundo Socialista!

 

Operários, camponeses e

soldados – unam-se

Pela transição

da guerra civil

para a revolução

socialista!

Os imperialistas Americanos enviam tanques para

apoiarem Mursi e acabarem com a revolução Egípcia!

Proletários de todo o mundo – unam-se á revolução

Egípcia! Abaixo o imperialismo mundial! Viva a

revolução socialista mundial!





em língua ÁRABE

Manifesto Comunista 



em língua ÁRABE

Lenine: “O Marxismo e a insurreição”

 

 

em língua AFRIKAANS

Die Kommuniste-Manifes

deur

Karl Marx en Friedrich Engels


em língua Indonésia

ARQUIVO DE LENINE


em língua Russa

Revista “Nova Albânia”

[nova secção do site enverhoxha.ru ]

 

 

 

Álbum

Por ocasião do 50º aniversário da declaração

da Independência Nacional

28 de Novembro de 1912 - 1962

em língua Albanesa, Inglesa, Russa e Francesa

Publicado graças ao site enverhoxha.ru  

Este álbum pretende ilustrar, através de documentos fotográficos e materiais, um dos períodos mais brilhantes da história milenar do povo Albanês: o período da sua renascença nacional.

A publicação deste álbum é uma homenagem á nova geração que vive hoje livre no seu país socialista e que presta tributo aos seus antepassados que, sob as condições bárbaras do regime Otomano, numa época em que o horizonte político da Albânia estava rodeado de sombras, não hesitaram em trabalhar e em lutar com confiança até alcançarem a vitória no dia 28 de Novembro de 1912 – cujo 50º aniversário nós celebramos este ano no clima de festa que o nosso heroico Partido trouxe a este país. Este álbum está dividido em tópicos. Através das ilustrações, nós tentámos revelar os momentos mais importantes do período da renascença nacional. Estes eventos e momentos foram organizados cronologicamente, começando com os primeiros projectos da renascença nacional e terminando com a declaração da independência. O álbum apresenta não apenas os acontecimentos, mas também as principais personalidades da renascença em relação às suas actividades culturais e políticas. O material do álbum foi maioritariamente retirado dos Arquivos Históricos Centrais (Tirana) bem como da Biblioteca Nacional (Tirana), onde o pessoal de serviço nos prestou uma preciosa assistência. Muitos outros amigos e camaradas ajudaram a fazer este álbum oferecendo material fotográfico. A Empresa de Publicações do Estado «Naim Frashëri» agradece-lhes muito.

 

 

 

em língua Alemã

O PTA liderando o

Movimento Mundial

Marxista-Leninista

 

(excerto de: "A História do PTA", Tirana, 1982)

 

 

Novas re-publicações

de documentos históricos do

COMINTERN

1932

 (em língua Inglesa)

RESOLUÇÃO DO 12º PLENÁRIO DO CCE DO

COMINTERN ACERCA DAS LIÇÕES DAS

GREVES ECONÓMICAS E DA LUTA DOS

DESEMPREGADOS


Setembro de 1932

 

RESOLUÇÃO DO 12º PLENÁRIO DO CCE DO

COMINTERN ACERCA DA GUERRA NO ORIENTE

E DAS TAREFAS DOS COMUNISTAS NA LUTA

CONTRA A GUERRA IMPERIALISTA E A

INTERVENÇÃO MILITAR CONTRA A URSS


Setembro de 1932

 

CCEC

MANIFESTO DOS OPERÁRIOS, CAMPONESES E

COMUNISTAS DE ESPANHA


4 de Novembro de1932

 

CCEC

MANIFESTO ACERCA DO 15º ANIVERSÁRIO DA

REVOLUÇÃO RUSSA


4 de Novembro de1932

 

 

 

Novembro de 2012

A REVOLUÇÃO EGÍPCIA

CONTINUA!!

 

 (em língua Inglesa)

Abaixo o próximo ditador! Abaixo Mursi!

 

 

 

Viva o 192º aniversário de

 

Friedrich Engels!

 

 

135 Anos -

 

"Anti-Dühring"

 

(incompleto ...)

 

agora publicado em 14 línguas diferentes !!!

 

 

"Vamos sempre honrar a

memória de Frederick

Engels, o grande combatente

e professor do

proletariado!”

(Lenine - 1895) 

 

Agora publicado em 18 línguas diferentes!!!

 

 

1912 - 2012

28 de Novembro de 1912

 

Viva o 100º Aniversário da

Proclamação da liberdade e

da independência da

Albânia!

 

Site especial também disponível

em Inglês

 

em língua Alemã

 

(três artigos da revista "Albania today" 1982 - 1983) 

 

site em língua Albanesa

 

 

em língua Albanesa

Enver Hoxha - 1962

O povo Albanês celebra hoje dois grandes

acontecimentos

 

escrito no dia 26 de Novembro de 1962

 

50-Anos da declaração de independência


DECISÃO DO COMITÉ CENTRAL DO PTA, DO

PRESIDIUM DA ASSEMBLEIA NACIONAL E DO

CONSELHO DE MINISTROS DA RPSA – 19 de Novembro

de 1962


 

 

Secção Alemanha do Comintern (EH):

Solidariedade com a greve geral dos povos do Sul da Europa!


14 de Novembro de 2012



Hoje, (Segunda-Feira), foram realizados encontros de solidariedade para com a greve geral na Grécia, em Espanha, em Portugal e na Itália em muitas cidades Alemãs. Em Augsburg, nós éramos um pequeno grupo com cerca de 20 pessoas. Tudo foi organizado num período de tempo relativamente curto e de forma espontânea. O PDS tomou parte no encontro (a falsa “esquerda”), o NGG (falso sindicalismo) e o Comintern (EH). Nos discursos – através do megafone – nós condenámos as misérias do capitalismo sob todas as formas, desde a crise económica, a crise financeira global, a crise da dívida, a dívida externa global, os empréstimos do governo, os “resgates” e o FMI até á especulação mundial graças á qual a classe operária mundial e os camponeses são totalmente explorados.


O PDS (revisionistas, falsa esquerda) disse estar “contra o capitalismo” e pela “democracia”. Ele apelou a um imposto sobre os milionários e à sua redistribuição como a cura para todos os males do capitalismo.


É claro que nós sabemos que o PDS é uma falsa “esquerda” – um dos muitos “refúgios ideológicos” do capitalismo na Alemanha. É impossível concretizar estas exigências ilusórias dentro dos limites do sistema capitalista mundial. Eles dizem que os extremos do capitalismo mundial em quaisquer das suas formas (expansão do capital, globalização, reorganização da produção internacional) deveriam ser chamados de “neo-liberalismo” e não como aquilo que realmente são: o imperialismo mundial.


Finalmente, chegou a vez do Comintern (EH) falar ao megafone:

 

"Nós devemos difundir a greve geral do Sul por toda a Europa e por todo o mundo, e mesmo numa nação industrializada e capitalista como a Alemanha é necessária uma greve geral, porque é a Merkel, é o capital mundial e Alemão que estão a sugar o sangue do povo da Grécia, de Portugal, da Espanha e de Itália.”


Por sinal, o líder da NGG em Augsburg consegue pagar viagens de férias á Islândia e penso que ele era ou ainda é membro do RSB Trotskista (“Aliança Socialista Revolucionária”).

 

Se o DGB [Deutscher Gewerkschaftsbund] não realizar manifestações de solidariedade a nível nacional, então ele mostrará a sua horrível face social-imperialista:


O DGB (a organização que “cobre” os Sindicatos Alemães) está do lado do imperialismo!


O DGB é o braço prologando da burguesia Alemã nas fileiras do movimento operário!


Quem divide o movimento operário na Europa?


Nós, comunistas, ou os social-fascistas do DGB?


O DGB é o fura-greves do novo movimento revolucionário da classe operária Europeia! Estes fura-greves reformistas e revisionistas devem ser destruídos pelos trabalhadores Europeus.


Apoiem a
ISV e o RGO!


Trabalhadores da Europa – uni-vos!


Abaixo o domínio do imperialismo na Europa!


Abaixo a aliança tripartida entre o capital, os governos burgueses e os líderes sindicais reformistas e revisionistas!


A revolução socialista é a única forma de sairmos da crise do capitalismo!


Viva a ditadura proletária na Europa!


Viva a República Socialista Unida da Europa!


ABAIXO O IMPERIALISMO ALEMÃO E OS SEUS LACAIOS DO GOVERNO E DO DGB!


 

M L M

Um mero olhar á mensagem do MLM prova que a perfídia dos Maoistas não tem limites:

 

“No dia 1 de Outubro de 1949, a revolução da Nova Democracia triunfou na China. E esta revolução não pretendeu apenas mudar um certo governo ou dinastia, mas o seu propósito era o de abolir todos os governos e dinastias opressoras.” (MLM, ¡Viva la Revolución Proletaria Mundial! China 1949-1976, traducido da língua Espanhola)

 

Assim, os Maoistas continuam a tentar inculcar as suas mentiras social-fascistas nas mentes das massas trabalhadoras no que toca á infame “Nova Democracia” – que não foi mais do que o nome dado pela burguesia nacional Chinesa ao seus domínio de classe opressivo que substituiu a velha ordem feudal. E para provar a veracidade das nossas palavras, vamos recordar aquilo que Mao disse:

 

“A revolução da Nova Democracia só quer eliminar o feudalismo e o capitalismo monopolista, apenas quer eliminar os grandes latifundiários e a burguesia burocrática, e não o capitalismo em geral, não a parte superior da pequena-burguesia nem da média burguesia.” (Mao Zedong, «La situation actuelle et nos tâches», Oeuvres choisies, Pékin, 1967, t. IV, traduzido da língua Francesa)

 

Assim, é o próprio Mao que contradiz as afirmações dos fascistas do MLM. E mesmo quando Mao menciona a “eliminação dos grandes latifundiários e da burguesia burocrática”, ele só se está a referir aos senhores feudais e aos burocratas ligados á antiga burguesia compradore que dominava a China sob a influência do imperialismo estrangeiro antes de 1949. é claro de quem são os interesses de classe por detrás da perversa fraseologia de Mao. Na verdade, Mao apenas defende a supressão das forças que impediam a burguesia nacional Chinesa de conquistar o poder político-económico absoluto e de se estabelecer como classe dominante do país. Perante isto, podemos perguntar como é que os Maoistas podem defender estas mentiras quando sabem perfeitamente que a realidade é oposta aos seus desejos revisionistas. E nós concluímos que os Maoistas têm na realidade uma razão muito importante para continuarem a retratar as posições pró-capitalistas de Mao como sendo “socialistas” e até mesmo “Marxistas-Leninistas-Estalinistas”: convencerem os trabalhadores do mundo acerca destas falsidades, mantendo-os assim longe dos princípios Marxistas-Leninistas- Estalinistas-Hoxhaistas e levando-os a aderirem á ideologia social-fascista de Mao cujo único propósito é o de perpetuar o capitalismo e o imperialismo não apenas na China, mas também no resto do mundo. De facto, de todas as vezes que os Maoistas afirmam hipocritamente que “defendem a revolução socialista mundial”, nós nunca devemos esquecer que o social-imperialismo Chinês actual – que está a á beira da dominação mundial – tem as suas raízes na ideologia reaccionária de Mao que permitiu á burguesia nacional Chinesa impedir os trabalhadores Chineses de concretizarem a revolução socialista e a ditadura proletária, ultrapassar a influencia do imperialismo estrangeiro e realizar o seu próprio domínio monopolista e a sua própria ascensão imperialista. Os Maoistas dizem ridiculamente que: “ (A revolução de 1949) fundou na China uma nova sociedade na qual as massas usufruíam de um nível de bem-estar sem precedentes.” (MLM, ¡Viva la Revolución Proletaria Mundial! China 1949-1976, traduzido da língua Espanhola) Mas nós só temos de relembrar as fomes do Grande Salto em Frente Maoista – um plano destinado a aumentar os lucros da burguesia social-fascista Chinesa ás custas dos trabalhadores Chineses que foram obrigados a labutarem 16-18 horas por dia durante 4 anos para concretizarem uma missão totalmente impossível – ou as condições sub humanas ás quais os proletários Chineses estão sujeitos para concluirmos que, como sempre, os Maoistas estão a mentir. Na realidade, em termos de despotismo explorador, o regime social-burguês e social- imperialista que tem dominado a China desde 1949 não deve nada ao antigo império feudal e aristocrático. Em muitos sentidos, é até mais perigoso e enganador que este último, porque insiste em usar uma “máscara” socialista que engana muitos trabalhadores que ainda não foram capazes de adquirir uma verdadeira consciência comunista e de romper definitivamente com o revisionismo Maoista / Chinês. E o facto de que os Maoistas do MLM tentam apresentar a China imperialista de hoje como sendo “oposta” á China de Mao supostamente “socialista” só contribui ainda mais para este engano. Na verdade, a maioria dos Maoistas (incluindo os Maoistas Colombianos que são os autores da mensagem aqui em questão) fazem tudo o que podem para manter a sua máscara “progressista” e “esquerdista” em frente dos olhos das massas, porque se eles defendessem o actual capitalismo predatório Chinês, eles perderiam toda a credibilidade que os torna tão úteis para a burguesia mundial enquanto elementos social-reaccionários infiltrados nas fileiras do proletariado mundial.


 

 

 

Abaixo a aliança entre os governos burgueses e os sindicatos reformistas/revisionistas!

Relatório da Secção Portuguesa do Comintern (EH)

 

 

"14-N"

14 nov 2012
Greve Geral

14 de Novembro de 2012

Milhões nas ruas contra as

medidas de austeridade da

UE

Solidariedade com a greve geral dos

povos da Europa do Sul!

 

Proletários da Europa – uni-vos!

 

Derrubem a Europa

imperialista!

 

Abaixo a aliança entre os governos burgueses e os

sindicatos reformistas/revisionistas!

A revolução socialista na Europa é a única forma de

sairmos da crise!  

Viva a ditadura do proletariado Europeu!

 Viva a República Socialista Unida da Europa!  

 

VIVA O MOVIMENTO MUNDIAL ESTALINISTA-

HOXHAISTA!  

 


 

Morte aos credores capitalistas financeiros que ensopam o mundo em sangue pelos lucros!

Morte ao imperialismo mundial!

Morte ao imperialismo Europeu!

 

 

 

Lisboa - 14 - 11 - 2012

 

 

 

 

Madrid - 14 - 11 - 2012

 

 

 

 

 

 

 

Génova 14 - 11 - 2012

 

Turim – 14 -11 - 2012

 

Milão – 14 - 11 - 2012

 

Roma – 14 - 11 - 2012

 

Grécia – 14 - 11 - 2012

 

 

 

Bélgica – 14 - 11 - 2012

 

 

 

VIVA A REVOLUÇÃO SOCIALISTA MUNDIAL!

 

 

 

" Merkel Nazi, estás a arruinar Portugal!"

MORTE AO IMPERIALISMO ALEMÃO!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Novas republicações dos documentos históricos do 

COMINTERN

1932

em língua Inglesa 

CARTA DO CEC PARA OS COMITÉS CENTRAIS

DAS SECÇÕES DO COMINTERN ACERCA DA

QUALIDADE DE MEMBROS

19 de Abril de 1932

 

 

TESES

DO PRESÍDIUM DA EUROPA OCIDENTAL

ACERCA DA SITUAÇÃO NO JAPÃO E DAS

TAREFAS DO PARTIDO COMUNISTA JAPONÊS

20 de Maio de 1932

 

 

RESOLUÇÃO

ACERCA DO PRESÍDIUM DO CEC ACERCA DO

TRABALHO NAS FACÇÕES SINDICAIS

12 de Julho de 1932

 

 

TESES

DO 12º PLENÁRIO DO CEC ACERCA DA

SITUAÇÃO INTERNACIONAL E DAS TAREFAS

DAS SECÇÕES DO COMINTERN

Setembro de 1932

 

 

 


em língua Inglesa: 

Há 160 anos atrás:

1852

Revelações Respeitantes ao

Julgamento Comunista em

Colónia 

 

derick Engels

Declaração Final Acerca dos

Últimos Julgamentos de

Colónia

1852

 

 

O Último Julgamento de

Colónia

1852

 

Nas suas Revelações Respeitantes ao Julgamento Comunista em Colónia, Marx expôs os métodos usados pela polícia da Prússia contra o movimento comunista. No dia 27 de Outubro de 1852, Marx escreveu a Engels: “O meu panfleto não pretende defender quaisquer princípios, mas sim denunciar o Governo Prussiano com base num testemunho directo dos factos durante o julgamento.” Marx começou a escrever o panfleto no fim de Outubro de 1852, quando o julgamento dos Comunistas ainda estava em curso em Colónia, e completou-o por volta de Dezembro, apesar das dificuldades materiais e do facto de que ele estava muito ocupado a compilar provas para a defesa de Colónia e para tentar desacreditar a acusação. As suas principais fontes de informação eram os documentos do julgamento – particularmente as minutas oficiais publicadas no jornal Kölnische Zeitung de 5 de Outubro de 1852, as reportagens de outros jornais e o material compilado por ele próprio e pelos seus amigos, incluindo por Engels. No dia 6 de Dezembro, uma cópia do MS foi enviada á publicação de Schabelitz junior, na Suíça e no dia seguinte uma segunda cópia foi distribuída a Adolf Cluss, um membro da Liga Comunista dos EUA, para aí ser publicado. Na sua letra a Claus, Marx escreveu que: “Você vai apreciar o humor implícito no panfleto quando perceber que o seu autor está praticamente internado devido á sua falta de bens essenciais e espera que a sua família sucumba á miséria a qualquer momento. O julgamento também é responsável por isto, porque eu tive de passer cinco semanas trabalhando para o partido contra as maquinações do governo em vez de estar a trabalhar para ganhar o meu sustento.”

 

Revolução e Contra-

Revolução na Alemanha

 

TAMBÉM DISPONÍVEL

em língua Alemã

 

em língua Francesa

em língua Portuguesa

 

 

 

 

Viva o 71º aniversário do Partido do Trabalho da Albânia!




Hoje, nós celebramos o 71º aniversário da fundação do glorioso Partido Comunista da Albânia (mais tarde, Partido do Trabalho da Albânia)!


O legado do PTA é imortal e invencível. Nascido no contexto da luta de resistência da classe trabalhadora Albanesa contra a ocupação Nazi-fascista, o PTA foi o único partido a permanecer fiel aos princípios do Marxismo-Leninismo e a continuar a construção socialista após a morte do nosso amado camarada Estaline.


Contra a vontade dos imperialistas, dos social-imperialistas e dos revisionistas, o PTA teve de ultrapassar muitos obstáculos sérios para estabelecer uma ditadura proletária eficiente na Albânia que fosse apta a proteger as conquistas dos trabalhadores Albaneses das maquinações perversas dos plutocratas mundiais. E enquanto o camarada Enver foi vivo, a Albânia socialista e o PTA foram indestrutíveis.


O dia do aniversário da fundação do PTA coincide com o das Secções do Comintern (EH). E isto faz todo o sentido. Juntamente com o PCUS (B) de Lenine e de Estaline, o PTA é o modelo pelo qual todas as Secções do Comintern (EH) devem guiar-se.




Viva o Partido do Trabalho da Albânia liderado pelo camarada Enver Hoxha!


Viva a Albânia socialista!


Viva a ditadura proletária armada!


Viva a revolução socialista mundial violenta!


Morte ao sistema capitalista-imperialista-revisionista mundial!



 

As Secções do Comintern (EH) celebram um ano de vida

- um passo decisivo para a preparação da revolução socialista mundial!

 

 

 

 

 

Viva o 95º aniversário da Grande Revolução de Outubro! 

Mensagem de solidariedade para o Comintern (EH)

vinda da Rússia 

A Revolução é a Única Arma que consegue Derrotar

a Estratégia dos Inimigos do Proletariado e dos Povos

Todos os inimigos, os imperialistas; os social-imperialistas e os vários revisionistas – juntos ou separadamente – lutam para enganar as pessoas progressistas, para desacreditarem o Marxismo-Leninismo, e especialmente para distorcerem a teoria Leninista acerca da revolução, para suprimir a revolução e qualquer tipo de resistência popular e/ ou de luta de libertação nacional.

Enver Hoxha

Nós damo-vos os parabéns por ocasião do 95º aniversário da Grande Revolução Socialista de Outubro! O significado desta revolução é enorme! Esta revolução mostrou aos povos de todo o mundo o caminho para a libertação! Esta revolução foi um triunfo das ideias do Marxismo-leninismo! Nós erguemos bem alto a bandeira de Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha em defesa de novas concretizações e de novas vitórias da revolução proletária mundial!


com saudações comunistas,

www.enverhoxha.ru

 



em língua Inglesa 

novo livro publicado pelo Comintern (EH)

por ocasião do

95º aniversário do Outubro Vermelho

V. I. LENIN

J. V. STALIN

ACERCA DO CARÁCTER DA NOSSA ÉPOCA

[Editora "8 NENTO

 

 

1917 - 2012

95º aniversário

 

Viva o 95º aniversário da Grande Revolução Socialista de Outubro!



 



Hoje, nós celebramos o 95º aniversário da Grande Revolução Socialista de Outubro que conduziu á fundação do primeiro estado socialista que existiu: a gloriosa União Soviética de Lenine e de Estaline. A Grande Revolução Socialista de Outubro foi o culminar de uma longa série de lutas implacáveis que os proletários travaram contra a tirania burguesa e imperialista e ela deu um novo alento ás massas trabalhadoras que têm no comunismo o seu propósito mais elevado. A Grande Revolução Socialista de Outubro permitiu o início da construção socialista, a aniquilação violenta da opressão capitalista e o estabelecimento da ditadura proletária armada sobre 1/5 da terra habitada. Ela constituiu um enorme passo em frente em direcção á concretização da sociedade sem classes e sem estado.


Os ideólogos burgueses tentam enganar os trabalhadores afirmando que “a Revolução de Outubro falhou porque a União Soviética Bolchevique já não existe”, mas isto não passa de uma mentira cujo objectivo é manter os trabalhadores afastados da ideologia socialista de forma a perpetuar e a maximizar os lucros dos capitalistas. É verdade que a União Soviética Bolchevique foi destruída pelos revisionistas – com a ajuda e sob a direcção do imperialismo mundial – e já não existe. Mas apesar disto, a Grande Revolução Socialista de Outubro acaba sempre por triunfar porque uma revolução verdadeiramente comunista como ela nunca pode ser derrotada. E isto porque a Grande Revolução Socialista de Outubro estabeleceu um exemplo que não pode ser removido das mentes e dos corações dos trabalhadores, um exemplo que determina a luta do proletariado mundial contra todos os tipos de opressão até á concretização definitiva do comunismo mundial. É por isso que a Grande Revolução Socialista de Outubro continua a ser totalmente válida e vitoriosa – apesar de incompleta.


De facto, a vitória da Grande Revolução Socialista de Outubro marcou o início de algo muito maior: a vitória da Revolução Socialista Mundial. Portanto, a Grande Revolução Socialista de Outubro está inacabada e ela vai permanecer inacabada até ao momento em que o proletariado mundial conquiste o poder á escala global. Assim, nós apelamos a todos os explorados de todo o mundo para seguirem a única ideologia genuinamente revolucionária – o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo – e a única organização genuinamente revolucionária – o Comintern (EH) – com o objectivo de completarmos a herança inestimável da Grande Revolução Socialista de Outubro através do triunfo da Revolução Socialista Mundial que vai eliminar para sempre o totalitarismo capitalista-imperialista-revisionista.

 


A Grande Revolução Socialista de Outubro é invencível!


O seu exemplo heróico vai guiar os trabalhadores para o Socialismo e para o Comunismo!


Viva a Grande Revolução Socialista de Outubro!


Viva a ditadura proletária mundial!


Viva a Revolução Socialista Mundial!


Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!


Viva o Comintern (EH)!


 

 

 

em língua Alemã

Denunciando as teorias revisionistas acerca da lei económica do socialismo

 

As teorias revisionistas do capitalismo restaurado

 

 

 

em língua Alemã

ENVER HOXHA 

KHRUSHCHEV

AJOELHA-SE DIANTE DE

TITO

13 de Setembro de 1963

 

16 out 2012
Página especial do Comintern (EH)

Viva o 104º aniversário do camarada Enver Hoxha!


Saudamos todos os camaradas e amigos por ocasião do 104º aniversário do camarada Enver

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teoria e táctica da

    revolução socialista mundial

em África

“Plataforma de África”

     

    do Comintern (EH)

    10 de outubro de 2012

     

     

     

     

     

 

 

 

em língua Espanhola

 

ESTATUTOS DA INTERNACIONAL COMUNISTA

Aprovados no II Congresso (1920)

 

 

 

PROGRAMA DA INTERNACIONAL COMUNISTA

VI Congresso da III Internacional

1928

 

 

Internacional dos Jovens Comunistas

 

 

 

 

 


TESES

ACERCA DO MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO NOS

PAÍSES COLONIAIS E SEMI-COLONIAIS


ADOPTADAS PELO SEXTO CONGRESSO DO COMINTERN

Setembro de 1928

 

 

 

 

 

Lisboa, 29 de Setembro de 2012 durante a tarde

Relatório da Secção Portuguesa do Comintern (EH)


 

 

 


 


A manifestação em que a Secção Portuguesa do Comintern (EH) participou surgiu no seguimento do recente anúncio feito pelo governo burguês-capitalista Português na qual foram anunciadas mais medidas de austeridade. Este episódio inclui-se no bárbaro ataque que o capital financeiro mundial está a lançar contra os povos do mundo, em geral, e contra os povos Europeus, em particular. A fim de maximizar os lucros, os credores plutocráticos não param diante de nada e fazem o que for necessário para assegurar os seus interesses endinheirados. Na realidade, apesar da aplicação do "programa de austeridade", a verdade é que a dívida Portuguesa está a aumentar cada vez mais – em concordância com os interesses dos credores financeiros como o banco Goldman Sachs, o Citigroup, etc. ... Na verdade, todos os países em que o FMI (o representante dos credores) pôs os pés estão a ficar cada vez mais miseráveis e desesperados. Através das suas taxas de juros escandalosamente especulativas, os credores plutocráticos estão a levar o mundo em geral e a Europa em particular á falência. E ao contrário do que aconteceu até muito recentemente, este já não é um fenómeno exclusivo do sul da Europa. Hoje, os efeitos da gula insaciável do capital financeiro podem ser sentidos em países como a Inglaterra, a Alemanha ou a Suécia.


Mas vamos voltar á nossa manifestação. Quando chegámos á avenida onde a manifestação iria começar, nós vimos imediatamente que os revisionistas do Partido "Comunista" Português já estavam lá com os seus odiosos slogans e propaganda. Tal como sucedeu noutras ocasiões, ficámos chocados com o grande número de revisionistas Portugueses presentes na manifestação. Na verdade, a manifestação foi convocada e organizada por eles. E as estatísticas oficiais mostram que o número de simpatizantes do P "C" P tem aumentado exponencialmente desde que o FMI e os imperialistas Europeus intervieram em Portugal. Ao enganarem as classes trabalhadoras com o seu falso discurso "socialista", os revisionistas do P "C" P começam a sonhar com um Portugal social-fascista. Afinal, o P "C" P é um partido revisionista de tipo pró-Khrushchevista que apoia todos os estados social-fascistas e social-imperialistas. A visão das centenas de revisionistas Portugueses na manifestação foi aterrorizante. A definição de "social-fascista" não podia assentar melhor aos revisionistas Portugueses. Ao vê-los marcharem pela avenida, não pudemos deixar de indagar o que acontecerá se eles tomarem o poder. Em que estados social-fascistas se vão eles inspirar a fim de estabelecerem uma ditadura burguesa-revisionista em Portugal? Talvez na Coreia do Norte monarco-fascista, para onde os líderes do P "C" P ainda viajam com frequência. Ou na Cuba nepotista, que é descrita por eles como sendo uma espécie de paraíso na terra. Ou até mesmo na terrível União Soviética social-imperialista, que os revisionistas Portugueses tanto admiravam durante a sua existência. E isto para não mencionar muitos outros estados social-fascistas (República Democrática Alemã, a Jugoslávia de Tito, a Roménia de Ceausescu, etc. ...) que ainda fazem sonhar os líderes social-burgueses do P "C" P.


Apesar das suas horrendas inclinações social-fascistas, os revisionistas Portugueses conseguem seduzir traiçoeiramente muitas pessoas que estão desiludidas com o capitalismo, na sua maioria entre os desempregados que vivem na indigência (e que tiveram uma forte presença na manifestação...). Estas pessoas podem ter intenções honestas, mas estão mal informados acerca do verdadeiro carácter social-fascista do P "C" P. Longe de ser uma ameaça para o sistema capitalista burguês, os revisionistas Portugueses só querem estabelecer uma ditadura da burguesia revisionista sob falsas máscaras "socialistas" e "progressistas" a fim de perpetuarem a exploração capitalista e a escravidão assalariada.


Outro aspecto observado por nós foi a ausência dos Maoistas Portugueses e dos membros do "movimento 15 de Outubro" na manifestação. Na verdade, pensamos que este movimento está prestes a extinguir-se e não admira que isso aconteça. As manobras de diversão burguesas-capitalistas como o "movimento 15 de Outubro" nunca duram muito se não forem capazes de enganar as massas trabalhadoras obtendo o seu apoio. Quando isto não sucede, as classes dominantes deixam de as considerar úteis como instrumentos de penetração nas fileiras proletárias. Já no que respeita aos Maoistas, a sua recusa em participar numa manifestação organizada pelo P "C" P faz parte da sua falsa máscara "anti-revisionista" cujo objectivo é esconder o facto de que eles são tão revisionistas, tão pró-capitalistas, tão social-fascistas, tão social-imperialistas e tão anti-comunistas como o P "C" P.


Naturalmente, havia também alguns grupos que não pareciam estar afiliados com os revisionistas Portugueses. Nós juntámo-nos a eles e gritámos algumas palavras de ordem: "Morte à U.E imperialista!" e “Fora com o FMI!".

Curiosamente – e ao contrário do que aconteceu noutras manifestações nas quais participámos – não houve grandes problemas com a polícia desta vez. É claro que a polícia pró-capitalista estava presente, mas ela evitou intervir. Pareceu-nos que as "forças de segurança" ao serviço do sistema de exploração estavam combinadas com os revisionistas Portugueses. Em manifestações anteriores não tão intensamente controladas pelo P "C" P, a polícia não se cansava de provocar os manifestantes e de lhes bater, perturbando assim o curso da manifestação. Mas neste caso – nesta manifestação totalmente manobrada e engendrada pelos revisionistas Portugueses – a polícia parecia determinada a garantir que tudo estava relativamente calmo e em concordância com os desejos dos revisionistas.


Inevitavelmente, também ouvimos o discurso do secretário-geral da CGTP – o maior sindicato revisionista de Portugal e que está (como não?) sob a influência do P "C" P (a maioria dos líderes da CGTP são também membros do Comité Central do P "C" P). Sem surpresa, o discurso estava repleto de conversa fiada oportunista cujo objectivo é manter o proletariado Português afastado da única ideologia autenticamente revolucionária: o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo. Entre todas as ideias reformistas que foram apresentadas no discurso, houve duas que foram repetidas até á exaustão: "Temos de demitir este governo!" (como se uma mera mudança de regime dentro dos limites do sistema capitalista pudesse resolver o que quer que seja...) e "Precisamos de impor mais impostos sobre os capitalistas." Este segundo slogan é tão repugnantemente reformista, burguês, pró-capitalista e anti-socialista que ele até dispensa os nossos comentários. Vamos apenas dizer que o propósito deste slogan é o de eternizar a dominação capitalista e o de maximizar os seus lucros ao ocultar o carácter de classe do Estado capitalista, impedindo os trabalhadores de adquirirem uma consciência genuinamente comunista e de eliminarem todos os tipos de exploração e de opressão através da ditadura do proletariado e da revolução socialista.


Com este breve relatório, nós pretendemos denunciar o carácter perverso e social-capitalista das manifestações lideradas pelos revisionistas em geral, e pelos revisionistas Portugueses em particular. Pedimos a todos os proletários conscientes para se juntarem a nós, Estalinistas-Hoxhaistas, na nossa luta implacável contra todos os tipos de oportunismos, não só em Portugal, mas em todo o mundo, em defesa de um combate autenticamente anti-capitalista e comunista contra a plutocracia do imperialismo mundial e contra os seus lacaios mais fiéis: os revisionistas.


Trabalhadores Portugueses – uni-vos!

Morte aos credores capitalistas financeiros que ensopam o mundo em sangue pelos lucros!

Morte ao imperialismo mundial!

Morte ao imperialismo Europeu!

Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

Viva a ditadura do proletariado mundial!

Viva a revolução socialista mundial!


 

 

 

 

 

Povos da Europa – revoltem-se!

Milhões saíram ás ruas!

Abaixo o capitalismo na Europa!

Viva a Europa socialista num mundo socialista!

Viva a revolução socialista mundial!

 

Protestos anti-austeridade nos seguintes países

 

Espanha: 

 

 

 

 

 

 

Portugal

 

 

 

 

Grécia

 

 

 

Itália

 

 

Alemanha

 

 

 

 

França

 

Bélgica

 

Irlanda

 

Inglaterra

 

 

Suécia

 

Polónia

 

República Checa

 

Ucrânia

 

Roménia

 

Macedónia

 

Albânia

 

 

 

Bulgária

 

Geórgia

 

 

Rússia

 

 

 

 

 

 

órgão teórico

 

15. 1. 2004

Neo-revisionismo ou Leninismo?

 

 

Setembro de 1977

Bashkimi i Rinisë së Punës së Shqipërisë
[ A União da Juventude Trabalhadora da Albânia ]

Há 35 Anos atrás...

 

O 7º Congresso da UJTA

 

ENVER HOXHA

A juventude dá motivação e força á pátria e sangue novo ao partido

em língua Alemã

Discurso pronunciado durante a sessão do Comité Central do PTA no dia 17 de Junho de 1977 – relativamente ao relatório do CC da UJTA para a educação da juventude e ás teses do relatório do 7º Congresso da UJTA

 

 

 

 

 

ENVER HOXHA

Mensagem de saudações e discurso pronunciado no 7º Congresso da União da Juventude Trabalhadora da Albânia

26 de Setembro de 1977

 

 

em língua Alemã

 

7º Congresso da UJTA

- Setembro de 1977

Relatório do 1º Secretário do CC da UJTA – por Lumturi Rexha

 

 

em língua Alemã

 

Mensagem ao CC do PTA

Por ocasião do 7º Congresso da UJTA

enviado pela “Jovem geração da Albânia”

Elbasan – 28 de Setembro de 1977

 

 

 

A União da Juventude Trabalhadora da Albânia (em Albanês: Bashkimi i Rinisë së Punës së Shqipërisë) era a organização de juventude do Partido do Trabalho da Albânia. Fundada no dia 23 de Novembro de 1941 como Juventude Comunista, ela foi “uma imensa força revolucionária de energia inesgotável” e uma “forte reserva de luta do partido”, ela foi uma organização essencial para a socialização política da Albânia socialista. Ela era afiliada á Frente Democrática.


 

 

 

em língua Inglesa e Alemã

 

TESES

ACERCA DO MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO NOS PAÍSES COLONIAIS E SEMI-COLONIAIS

ADOPTADO PELO SEXTO

CONGRESSO DO COMINTERN

 

Setembro de 1928

 

 

 

 

THESEN

ZUR REVOLUTIONÄREN BEWEGUNG IN DEN

KOLONIALEN UND HALB-KOLONIALEN LÄNDERN

 

VI. KONGRESS

Setembro de 1928

[traduzido da versão Inglesa por Wolfgang Eggers]

 

 

 

 

2003

AGORA DISPONÍVEL

EM LÍNGUA PORTUGUESA

 

Manifesto

do

Partido Bolchevique Mundial

 

 

 

 

1977

«ÁLBUM DE FOTOS – ALBÂNIA ».

("ÁLBUM - Albânia". Edições Norman Bethune Institute, Toronto, Canadá, 1977; em língua Inglesa)

- uma grande álbum em Inglês com mais de 150 fotografias, reproduções e explicações acerca vários aspectos da vida política e social da República Popular e Socialista da Albânia, as suas concretizações e sucessos em todos os campos da construção socialista.

Vida e Obra do Camarada Enver Hoxha • 7º Congresso do Partido do Trabalho da Albânia • Celebrações do Primeiro de Maio em Tirana • Elections de 3 de Abril para os Órgãos do Poder Local • O Povo Albanês dá as boas-vindas ao 7º Congresso e ao 35º Aniversário do Partido prevendo Grandes Vitórias em todas as Frentes • Posters Representado as Vitórias Heróicas do Corajoso Povo Albanês e da sua República Socialista • Cartoons Ridicularizando as Acções Nefastas das Duas Superpotências •

publicado graças ao site: www.enverhoxha.ru

 

 

 

 

 

 

 

Início do nosso site:

 

"Africa"

 

com a

Declaração do Comintern (EH)

"Acerca do Congo"

Setembro de 2012

 

 

 

 

 

 

A NOSSA BÚSSOLA INFALÍVEL PARA A REVOLUÇÃO SOCIALISTA MUNDIAL !

 

Há 35 anos atrás...

 

 

o Camarada Enver Hoxha escreveu:

A teoria e a prática da Revolução (1977)

 (em língua Inglesa)


 

em língua Espanhola:

LA TEORIA y LA PRÁCTICA DE LA REVOLUCIÓN

 




em língua Alemã:

"Theorie und Praxis der Revolution"

 

 

 

Nesta ocasião, nós também publicamos – pela primeira vez – um comentário do jornal "Zeri i popullit"

datado de 7 de Julho de 1977

em língua Alemã:

" A teoria e a prática da Revolução"

 

 

 

 

 

 

 

 

em língua Alemã:

1979

A teoria e a prática contrarrevolucionárias da teoria dos “Três Mundos"

 

Declaração política do Comité Central do

Partido Comunista Peruano / Marxistas-Leninistas

(retirado de: "Albania today" - No. 1, 1979)

 

 

 

 

 

em língua Alemã

A nacionalização sob o capitalismo serve o aumento da exploração e da opressão do proletariado e dos outros trabalhadores

"Puna" Órgão do Concílio Central dos Sindicatos da Albânia

(retirado de: "Albania today" No. 1 - 1979)

 

 

 

 

 

 

em língua Albanesa, Russa e Francesa

1953

publicado pelo Comité Albanês das Relações Culturais com os Países Estrangeiros,

VEB – central Alemã Verlag Berlin, editado em 1953)

- Um grande álbum com imagens e textos em Albanês, em Russo e em Francês.

 Este livro relata a história da regeneração da arte e da cultura Albanesa nos primeiros anos após a libertação do país. Ao longo da sua história e das suas ricas tradições, o povo Albanês sofreu nas mãos dos invasores estrangeiros durante séculos.

Com a Revolução Popular e o estabelecimento do governo democrático sob a liderança do Partido do Trabalho da Albânia e com o apoio da União Soviética, as condições para o verdadeiro desenvolvimento do país estavam reunidas, incluindo para o desenvolvimento da sua vida cultural.

O espírito da amizade indestrutível com o primeiro país socialista do mundo, bem como a gratidão pela ajuda internacionalista vinda da União Soviética e pelo apoio do Partido Bolchevique de Lenine e de Estaline está explícito em cada uma das páginas desta publicação.

 

Agradecemos esta publicação ao site: www.enverhoxha.ru

 


 

 

 

 

"CASA E MUSEU DO PARTIDO."


Editora "8 NËNTORI», TIRANA, 1981;  Inglês)  – fotografias da casa histórica onde o Partido Comunista da Albânia (desde 1948 – Partido do Trabalho da Albânia) foi fundado na clandestinidade durante os dias cinzentos da ocupação fascista Italiana em Novembro de 1941.

“…A casa, que foi fundada pelo Partido Comunista da Albânia, é já um extraordinário monumento do país, conhecido tanto dos Albaneses mais jovens como mais velhos, bem como por milhares de amigos, colegas e convidados estrangeiros,” – escreveu o camarada Enver Hoxha acerca deste lugar nas suas memórias intituladas “Quando nasceu o partido”"Selected Works", Volume VI, editora "NENTORI 8", Tirana, 1988, edição Russa, p 260 ).  Casa, / Minha querida casa! Tu foste o primeiro quartel general do Comité Central do Partido, / E do Conselho de Ministros, / No qual se incluíram todos os ministérios - / Desde a defesa até á indústria / o barulho das balas chegou até aqui, / E também o odor do pão queimado…"Hand in hand with the people," edição virtual do site www.enverhoxha.ru, 2012., a tradução dos versos a partir da edição Albanesa esteve a cargo de Sardushkin VM ).

agradecemos aos nossos camaradas Russos

do site www.enverhoxha.ru

 

 

 

 

 

 

Novas publicações de

documentos históricos do

Comintern

(1921 - 1922)

(em língua Inglesa)  

 

CEIC

CIRCULAR DIRIGIDA A TODAS AS SECÇÕES RELATIVAMENTE ÁS RESERVAS E MELHORAMENTO DO MATERIAL

15 de Dezembro de 1921

 

 

 

DIRECTIVAS

DA FRENTE UNIDA

DOS TRABALHADORES E ACERCA DA ATITUDE DOS OPERÁRIOS PERTENCENTES Á SEGUNDA, SEGUNDE E MEIA E Á INTERNACIONAL DE AMESTERDÃO E DAQUELES QUE APOIAM AS ORGANIZAÇÕES ANARCO-SINDICALISTAS

ADOPTADO PELO CEIC

18 de Dezembro de 1921

 

 

CEIC-ISV

MANIFESTO

DA FRENTE UNIDA

1 de Janeiro de 1922

 

RESOLUÇÃO

ACERCA DAS TAREFAS DOS COMUNISTAS NOS SINDICATOS

CEIC

Fevereiro de 1922

 

MENSAGEM

DO CEIC ALARGADO

POR OCASIÃO DO QUARTO ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DO EXÉRCITO VERMELHO

22 de Fevereiro de 1922

 

CEIC

RESOLUÇÃO

ACERCA DO PARTIDO COMUNISTA FRANCÊS

2 de Março de 1922

 

CEIC

RESOLUÇÃO ACERCA DA QUESTÃO ORIENTAL

4 de Março de 1922



CEIC

RESOLUÇÃO ACERCA DA QUESTÃO INGLESA

4 de Março de 1922

 

CEIC

TESES

ACERCA DA LUTA CONTRA O PERIGO DE GUERRA

Março de 1922

 

 

CEIC

DECLARAÇÃO ACERCA DO ENCONTRO DOS REPRESENTANTES DA SEGUNDA, SEGUNDA E MEIA E TERCEIRA INTERNACIONAIS

2 de Abril de 1922

 

DECLARAÇÃO DA CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS EXECUTIVOS DA SEGUNDA E TERCEIRA INTERNACIONAIS E DA UNIÃO DE VIENA

4 de Abril de 1922

 

DECLARAÇÃO DA DELEGAÇÃO DO COMINTERN ACERCA DO MANIFESTO PUBLICADO PELA CONFERÊNCIA DAS TRÊS INTERNACIONAIS

5 de Abril de 1922

 

CEIC

DECLARAÇÃO ACERCA DOS RESULTADOS DA CONFERÊNCIA DE BERLIM

Abril de 1922

 

 

CEIC

DECLARAÇÃO ACERCA DA CONFERÊNCIA DE GÉNOVA

19 de Maio de 1922

 

 

CEIC

DECLARAÇÃO ACERCA DO ENCONTRO DO COMITÉ DOS NOVE

24 de Maio de 1922

 

 

 

 

 

 

Documento importante do Comintern (EH)

ESTÁ AGORA DISPONÍVEL EM LÍNGUA INGLESA

[edição melhorada a partir da versão Alemã original]

 

2003

Manifesto

do Partido Bolchevique Mundial

 

 

 

 

 

 

 

 

O grande álbum fotográfico dos

"Clássicos do Marxismo-Leninismo"

em língua Albanesa.

«KLASIKËT E MARKSIZËM-LENINIZMIT».

("Marxismo-Leninismo." Editora "8 NËNTORI», TIRANA, 1986)

Este é um extenso álbum fotográfico dedicado aos fundadores, aos teóricos e aos praticantes do comunismo científico, os geniais líderes do proletariado mundial, K. Marx, F. Engels, V. I. Lenine e J. V. Estaline.
Este livro fornece ao leitor uma oportunidade para tomar contacto com a luta heróica do Partido do Trabalho da Albânia e do seu filho mais leal e mais extraordinário – o Camarada Enver Hoxha, que dedicou a sua vida á defesa da autêntica doutrina proletária e revolucionária. A sua luta tenaz traduz-se na implementação criativa do Marxismo-Leninismo e do seu desenvolvimento. Enver Hoxha é o Quinto Clássico do Marxismo-Leninismo a par com os seus mestres: Marx, Engels, Lenine e Estaline.

publicado graças ao site www.enverhoxha.ru

 

 

 

ÁFRICA DO SUL:

O Comintern (EH) apresenta o seu relatório acerca dos mineiros grevistas de Marikana.

Não é a classe operária que é violenta, mas sim o capitalismo!

 

As greves “selvagens” não são crime!

Mas abater trabalhadores grevistas é o maior dos crimes!

 

 

 

[ver o vídeo ]

 

 

 

 

45 mineiros em greve foram assassinados pelo estado capitalista para que os lucros dos donos das companhias de mineração fossem preservados!

 

 

Os mineiros escavaram o mesmo chão sobre o qual vieram a morrer.


 

 

 

Joseph Mathunjwa, presidente da Associação Militante dos Mineiros e da União da Construção (AMMUC) disse que:

"Nós não vamos a lado nenhum. Se for preciso, nós estamos preparados para morrer.”

 

 

 

 

Viva a revolução socialista mundial!

 

 

 

 

Mineiros de todo o mundo – uni-vos!

Mineiros – unam todos os países!

 

 

 

 

 

 

 

em língua Portuguesa

ESTALINE - 1923

A questão da estratégia e da táctica dos Comunistas Russos

14 de Março de 1923

 

 

V. I. Lenine

As tarefas das Uniões da Juventude

2 de Outubro de 1920

 

 

 Enver Hoxha - 1968

Uma Juventude Revolucionária

28 de Junho de 1968

 

 

 

O movimento revolucionário actual e o Trotskismo

Comité Central do Partido do Trabalho da Albânia

7 de Agosto de 1972

 

 

 

 

Apelo a todos os proletários

Bureau de Edições da Internacional Comunista

1937

 

 

 


em língua Albanesa

1966

"O Kosovo é Albanês e aquilo que é Albanês permanecerá sendo Albanês"

19 de Setembro de 1966

 

 

em língua Albanesa

Enver Hoxha:

25 Anos

CONGRESSO DE PERMETI

24 de Maio de 1969

 

 

 

em língua Finlandesa

Lenine

O Terceiro Congresso da Internacional Comunista

22 de Junho – 12 de Julho de 1921 - Moscovo

 

 

 

em língua Finlandesa

 

O Marxismo e a Questão Nacional

1913

(1)

(2)

(3)

 

 

em língua Finlandesa

Stalin - 1929

 

A Questão Nacional e o Leninismo

(18 de Março de 1929)

 

 


em língua Alemã

O 17º Congresso do

PCUS (B) e a ascensão do Socialismo

 

Retirado de: "Sob a bandeira do Marxismo”

Oitavo Ano 1934 – 1º número / Março – Abril

 

 

 

 

em língua Inglesa

publicações de

documentos históricos do

Comintern

Janeiro – 1923

 

 

APELO

DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA E DA ISV PARA TODOS OS TRABALHADORES ACERCA DA FRENTE UNIDA

6 de Janeiro de 1923

 

 

 

 

CARTA

DO COMINTERN AO PARTIDO OPERÁRIO AMERICANO

11 de Janeiro de 1923

 

 

 

COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN RESOLUÇÃO

ACERCA DAS RELAÇÕES ENTRE O PARTIDO COMUNISTA CHINÊS E O KUOMINTANG

12 de Janeiro de 1923

 

 

 

 

  

APELO

DO COMINTERN E DOS EXECUTIVOS DO PROFINTERN

TA TODOS OS OPERÁRIOS, CAMPONESES E SOLDADOS ACERCA DA ENTRADA DAS TROPAS FRANCESAS NO RUHR

15 de Janeiro de 1923

 

 

 

 

  

CARTA

DO PRESIDIUM DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN E DO BUREAU DA ISV Á IFTU E Á SEGUNDA INTERNACIONAL ACERCA DA PROPOSTA DE MEDIDAS CONJUNTAS DE APOIO AO PROLETARIADO ITALIANO

15 de Janeiro de 1923

 

 

 

 

  

CARTA ABERTA DO COMINTERN E DO PROFINTERN Á SEGUNDA INTERNACIONAL, Á INTERNACIONAL DE VIENA E Á FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DOS SINDICATOS ACERCA DA OCUPAÇÃO DO RUHR


16 de Janeiro de 1923 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alberto en Sucre, Bolivia

- faleceu -

 

O Comintern (EH) envia a seguinte carta de condolências á família:

Família Santa María!

Partilhamos do vosso sofrimento. O camarada Alberto de Sucre vive nos nossos corações. Tal como vocês, também nós estamos de luto. Os maravilhosos poemas de Alberto estão publicados no nosso site:

http://ciml.250x.com/archive/hoxha/onhoxha.html.

 

9 de Agosto de 2012

Comintern (EH)
Wolfgang Eggers

 

Poemas de Alberto en Sucre, Bolivia em língua Espanhola

 

ENVER HOXHA ES MEMORIA

FORTALEZA INEXPUGNABLE
TEMOR DE LOS OLIGARCAS
A VACIAR SUS ARCAS
DEJANDO QUE EL PUEBLO HABLE.

LA LUCHA ES UN SABLE,
CONDUCE A LA VICTORIA
Y DESDE LA GLORIA
EDIFICA VOLUNTADES

DESTREZA DE LAS VERDADES
ENVER HOXHA ES MEMORIA.

VAHEMA

O1 DE JULHO DE 2O11

SUCRE BOLIVIA

ENVER EN ESA MAÑANA
Con la euforia militante
llegue a la bella Tirana,
Enver en esa mañana
con un discurso vibrante
nos condujo hacia adelante.
Ilumino el camino
señalo nuestro destino,
estremecio la historia
y hoy desde la gloria
señala al asesino.
vahema
24 de Julho de 2008

DONDE ENVER CAMINO
Albania te vio nacer
entre luchas y tormentos,
fueron esos momentos
que nació el poder.
Socialismo tenia que ser
sin nefasto revisionismo,
partido curtido de marxismo
que al mundo iluminó,
donde Enver caminó
en invencible leninismo.

VAHEMA
SUCRE 29 DE JUNHO DE 2008
v a h e m a

ENVER PUÑO DE ACERO

Enver puño de acero
implacable combatiente,
luchaste diente por diente
con el nefasto extranjero.
tu fuiste primero
contra el revisionismo
defendiste el marxismo
crecio tu poderoso saber
luchador supiste mantener
la construccion del socialismo.

VAHEMA
29 DE JUNHO DE 2011
SUCRE BOLIVIA

 

 

 

 

 

 

 

em língua Alemã

Terceiro Congresso da IJC - 1922

 

História da Internacional dos Jovens Comunistas

(IJC)

publicado pelo ECYCI

1927

(publicações da Internacional dos Jovens Comunistas / Viena)

 

 

 

 

em língua Inglesa

Enver Hoxha

O “TESTAMENTO” DE TOGLIATTI, A CRISE DO REVISIONISO MODERNO E A LUTA DOS MARXISTAS-LENINISTAS

(Artigo publicado no jornal «Zëri i popullit») (13 de Novembro de 1964)

 

 

 

 

em língua Inglesa

Enver Hoxha

CARTA

DIRIGIDA AOS COMITÉS CENTRAIS DOS PARTIDOS COMUNISTAS E OPERÁRIOS DOS PAÍSES MEMBROS DO TRATADO DE VARSÓVIA

6 de Setembro de 1961

 

 

 

 

em língua Inglesa

Volume III

(Junho de 1960 – Outubro de 1965)

 

ENVER HOXHA

1 -- 2 -- 3 -- 4 -- 5 -- 6

 

OBRAS ESCOLHIDAS

As “Obras Escolhidas” do Camarada Enver Hoxha incluem os seus escritos teóricos mais importantes, bem como os seus discursos, artigos, memórias, conversas e outros documentos relativos a diversos assuntos, ás políticas internas e externas da Albânia Socialista e do Partido do Trabalhado da Albânia – como parte do movimento mundial Marxista-Leninista. Estes materiais tornaram-se numa contribuição inestimável para os clássicos imortais do tesouro Marxista-Leninista.

Obras publicadas graças ao site www.enverhoxha.ru 

 

 

 

Documentos do Comintern em língua Alemã

Segundo Congresso:

TESES

ACERCA DO MOVIMENTO SINDICAL, DOS CONCÍLIOS DAS INDÚSTRIAS E DA INTERNACIONAL COMUNISTA

Julho de 1920

 

 

Teses acerca das condições para a criação dos Sovietes

5 de Agosto de 1920

 

 

 

 

V. I. Lenine

Discurso acerca do papel do Partido Comunista

pronunciado durante o Segundo Congresso da Internacional Comunista

23 de Julho de 1920

 

 

Estatutos

da Internacional Comunista

2º Congresso do Comintern

4 de Agosto de 1920

 

 

SÍNTESE

do 6º Congresso do Comintern - 1928

 

 

 

 

em língua Alemã

Questões fundamentais acerca da teoria Marxista do dinheiro

 

em língua Russa

jornal
"Internacional Comunista" № 1-25 de 1919 - 1923

ÍNDICE




APELO DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA


Por ocasião do 22º aniversário da Grande Revolução Socialista

Setembro de 1939

 

 

em língua Alemã

História da classe operária Alemã:

"Os Trabalhadores contra Hitler"

1983 – escrito por Wolfgang Eggers

 

 

 

 

 

A SECÇÃO ALEMÃ DO COMINTERN (EH) EM ACÇÃO

em língua Alemã

     

    Agosto de 2012 - Augsburg 

Acções anti-fascistas á escala nacional contra a "Deutschlandtour"dos Nazis!


 

 

publicações dos

documentos históricos do Comintern

em língua Inglesa

 

Outubro de 1921 – 1922

 

CARTA DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN E DO COMITÉ EXECUTIVO DA ISV AOS TRABALHADORES DA GRÃ-BRETANHA

1 de Outubro de 1921

[extractos]

 

 

 

APELO

DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN, DO COMITÉ EXECUTIVO DA ISV E DA IJC ACERCA DO PERIGO DA GUERRA CONTRA A RÚSSIA

8 de Outubro de 1921

[extractos]

 

 

RESOLUÇÃO DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DOS MEMBROS

4 de Dezembro de 1921

 

 

 

APELO

DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN PARA O AUXÍLIO ÁS ÁREAS DA RÚSSIA AFECTADAS PELA FOME

4 de Dezembro de 1921

 

 

CARTA DO COMITÉ EXECUTIVO DO COMINTERN AO CONGRESSO DE MARSELHA DO PARTIDO COMUNISTA FRANCÊS

5 de Dezembro de 1921

 

 

 

 

 

 

em língua Alemã

Livro Online

- escrito por Wolfgang Eggers -

O QUE É O REVISIONISMO?

1956 - 2006

50 Anos de Comunismo

em luta contra o Revisionismo moderno

 

 

 

 

 

em língua Alemã

Os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo

contra o Revisionismo

 

 

 

 

agora também disponível em língua Portuguesa!

 

COMINTERN (EH)

Declaração de Guerra contra os Maoistas

 

(as três partes completas num único documento PDF)

 

(as três partes completas num único documento html disponível on-line)

 

 

 

Declaração de Guerra contra os Maoistas - III

(pdf)

(html)

 

 

 

 

 

 


Abaixo os neo-revisionistas Brasileiros!

Nós, Estalinistas-Hoxhaistas, vamos abrir os olhos do proletariado mundial em geral e do proletariado Brasileiro em particular para a necessidade urgente de

combater e de abolir todos os tipos de imperialismo – não apenas os “tradicionais”, mas também os novos imperialismos emergentes.


Denunciar o artigo dos neo-revisionistas Brasileiros:


"Crescimento capitalista aumenta submissão do Brasil ao capital estrangeiro | A Verdade"

A verdade: Capitalist growth increases submission of Brazil to foreig  capital

 

O nosso comentário crítico:

É óbvio que os neo-revisionistas Brasileiros não desistem dos seus intentos de enganar os trabalhadores tentando convencê-los de que o Brasil não é uma potência imperialista emergente mas continua a ser uma “nação dependente dos imperialismos Europeu e Americano”. Isto é absurdo. O Brasil é hoje um país imperialista. Mas os propósitos dos neo-revisionistas Brasileiros são perfeitamente compreensíveis. Eles tentam afastar a atenção do proletariado da ascensão imperialista do Brasil de forma a protegerem os interesses da burguesia imperialista Brasileira. Desta maneira, ao retratarem o Brasil como estando “submetido ao capital estrangeiro” e ao elogiarem “a economia nacional do Brasil” eles fazem um duplo favor á burguesia imperialista Brasileira: eles não apenas direccionam a luta dos trabalhadores contra o “imperialismo e o capital estrangeiro” – deixando assim o caminho livre para que os imperialistas Brasileiros possam operar sem terem de enfrentar a resistência proletária – como também encorajam os trabalhadores a lutarem contra aqueles imperialismos estrangeiros que são precisamente os principais rivais dos imperialistas Brasileiros. Assim, os neo-revisionistas Brasileiros manipulam e usam duplamente os trabalhadores em benefício dos interesses do imperialismo Brasileiro.

Mas os seus objectivos vão falhar.

Nós, Estalinistas-Hoxhaistas, vamos abrir os olhos do proletariado mundial em geral e do proletariado Brasileiro em particular para a necessidade urgente de combater e de abolir todos os tipos de imperialismo – não apenas os “tradicionais”, mas também os novos imperialismos emergentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

em língua Alemã

Teoria Marxista das Crises

 

O crédito e as crises

 

 




 

 

 


 

Declaração de solidariedade do Comintern (EH)

Metalúrgicos de todo o Mundo!

Organizem a vossa solidariedade com a luta heróica dos metalúrgicos Gregos

pela libertação do jugo da burguesia financeira internacional, dos lacaios e dos governos burgueses na Grécia e em toda a Europa!

 

 

"O inferno é perder."

 

"Somos espancados com bastões e com gás lacrimogéneo.”

 

 

 

A principal característica da situação actual é o agravamento de todas as contradições internas e externas do sistema capitalista mundial. Nós enfrentamos um período de grandes lutas revolucionárias de massas. O espírito combatente dos trabalhadores Europeus está alerta e ninguém vai conseguir evitar a eclosão da revolução na Europa! O novo movimento operário revolucionário Europeu surgiu da decadência da Europa imperialista, surgiu da crise que foi imposta aos povos da Europa – em benefício do capital financeiro internacional !

Ontem eram protestos de massas em Espanha e as manifestações dos mineiros Espanhóis em Madrid – Hoje são os metalúrgicos na Grécia! Por estes dias, o proletariado mundial – e os povos do mundo – estão todos do lado dos metalúrgicos da Grécia. Estes trabalhadores em greve estão na vanguarda da resistência. Eles usufruem de grande solidariedade tanto no seu país como no estrangeiro. Especialmente após os brutais ataques policiais, há mensagens de solidariedade enviadas por organizações Gregas e estrangeiras. Durante vários meses, representantes dos metalúrgicos Gregos viajaram para muitos países pedindo a organização da solidariedade internacional. Dentro de um curto período de tempo foram concebidas e realizadas numerosas acções de solidariedade em muitos países da Europa e do mundo. Sob a pressão da solidariedade internacional, os metalúrgicos presos foram libertados!

Num encontro recente, os trabalhadores da fábrica metalúrgica "Elliniki Chalyvouirgia" decidiram continuar a luta. Os trabalhadores estão em greve pela manutenção dos seus empregos no subúrbio de Aspropyrgos desde o dia 31/10/2011 (!). Esta determinação, esta tenacidade é prova da grande força do proletariado Grego – um modelo para todo o proletariado mundial. Os metalúrgicos da Grécia e as suas famílias devem saber que: Nós estamos firmemente do vosso lado! A nossa solidariedade pertence-vos! Quem vos atacar também nos estará a atacar a nós! Viva a solidariedade internacional!



Se os governantes querem uma guerra civil, então eles cairão graças a essa mesma guerra civil!

 

As lutas económicas que ocorrem por toda a Europa têm carácter político. Não se trata apenas de lutar contra cortes salariais, despedimentos e ruptura de serviços sociais. Na verdade, esta luta é dirigida contra o estado burguês que está ao serviço do capital financeiro internacional predatório.

Às primeiras horas da manhã do dia 20 de Julho, por ordem do Primeiro-ministro Grego Andonis Samaras, a polícia atacou e ocupou brutalmente a parte Leste do Pireu abrindo o caminho a cerca de 100 fura greves.

 

 

 

 

 

A burguesia Grega suprime os metalúrgicos com a força da polícia fascista. A justiça de classe Grega condenou a greve como sendo “ilegal”. Na verdade, isto não passa de um pretexto dos governantes para criminalizarem a luta de libertação dos trabalhadores e para impedir que a classe operária assuma o papel de liderança na revolução popular Grega, contribuindo assim para a sua derrota. Os bastões da polícia não estão apenas a servir os interesses dos capitalistas da metalurgia, eles não estão apenas a manter o sistema explorador da burguesia Grega nem a servir o imperialismo Europeu encabeçado pelos imperialistas Alemães. Na realidade, em última instância eles estão a defender a ditadura fascista financeira global!

 

 

 

 

A assembleia-geral dos grevistas decidiu por 98% dos votos ocupar a fábrica e encarregar-se da produção. A classe operária vai adquirir valiosas experiências para o caminho em direcção á revolução socialista. No entanto, os metalúrgicos têm de estar alerta para os perigos representados pelos líderes sindicais reformistas e revisionistas e pelas organizações Trotskistas, Maoistas e anarquistas-sindicalistas que querem manter os trabalhadores presos ao capitalismo fazendo-os desistir dos objectivos socialistas. Conquistar a nossa influência no seio da classe operária é algo que só pode ser feito através de uma luta feroz contra todos os elementos reformistas, revisionistas e “esquerdistas”. O auto-controlo dos trabalhadores no contexto das condições escravizantes do sistema capitalista é uma traição grave. Só através da conquista revolucionária do poder de estado pelos trabalhadores, só através da derrota dos capitalistas e do seu governo é que os trabalhadores poderão controlar os meios de produção. O controlo operário só pode ser concretizado sob a ditadura proletária. Por isso, a classe operária Grega necessita urgentemente da sua liderança comunista. Devido á liderança revisionista (PAME, KKE) todas as lutas são traídas e terminam em fracasso. Na Grécia, a classe operária é influenciada pelas forças reformistas, revisionistas e “esquerdistas”. Não existem sindicatos revolucionários Gregos. Não existe ainda a Secção Grega do Comintern (EH). A necessidade de solidariedade com os metalúrgicos Gregos demonstra a urgência do reforço da Internacional Comunista e da União Internacional dos Sindicatos Vermelhos. As leis do reformismo devem ser combatidas pelas leis revolucionárias dos trabalhadores. Não se trata de resgatar a Grécia capitalista, mas sim de acelerar o seu declínio em favor da construção do socialismo. Isto irá também enfraquecer a ditadura do capital financeiro internacional. Os metalúrgicos da Grécia enfrentam um inimigo Europeu e mundial. Por isso, é indispensável que o proletariado Grego se torne num destacamento do exército proletário mundial. A ditadura do proletariado Grego é a única garantia para o resgate do povo Grego. A ditadura proletária é a única garantia para a salvação de todos os povos do mundo!



Viva a luta heróica e militante da classe operária Grega!

Vamos defender as exigências dos metalúrgicos Gregos!


Pela admissão dos trabalhadores despedidos – contra os cortes salariais!

Abaixo a proibição das greves!

Abaixo a polícia fascista e os fura greves!

Contra a crise imposta á classe operária e ao povo!

Pela libertação revolucionária das garras da Troika!

Se a polícia devasta as fábricas ocupadas, então os trabalhadores Gregos vão devastar a Grécia ocupada pelo capital financeiro internacional e pelas potências imperialistas da Europa!


Viva a revolução socialista dos trabalhadores Gregos!

Viva o internacionalismo proletário!

Nem um só quilo de ferro será produzido no mundo sem os metalúrgicos!


 

Viva a revolução socialista mundial!

Viva a Grécia socialista numa Europa socialista!




 

 

 

Novo

em língua Alemã:

 


Documentos da Internacional Comunista dos Jovens

 




 

em língua Italiana:

 

CONSTITUIÇÃO

DA REPÚBLICA POPULAR E SOCIALISTA DA ALBÂNIA

Aprovada pela República Popular no dia 28 de Dezembro de 1976

 

 

 

 

 

em língua Alemã:

Nota!

 

Em Agosto de 2012

Os seguintes sites antigos serão encerrados e não estarão mais disponíveis:

 

http://cpgerml.50g.com

http://rilu.250x.com

http://rgo.50g.com

http://rsb.50g.com

 

O conteúdo de todos estes sites será melhorado:

 

seção alemã

O Sindicato Vermelho Internacional

revolucionário oposição sindical

Associação dos soldados vermelhos

 

 

As origens da Secção Alemã do Comintern (EH) são o antigo Partido Bolchevique Alemão do camarada Ernst Thalmann, o KPD – fundado em 1918/19 por Karl Liebknecht e por Rosa Luxemburg [= Secção da Internacional Comunista]

e

o partido Marxista-Leninista do camarada Ernst Aust, o KPD/ML – fundado 50 anos mais tarde, em 1968/69

[= partido-irmão do Movimento Mundial Marxista-Leninista do camarada Enver Hoxha]

 

Por ocasião da transformação dos nossos antigos sites (acima referidos), nós apresentamos aqui alguns documentos históricos da Secção Alemã do Comintern (EH) com uma nova formatação e com novos documentos:

 

Karl Liebknecht -

Rosa Luxemburg e o "Spartakusbund"

 (em língua Alemã)



Ernst Thalmann e o KPD

  (em língua Alemã)

O KPD/ML foi o único partido Marxista-Leninista em todo o mundo que lutou tanto no campo capitalista como no campo revisionista.

A Secção Ilegal do KPD/ML na RDA era o único partido anti-revisionista nos países revisionistas:

Slogan do KPD/ML:

"Por uma Alemanha unida, independente e socialista!"

Secção da RDA

(em língua Alemã)

 

Documentos do KPD/ML

  (em língua Alemã)

 

 


 

 

 

 

 

Novo

em língua Russa

 

 

Programa e estatutos do PCUS (B)

 

 



 

Novo

em língua Inglesa

Décimo Quarto Congresso do Partido

Constituição do Partido Comunista da União Soviética

Dezembro de1925

 

 


 

 

Novo

Andrei Zhdanov

em língua Inglesa

 

Acerca dos Erros dos Jornais Literários Soviéticos, "ZVEZDA" e "LENINGRAD"

20 de Agosto de 1946

 

O Dever de um Escritor Soviético

21 de Agosto de 1946   

 

Literatura Soviética – a mais rica e a mais avançada

 Agosto de 1934

 

 

 

 

 

Novo:

Traduzido em língua Portuguesa !!!

Um novo e muito importante documento do Comintern (EH)

 

 

A revolução mundial e a Guerra imperialista

 

A Estratégia e a Táctica da Revolução Socialista Mundial

Linha-Geral do Comintern (EH)

em língua Inglesa:  

World revolution and imperialist war

(7 de Julho de 2012 – edição revista e melhorada – traduzida da edição original em Alemão de 2001)

 

Novo

Arquivo do Comintern em língua Inglesa

(em língua Inglesa)

TESES

ACERCA DAS TAREFAS BÁSICAS DA INTERNACIONAL COMUNISTA

ADOPTADO PELO SEGUNDO CONGRESSO DO COMINTERN

19 de Julho de 1920

TESES

ACERCA DO PAPEL DO PARTIDO COMUNISTA NA REVOLUÇÃO PROLETÁRIA

ADOPTADO PELO SEGUNDO CONGRESSO DO COMINTERN

24 de Julho de 1920

TESES

ACERCA DO MOVIMENTO SINDICAL, DOS CONSELHOS DE FÁBRICA E DA INTERNACIONAL COMUNISTA

ADOPTADO PELO SEGUNDO CONGRESSO DO COMINTERN

Julho de 1920

 

 

 

 

Novo:

novos documentos em língua Alemã:

 

Lista dos partidos e das organizações que participaram no Primeiro Congresso do Comintern

 

Lista dos partidos e das organizações que participaram no Segundo Congresso do Comintern

 

Teses

acerca da tarefas básicas da Internacional Comunista adoptadas no segundo congresso do Comintern

19 de Julho – 6 de Agosto de 1920

 

 

 

 

Novo:

novos documentos em língua Francesa

comentários de alguns livros do camarada

ENVER HOXHA

 

Estaline, guia eminente do proletariado mundial e grande amigo do povo Albanês

O livro do camarada

Enver Hoxha

"Com Estaline"

 

 

O partido do trabalho da Albânia, partido da classe operária

O livro do camarada

Enver Hoxha

"Quando o partido nasceu"

(Memórias)

 

 

 

Os fundamentos que permitiram á nossa classe operária cumprir a sua missão histórica

a propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"Quando lançámos os alicerces da nova Albânia"

 

 

 

 

A obra de grande valor teórico e prático do camarada

Enver Hoxha

"O Imperialismo e a Revolução"

 

 

 

 

As superpotências, inimigos ferozes da liberdade e da interdependência dos povos

a propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"As Superpotências"

 

 

 

 

Profunda análise científica dos grandes problemas políticos do MÉDIO ORIENTE

a propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"Reflexões sobre o Médio Oriente"

 

 

 

 

História da resistência e das lutas heróicas do partido do trabalho da Albânia

a propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"Os Titistas"

 

 

 

 

Uma contribuição eminente á luta contra o revisionismo moderno

o livro do camarada

Enver Hoxha

"O Eurocomunismo é Anticomunismo"

 

 

 

 

Testemunho da luta honesta contra o revisionismo moderno

O livro do camarada

Enver Hoxha

"Os Krushchevistas"

 

 

 

 

 

Uma nova e grande contribuição

a propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"Reflexões sobre a China"

 

 

 

 

 

Testemunho da política de boa vizinhança praticada pela Albânia socialista

A propósito do livro do camarada

Enver Hoxha

"Dois povos amigos"

 

 

 

 

O XXº congresso do partido comunista da união soviética e a evolução do revisionismo moderno

(extractos)

Agim Popa

 

 

 

 

 

Novo

 

em língua Francesa

A doutrina de Marx – bússola infalível da classe operária

Por ocasião do centenário da morte de Karl Marx

"PUNA" – Uniões profissionais da Albânia; 2 - 1983

 

 

 

 

Novo

 

em língua Russa

Programa do Comintern

Adoptado no 45º encontro do VI Congresso da Internacional Comunista

1928

 

 

 

Novo

em língua Russa

As condições de admissão no Comintern

Adoptado no Segundo Congresso em 1920


 

 


Novo

em língua Francesa

Apelo às trabalhadoras de todos os países

2ª Conferência Internacional das mulheres Comunistas

Junho de 1921

 

 

 

 

Novo

(em língua Inglesa)  

Estaline

As Tarefas da Liga dos Jovens Comunistas

Resposta ás Questões apresentadas pelo quadro editorial do Komsomolskaya Pravda

29 de Outubro de 1925



 

 

 

Novo

em língua Russa

Juventude Comunista Internacional



Novo

em língua Alemã:

Friedrich Engels

Saudações aos Trabalhadores Franceses no 20º aniversário da Comuna de Paris

17 de Março de 1891

 

 

 

 

Novo

re-publicação

dos documentos históricos do

 

COMINTERN

 

TESES

ACERCA DA QUESTÃO NACIONAL E COLONIAL

ADOPTADO PELO SEGUNDO CONGRESSO DO COMINTERN

28 de Julho de 1920

inclui: o Resumo de Lenine e as Teses suplementares acerca de Roy (México)

(adoptado pelo 2º Congresso – após ter sido revisto pessoalmente por Lenin)

(em língua Inglesa)  

 

 

 

 

 

Novo

em língua Alemã

Lenine

Acerca da situação internacional e das principais tarefas da Internacional Comunista


discurso pronunciado no Segundo Congresso do Comintern

no dia 19 de Julho de 1920

 

 

 

 

 

Novo

em língua Alemã

A sangria do sistema monetário capitalista

"Albanian Today" – Nº 6, 1973

 

 

 

 

 

em língua Dinamarquesa

ENVER HOXHA

"Á nossa amada Albânia – Ao nosso povo maravilhoso"


 

 

 

 

COMINTERN (EH)

Declaração de Guerra contra os Maoistas

(junção de todas as três partes num só pdf)

 (em língua Inglesa)  



 

 

 

 

novo:

em língua Alemã

O PTA ACERCA DA QUESTÃO DA GUERRA E DA PAZ


A. TOMORRI

Albania Today, 3/1977

 

 

 

 

 

 

novo:

Arquivo do Comintern (EH)

em língua Alemã

novos Documentos da

Primeira Internacional

A Associação Internacional dos Trabalhadores

1864 - 1876

 

 

 

 

 

 

 

 

novo:

Arquivo do Comintern (EH)

MARX - ENGELS – ARQUIVO EM LÍNGUA HOLANDESA

 



 

 



Arquivo do Comintern (EH)

Novas re-publicações da

União Soviética de Lenine e de Estaline

Soviete Supremo da URSS

(em língua Inglesa)  

 

 Acto respeitante ao Sistema Judicial da URSS e da União das Repúblicas Autónomas

 

16 de Agosto de 1938 

 

 

 

Arquivo do Comintern (EH)

(em língua Inglesa)  

Documentos da ISV:

PCUS

9º Congresso do Partido

Acerca da Questão dos Sindicatos e da sua Organização

1 de Abril de 1920

 

 

10º Congresso do Partido

do PCUS

Acerca do Desvio Sindicalista e Anarquista no nosso Partido

16 de Março de 1921

 

 

 

 

 

 

Arquivo do Comintern (EH)

Documentos do PTA

novo:

A Revolução Popular na Albânia e a Questão do Poder de Estado

Luan Omari – "8 Nentori", Tirana, 1986

parte 1

parte 2

parte 3

(em língua Inglesa)  

 

 

 

  

 

Arquivo do Comintern (EH)

Re-publicações da

União Soviética de Lenine e de Estaline

CONSTITUIÇÃO

DA URSS

1918

 

(em língua Inglesa)  

 

Viacheslav Molotov

 Acerca da Nova Constituição Soviética

Discurso pronunciado no 8º Congresso Extraordinário dos Sovietes da URSS.

29 de Novembro de 1937 

 

 

(em língua Inglesa)  

 

 

 

Estatuto Kolkhoz - 1935

Segundo Congresso dos trabalhadores dos Kolkozes

 17 de Fevereiro de 1935

 

 

(em língua Inglesa)  

 

 

 

Arquivo da

Internacional dos Jovens Comunistas (IJC)

 

 

Décimo Congresso 

Programa do Komsomol.

 21 de Abril 21 de 1936 

(em língua Inglesa)  

 

 

 

 

 

 

1922

Constituição da Liga dos Jovens Trabalhadores da América

(em língua Inglesa)  

 

 

 

 

 

 

Novo Arquivo Estaline

em língua Finlandesa

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mensagem de solidariedade

Viva a luta dos mineiros Espanhóis!


O Comintern (EH) exprime a sua mais profunda solidariedade com a greve dos minérios Espanhóis que estão em luta contra as draconianas “medidas de austeridade” neo-liberal impostas pelo governo fascista de Rajoy que quer destruir a indústria de mineração Espanhola, aniquilando assim cerca de 30.000 postos de trabalho. Se o governo fascista conseguir alcançar os seus propósitos perversos, milhares de minérios Espanhóis vão ficar na mais negra miséria, sem emprego e sem meios de subsistência.

 

 


O governo de Rajoy – que é o herdeiro directo do Franquismo – está a fazer tudo para satisfazer os interesses dos credores estrangeiros ás custas dos minérios explorados. Com o alegado objectivo de “salvar a economia do país” (ler: de defender a lascívia dos credores pelos lucros), o governo de Rajoy trata os minérios como se fossem lixo humano, lançando até as “forças de segurança” contra eles. Mas apesar da brutalidade policial, os mineiros Espanhóis continuam o seu combate. Isto não surpreende porque ao longo da história do movimento operário, os minérios sempre estiveram entre os trabalhadores mais resolutos e corajosos, sempre prontos a lutar contra o domínio tirânico dos exploradores. Assim, os mineiros Espanhóis estão a honrar dignamente as heróicas tradições de luta dos mineiros.


Tudo isto sucede no contexto da profunda crise que afecta a economia Espanhola e que foi causada pelos plutocratas e pelos banqueiros que estão agora a tentar forçar o proletariado Espanhol a pagar as suas actividades especulativas. Recentemente, as classes dominantes do país assumiram a sua completa submissão ao dikat dos credores imperialistas ao aceitar uma “ajuda externa” de 100 biliões de euros cujo único objectivo é aumentar os super-lucros dos credores através do agravamento das condições de vida e de trabalho das massas oprimidas Espanholas (impostos mais elevados, salários mais baixos, etc. …).


Mas estes propósitos dos capitalistas vão acabar por fracassar. O combate dos mineiros Espanhóis não apenas usufrui da solidariedade do proletariado mundial, mas ela também servirá como inspiração para as suas futuras lutas contra a ordem exploradora capitalista-imperialista.




 

Viva a luta dos mineiros Espanhóis!

 

 


Abaixo os governantes fascistas ao serviço dos credores imperialistas!

 



Vivam os heróicos trabalhadores Espanhóis!



 

Viva a revolução socialista mundial!




O Comintern (Estalinista-Hoxhaista)

22 / 06 / 2012


 

 

 

ODHISE PASKALI

  (em língua Albanesa)


 


 





 Declaração

de solidariedade



Basak Sahin Duman, que tem residência na Alemanha e que é uma das líderes dos estudantes Turcos foi presa na Croácia e vai ser extraditada para a Turquia, um regime de repressão e de tortura. Sendo extraditada, ela vai passar longos anos na prisão por causa das suas actividades na escola!

No dia 29 de Maio de 2012, Basak Sahin Duman foi presa no aeroporto de Zagreb enquanto viajava da Alemanha para a Croácia de avião. A razão porque foi presa baseia-se na existência de um mandato de captura internacional lançado pela Turquia. É um facto bem conhecido que o estado Turco tortura os prisioneiros cujo número se situa á volta dos 13.000, e esta realidade tem sido realçada muitas vezes por organizações internacionais de direitos humanos tais como a Amnistia Internacional, a Human Rights Watch e pela Comissão Europeia.

Nós condenamos firmemente a detenção pela Croácia de alguém que tem vivido na Alemanha desde 2006 e que tem o direito de permanecer no país sem ser extraditada para a Turquia. Na Turquia, onde não há liberdade de expressão, de pensamento ou de imprensa, todos aqueles que lutam pela democracia podem ser atacados ou presos. Na Turquia, onde 100 jornalistas e escritores, 2000 crianças, mais de 500 estudantes e sindicalistas e milhares de activistas Curdos estão na prisão, ir a uma manifestação ou escrever um artigo exigindo liberdade de expressão e direitos democráticos pode ser razão para longos anos de prisão pelo estado turco. E Basak Sahin Duman foi condenada á prisão por ter usado os seus direitos democráticos.

Quando estudava na Faculdade de Medicina de Istambul, Basak Sahin Duman – nascida em 1979 em Ankara – sofreu a violência policial e foi presa por causa de exigir uma universidade democrática em protesto contra o reitor da Universidade, Kemal Alemdaroglu, durante a cerimónia do ano educativo 2002-2003. Este é apenas um exemplo do tratamento que os estudantes recebem quando exigem uma “universidade livre, democrática, científica e autónoma”.

No dia 7 de Dezembro de 2004, Basak Sahin Duman foi presa juntamente com muitas outras pessoas durante uma manifestação estudantil organizada contra a tentativa do governo de passar uma lei através do parlamento em Ankara. Ela foi libertada após três meses de prisão. No entanto, o caso arrastou-se até 2010.

O caso foi decidido no 11º Tribunal Penal de Ankara no dia 22 de Abril de 2010, com uma sentença de 224 anos de prisão aplicada a dúzias de pessoas. Basak Sahin Duman

Foi condenada a 7 anos e 6 meses. A defesa recorreu contra esta violação da lei através do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no dia 25 de Outubro de 2011. O caso tem o número 71667/11 e está longe de estar resolvido.

Agora a Croácia – que é um país candidato á EU – tornou-se partidária das práticas antidemocráticas do estado Turco ao deter Basak Sahin Duman e ao querer extraditá-la para a Turquia. E o estado Alemão, onde ela tem vivido desde 2006, mantém o silêncio acerca desta situação.

As suas demandas por asilo político de amaneira a impedir a extradição foram negadas pelo estado Croata sob o pretexto de que a Croácia não reconhece o direito ao asilo – o que representa outra grave violação da lei e dos direitos humanos. Ainda não foi oficialmente confirmado se a sua petição ao asilo já está a ser considerada pelo Tribunal. Há muitas pessoas que também já pediram asilo á França, á Alemanha e á Suíça por causa do mesmo julgamento pelo qual Basak Sahin Duman foi condenada e punida.

Os protestos contra a detenção de Basak Sahin Duman pela opinião pública Croata e pelas ONG estão a aumentar.

Nós, enquanto organização signatária desta petição, afirmamos estar em solidariedade com Basak Sahin Duman. Nós condenamos a sua detenção pelo Estado Croata bem como as tentativas de a extraditar para a Turquia. No que respeita ao tratamento dado aos prisioneiros políticos nas prisões Turcas, é óbvio que Duman corre grave perigo de vida se for extraditada. Por isso, nós exigimos á Croácia que liberte Başak Şahin Duman o mais depressa possível.

A Internacional Comunista (Estalinista-Hoxhaista), 19 de Junho de 2012

 




 

 

 

 

NOVO:

J. V. ESTALINE

Questões internas do PCUS (B):

Relatório ao 7º Plenário da Internacional Comunista

Moscovo — 7 de Dezembro de 1926.

 (em língua Inglesa)

 

 

 

J. V. ESTALINE

Plenário conjunto do Comité Central e da Comissão de Controlo Central do PCUS (B) 


29 de Julho  -  9 de Agosto de 1927

Estaline Works, Vol. 10, Agosto – Dezembro de 1927

  (em língua Inglesa)

 

 

 



J. V. ESTALINE

A Natureza Política da Oposição Russa

 

Excertos de um Discurso pronunciado

num encontro conjunto do Presidium do

Comité Executivo do Comintern e

da Comissão de Controlo Internacional

27 de Setembro de 1927


Publicado na revista
Kommunisticbesky Internatsional,
No. 41, 14 de Outubro de 1927

  (em língua Inglesa)



 

 

 

Novas publicações

dos documentos históricos do

COMINTERN

 

 

TESES

DO OITAVO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DA GUERRA E DO PERIGO DE GUERRA

29 de Maio de 1927

 (em língua Inglesa)

 



TESES ACERCA DAS TÁCTICAS

ADOPTADAS PELO QUINTO CONGRESSO DO COMINTERN

Julho de 1924

 (em língua Inglesa)

 

 

 

MANIFESTO DA INTERNACIONAL COMUNISTA

ACERCA DO RELATÓRIO DAWES

AOS PROLETÁRIOS DE TODOS OS PAÍSES

1 de Agosto de 1924

 

 

 

ESTATUTOS

DO DEPARTAMENTO DE AGITAÇÃO E PROPAGANDA DA

INTERNACIONAL COMUNISTA

15 de Agosto de 1924

  (em língua Inglesa)

 

 

 

 



OS ESTATUTOS MODELARES PARA OS PARTIDOS COMUNISTAS

CONCEBIDOS PELO DEPARTAMENTO DE ORGANIZAÇÃO DA

INTERNACIONAL COMUNISTA

29 de Janeiro de 1925

  (em língua Inglesa)

 

 

 

 



DECISÃO DA COMISSÃO DE CONTROLO CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA RUSSO E DA COMISSÃO DE CONTROLO INTERNACIONAL DO COMINTERN

NO QUE RESPEITA A BRANDLER, THALMEINER, RADEK E OUTROS

10 de Abril de 1925

  (em língua Inglesa)

 

 

 

 



TESES ACERCA DA BOLCHEVIZAÇÃO DOS PARTIDOS COMUNISTAS ADOPTADA PELO QUINTO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA

11 de Maio de 1925

  (em língua Inglesa)

 

 

 

 



TESES

DO QUINTO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DA QUESTÃO CAMPONESA

11 de Maio de 1925

  (em língua Inglesa)

 

 

 

 



RESOLUÇÃO

DO QUINTO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DO DEBATE NO PARTIDO COMUNISTA RUSSO

11 de Maio de 1925

  (em língua Inglesa)


 

 

 


 

CARTA DA INTERNACIONAL COMUNISTA A TODAS AS ORGANIZAÇÕES E MEMBROS DO PARTIDO COMUNISTA ALEMÃO

20 de Agosto de 1925

 (em língua Inglesa)


 

 


TESES DO DEPARTAMENTO DE AGITAÇÃO E PROPAGANDA DA INTERNACIONAL COMUNISTA DIRIGIDAS AOS PROPAGANDISTAS NO SEGUNDO ANIVERSÁRIO DA MORTE DE LENINE

Janeiro de 1926

 (em língua Inglesa)


 

 


TESES ACERCA DAS QUESTÕES ACTUAIS DO MOVIMENTO COMUNISTA INTERNACIONAL APROVADAS PELO SEXTO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA

Março de 1926

 (em língua Inglesa)



 

 

 

 

 


 

 

 

 

NOVO:

 

12 de Junho de 2012

Declaração de Guerra contra os Maoistas (3) - PDF

(em língua Inglesa)  

 

ler o texto integral em html …online

 

 

 

 

 

 

Declaração de Guerra contra os Maoistas

(1)  

6 de Fevereiro de 2011

 (em língua Inglesa)  





Declaração de Guerra contra os Maoistas

(2) 

22 de Junho de 2011

 (em língua Inglesa)  





Declaração de Guerra contra os Maoistas

(3) 

12 de Junho de 2012

 (em língua Inglesa)  



(nota: todas as três partes serão em breve publicadas num único documento pdf)  

 

 

 

 

novo:

Arquivo do Comintern (EH)

em língua Portuguesa:

 

A Primeira Internacional

A Segunda Internacional

A Terceira Internacional

 

 

 

 

NOVO:

 

em língua Italiana:

 

LITERATURA

REVOLUCIONÁRIA

 

 

 

RESOLUÇÃO

DO SÉTIMO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DA EXPULSÃO DE MASLOW, RUTH FISCHER, URBAHNS, SCHOLEM, E SCHWANN DO PARTIDO COMUNISTA ALEMÃO

EXTRACTOS

(em língua Inglesa)


16
de Dezembro de 1926

 

TESES

DO DEPARTAMENTO DE AGITAÇÃO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DO DÉCIMO QUINTO CONGRESSO DO PCUS E ACERCA DA OPOSIÇÃO

EXTRACTOS

(em língua Inglesa)

27 de Janeiro de 1928

 

 

RESOLUÇÃO

DO NONO PLENÁRIO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DA QUESTÃO DOS SINDICATOS

EXTRACTOS

(em língua Inglesa)

Resolução, IX Plenário, p. 13

25 de Fevereiro de 1928

 

 

CARTA DA INTERNACIONAL COMUNISTA PARA A CONFERÊNCIA DOS PARTIDOS DOS OPERÁRIOS E CAMPONESES DE TODA A ÍNDIA

EXTRACTOS

(em língua Inglesa)

2 de Dezembro de 1928

 

 

CARTA ABERTA DO PRESIDIUM DA INTERNACIONAL COMUNISTA PARA O PARTIDO COMUNISTA ALEMÃO ACERCA DO PERIGO DE DIREITA NESSE PARTIDO

EXTRACTOS

(em língua Inglesa)

19 de Dezembro de 1928 Inprekorr, viii, 142, p. 2829,

21 de Dezembro de 1928

 

 

 

 

Presentemente, o Comintern (SH) publica

Uma dos documentos mais importantes

do Comintern de Lenine e de Estaline

("Terceiro Período")

 

TESES E RESOLUÇÕES

DO SEXTO CONGRESSO

DO COMINTERN

 

em língua Inglesa

Inprekorr No 83 (edição especial)

Novembro de 1928

 


 

 


 

 

 



ENVER HOXHA

 em língua Espanhola:

 

Que la literatura y el arte sirvan para forjar la concienca de clase para la construccion del socialismo

 

Discurso de encerramento pronunciado no XV Plenário do CC do PTA

26 de outubro de 1965

 

 

 

 

 

 

 

 

Viva o 141º aniversário da Comuna de Paris!

 

 

Prisioneiros da Comuna

 

As „Semanas sangrentas de Maio"

foram aquelas semanas das barricadas nas ruas de Paris

que duraram até 28 de Maio de 1871

 

 

 

Comintern (SH) ARQUIVO

Comuna de Paris

em Português

 

 

 

 

NOVO

Em língua Portuguesa:

 

A Comuna de Paris de 1871

 

I. Galkin - 1946

 

 

 

 

 

MARX

A GUERRA CIVIL EM FRANÇA

 

 

 

 

 

 

Karl Marx – A história da sua vida

Capítulo 14: O declínio da Internacional

4. A Internacional e a Comuna de Paris

escrito por Franz Mehring

em língua Inglesa

 

 

 

 

 

 

Louis Michel

Memórias da Comuna

em língua Inglesa

1886

 

 

 

 

 

 

Paul Lafargue

Visita a Louise Michel

em língua Inglesa

1885


 

 

 

 

NOVO:

 

Angrand:

As leis da dialética

"DIVULGAÇÃO MARXISTA"

ANO II – 25 MARÇO 1947 – N. 17 / 18

 

 

 

 

NOVO:

 

ENVER HOXHA

A LITERATURA E AS ARTES DEVEM SERVIR PARA AUMENTAR A CONSCIÊNCIA DE CLASSE DO POVO EM BENEFÍCIO DA CONSTRUÇÃO DO SOCIALISMO

(em língua Inglesa)

Discurso de encerramento feito por ocasião do 15º Plenário do Comité Central do PTA 

26 de Outubro de 1965


 

 

 


 

 

 

Solidariedade com

Helena Iskraschnitz !!!   

 

Para o Comintern (EH)

e para todo o Movimento Mundial Estalinista-Hoxhaista

Ajudem-nos por favor, precisamos da vossa solidariedade.

Camaradas e colegas!

Há duas emanas atrás, na sexta-feira dia 11 de Maio de 2012, a nossa colega Helena Iskraschnitz foi despedida por motivos no mínimo bastante discutíveis. Ela estava a trabalhar para uma agencia de trabalho temporário e não tinha praticamente nenhuns direitos nem nenhuma protecção contra o despedimento. Eu já trabalhei bastantes vezes para este tipo de “escravatura assalariada” e sei bem como é receber uma chamada a dizer: “Amanhã já não precisas de vir trabalhar!”

Ela tem origens imigrantes, vem do Kazaquistão e tem cidadania Ucraniana. Se ele não conseguir encontrar trabalho a tempo, ela arrisca-se a ser deportada para a Ucrânia.

Ela era uma colega que não tinha medo de dizer a verdade no local de trabalho, mesmo na cara do patrão.

Nós exigimos a reintegração laboral imediata da nossa querida colega!

Carta de K. K (Alemanha)

 

 

 

 

 

 

 

 

QUEM AMEAÇA A GRÉCIA?

 

A Grécia na ONU

Discurso do Ministro dos Negócios Estrangeiros da URSS A. Vishinsky por ocasião do encontro do Comité Político das Nações Unidas

no dia 6 de Outubro de 1947

(em língua Alemã)

 


 

 

 

 

 

Novo:

 

 

DOCUMENTOS HISTÓRICOS

DO COMINTERN

 

 

 

 

TESES

DO 11º PLENÁRIO DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA

ACERCA DAS TAREFAS DAS SECÇÕES DO COMINTERN

NO QUE RESPEITA AO

AGRAVAMENTO DA CRISE ECONÓMICA

E AO DESENVOLVIMENTO

DAS CONDIÇÕES PARA UMA CRISE REVOLUCIONÁRIA

NUM GRANDE NÚMERO DE PAÍSES

(em Inglês)

[EXTRACTOS]

Abril de 1931 Inprekorr, xi, 38, p. 946, 24 de Abril de 1931

 

 

 

 

 

 

RESOLUÇÃO

DO 11º PLENÁRIO DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DO

PERIGO DE GUERRA DE INTERVENÇÃO CONTRA A URSS

[EXTRACTOS]

April de 1931 Inprekorr, xi, 38, p. 953, 24 de Abril de 1931

 

 

 

 

 

 

 

RESOLUÇÃO

DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DAS

TAREFAS DO PARTIDO COMUNISTA CHINÊS

[EXTRACTOS]

26 de Agosto de 1931 Strategiya i Taktika Kominterna, p. 294

 

 

 

 

 

 

 

APELO

DO COMITÉ DA INTERNACIONAL COMUNISTA PARA A EUROPA OCIDENTAL E DO SECRETARIADO EUROPEU DA ISV

ACERCA DA INVASÃO JAPONESA DA MANCHÚRIA

Setembro de 1931 Inprekorr, xi, 93, p. 2080, 29 de Setembro de 1931

 

 

 

 

 

 

MANIFESTO

DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA ACERCA DO

14º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO RUSSA

EXTRACTOS

6 de Novembro de 1931 Inprekorr, xi, 105, p. 2353, 6 de Novembro de 1931

 

 

 

 

 

 

CARTA

DO COMITÉ DA INTERNACIONAL COMUNISTA DA EUROPA OCIDENTAL

PARA O PARTIDO COMUNISTA ESPANHOL

EXTRACTOS

January de 1932 Inprekorr, xii, 4, p. 91, 15 de Janeiro de 1932

 

 

 

 

 

 

 

ABAIXO O MAOISMO!

VIVA O

ESTALINISMO-HOXHAISMO!

 

Aqui publicamos (em parte e pela primeira vez)

os documentos históricos do KPD / ML

na luta contra o Maoismo

1977-1980

 

"Der Weg der Partei”- Órgão Teórico do KPD / ML

 

 

 

EM LÍNGUA ALEMÃ

A filosofia de

Mao Tsetung

- Idealismo e Metafísica

Órgão Teórico do KPD / ML ("Der Weg der Partei”) No. 3 / 1980

 

 

 

 

 

A nova “estratégia mundial” da liderança do PC da China

- uma estratégia revisionista

"Der Weg der Partei” – Órgão Teórico do KPD / ML

- No. 1 / 1978

 

1ª Parte

 

2ª Parte

 

3ª Parte

 

 

 

 

 

 

 

 

Carta do CC do KPD / ML para o CC do PC da China

de 21de Julho de 1977

 

 

 

 

 

Acerca dos métodos extorsionários e contra-revolucionários dos líderes Chineses contra a Albânia Socialista

"Der Weg der Partei”- Órgão Teórico do KPD / ML

- No. 4 / 1978

 

 

 

 

 

Mao Zedong é um Classico do Marxismo-Leninismo?

"Der Weg der Partei”- Órgão Teórico do KPD / ML

- No. 4 / 1978

 

 

 

 

Maio de 1978

A Conferência de Lisboa

um encontro da contra-revolução

"Der Weg der Partei”- Órgão Teórico do KPD / ML

- No. 4 / 1978

 

 

 

 

30 Anos da RP da China

– 30 Anos de Mentiras e de Enganos

 

Órgão Teórico do KPD / ML ("Der Weg der Partei”) No. 4 / 1979

 

 



 

 

 

 

 

 VITÓRIA!

8 / 9 DE MAIO DE 1945

 

 

 

 

 

Saudações de Moscovo

 

Queremos saudar-vos neste aniversário da Grande vitória sobre o fascismo!

Esta vitória trouxe liberdade a um número infinito de pessoas e abriu o caminho para que transformações socialistas ocorressem em muitos países!

Mós queremos honrar a memória daqueles que deram as suas vidas pela nossa liberdade!

os camaradas do site www.enverhoxha.ru – 8 de Maio de 2012

 

 

 

 

Novo

 

 

L'eurocomunismo è anticomunismo

 

Versão Italiana

graças aos nossos camaradas do site

www.enverhoxha.ru 

 

 

 

 

 

CON STALIN

(versão Italiana)

Ringraziamo

www.enverhoxha.ru

 

 

 

 

Los Jruschovistas

(versão Espanhola)

 

 


graças ao


camarada Felix D., camarada Koba e ao site

www.enverhoxha.ru

 

 

 



 

 

 

8 Maio

- A libertação do fascismo nazista

As mulheres sovieticas

a guerra patriotica

 

 

 

“Uma controladora de tráfego da União Soviética”,

 1 de maio de 1945.

 

 

 

 

 

Karl Marx

Data de nascimento:

5 Maio 1818

 

Os grandres livros

"O Capital"

 

Marx acerca da crise do capitalismo

Em Inglês

Em Alemão

 

 

 

 

 

 



1º de Maio de 2012

 

– relatório da

Secção Portuguesa do Comintern (Estalinista-Hoxhaista)




Lisboa, 1º de Maio de 2012 durante a tarde


Em 2012, o 1º de Maio teve um significado muito especial para o proletariado Português. Isto porque os trabalhadores Portugueses estão a ser sujeitos á mais dura exploração devido ás infames “medidas de austeridade” impostas pelos imperialistas Europeus ao serviço dos credores estrangeiros. Por isso, o 1º de Maio foi uma ocasião na qual os proletários Portugueses demonstraram uma vez mais que não vão manter-se curvados á servidão perante os opressores internos e externos e que vão lutar não apenas contra a “União Europeia” imperialista mas também contra os reaccionários que governam Portugal.


Quando chegámos ao Martim Moniz (a praça de Lisboa onde a manifestação começou), nós notámos que muitos dos manifestantes eram jovens que gritavam slogans como “Recibos verdes, futuro negro!”. Nós percebemos imediatamente que estas pessoas eram trabalhadores precários; os “recibos verdes” são um instrumento fabricado e usado pela burguesia Portuguesa para explorar os trabalhadores. De facto, a “filosofia” por detrás dos “recibos verdes” é que os trabalhadores nasceram para serem condenados á precariedade, sem pagamento pelas horas extraordinárias e com uma grave particularidade: sob o regime dos “recibos verdes”, os exploradores podem despedir um trabalhador a qualquer momento, sem terem de dar justificações nem compensações ao trabalhador despedido. É verdade que este tipo de “compensações” não era mais do que uma esmola ridícula dada aos trabalhadores para os impedir de adquirir uma consciência socialista ao inculcarem-lhes a falsa impressão de que o patrão e o estado capitalista estão preocupados com a sua subsistência e bem-estar. No entanto, presentemente, os exploradores do proletariado Português não parecem muito preocupados nem mesmo em manter a aparência de um capitalismo “civilizado”. Eles só querem maximizar os seus lucros e com esse propósito estão a fazer os trabalhadores Portugueses regressar ás condições de vida e de trabalho típicas do século XIX. É claro que a maior parte dos que estão sujeitos aos odiosos “recibos verdes” são jovens trabalhadores que recebem salários de miséria. Consequentemente, não foi surpreendente constatar que um grande número destes trabalhadores precários participava activamente na manifestação do 1º de Maio.


Nós também notámos a presença de muitos desempregados na manifestação, que seguravam cartazes dizendo: “Desemprego = pobreza”. Na verdade, o desemprego em Portugal atinge já níveis catastróficos, com cerca de 16% da população portuguesa desempregada (e isto segundo as estatísticas burguesas, porque os verdadeiros números devem ser muito mais elevados…). Graças ao dikat dos credores estrangeiros do país – que exigiram uma redução e/ou mesmo eliminação da assistência prestada aos desempregados – os trabalhadores Portugueses que tenham o azar de se encontrarem desempregados estão condenados, juntamente com as suas famílias, á miséria mais abjecta. Não é por acaso que muitos proletários Portugueses estão hoje a sofrer de doenças relacionadas com a falta de alimentos, algo que já não acontecia desde o fim do período fascista. Os trabalhadores desempregados são um dos grupos que mais sente na pele a opressão capitalista: nós podemos mesmo afirmar que eles são uma consequência directa e inerente do capitalismo, porque o desemprego é algo exclusivo do modo de produção capitalista – ele nunca ocorre no socialismo. Assim, perante a profunda simpatia que sentimos em relação aos desempregados, nós decidimos juntar-nos a eles na manifestação.


Pouco tempo após termos começado a caminhar lado a lado com os desempregados, nós observámos que alguns membros do Partido “Comunista” dos Trabalhadores Portugueses (Maoista) também estavam presentes. Isto não foi nada de que não estivéssemos á espera. Os Maoistas Portugueses nunca perderiam uma oportunidade para envenenar o Dia do Trabalhador com a sua nojenta ideologia anti-socialista, cujo carácter social-fascista eles tentam esconder enganando os operários. Os Maoistas Portugueses gritavam “Morte ao governo de traição nacional PSD/CDS!” e “Morte á Troika!”. Para além disto, um grupo deles segurava um cartaz onde se podia ler: “O povo Português e o povo Grego estão unidos pela mesmo luta!” Este slogan ilustra uma táctica que tem sido usada pelos Maoistas Portugueses durante os últimos meses. Já na greve geral de 22 de Março eles usaram slogans semelhantes. Eles tentam inculcar nos trabalhadores Portugueses a ideia de que existe uma “identidade de interesses” entre os trabalhadores da Europa do Sul que alegadamente os diferencia e afasta de todos os outros trabalhadores Europeus. O objectivo desta “estratégia” é bastante óbvio: dividir os proletários Europeus, impedindo-os de se unirem contra os seus inimigos comuns capitalistas-imperialistas (infelizmente, temos de admitir que este fenómeno não é exclusivo dos Maoistas Portugueses. De facto, há muitas organizações social-fascistas em Espanha, Itália e Grécia que também adoptam esta mesma “estratégia” de divisão). Mas os Maoistas Portugueses estão totalmente enganados se eles pensam que podem separar os trabalhadores Europeus. Quando a hora da revolução socialista mundial chegar, os proletários Europeus unir-se-ão não apenas contra o capitalismo e o imperialismo explícitos, mas também contra todo o tipo de lacaios burgueses que se ocultam por detrás de máscaras “socialistas”, como é o caso dos Maoistas. E quando esse tempo chegar, a união dos trabalhadores Europeus será indestrutível, ela será forte como aço quer os Maoistas gostem quer não.


Mas é tempo de regressarmos á manifestação do 1º de Maio. Reparámos que não havia tantos membros do movimento anarquista 15 de Outubro como na greve geral de 22 de Março. Parece que em Portugal este movimento está a tornar-se cada vez mais fraco. Isto não é surpreendente. Tal como acontece com tudo o que serve a ordem socio-económica burguesa, também o movimento 15 de Outubro está condenado ao fracasso e ao desaparecimento. No entanto, nem todas as ideologias e organizações pró-capitalistas desaparecem com a mesma rapidez do movimento 15 de Outubro. Foi isto que pensámos assim que vimos os grupos de revisionistas Portugueses pertencentes ao detestável Partido “Comunista” Português a fazer a sua propagada economicista estupidificante. Os revisionistas Portugueses têm envenenado as mentes a as vidas dos trabalhadores Portugueses desde há muitas décadas e estão determinados em continuar a fazê-lo. Para o 1º de Maio, o slogan oficial deles era: “Vamos lutar contra a pobreza e a exploração!” Á primeira vista, este slogan pode soar “revolucionário”, mas se tomarmos em consideração que no seu “Programa de Partido”, os revisionistas Portugueses limitam cuidadosamente a sua “luta” á “implementação de uma economia mista e de um estado de bem estar” (para usar as próprias palavras deles), nós compreendemos que slogans correctos nas mãos erradas transformam-se automaticamente em slogans contra-revolucionários.


Além disto, também pudemos ouvir o discurso do secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses, um sindicato social-burguês completamente dominado pelo P “C”P. No discurso, foi dito que “Temos de intensificar a nossa luta por melhores salários e contra o ataque aos serviços públicos.” Na realidade, esta frase é uma síntese muito ilustrativa do conteúdo do discurso: um monte de fraseologia social-democrata cujo propósito é atrair os operários Portugueses para as ilusões reformistas de um capitalismo “domesticado”. Durante todo o discurso, nós não conseguimos detectar o menor sinal de qualquer apelo ao combate genuinamente socialista, nem ao derrube violento do sistema capitalista e á sua substituição pela ditadura proletária.


Durante a manifestação do 1º de Maio, nós também constatámos a presença de grande quantidade de forças policiais que observavam atentamente os manifestantes. Perante isto, não é difícil concluir que as classes dominantes Portuguesas têm tanto medo da luta popular que até tentam intimidar e desencorajar uma manifestação que não representou a menor ameaça para a ordem exploradora capitalista. De facto, enquanto ocasiões como o 1º de Maio forem mantidas sob o controle revisionista e social-fascista, os opressores internos e externos do povo Português não precisam de se preocupar. Isto é muito triste porque durante 48 anos os trabalhadores Portugueses foram proibidos de celebrar o 1º de Maio pelas forças fascistas. E actualmente, os revisionistas e social-fascistas Portugueses também “proíbem” o proletariado de celebrar verdadeiramente o 1º de Maio ao impedirem-no de adquirir uma autêntica consciência comunista através da promoção de slogans reformistas que defendem a perpetuação da tirania repressora do capitalismo. Mas o seu domínio não vai durar para sempre. A Secção Portuguesa da Internacional Comunista (EH) vai abrir os olhos dos proletários Portugueses para o facto de que apenas o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo pode libertá-los definitivamente dos sofrimentos e privações que são intrínsecos ao capitalismo, de que apenas o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo os pode conduzir em direcção á sociedade socialista e comunista.




Proletários Portugueses – lutem contra os exploradores capitalistas internos e externos!


Não se deixem enganar pelas mentiras reformistas promovidas pelos revisionistas e social-fascistas Portugueses!


Lutem por uma autêntica ditadura proletária, lutem pelo verdadeiro socialismo em Portugal e no mundo!


Só a revolução socialista mundial pode libertar os trabalhadores Portugueses da opressão asfixiante dos credores imperialistas estrangeiros!


Vamos fundar um verdadeiro partido Estalinista-Hoxhaista em Portugal!


Vivam os trabalhadores Portugueses!


Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!


Viva a revolução mundial proletária e socialista!

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Novo

 

nova publicação de obras do camarada Enver Hoxha e de documentos do PTA

em língua Dinamarquesa



 

 

 

 

 

 

 

Novo

ENVER HOXHA

A EDIÇÃO EM PUNJABI

 

DO RELATÓRIO AO VIII CONGRESSO DO PARTIDO DO TRABALHO DA ALBÂNIA

traduzido e publicado pelo Centro de livros Internacional

versão virtual elaborada graças ao site www.enverhoxha.ru

PUNJABI

 

 

 

 

 


Novo

AS REGRAS DA ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL DOS PARTIDOS COMUNISTAS APROVADAS PELO BUREAU DO COMITÉ EXECUTIVO DA INTERNACIONAL COMUNISTA    

(em Inglês) 

[EXTRACTOS]

4 de Maio de 1925 Inprekorr, volume 83, página 1132, 15 de Maio de 1925

 

 

 

 

 

1º de Maio de 2003 – 1º de Maio de 2012

 

 

Viva o 9º aniversário da Refundação da

Internacional dos Sindicatos Vermelhos!

 

 

 

 

A. Lozovsky

Programa de Acção da Internacional dos Sindicatos Vermelhos

(em Inglês)

Agosto – Outubro de 1921

 

 

O COMINTERN

ACERCA DA ISV e DOS SINDICATOS

(em Inglês)

 

 

 

Compilação:
Manifestos do Comintern acerca do 1º de Maio

(em Inglês)

 

 

 

  Novo

www.enverhoxha.ru

"DAS MUSEUMSHAUS DER PARTEI" 

("CASA E MUSEU DO PARTIDO”)

 

Publicado por "8 NËNTORI», TIRANA, 1981;  em língua Alemã)  – fotos da casa histórica onde foi fundado o Partido Comunista da Albânia (futuro Partido do Trabalho da Albânia a partir de 1948), em Novembro de 1941, durante os difíceis dias da Ocupação Fascista.

“…A casa, que foi organizada pelo Partido Comunista da Albânia, é já um importante monumento deste país, e é conhecido por todos os Albaneses bem como por milhares de amigos, camaradas e colegas estrangeiros,” – escreveu o camarada Enver Hoxha acerca deste lugar nas suas memórias “Quando o partido nasceu” ( "Selected Works", Volume VI, the publishing house "NENTORI 8", Tirana, 1988, edition in Russian, p 260 ) 

“House, / My darling little house! / You - building of the first headquarters Party Central Committee, / And the first headquarters of the Council of Ministers, / In which fit all the ministries - / From defense and to the industry / whistle of bullets came here, / And the smell of burned bread ... ("versos traduzidos do Albanês para o Inglês por Sardushkin VM e incluídos na edição virtual da obra “Hand in hand with the people” disponível no site www.enverhoxha.ru, 2012 )

 

Agradecemos aos nossos camaradas Russos este presente do 1º de Maio

No 1º de Maio –

Saudações Revolucionárias Mundiais para os nossos camaradas Russos!

 

 

 

 

 

 

 

Viva

o dia da luta da

classe operária internacional!

 

 

Mensagem

do Primeiro de Maio

da Secção

Portuguesa do Comintern (Estalinista-Hoxhaista)


Viva

o dia de luta da classe operária internacional!


Este Primeiro de Maio de 2012 será de importância decisiva para o proletariado Português. De facto, os trabalhadores Portugueses estão a ser sujeitos á mais dura exploração e saqueio. Os bancos e as multinacionais que controlam organismos imperialistas como o Fundo Monetário Internacional e a União Europeia estão a condenar os proletários Portugueses á miséria, á pobreza e ao desemprego através das especulações escandalosas que fazem com a dívida externa Portuguesa. É claro que os imperialistas usam as classes dominantes como seus lacaios de forma a maximizarem a exploração do povo Português, até porque os planos perversos dos imperialistas também os beneficiam.

O proletariado Português só tem boas perspectivas se seguir fielmente o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo, porque esta é a única ideologia capaz de os conduzir á sociedade comunista mundial na qual a exploração e a opressão não existirão mais. Os trabalhadores Portugueses têm de compreender que a única maneira de se livrarem dos males infinitos do capitalismo é através da revolução socialista mundial, é através da implementação da ditadura do proletariado mundial e da sociedade socialista não apenas em Portugal mas em todo o mundo. O socialismo mundial é a única forma de abolir a inevitabilidade do cerco e da restauração capitalista-revisionista.

Em Portugal, o movimento “comunista” é totalmente dominado por todos os tipos de revisionistas – desde os Trotskistas até aos Maoistas – mas esta situação não vai durar para sempre! Nós temos de fundar em Portugal um verdadeiro partido Estalinista-Hoxhaista sob a liderança do Comintern (EH) – isto é essencial não apenas para a emancipação do proletariado Português, mas também para a emancipação de todo o proletariado mundial.

Assim, nós apelamos a todos os autênticos comunistas Portugueses – que são a vanguarda das classes trabalhadoras Portuguesas – para se unirem num partido Estalinista-Hoxhaista que será um valioso destacamento do exército vermelho do proletariado mundial na sua luta contra o sistema de exploração do capitalismo-imperialismo e a favor do socialismo e do comunismo mundiais.

 

 

Trabalhadores Portugueses – só é possível derrotar o imperialismo através da revolução socialista mundial

!

Não se deixem enganar pelas mentiras dos opressores capitalistas e revisionistas Portugueses!

 

Vamos transformar este Primeiro de Maio num furacão de fogo revolucionário!

 

Vamos fundar um verdadeiro partido Estalinista-Hoxhaista em Portugal!

 

Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

 

Viva a revolução mundial proletária e socialista!

 

Viva a ditadura proletária mundial!

 

Viva o socialismo e o comunismo mundiais!

 

Viva o Comintern (EH)!


 

 

 

MENSAGEM

DO 1º DE MAIO

[mundial]

 

Viva o comunismo mundial!

 

Da ideia a chama já consome
A crosta bruta que a soterra

Cortai o mal bem pelo fundo
De pé, de pé, não mais senhores
Se nada somos em tal mundo
Sejamos tudo, ó produtores

Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional”

 

 

documento histórico

Primeiro de Maio - 1946

 

 

 

 

 

On May Day


Vladimir I. Lenin

Compilação de escritos, panfletos e citações

(em Inglês)

 

 

 

 

 

Viva o camarada V. I. Lenine!

22 – 4 – 1870

142º aniversário

 

Hoje, o dia 22 de Abril de 2012 …

… marca o 142º aniversário de Vladimir Ilyich Ulyanov-Lenine, o brilhante continuador dos ensinamentos revolucionários de Karl Marx e de Friedrich Engels, o criador do Partido Comunista da União Soviética, o líder da Grande Revolução Socialista de Outubro e o fundador do primeiro estado socialista do mundo.

Lenine desenvolveu a teoria da revolução socialista e da construção da sociedade comunista, ele muniu o movimento Russo e o movimento internacional com uma táctica e com uma estratégia científicas, ele permaneceu na vanguarda da luta da classe operária pela concretização dos ideais do socialismo e do comunismo.

Lenine fez avançar o Marxismo desde o início das suas actividades revolucionárias, ele possuía uma mente crítica revolucionária, ele detinha um carácter activo e criativo e foi o maior dos internacionalistas proletários. Ele dedicou toda a sua vida á causa revolucionária da emancipação da classe operária, a todos os povos explorados e oprimidos, á causa da revolução socialista mundial e á construção de um novo mundo comunista. Lenine era um político de novo tipo: académico, propagandista, organizador das massas populares e líder da revolução socialista mundial. O seu carácter revolucionário distingue-se por: uma ciência profunda na análise dos processos de desenvolvimento; discernimento sóbrio da força relativa e do alinhamento das classes, consistência e dureza na defesa dos princípios Marxistas, determinação na acção, flexibilidade nas tácticas de combate, serviço desinteressado em benefício dos interesses e dos objectivos do movimento proletário.

Lenine relacionava a elaboração da teoria e da ciência política com o estudo da generalização da experiência de guerra do proletariado. Na experiência dos milhões ele procurou e encontrou a resposta a importantes questões do movimento operário. Ele foi o maior mestre da táctica e da estratégia proletária. Lenine estava intimamente ligado ao povo trabalhador, ele estudou cuidadosamente a vida dos operários e dos camponeses e a vida de todos os estratos sociais que ele incluía nas suas decisões políticas.

A vida de Lenine foi de facto uma vida de trabalho mental criativo e de incansável acção revolucionária. Ele corporizava as melhores qualidades do revolucionário proletário – uma mente poderosa, uma imensa força de vontade, um ódio infinito á escravatura e á opressão, fervor revolucionário, internacionalismo consistente, fé sem limites no poder criativo do proletariado mundial e um enorme talento organizacional.

A vida e a obra de Lenine constituem verdadeiros guias para o nosso trabalho diário de preparação da revolução socialista mundial:

LENINISM

IS AN INFALLIBLE SIGNPOST FOR THE

WORLD REVOLUTION

(em Inglês)

 

hoje publicamos também a tradução em língua Portuguesa:

 

 

 

 

NOVO:

 

O LENINISMO

UM GUIA INFALÍVEL
PARA A REVOLUÇÃO MUNDIAL

 

 

 

 

NOVO:

LENINE

ACERCA DA CRISE CAPITALISTA

(em Inglês)

nova compilação de citações e de textos – por ocasião do 142º aniversário de Lenine

(também em língua Alemã)

 

 

 

 

 

 

Lenine acerca da crise capitalista

The Impending Catastrophe and How to Combat It

(em Inglês)

escrito entre 10 e 14 de Setembro de 1917

 

 

 

 

 

 

 

Por ocasião do 142º aniversário de Lenine

o Comintern (EH) completou o

Arquivo de Lenine

 

que inclui escritos do camarada Lenine em mais de 20 línguas de todo o mundo

 

 

 

 

 

 

 

11 de Abril de 1985

Dia da morte do Camarada

ENVER HOXHA

 



Nós, Estalinistas-Hoxhaistas de todo o mundo, temos em Enver Hoxha um camarada e um amigo que sempre nos apoiou e encorajou de forma fraternal. O seu pensamento teórico acerca dos problemas da revolução mundial, acerca da ditadura proletária e da construção do socialismo, as suas análises e luta de classes contra o imperialismo, contra o social-imperialismo, contra o Titoismo, contra o revisionismo Soviético e contra o Maoismo e o “Eurocomunismo” constituem uma contribuição extraordinária para o tesouro teórico do Marxismo-Leninismo e para a prática revolucionária mundial.  

Viva o 5º Clássico do Marxismo-Leninismo!

Viva o camarada Enver Hoxha!   

 

 

 

 

 

 

 

 

álbum

"Hand in hand with the people"

 

 

PDF format
[download 112 Mb]

 

 

(edição virtual preparada pelo site www.enverhoxha.ru. 2012.)

 

Esta edição é uma tradução Russa de um álbum publicado no 70º aniversário de Enver Hoxha. A edição original foi pensada para o leitor Albanês e contém muitas metáforas, referências a elementos do folclore, a eventos históricos, nomes de lugares, etc.… que nem sempre são conhecidos dos leitores estrangeiros. No entanto, graças aos esforços dos tradutores, os leitores russos terão a oportunidade de aceder a este material e de estudar o percurso glorioso do Camarada Enver Hoxha, o extraordinário líder do Partido do Trabalho da Albânia e do Povo Albanês, bem como de aprender mais acerca do trabalho e da vida heróica do Albaneses durante a construção do socialismo na Albânia.


 

 


O saqueio é um crime!!

A re-publicação é um tesouro!!

 


Estes são os títulos dos livros em Hindu, na língua Punjabi, em Islandês, em Dinamarquês e em Russo.

Estes são os tesouros saqueados do museu Enver Hoxha de Tirana.

As publicações do camarada Enver Hoxha e da Albânia Socialista devem ser gratuitas!

A vida e a obra do Camarada Enver Hoxha são imortais e indestrutíveis!

Graças aos nossos camaradas do site

www.enverhoxha.ru

todos estes tesouros serão re-publicados!



Apelo:

Camaradas de todo o mundo!

Por favor, ajudem-nos apoiando o nosso importante trabalho de re-publicação!

Ajudem-nos a compilar, a completar e a re-publicar todos os tesouros do camarada Enver Hoxha e da Albânia Socialista.

Enviem todos os documentos perdidos ou em falta que conseguirem descobrir – em qualquer língua – para:



info@enverhoxha.ru

ou para

comintern2001@yahoo.com

Obrigada!!


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lisboa,

tarde do dia 22 de Março de 2012

 

– manifestação da greve geral contra as medidas de austeridade impostas pela União Europeia imperialista e pelo governo neo-liberal Português

 

 

Relatório:

Em primeiro lugar, temos de notar que esta greve e esta manifestação foram convocadas num contexto de intensa luta de classes. De facto, a situação do proletariado Português está a tornar-se verdadeiramente insuportável. Desde a aplicação do programa de austeridade da troika (“troika” é a designação dada ao grupo composto pela U.E e pelo FMI que definiu as medidas de austeridade a serem impostas aos trabalhadores Portugueses em benefício dos exploradores), os preços subiram em flecha enquanto os salários são cada vez mais baixos. Segundo as estatísticas oficiais, Portugal é o país mais desigual da União Europeia e é óbvio que as coisas vão ficar ainda piores no futuro. Os estudantes universitários estão entre os grupos mais afectados por cause da subida dos preços das propinas. Muitos deles estão a ser obrigados a abandonar a universidade porque não podem pagar. É verdade que o sistema de ensino Português nunca foi perfeito – muito pelo contrário. Mas agora, com as medidas de austeridade, estamos a regressar aos tempos da ditadura fascista, quando apenas os filhos dos plutocratas fascistas podiam pagar os seus estudos.

Assim, foi sem surpresa que constatámos que grande parte dos manifestantes eram jovens estudantes que exibiam cartazes perguntando com ironia: “Passos, pagas-me as propinas?” (Passos Coelho é o primeiro-ministro social-darwinista de Portugal).

Claro, uma coisa impossível de ignorar foi a presença das "forças de segurança" que servem o Estado capitalista. De facto, nós notámos que á medida que a manifestação se ia desenvolvendo, o número de agentes da polícia ia aumentando (no final da manifestação, nós estávamos cercados por destacamentos do Corpo de Intervenção). A certa altura, houve grandes tumultos quando a polícia começou a bater nalguns “militantes” do movimento 15 de Outubro que estavam a atirar ovos ao Banco de Portugal (apesar de não termos a mínima simpatia por este movimento, gritámos “Morte á polícia fascista!” em solidariedade com eles).

Isto mostra o quanto os exploradores têm medo das exigências populares, porque esta demonstração foi totalmente dominada pelos revisionistas e - consequentemente - era inofensiva para o estado capitalista. Na verdade, houve propaganda revisionista por toda a parte: a greve foi convocada pela CGTP – a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses, que está totalmente subordinada ao Partido "Comunista" Português (há muitos membros do Comité Central do P “C” P que são simultaneamente líderes da CGTP).

Quando chegamos á principal avenida de Lisboa (onde a manifestação teve lugar), o líder do CGTP já tinha começado o seu discurso, que foi exactamente como esperávamos. Ele "elogiou" os trabalhadores pela sua coragem de entrar em greve contra as pressões do governo neo-liberal, mas para além disto não houve nada que se parecesse com agitação verdadeiramente revolucionária; o resto do discurso ficou circunscrito às exigências de ordem puramente económica e encorajamento da falsa "luta dos trabalhadores” dentro dos limites do sistema capitalista. Houve também uma série de apelos à "derrubada do governo reaccionário ao serviço do imperialismo europeu" - como se as coisas pudessem ser resolvidas com uma simples "mudança de governo" em favor da burguesia "progressista" - quando a verdade é que o socialismo é a única cura possível para a doença capitalista.

Então, começámos a descer a avenida.

Havia muitos grupos de "militantes" do P "C" P que gritavam slogans como: “Austeridade é pobreza, trabalho é progresso!”, “A precariedade não tem futuro!” e “Mais salários, melhores horários!”. Eles eram em número considerável e pareciam estar cuidadosamente organizados. Isto irritou-nos muito. É duro pensar que um partido social-fascista como o P “C” P tem tantos militantes e influência, enquanto a Secção Portuguesa do Comintern (EH) – que tem uma ideologia autenticamente revolucionária e comunista – ainda está numa fase embrionária. É claro que não podemos esquecer que os revisionistas Portugueses estão a ser favorecidos pela burguesia enquanto nós, Estalinistas-Hoxhaistas Portugueses, somos os piores inimigos da burguesia e temos que combater o sistema capitalista-imperialista com todas as nossas forças.

Vimos alguns "militantes" do P “C” P distribuindo papéis de propaganda. Quando chegou a nossa vez de receber um, recusámo-lo. Tentámos ser veementes na nossa recusa, e por causa disso o revisionista que estava a distribuir os papéis olhou para nós como se rejeitar propaganda do Partido Revisionista Português fosse o pior crime de todos os tempos.

Havia também membros do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses – o principal partido Maoista em Portugal. Eles usavam slogans como: "Morte á Troika!", “Não pagamos (a dívida de Portugal)!” e “Morte ao imperialismo germânico!” (só é pena que eles se tenham "esquecido" de também dizer: "Morte ao imperialismo Chinês!"- imperialismo esse que está á beira de dominar o mundo e que nasceu e se fortaleceu graças á ideologia do PCTP – o Maoismo).

Depois disso, decidimos juntar-nos a um grupo que gritava: "Abaixo o capitalismo!" (nós gostámos deste slogan). No nosso grupo havia muitos simpatizantes do movimento 15 de Outubro. Um desses simpatizantes até nos perguntou se nós também éramos parte do movimento 15 de Outubro. Nós respondemos negativamente e informámo-lo que éramos membros do Comintern Estalinista-Hoxhaista. Também lhe dissemos que o Comintern (EH) tem um site na internet e aconselhámo-lo a visitá-lo. Mas ele olhou para nós de uma maneira muito estranha, disse “Desculpa, não quero nada com o Estalinismo”, virou-nos as costas e afastou-se! Que cobardia! Ainda pensámos em ir atrás dele para lhe perguntar porque é que ele tinha tanto medo da ideologia Estalinista, mas – sejamos sinceros – o que poderíamos nós esperar de um simpatizante de um movimento pró-anarquista totalmente fabricado pelas classes exploradoras que o usam como válvula de escape para as legítimas reclamações das massas oprimidas? De qualquer forma, nós já estamos acostumados a enfrentar maus modos de cada vez que assumimos a nossa gloriosa ideologia Estalinista em público. De facto, é interessante que os “militantes” e os “simpatizantes” do movimento 15 de Outubro estejam a ser apresentados pelos intelectuais burgueses “de esquerda” como tendo sido “os heróis” da manifestação devido aos confrontos ocorridos entre eles e a polícia. Assim, concluímos que estes “heróis” do movimento 15 de Outubro são suficientemente “corajosos” para atirarem ovos aos bancos e aos polícias, mas não para aguentarem uma conversa que inclua a palavra “Estalinista”.

A nossa experiência de participação na manifestação da greve de 22 de Março mostrou-nos o quanto os trabalhadores portugueses precisam de uma forte organização de vanguarda proletária e comunista, que seja capaz de os conduzir á revolução socialista, ao estabelecimento da ditadura do proletariado, ao socialismo e ao comunismo. Os trabalhadores portugueses estão submersos no lixo revisionista, anarquista, pró-capitalista e anti-socialista. Está na hora de nós, Estalinistas-Hoxhaistas Portugueses, limparmos toda esta porcaria e de inculcarmos os ensinamentos geniais dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo nas mentes e nos corações das classes exploradas Portuguesas.


Viva a luta do proletariado Português contra as medidas de austeridade exploradoras!

Viva a solidariedade internacionalista entre os trabalhadores da Europa e do mundo!

Morte ao imperialismo Europeu!

Morte á União Europeia capitalista!

Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

Viva a Revolução Socialista mundial!

Viva a Europa socialista!

Viva o Socialismo mundial!

Viva o Comunismo mundial!

Viva o Comintern (EH)!


 

 

 

 

 

 

8 março 2012

Desejamos enviar saudações a todos os camaradas de todo o mundo neste Dia Internacional da Mulher!

 

 

O Comintern (EH) é a única organização que luta verdadeiramente pela emancipação das mulheres, porque o Estalinismo-Hoxhaismo é a única ideologia autenticamente proletária e revolucionária que é capaz de libertar as mulheres das amarras milenares com as quais as classes exploradoras as têm oprimido ao longo da história.

No que respeita aos falsos “movimentos feministas”, eles não são mais do que bodes expiatórios fabricados pela burguesia reaccionária para enganar as mulheres, tentando dar-lhes a impressão de que a época do domínio masculino já passou e que elas são “livres” sob o capitalismo. Isto é totalmente falso. As mulheres proletárias continuam a ser duramente oprimidas e discriminadas, as diferenças salariais entre os trabalhadores e as trabalhadoras continuam a ser enormes. Nalguns casos, elas até são maiores do que tinham sido há algumas décadas atrás. Por isso, o capitalismo nunca libertará as mulheres porque a sua discriminação e inferiorização maximiza os lucros da burguesia. O único caminho para a libertação das mulheres é a revolução socialista mundial e a ditadura proletária mundial! Tudo o resto é reaccionário, anti-comunista e serve apenas para manter as trabalhadoras na servidão.

Outra das tácticas usadas pelas classes exploradoras é elogiar algumas mulheres burguesas e reaccionárias. Isto acontece no âmbito político-económico, onde as mulheres pró-capitalistas são apresentadas como sendo “modelos ideológicos” que todas as outras mulheres devem seguir. No entanto, todas estas tácticas vão fracassar. É a nós, mulheres Comunistas, que o futuro pertence.

 

 

 

 

 

22 fevereiro 2012

Porque é que o Brasil é um país imperialista?

 

 

 

[ PDF-Formato ]

 

 

 

 

 

 

 

Precisam-se urgentemente de tradutores!

 

Quem se voluntaria para traduzir os documentos do Comintern (EH)?

 

Por favor, envia-nos o teu email para:  comintern2001@yahoo.com

(obrigado!)

No dia 31 de Dezembro de 2011, o Comintern (EH) decidiu implementar o Plano-Anual para 2012:

O Comintern (EH) procura tradutores voluntários que traduzam as nossas publicações teóricas mais importantes no máximo número de línguas possível.

Presentemente, a construção ideológica do Comintern (EH) é a nossa principal tarefa.

A disseminação das nossas ideias Estalinistas-Hoxhaistas é de uma importância enorme para fundar o movimento mundial Estalinista-Hoxhaista e para a vitória da revolução socialista mundial.

O Comintern (EH) decidiu publicar em 2012 os nossos documentos teóricos nas línguas mais faladas no mundo – de preferência em Árabe, Bengali, Chinês, Francês, Hindi-Urdu, Japonês e Espanhol. As traduções em todas as outras línguas são também muito importantes.

Esta tarefa não pode ser concretizada sem a ajuda de tradutores voluntários. Para eles, nós publicamos o seguinte apelo:

 

Carta aos tradutores de documentos do Comintern (EH)



A tradução das 60 páginas que constituem a “Declaração Programática Mundial do Comintern (EH)” é o teu primeiro passo revolucionário!

Essas 60 páginas estão publicadas no nosso site em Inglês, Russo, Português, Alemão e Georgiano.

 Tu és um tradutor!

Isto significa que pertences ao conjunto daqueles que ajudam a nação proletária mundial a caminhar sobre os seus próprios pés – e tu és a sua vanguarda!

Tu adoras estas pessoas, estes trabalhadores globais cujas mãos criam aquilo que nós comemos, que nós vestimos e que nós usamos. Aquilo que simplifica e que dá movimento á nossa vida. E, por sua vez, os trabalhadores mundiais também te adoram a ti!

Por isso, vamos responder ao trabalho com trabalho, ao amor com amor, vamos ligar-nos uns aos outros. Une o mundo através do teu trabalho, do teu conhecimento e da tua consciência elevada!

Não importa se és Dinamarquês, Grego, Árabe ou Chinês! O teu trabalho vai ser benéfico para todos os trabalhadores de todo o mundo, e eles constituem 99% da Humanidade!

Traduz a “Declaração Programática Mundial do Comintern (EH)” na tua língua! Depois de ti outros vão contactar com este e com os outros documentos teóricos do Comintern (EH). Trabalharás com um entusiasmo tal que isso irá aproximar-nos de biliões de trabalhadores explorados que vivem na mais negra miséria!

Nós já traduzimos a “Declaração Programática Mundial do Comintern (EH)” em 4 línguas desde o original em Alemão – em Inglês, em Russo, em português e em Georgiano. Nós assinámo-las com os nossos pseudónimos revolucionários e publicámo-las no site do Comintern (EH): www.comintern.sh. Nisto consistiu uma parte importante da nossa modesta contribuição para este grande passo histórico dado pelo Comintern (EH). Tudo isto nos encheu de grande entusiasmo e levou-nos a querer testar os nossos espíritos revolucionários!

Todo este trabalho não te vai trazer o bem-estar material porque ele não tem objectivos comerciais! Também não vai fazer com que o teu nome se torne conhecido nos próximos anos. Mas no futuro o teu nome será certamente escrito em letras douradas no livro da história da humanidade que a Gloriosa Classe Trabalhadora Mundial vai construir. Ele será escrito em homenagem a ti, porque fostes uma pessoa de elevada consciência que estava á frente do seu tempo e que foi capaz de vislumbrar o futuro! Os teus sucessores terão orgulho em ti!

Nós nem sequer te vamos agradecer por esta tradução nem pela concretização bem-sucedida deste trabalho, porque se trata de saldar a nossa e a tua dívida para com a humanidade trabalhadora, mas as gerações futuras ficar-te-ão eternamente agradecidas e amar-te-ão profundamente porque o mereces!



Com os melhores cumprimentos

O Comintern (EH) – 11 de Fevereiro de 2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A DEMOCRACIA PROLETÁRIA

É A DEMOCRACIA VERDADEIRA

Discurso pronunciado por Enver Hoxha na Reunião do Conselho Geral da Frente Democrática da Albânia em 20 de Setembro de 1978

 

 

 

 

 

... acaba de ser traduzido e publicado !

Linhas gerais do Comintern (EH)
CAPÍTULO
 II

A Revolução Mundial e os ensinamentos de Lenine acerca do estado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O EUROCOMUNISMO É ANTICOMUNISMO

 

 

APRESENTAÇÃO


Tem enorme interesse a publicação em português da obra de
Enver Hoxha “O Eurocomunismo é Anticomunismo”. É uma critica cientifica ao revisionismo, feita num estilo simples e direto. Particularmente agora, quando todos os recursos são mobilizados pela burguesia para difundir as mais grosseiras tergiversações do marxismo, as opiniões do destacado dirigente do Partido do Trabalho da Albânia representam uma bússola segura para os defensores do socialismo cientifico.
Neste livro, Enver Hoxha analisa as diversas variantes do revisionismo contemporâneo, principalmente o eurocomunismo. Indica que o seu surgimento não deve ser encarado como uma simples traição de pessoas ou grupos, mas como um "fenômeno social, produto da pressão da burguesia sobre a classe operária e sua luta”. Mostra concretamente as condições objetivas e subjetivas que possibilitaram o seu aparecimento, polemiza e destrói, com uma sólida argumentação marxista-leninista, as suas falsas concepções.
A degenerescência dos partidos eurocomunistas já havia começado há tempos, no período da segunda guerra mundial. Na luta contra o fascismo, estes partidos ficaram a meio caminho, vacilaram em levar adiante a luta revolucionária. Aferraram-se à defesa das liberdades democráticas mas desligaram esta tarefa do objetivo socialista; não souberam ligar os objetivos imediatos com os interesses mais gerais do proletariado. Iludiram-se com a democracia burguesa e acalentaram o sonho de alcançar o socialismo através de eleições, pela via parlamentar.
Estas fragilidades seriam úteis para os planos da burguesia, que trataria de aprofundá-las em seu interesse. Neste período, depois da guerra, o imperialismo estava em dificuldades. A derrota do fascismo representou ao mesmo tempo um forte abalo para as posições do capitalismo em todo o mundo. Os povos elevaram o seu nível de luta em busca da libertação. O prestigio da União Soviética e do socialismo espalhou-se por todo lado. Formou-se um poderoso campo socialista com a URSS e os países de democracia popular da Europa e da Ásia. Os partidos comunistas reforçaram a sua influência junto às massas. As forças da revolução cresciam enquanto os defensores do capitalismo se isolavam.
O imperialismo rapidamente elaborou uma estratégia para sabotar a revolução, minar os partidos comunistas e destruir a ditadura do proletariado. Passou a usar a pressão econômica, política, ideológica e militar em grande escala. Aos oportunistas e revisionistas, nesta estratégia, cabia o papel de cavalo de Tróia, de atuar dentro do movimento operário para destruir a organização e as ações revolucionárias, privar o proletariado de seu Estado-Maior dirigente, confundi-lo ideologicamente, desorientá-lo politicamente.
Sem condições para combater frontalmente o marxismo leninismo, os revisionistas apresentam-se como “continuadores” de Marx e tratam de “desenvolver de forma criadora’’ a teoria do proletariado.
Substituem a luta revolucionária pelos "compromissos históricos” com os partidos burgueses e pelos “caminhos democráticos” de reforma do capitalismo. Salientam as mudanças verificadas na sociedade com o intuito de encobrir o fato de que as leis que regem o seu desenvolvimento
permanecem as mesmas. A tal ponto chegaram, afirma Enver Hoxha, que “os programas dos partidos revisionistas são programas dos partidos burgueses, socialistas e social democratas que navegam nas mesmas águas."
0 precursor do revisionismo contemporâneo foi Earl Browder,
que chegou a defender a transformação do Partido Comunista dos Estados Unidos numa associação cultural e de propaganda para aperfeiçoar a democracia americana e, desta forma, abrir o caminho para o socialismo. Enver Hoxha analisa sua evolução e demonstra como estas idéias tinham semelhanças com certas concepções já expressadas por Mao Tsetung neste período.
0 browderismo proclamava o fim das diferenças de classes nos
EUA, manifestando-se pela “unidade nacional” entre burgueses e proletários.
Suas concepções causaram danos nos EUA e em alguns partidos
da América Latina. Blas Roca, dirigente do PC cubano chegou
a escrever um livro para defender estes pontos de vista capitulacionistas.
Codovilla na Argentina, assim como outros dirigentes no Uruguai e no Chile também embarcaram neste barco furado. No Brasil, Prestes chegou a elogiar as “novidades” de Browder, mas recolheu rapidamente o seu entusiasmo diante da vigorosa resposta dada pelo movimento comunista mundial a esta traição descarada da teoria revolucionária.
Enver desmascara também o “maoísmo” — que chegou a se apresentar como adversário do revisionismo — mas que se revelou como uma amálgama de idéias que, a pretexto de “achinezar” o marxismo, negava as suas leis fundamentais. Demonstra também como o titismo cumpriu um papel chave na estratégia imperialista, num momento crucial do combate entre capitalismo e socialismo, dividindo o campo socialista
quando a correlação de forças mundial tendia para o lado do proletariado.
Enver Hoxha destaca o papel particularmente nocivo do revisio-
nismo krushovista ao usurpar o poder na URSS, restaurar o capitalismo e transformar o primeiro pais socialista e grande centro da revolução mundial em um pais imperialista e em foco de contra-revolução. Os revisionistas soviéticos transformaram-se numa nova burguesia no poder, explorando os trabalhadores de seu pais e espalhando a sua influência por todo o mundo. A traição krushovista deu alento ao oportunismo por todo lado e transformou-se numa corrente agressiva,
de proporções internacionais.
A obra de Enver Hoxha detém-se pormenorizadamente no eurocomunismo — na verdade anticomunismo — e mostra a sua manifestação principalmente nos partidos da França, Itália e Espanha. Estes renegados da revolução embelezam o quanto podem o capitalismo.
Dizem que o proletariado “inseriu-se” a tal ponto no capitalismo que não tem mais interesse na revolução. E que as transformações ocorridas na sociedade fizeram com que as demais camadas sociais, em particular os intelectuais, se igualassem ao proletariado. Falam de “reformas estruturais” que levariam a mudanças na correlação das forças sociais, permitindo a passagem gradativa ao socialismo através da democratização em todos os sentidos da sociedade burguesa. Estas mudanças contariam inclusive com o apoio da maior parte da burguesia.
Na Itália, os eurocomunistas de Berlinguer defendem que a
passagem ao socialismo será efetivada através da linha definida pela Constituição Republicana, em aliança com a democracia cristã. Na França pregam a formação de um bloco de esquerda, com os socialistas de Mitterand e outras forças burguesas, para construir o “socialismo democrático, de autogestão”. Na Espanha, sob a batuta de Santiago Carrillo, tornam-se admiradores da Monarquia — democrática, segundo
eles — e tratam de adaptar as atuais instituições aos interesses populares.
Dizem inclusive que o exército espanhol — o mesmo que sustentou Franco no poder durante décadas — pode ser educado para que abandone as suas idéias direitistas.
Com tudo isto, não é de se admirar que para os eurocomunistas
os conceitos de luta de classes e de ditadura do proletariado sejam peças de museu — o próprio conceito de proletariado eles já jogaram no lixo. Trocam a arma de combate que é o partido de vanguarda, marxista-leninista, por um aglomerado amorfo, voltado unicamente para as lides parlamentares. Substituem a revolução pela conciliação de classes.
No Brasil, o chamado Partido Comunista Brasileiro, dividido
em um sem número de facções, segue este mesmo caminho. A pretexto de lutar pela sua legalização, os seguidores de Giocondo Dias caem na mais completa subserviência diante da burguesia. Trocam qualquer coisa pela permissão oficial para ter um lugar no parlamento e certamente sonham em mais tarde, quem sabe, conseguir senão uma cadeira pelo menos um banquinho mais próximo do poder. Recentemente estes revisionistas foram ao Congresso Nacional apresentar o seu projeto de estatutos e programa — elaborados dentro dos padrões estabelecidos por todos os partidos burgueses. 0 que há de mais “radical" em tal documento é a defesa de “transformações substanciais”, para “modificar o caráter e as funções” das instituições estatais. Concluem que a
“democracia de massas é a via para o socialismo no Brasil" e explicam que o socialismo é o “ordenamento societário no qual a democracia política realiza-se na democracia econômica e social”. E, para completar, dizem que seus militantes devem “aceitar a teoria social fundada por Marx e desenvolvida por Lênin, como método cientifico de análise da realidade”.
Tudo muito esterilizado, ao gosto da burguesia. Para eles, o
marxismo é apenas um método de análise — nada de teoria da revolução.
E o socialismo é um ordenamento para realizar a democracia.
Mas, infelizmente para os oportunistas, a vida é adversa a estas falsidades. É claro que vivemos numa situação diferente da época de Marx e Engels. E mesmo em relação ao período de Lênin e Stálin o capitalismo desenvolveu-se bastante. Mas pode-se por acaso falar em alteração do conteúdo da exploração capitalista? Mudaram as condições materiais e sociais que separam o proletariado da burguesia?
Transformou-se o caráter opressor e explorador do capitalismo? Os operários deixaram de ser os despossuidos que trabalham sob o comando do capital para fornecer a mais valia aos capitalistas? Pelo contrário.
Em particular com a crise atual, a mais profunda e mais extensa de sua história, o capitalismo acirra todas as suas contradições básicas, aprofunda ainda mais o fosso entre operários e patrões. A luta de classes torna-se cada dia mais aguda e a revolução é, mais do que nunca, "um problema candente que exige solução” — com afirma Enver Hoxha.
Como falar em nivelação de todas as camadas sociais e em integração do proletariado nos "benefícios’’ do capitalismo para os 10 milhões de desempregados dos Estados Unidos, os 2,5 milhões da França e outros tantos na Alemanha, Inglaterra, Itália e todo o mundo capitalista? Como explicar as “maravilhas” deste sistema social aos operários que têm os seus salários rebaixados por imposição dos governos, a serviço dos patrões, para salvaguardar os lucros da burguesia?
E as reduções das conquistas já existentes em relação à previdência social e a piora em particular do atendimento da saúde? Como falar em ampliação da democracia quando a burguesia trata, pelo contrário, de aprovar novas leis de caráter fascistizante e de recrudescer a repressão policial sobre os trabalhadores?
A realidade, longe de negar, confirma cabalmente a teoria marxista- leninista. Os revisionistas de tódos os tipos, nos seus esforços desesperados para esconder esta verdade, apenas revelam-se como agentes da burguesia para perpetuar o capitalismo. Enver Hoxha assinala que “a estratégia e as táticas da burguesia, que foram também adotadas pelos eurocomunistas, tendem a dividir a classe operária a fim de impedir que se forme uma força de combate única com a qual tenham que se defrontar”.
Com sua critica de princípios ao revisionismo, Enver Hoxha
trata de manter afiado o aço da teoria revolucionária e do partido do proletariado, armas indispensáveis para unir a classe operária, conquistar a liberdade, o socialismo e o comunismo. Ele afirma que “A revolução e o socialismo representam a única chave de que o proletariado e as massas precisam para resolver as contradições irreconciliáveis da sociedade capitalista, para acabar com a opressão e a exploração, para alcançar a verdadeira liberdade e igualdade. E enquanto houver opressão e exploração, enquanto houver capitalismo, o pensamento e a luta das massas se orientarão sempre para a revolução e o socialismo”.
O combate ao revisionismo é tarefa permanente. Desmascaradá
e derrotada num determinado momento, esta erva daninha ressurge mais adiante, com roupa nova, sempre travestida com um linguajar revolucionário, para servir à burguesia, pregando a conciliação de classes. É uma luta que faz parte da guerra de classes no terreno ideológico.
Enver Hoxha sempre se destacou como defensor domarxismo-leninismo e crítico intransigente do revisionismo. Na direção do PTA, enfrentou uma dura batalha contra o titismo que, tomando o poder na Iugoslávia, pressionou o Partido e o governo da Albânia nos terrenos político, econômico, ideológico e militar. Da mesma forma, desde o tristemente famoso XXo Congresso do PCUS, ofereceu combate ao krushovismo e à máquina de poder da URSS, transformada em superpotência social-imperialista.
“O Eurocomunismo é Anticomunismo” esclarece importantes
problemas teóricos e ajuda a compreender o papel do revisionismo na estratégia hegemonista da URSS e dos EUA. É uma leitura essencial para os trabalhadores e todos os estudiosos do marxismo-lenisnismo.

 

Rogério Lustosa
Diretor do Semanário Tribuna Operária.

 

 

 

 

Viva o 11º Aniversário do Comintern (EH)!



31 de Dezembro de 2000

31 de Dezembro de 2011



 

 

11 Anos – 5 Clássicos

Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

Viva o Comintern de Lenine e de Estaline!



Caros camaradas!

Por ocasião do 11º Aniversário do Comintern (EH) e do ano novo que está prestes a começar, o Comintern (EH) deseja enviar a todos os camaradas de todo o mundo:

saudações Estalinistas-Hoxhaistas!

Simultaneamente, nós gostaríamos de agradecer a todos os camaradas de todo o mundo pelas mensagens de parabéns que nos enviaram por ocasião do 11º Aniversário do restabelecimento da Internacional Comunista, e gostaríamos também de lhes agradecer por mais um ano de apoio à construção do Comintern (EH)!

 

Nós desejamos a todos os camaradas de todo o mundo um ano de 2012 revolucionário e militante!

 

A Internacional Comunista (Estalinista-Hoxhaista) é o único partido global da revolução proletária mundial. Nós decidimos colectivamente o nosso primeiro plano anual em 2012 e nós devemos colocá-lo em prática de maneira bem sucedida.

 

Em 2012, nós devemos fortalecer a frente unida globalizada contra a crise do capitalismo mundial e pelo socialismo mundial!

 

Os esforços desesperados invocando a reconciliação das classes por parte dos liberais, dos reformistas, dos revisionistas e dos neo-revisionistas com o objectivo de tentarem lidar com a crise mundial enfrentam a indignação crescente e a resistência das massas de todo o mundo. Em 2012, as frentes de classe globalizam-se e consolidam-se. As massas estão cada vez mais conscientes de que cada nova correcção revisionista para contrariar a crise só vai conduzir a que a crise se aprofunde cada vez mais. A crise mundial ensina ás massas que os políticos burgueses têm obrigatoriamente de seguir as regras da inevitabilidade do lucro – e isto significa: ainda mais exploração e opressão das massas. E isto conduz inevitavelmente a uma situação revolucionária á escala mundial.

Nunca antes na história as massas mundiais foram forçadas pelo capital financeiro internacional a terem de suportar um tal peso de dívidas globais como aquele a que estão sujeitas no contexto da actual crise capitalista mundial. E o ano de 2012 não vai trazer nenhuma melhoria. Pelo contrário, ocorrerá uma tremenda proliferação global da miséria, da exploração, da opressão e da escravatura. Os governos burgueses de todos os países são os instrumentos obedientes da ditadura mundial do capital financeiro que está condenada á queda e ao colapso. A ditadura mundial do capital financeiro não se detém perante nada – á excepção da ditadura do proletariado mundial!



O ano de 2012 será um ano de intensa luta de classes

contra o peso das dívidas e contra todos os outros efeitos da crise global que se fazem sentir sobre as classes exploradas e oprimidas!

 

Nada nem ninguém vai conseguir resolver a crise do capitalismo mundial á excepção de nós próprios. O proletariado revolucionário mundial sob a liderança do Comintern (EH) é o coveiro do capitalismo. É nossa tarefa unir o proletariado mundial e os povos do mundo com o propósito de derrubar os exploradores capitalistas e de destruir o seu sistema de repressão á escala global. Nós lutamos por um mundo sem dívidas e sem crises capitalistas – nós lutamos pela vitória do Trabalho mundial sobre o Capital mundial!



O ano de 2012 será um ano de grandes batalhas de classe entre o Capital global e o Trabalho global!

 

Quanto mais a crise mundial do capitalismo se aprofunda e se expande, mais forte e mais ampla se torna a revolução mundial, e consequentemente, mais brutais serão os ataques da burguesia, que adoptarão os métodos do fascismo e do social-fascismo. O caminho para a maré revolucionária mundial vai acelerar-se – e isto sucederá em todos os países do mundo sem excepção – na mesma medida da contra-revolução internacional. Assim, uma unidade mundial anti-fascista / anti-social-fascista será criada. Através das acções unidas internacionais, os proletários de todos os países vão aniquilar e abolir o poder do capital financeiro internacional.



O ano de 2012 será um ano de luta tanto contra o fascismo mundial como contra o social-fascismo mundial!

 

Em 2011, os imperialistas mundiais sofreram derrotas políticas e militares. A sua fraqueza é obviamente causada pela expansão e pelo aprofundamento das lutas de libertação dos povos. As forças da libertação nacional lutam contra as pressões da crise do mundo capitalista e revisionista fazendo com que a revolução vá avançando, especialmente nos países Árabes. O crescimento da luta anti-imperialista une todos os povos á escala global.



O ano de 2012 será um ano de unificação dos grandes movimentos anti-imperialistas de libertação dos povos!

 

Ao mesmo tempo, em 2012 a crise política vai aprofundar as contradições entre as potências imperialistas mundiais. A sede pelos lucros impossibilita qualquer tipo de esforços mútuos para lidar com a crise. A luta pela redistribuição do mundo entre o imperialismo Ocidental e o social-imperialismo Oriental traduz-se no aumento dos conflitos no seio do mundo imperialista, o que faz aumentar o risco de ocorrência de uma nova guerra mundial. A crise mundial conduz inevitavelmente às guerras imperialistas. O ano de 2012 significa: A guerra das classes exploradas e oprimidas contra a guerra imperialista!



O ano de 2012 será um ano de luta unida das classes exploradas e oprimidas contra as guerras imperialistas

com o objectivo de destruir o sistema que lhes dá origem – o imperialismo mundial!

 

Nós temos de construir uma frente unida global tanto contra as guerras imperialistas como contra as guerras social-imperialistas! Durante o processo de unificação do proletariado mundial e dos povos contra as guerras imperialistas / social-imperialistas, a revolução socialista mundial desenvolve-se ainda mais rapidamente. Ou a guerra imperialista será evitada pela revolução socialista mundial, ou a guerra imperialista dará à luz a revolução socialista mundial!



O ano de 2012 será um ano de derrotas militares, políticas e económicas para o imperialismo mundial!

 

A crise mundial fará com que o ano de 2012 seja transformado num ano repleto de revoltas revolucionárias unidas á escala global!

A vitória da revolução socialista mundial é inevitável!

A gloriosa época do socialismo mundial começará em breve!

Vamos em frente com o Comintern (EH) pela revolução socialista mundial!

Vamos em frente no espírito dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo!

Viva o internacionalismo proletário!

Viva o comunismo mundial!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LINKS

Secção 

Portuguesa

 

Órgão Central do Comintern (EH)

Revolução no Mundo !”

 

 

ENGLISH

contato

 

sobre nós

 

fórum

 

ações

 

Programa


Estatutos

 

Documentos

 

Agitação-propaganda

 

órgão teórico

 

história

 

literatura revolucionária

 

 

 

 

 

LINKS

COMINTERN (EH) centralmente

Arquivo

 

contacto

sobre nós

ajude-nos!

fórum

perguntas e respostas

secções

estatuto

programa

plataforma

 

 

Chamada para o restabelecimento do Comintern



Véspera de Ano Novo 31 Dezembro 2000


 

 

plataforma revolucionária mundial

de 7 Novembro 2009

declaração programática


 

Enver Hoxha:

o quinto Clássico do marxismo-leninismo e  o restabelecimento da Internacional Comunista

2001

 


 

Linhas gerais do Comintern (EH)

Estratégia e táctica da revolução proletária socialista mundial

2001/2002

online:PORTUGUÊS

 


Manifesto do Partido Bolchevique Mundial

2003


 

movimento mundial

estalinista-hoxhaista

MMEH


 

 

O Sindicato Vermelho Internacional

reconstruído primeiro Maio 2003

S V I


 

 

A Juventude Comunista Internacional

 

( A J C I )


 

 

 Internacional da Mulher Comunista

(Estalinistas-Hoxhaistas)