31 de Dezembro de 2005

 

Proletários de todos os países – uni-vos!”

(Marx e Engels)

Proletários de todos os países – a vossa Internacional Proletária não pereceu nem vai perecer.”

(Lenine)

Apenas cegos podem negar o crescimento progressivo da influência do Comintern em todos os países do mundo.”

(Estaline)

O actual comunismo mundial tem de ser caracterizado pelo espírito militante e revolucionário dos tempos heróicos de Lenine e de Estaline, pelo Comintern.”

(Enver Hoxha)



5 ANOS

 

5 CLÁSSICOS

Viva o 5º aniversário da fundação do Comintern (ML)!

Viva a unidade de todos os Marxistas-Leninistas em todo o mundo!

Viva o Partido Hoxhaista Mundial!

Viva o Partido Hoxhaista de cada país!

Em frente para a revolução socialista mundial!

Viva o Comunismo Mundial!

Este texto foi traduzido para Português tendo como base uma tradução Inglesa do original em língua Alemã. Poderá sofrer de deficiências e inexactidões. Por este facto pedimos desculpa. Não temos tradutores profissionais e tentámos fazer o melhor – o que certamente não será o suficiente para evitar mal-entendidos causados pela tradução. Pedimos desculpa e esperamos que esta “tradução” seja mais ou menos aceitável e útil de qualquer forma para os leitores lusófonos. Se alguém estiver interessado em ajudar-nos a melhorar esta tradução e a corrigir os erros, nós agradeceríamos muito em nome dos leitores.


PARTE I (de II)

5 anos em solidariedade com os camaradas Marxistas-Leninistas de todo o mundo!

 

 

Queridos camaradas!

 

5 anos de esforços para ajudar os Hoxhaistas de princípios em todo o mundo para virem a conhecer, para se unirem e reforçarem a sua solidariedade internacional e apoiá-los para melhorar e desenvolver os princípios gerais do Marxismo-Leninismo. Queríamos trabalhar a nova linha de princípio geral do Movimento Mundial Marxista-Leninista como primeira e mais importante tarefa de conseguir a unidade necessária, como resultado principal. E é isso que fizemos nestes 5 anos!

Hoje, na maioria dos países, não existem organizações Marxistas-Leninistas genuínas (que são realmente congruentes em palavras e acções), e muito menos fortes e genuínos partidos Marxistas-Leninistas - ancoradas com a classe e as massas e equipados com uma demarcação ideológica clara contra os revisionistas, em geral, e contra os neo-revisionistas, em particular. Para dizer a verdade, alguns dos antigos partidos Marxistas-Leninistas - em vida do camarada Enver Hoxha - atravessaram divisões, liquidações, degenerações. Outros têm de lidar com problemas para desenvolver os seus princípios bolcheviques. A sua posição ideológica difere de um país para outro enormemente e mesmo no próprio país, há profundas diferenças ideológicas básicas que tornam quase impossível se unirem. A cena do movimento Marxista-Leninista é caracterizada por confusão ideológica e divisão organizacional. Os Marxistas-Leninistas de todo o mundo não estão contentes com essa situação de distracção, eles sofrem com a situação actual da desunião e eles querem eliminar os obstáculos oportunistas. Então, esses camaradas que sofrem estão gratos por toda a solidariedade e apoio internacional. Camaradas individuais e diferentes grupos Marxistas-Leninistas e os partidos consultados pelo Comintern / ML nos últimos 5 anos e o Comintern / ML foram capazes de ajudar estes camaradas em mais de 15 países. Principalmente, o site do Comintern / ML: http://ciml.250x.com tornou-se a estrela guia, um vislumbre de esperança para encontrar o caminho certo para a edificação de uma nova Internacional Comunista em linha de demarcação contra o oportunismo e o revisionismo.

A força da Internacional Comunista / ML estabelece dentro dos últimos 5 anos a primeira linha no facto de que ela tem mostrado o verdadeiro espírito íntegro Marxista - Leninista – em ruptura com o labirinto ideológico da ideologia burguesa. Ela deu ao movimento Marxista-Leninista mundial uma nova perspectiva, uma nova orientação, deu a solidariedade internacional e a confiança mútua a camaradas de todo o mundo.

O Comintern / ML é uma organização mundialmente independente, por isso não é controlada por qualquer outra organização, excepto pelas ideias dos cinco Clássicos do Marxismo-Leninismo.

O Comintern / ML acendeu um pouco a primeira faísca para a chama da revolução mundial. Os pré-requisitos para a fundação da Internacional Comunista / ML amadureceram longamente. A Internacional Comunista / ML ressuscitou novamente as ideias revolucionárias mundiais do velho Comintern e deram ao mundo mais reaccionário um aborrecimento. O Comintern / ML continuou a tradição do Comintern e promove o movimento revolucionário do proletariado mundial.

 

"5 anos - 5 Clássicos"

- Isto significa cinco anos de reanimação e inovação do movimento Bolchevista mundial, a defesa dos ensinamentos revolucionários mundiais dos Clássicos:

Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha;

"5 anos - 5 Clássicos"

- As únicas políticas mundiais correctas pertencem ao futuro proletário - a política do internacionalismo proletário consistente e firme nos seus princípios;

"5 anos - 5 cabeças"

- Propaganda para o significado mundo do bolchevismo , para o ensino da inevitabilidade da vitória da revolução proletária mundial ;

"5 anos - 5 Clássicos"

- Preparação para um novo centro ideológico do socialismo mundial na luta contra o centro do capitalismo mundial;

"5 anos - 5 Clássicos"

- Esforços ideológicos para apoiar o desenvolvimento de uma nova vanguarda proletária mundial e para torná-la consciente sobre a necessidade e a inevitabilidade da Internacional Comunista;

"5 anos - 5 Clássicos"

- Isso significa não só a defesa da ideia da internacional comunista, mas a sua existência concreta como uma organização viva - uma organização activa, lutando pelo proletariado mundial, embora seja uma forma de organização bastante pequena e incompleta. No entanto, durante 5 anos, o Comintern / ML trabalha e luta - lentamente, modestamente, imperceptivelmente. Após 5 anos ninguém pode ignorá-lo como um facto histórico. Os 5 anos têm apontado também: A linha geral ideologicamente política certa é apenas um primeiro pré-requisito. Se não for convertida na escritura, esta linha teórica vai morrer. É um feito para o proletariado mundial, mas inútil se não for colocada em prática. A linha geral do Comintern / ML é correcta mas isto não é suficiente, porque só importa se houver camaradas que entendem e organizam e verificam a linha geral e a sua tradução em acção. Este é o ponto mais fraco nos últimos 5 anos. E isso só pode ser alterado pelos próprios camaradas.

 

 

 

Em que base o Comintern / ML foi fundado?

 

1.

A fundação do Comintern / ML ocorreu com base no simples facto,

De que há biliões de massas trabalhadoras que vivem na miséria causadas pela exploração e opressão do imperialismo mundial, ou mais teoricamente:

que há uma contradição crescente entre o trabalho internacional e capital internacional, que há uma crise mundial drasticamente intensificada pelo movimento de globalização imperialista mundial,

que existem contradições de classe internacional que aprofundam em alta velocidade e que por sua vez saltam para fora dos centros industriais globais, que se espalham ondas revolucionárias para formar um movimento de classe mundial num país após o outro.

A deterioração do proletariado em cada país leva à deterioração do proletariado mundial como um todo. Isto significa que a consciência proletária cresce como um todo na consciência de classe internacional, não só para lutar contra o capitalismo neste ou naquele país, mas para lutar contra o capitalismo globalizado numa frente de classe internacional muito além das fronteiras nacionais. Assim, a organização do Comintern / ML é um processo de fundação muito além das fronteiras nacionais - é um processo de fundação internacional com base no processo da organização internacional do proletariado mundial. O Comintern / ML é um produto da polarização entre a burguesia mundial e o proletariado mundial - inevitavelmente, acabou como um processo de formação de uma classe revolucionária mundial. O movimento mundial Marxista-Leninista não é apenas a soma de todos os movimentos Marxistas-Leninistas á escala nacional, não é uma aliança desses movimentos. Assim, o Comintern / ML só pode ser tal centro do movimento Marxista-Leninista, que cresce para fora do centro da parte mais desenvolvida da classe mundial revolucionária consciente. O Comintern / ML cresce em coerência com a formação de um novo movimento Marxista-Leninista mundial a partir do meio do movimento proletário mundial. O proletariado mundial se organiza, prepara para si mesmo a sua implantação revolucionária para ser ajuntado no palco da luta de classes internacional. O proletariado mundial - armado com consciência socialista - leva as massas mundiais para a crise internacional pela sua própria haste de guia no caminho da captura revolucionária do poder mundial - apoiado pelos povos explorados e reprimidos do mundo inteiro. Consequentemente: sem o processo de formação do proletariado como classe mundial não há processo de formação da fundação do Comintern / ML.

 

2.

A sua fundação foi baseada ainda no facto de que a exploração e a opressão são organizadas globalmente pela burguesia mundial contra-revolucionária. Consequentemente: a eliminação da exploração e da opressão mundial, portanto, só é possível como uma libertação enquanto acto global. O proletariado mundial pode definitivamente ser vitorioso sobre a contra-revolução fascista mundial apenas pelas suas acções revolucionárias globais - liderado por seu partido revolucionário global - a Internacional Comunista. Não há libertação da exploração internacional e opressão sem a Internacional Comunista. Os partidos que não aceitam esta verdade não podem realmente ser partidos Marxistas-Leninistas.

A globalização da economia globaliza a actual estrutura de classe mundial. O factor subjectivo ganha uma nova qualidade internacional. A auto-confiança política do proletariado mundial internacional ganha uma nova qualidade e, portanto, também o factor subjectivo da liderança revolucionária política internacional ganha uma nova qualidade. O que é que isto significa? Isto significa que o factor subjectivo num palco nacional ganha uma nova qualidade, os partidos Marxistas-Leninistas de cada país têm uma nova qualidade internacional: eles se tornam tropas comunistas individuais do exército comunista internacional! Isso vai mudar o carácter Marxista-Leninista dos antigos Marxistas-Leninistas, particularmente a sua estrutura organizacional como uma formação internacional inalienável. Eles têm que preparar o seu duplo papel como líderes da revolução socialista em seu país e também o seu papel activo como divisões da revolução mundial, não idealisticamente, não indirectamente, não automaticamente. Ambos os papéis não são uma questão de puro mecanismo, mas uma questão do materialismo dialéctico. A revolução socialista em cada país não é um fim em si mesmo, não é apenas o cumprimento da revolução mundial neste ou naquele país. As revoluções socialistas não são quebra-cabeças que a revolução mundial completa, são algo necessário que muda durante o longo processo revolucionário mundial em curso. As revoluções socialistas em cada país activam o processo revolucionário mundial como novos activantes do processo revolucionário mundial. Os Marxistas-Leninistas nunca vão entender a revolução socialista como um objectivo final, que termina com a libertação do proletariado neste ou naquele país. A revolução socialista não tem apenas carácter nacional, não é exaustiva em suas fronteiras nacionais, tem carácter internacional e tem de agir internacionalmente também e, principalmente, após a vitória num país. A revolução socialista num país deve falhar se ela não está indo em direcção á revolução mundial activamente, porque a libertação do proletariado tem um carácter internacional (por causa do carácter internacional da classe proletária). É por isso que os partidos Marxistas-Leninistas são partidos internacionais guiados pelas ideias internacionalistas de Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha, guiados pela Internacional Comunista e não guiados por si mesmos. Os Marxistas-Leninistas não podem ser verdadeiros internacionalistas proletários se esquecem de que não são apenas os líderes do proletariado em seu próprio país, mas além disso os líderes de primeira linha de uma e única classe internacional - o proletariado mundial.

O velho movimento mundial tradicional Marxista-Leninista só pode ser salvo, se ele é capaz de se adaptar ao processo revolucionário mundial - não importa quão difícil isso seria e não importa sobre as perdas por fricção causadas pela nova situação global. Se o antigo Movimento Mundial Marxista-Leninista não suportar este novo processo ideológico, político e organizacional de adaptação global, ele não vai ser capaz de passar no exame, e então os restos do antigo movimento mundial Marxista-Leninista serão substituídos por um novo Movimento Mundial Marxista-Leninista. O novo movimento Marxista-Leninista mundial cresce com o movimento proletário mundial globalizado e o Marxismo-Leninismo deve ser globalmente estimulado por suas raízes profundas internacionalistas. É a globalização que dá ao Marxismo-Leninismo uma nova oportunidade de se desenvolver como a ideologia de uma classe internacional no poder! O proletariado "revolucionário" num único país do mundo, o melhor e mais forte partido "Marxista-Leninista" do país deve inevitavelmente falhar e acontecerá o mesmo para todo o Movimento Mundial Marxista-Leninista, se os processos revolucionários mundiais não são reconhecidos por eles, se eles não agem como partes do todo, se eles não estão integrados nos processos revolucionários internacionais, se eles ignoram a necessidade da Internacional Comunista para a revolução mundial, se eles se recusam a lutar pelo comunismo sob a liderança da Internacional Comunista. O proletariado mundial ultrapassará este problema facilmente.

 

3.

A fundação do Comintern / ML é, além disso, baseada no facto de que pela globalização e seus objectivos (económicos, técnicos, etc.) estes são pré-requisitos para uma economia mundial sem exploração e opressão capitalistas, para uma economia mundial socialista disponível. Tudo está disponível, o que é necessário para o início da economia mundial socialista. A produção mundial, distribuição mundial, a troca mundial e – a circulação, mundo de consumo, etc. - todos estes factores económicos estão disponíveis nas cadeias de ligações para a criação da comunidade mundial socialista. A chave é a apreensão do poder político do proletariado mundial para eliminar a propriedade capitalista mundial e a propriedade por sua socialização através da revolução mundial. Se o proletariado mundial aproveitou o seu poder, ele pode levar a economia mundial para as próprias mãos. O proletariado mundial produz internacionalmente, é capaz de fornecer a população mundial completa central em que se coloca nas economias nacionais, como cintos para a economia mundial socialista e sua condução. Para ser capaz de administrar todas essas importantes medidas necessárias, o proletariado mundial precisa dos próprios instrumentos internacionais, precisa da Internacional Comunista, precisa de uma própria gestão política e económica internacional recrutada pelas melhores forças revolucionárias do meio do proletariado mundial. Não há economia mundial socialista sem uma Internacional Comunista. A Internacional Comunista é, portanto, não só necessária para a libertação, mas também é necessária para a edificação do socialismo mundial sobre as ruínas do capitalismo mundial.

 

4.

A fundação do Comintern / ML é também baseada no facto de que existem alguns novos quadros individuais em todo o mundo que desenvolveram a sua consciência revolucionária mundial para a Internacional Comunista de forma absolutamente necessária, que estão se tornando conscientes dos problemas do Movimento Mundial Marxista-Leninista, que compreendem os obstáculos da reconstrução da Internacional Comunista, que decidiram lutar em primeira linha pelos interesses organizacionais do proletariado mundial como um todo, e que são fortes o suficiente para resistir aos obstáculos de tais organizações de países individuais que ainda não estão interessados ​​na reconstrução da Internacional Comunista, que estão conscientes sobre o facto de que apenas uma Internacional Comunista pode resolver os problemas do Movimento Mundial Marxista-Leninista enfraquecido. Existem hoje alguns Marxistas-Leninistas de todo o mundo que não o fazem por mais tempo, e de maneira nenhuma aceitam todos os "argumentos" que os impedem de lutar pela reconstrução da Internacional Comunista. Com certeza que, mais tarde, um partido após o outro deve seguir a Internacional Comunista, porque deve ser razoável o suficiente para saber o quão bem a luta pode ser organizada se houver um centro internacional para todos. Esta é uma questão de consciência que se deve desenvolver firmemente. A conclusão precisa de paciência para ser convincente.

A fundação do Comintern / ML é baseada finalmente sobre o facto da necessidade de que você não pode construir com sucesso um partido Marxista-Leninista num único país sem levar em conta as condições alteradas pela globalização. Hoje é impossível construir um partido Marxista-Leninista sem construção de um centro internacional de todos. Os partidos Maxistas-Leninistas que estão desamarrados de um centro internacional e que não se preocupam com a edificação da Internacional Comunista falharão inevitavelmente depois de um prazo mais ou menos longo.

Hoje e no futuro, a existência do partido Marxista-Leninista em cada país se levanta e cai com a capacidade e prontidão para crescer como parte da Internacional Comunista. E o contrário: A existência da Internacional Comunista depende da habilidade para ser apoiada pelos partidos Marxistas-Leninistas de cada país ou não.

Neste momento, um partido mundial Hoxhaista é tão impensável sem um partido Hoxhaista de cada país como o partido Hoxhaista de um país sem o partido mundial Hoxhaista. A definição do novo Movimento Mundial Marxista-Leninista inclui o partido Hoxhaista de cada país, bem como o partido mundial Hoxhaista. É um desses pré-requisitos sem o qual você não pode realmente falar de um verdadeiro Movimento Mundial Marxista-Leninista. Novas normas da conexão e da cooperação internacional foram definidas pelo Comintern / ML. Os Marxistas - Leninistas dos países individuais têm de avançar a um nível mais elevado internacionalista para se tornarem personagens realmente internacionalistas. Isto é necessário nas condições globalizadas da luta de classes internacional em curso. Se perdemos demasiado tempo a apoiar o Movimento Mundial Marxista-Leninista nessa direcção predefinida tal prejudicaria não só o nosso movimento mundial, mas também o nosso movimento em todos os países. Para se tornar parte integrante do Movimento Mundial Marxista-Leninista cada partido Marxista-Leninista tem de decidir sobre o apoio à reconstrução da Internacional Comunista.

 

 

Quem é o Comintern ML?

 

As presentes organizações Marxistas-Leninistas nos países individuais não fizeram isso até agora, para estarem suficientemente preparadas para as condições da globalização. Na primeira linha eles tentam ser preparados sobre os efeitos negativos da globalização sobre as pessoas em seu próprio país. Eles não estão dispostos a mudar a sua estratégia e as tácticas do ponto de vista proletariado mundial. Ideológica, política e organizacionalmente eles tentam resolver os problemas por seu próprio partido e eles ainda não são capazes ou dispostos a apoiar um centro internacional, para não mencionar a edificação do partido mundial. O Comintern / ML foi fundado no contexto da presente ausência dos partidos Maxistas-Leninistas. A fundação não resultou na força do Movimento Mundial Marxista-Leninista, mas em sua fraqueza causada pela fraqueza dos únicos partidos Maxistas-Leninistas. Assim, o objectivo era superar a (a princípio ideológica) fraqueza dos únicos partidos Maxistas-Leninistas. Esta foi a razão pela qual os impulsos decisivos para a fundação do Comintern / ML só não vieram das organizações Marxistas-Leninistas dos próprios países individuais. Era evidente que, nas actuais circunstâncias, isso não pode ser gerido por eles.

Sob as actuais condições dos partidos individuais, é óbvio que eles estavam ocupados com a solução de seus próprios problemas em primeira linha, que a questão da revolução socialista em seu próprio país (e em - mesmo - alguns casos não é de todo um luta pelo comunismo e a revolução socialista!) retoma sua força predominante no próprio país. Ninguém pode negar que a organização Marxista-Leninista passou não há muito tempo (eles desperdiçaram seu tempo!) para a percepção e registro das perguntas da revolução proletária mundial e a necessidade de reconstrução da Internacional Comunista. Este é geralmente o ponto mais fraco do comunismo em mais de 70 anos e não só a culpa deste ou daquele partido Marxista-Leninista.

Bem, foi a consequência lógica de que alguém iria começar a levantar a questão da Internacional Comunista para a questão principal e central - não tratado como uma questão histórica, mas como uma questão que tem de ser resolvida com urgência por uma questão de todos os Maxistas-Leninistas lutando na terra! Não foram os partidos Maxistas-Leninistas que começaram teórica e praticamente com a reconstrução da Internacional Comunista, mas alguns companheiros que exercem esta tarefa de forma independente das organizações Marxistas-Leninistas. Portanto, não foi por acaso que o Comintern / ML colocou esta questão na agenda.

A fundação do Comintern / ML foi realizada, portanto, apesar - e quase sem nenhum apoio - das organizações Marxistas-Leninistas existentes nos países individuais. Por causa de sua ignorância (muitos anos se passaram sem qualquer sinal de um único partido Marxista-Leninista!) não havia outro caminho à esquerda do que fiar-nos apenas em nós mesmos, preparando a emergência teórica do Comintern / ML como uma questão completamente exclusiva dos nossos. Não havia mais ninguém interessado no Comintern / ML, por isso tivemos que confiar em nossas próprias forças e lidámos com o trabalho de preparação necessário! Infelizmente, a nossa jogada individual foi obrigado pela ignorância dos partidos Maxistas-Leninistas, e não era de todo o conceito geral do nosso estilo de trabalho. Muitos erros que temos feito executando isto a solo poderiam ser evitados por trabalho em equipa e cooperação. Mas se não havia qualquer outra forma, você tinha que ir sozinho e avançar. Assim, a maioria do trabalho foi feita por nós mesmos dentro destes 5 anos e agora é tempo para a crítica e autocrítica. Foi o nosso trabalho útil ou prejudicial para o Movimento Mundial Marxista-Leninista?

Os Marxistas-Leninistas imparciais devem seguir os esforços do Comintern / ML com simpatia. O site do Comintern / ML é respeitável. Cada Marxista-Leninista pode compreender a ideia útil e prática da fundação do Comintern / ML. Toda a gente que sabe por sua própria experiência como é difícil formar uma Organização Mundial Marxista-Leninista monolítica deve apreciar nossos esforços e nos encorajar para avançar. Para um verdadeiro Marxista - Leninista é dificilmente compreensível interpretar a fundação do Comintern / ML como um acto de "facção", como uma tentativa de "divisão", como um pedido de obtenção da "liderança dominante". Todas essas acusações estão enraizadas no pensamento pequeno-burguês, mas nunca são baseadas na consciência de classe do proletariado mundial, que se esforça para construir um poderoso partido proletário internacional que luta pelos interesses do proletariado mundial. A classe proletária mundial só pode julgar desta forma: é esta organização útil para o nosso propósito ou não? É o Comintern / ML indispensável ou supérfluo? Se for indispensável, em seguida, o proletariado mundial deve apoiá-lo. No entanto, se ele é desnecessário, então o proletariado mundial deve deixá-lo cair. Não posso prever em que direcção o Comintern / ML deve desenvolver-se e como os trabalhadores devem decidir sobre nós, mas uma coisa é certa: Um verdadeiro trabalhador não iria deixar-nos cair antes de ele nos dar a oportunidade de o convencer. Fizemos o nosso trabalho anterior acessível e público para todos. Nosso assunto ainda está em fase de discussão. O debate sobre o Comintern / ML está aberto. Aqueles que têm dúvidas devem ter a coragem de nos informar sobre elas. E nós temos o mesmo direito de pedir àqueles que nos criticam: "Ok, se a fundação do Comintern / ML seria uma "grande merda” aos seus olhos, então, por favor, nos diga, o que você fez nos últimos 5 anos para apoiar a reconstrução do Comintern?" Congratulamo-nos com a crítica e autocrítica sobre os esforços para reconstruir o Comintern. E pedimos ao leitor: O que os oportunistas e revisionistas fazem para nos atrapalhar com a solução da questão do Comintern? A verdade é que todos eles mantiveram silêncio durante 5 anos! O facto é: 5 anos de trabalho para a fundação do Comintern / ML = 5 anos de ignorância preguiçosa pelos oportunistas! Foi por acaso que houve camaradas revolucionários mundiais isolados que começaram a mover a "rocha" confiando somente em suas forças? Nós pensamos que isso não foi por acaso!

Para dizê-lo em poucas palavras: A fundação do Comintern / ML não seria nem possível sem a globalização da classe proletária, nem sem um grupo de disciplinados e respeitados Marxistas-Leninistas que estavam há décadas bem educados pelo seu partido Marxista-Leninista e pela luta do Movimento Mundial Marxista-Leninista, em tempos de vida do camarada Enver Hoxha! A fundação do Comintern / ML seria impossível sem esses camaradas firmes e fortes, com princípios. A fundação do Comintern / ML foi ideia destes camaradas individuais, e essa ideia nasceu porque o tempo estava maduro para superar a fraqueza do Movimento Mundial Marxista-Leninista que foi causado pela falta de sua organização central. A falta do Comintern foi o motivo decisivo para fazer tudo o que seja possível e necessário para cuidar de sua reconstrução.

Fomos muitas vezes perguntados: é válido chamar-nos os sucessores certos e a "comunidade de herdeiros" da gloriosa Internacional Comunista de Lenine e Estaline? Como podemos justificar ter este nome honrado? Onde estão as nossas Secções? Foi a nossa fundação um "caso de erupção atrevida" - para não dizer "megalomaníaca"?

A Internacional Comunista não cai do céu para a terra, e ninguém nasce um mestre. Não se pode realmente esperar que camaradas isolados façam tudo da Internacional Comunista do nada. É claro que, no momento, não é possível produzir "provas históricas". Nunca tivemos a pretensão de criar uma organização completa "em comparação" com o Comintern. Nós não podemos realizar uma comparação entre o Comintern e o Comintern / ML. Tudo o que nós fazer é: trabalhar para o exemplo do velho Comintern e seguir o Comintern com toda nossa força e todo o nosso amor, a única coisa que podemos "provar" depois de 5 anos de luta é que nos sentimos determinados a preparar a edificação do novo Comintern / ML no espírito do velho Comintern e na base do Marxismo-Leninismo, na base dos cinco Clássicos Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha. Nenhum camarada deve negar que o nome "Comintern / ML" é apenas neste momento uma indicação para a luta determinada pela necessidade de um poderoso partido internacional do proletariado mundial. Actualmente, ainda não existe uma poderosa organização internacional, mas estamos a trabalhar para construí-la. Por exemplo, o Comintern / ML não cumpre os critérios do partido Bolchevique, em comparação com o Comintern.

Um critério não cumprido seria por exemplo, que só se pode falar de uma organização realmente internacional se ela consiste de um número modesto de Secções de diferentes países, se for apoiado por elas. Esta norma ainda não foi alcançada pelo Comintern / ML. Muitos outros critérios ainda estão desaparecidos. E isso pode acontecer no pior caso. A edificação da Comintern é um processo longo e difícil e certos contratempos são inevitáveis. No entanto, o processo de reconstrução já começou com sucesso e não pode ser revertido. 5 anos existência já é um critério sério de uma organização séria com que o proletariado revolucionário mundial pode contar. O Comintern / ML não veio de mãos vazias. O Comintern / ML não é uma questão formal da nomeação, mas para nós importa o intrínseco na primeira linha. Preparamos a estrutura ideológica fundamental para a reconstrução da Internacional Comunista. Tentamos facilitar o processo de desenvolvimento do Comintern / ML, trabalhando os pré-requisitos ideológicos, para que possamos acelerar o crescimento de um realmente poderoso partido internacional de luta dos proletários de todos os países. Entramos no terreno e estamos conscientes sobre o facto de que podemos cometer erros. Mas, por favor, conte-nos um único caso em que algo cresce sem quaisquer falhas e complicações (e a edificação de uma nova Internacional Comunista é realmente algo complicado!)? Estamos dispostos e capazes de praticar honestamente a autocrítica. Critiquem -nos! Ajudem-nos a superar as dificuldades! Mas não tratem a questão da Internacional Comunista como um "amor-perfeito". Fomos os primeiros que levantaram a questão da reconstrução do Comintern, mas não somos, portanto, responsáveis pela sua situação insatisfatória. O Comintern / ML não é culpado por todas as omissões do passado. O Comintern / ML - pelo contrário - tenta fazer o seu melhor para recuperar o tempo perdido e apelamos: Ajudem-nos a construir a nova Internacional Comunista!

Nós, alguns únicos revolucionários comunistas mundiais fundámos o Comintern / ML há 5 anos atrás, porque nós estávamos então já firmemente convencidos de que este acto não seria um "salto no escuro", mas o cumprimento de uma missão histórica urgente e madura. Com o início do século 21 o proletariado mundial deverá finalmente terminar a missão iniciada com a Revolução de Outubro: a criação de um mundo socialista. E o Comintern / ML foi criado para mostrar o caminho e conduzir a caminho - o caminho da revolução socialista mundial. A prática revolucionários seguirá as ideias revolucionárias de forma absoluta, de forma legítima e sem parar.

Estávamos e ainda estamos convencidos de que o Comintern / ML servirá para o movimento revolucionário mundial como o seu futuro baluarte ideológico. Se o Comintern / ML, na verdade, chega a ser este baluarte ou não, isso depende da continuação dos objectivos correctos e da estratégia e táctica correctas, depende da capacidade de aplicar os ensinamentos imortais dos cinco Clássicos, depende da fidelidade absoluta ao Marxismo-Leninismo, depende da atitude íntegra, firme e constante flexibilidade revolucionária, depende da capacidade de resistir a todas as influências revisionistas. E isso depende em segundo lugar da pré-condição se haverá camaradas adequados suficientes no mundo que cooperem e que estão dispostos e capazes de converter a linha correcta em prática correcta. O Comintern / ML tem apenas uma oportunidade de prosperar se os trabalhadores se convencerem por suas próprias experiências que a linha revolucionária mundial está correcta. A linha revolucionária mundial tem que ser levada para a classe trabalhadora, de tal forma que o trabalhador entende nossa linha como a sua própria linha, de tal maneira que o Marxismo-Leninismo se torna na sua arma na sua própria luta de classes.

Não temos em todos os eventos dúvidas sobre isso, que a fundação do Comintern / ML deve ser provada como uma correcção histórica. Devemos provar como o que é: uma necessidade irrenunciável para a vitória do proletariado mundial. Vamos em frente, pois sabemos os objectivos do Movimento Mundial Marxista-Leninista, nós sabemos onde temos que ir. Temos uma perspectiva revolucionária mundial com a qual estamos a construir o Comintern / ML. Temos a certeza sobre o facto de que nós realmente estamos a construir a Internacional Comunista.

Nós não seguimos a linha oportunista ideológica de Bernstein: "O Movimento Mundial Marxista-Leninista é tudo - as ideias revolucionárias mundiais e os seus objectivos não são nada." Nós, como revolucionários mundiais, fazemos subordinar a teoria do Marxismo-Leninismo, bem como o movimento proletário mundial sob a classe objectiva do comunismo e realizamos estes objectivos do proletariado mundial fazendo da Internacional Comunista o instrumento mais importante. Se não seguirmos este caminho, nós finalmente entramos no pântano do oportunismo, inevitavelmente e incondicionalmente. Se nós não acreditamos na Internacional Comunista, o que prejudicaria a nossa matéria proletária comum, não poderíamos trabalhar com sucesso, iríamos falhar no final. Apenas metade de coração, trabalho indisciplinado pode ser perigoso e aproveitado pelos revisionistas para "tomar a liderança" (lembre-se a dissolução do Comintern!). Aqueles que subestimam o significado decisivo das perspectivas da Internacional Comunista ajudam os adversários e inimigos da Internacional Comunista. Acredite ou não, eles cultivam o capitulacionismo sobre uma das questões mais importantes da revolução proletária mundial, eles arrastam o Movimento Mundial Marxista-Leninista ainda mais, se eles querem (as super estimativas levam aos mesmos resultados e consequências) os trabalhadores avançados em algum lugar do mundo, eles devem contribuir para fortalecer a poderosa Internacional Comunista. Nós não somos autorizados a decepcionar o seu entusiasmo. Eles colocaram grandes esperanças na Internacional Comunista e nós temos que cumprir o nosso dever com honra. Eles esperam que nós sejamos camaradas sérios que fazem o seu melhor para dominar o nosso trabalho revolucionário mundial. Aqueles que espalham dúvidas sobre as perspectivas da Internacional Comunista, aqueles que tentam destruir as esperanças dos trabalhadores revolucionários em todo o mundo, aqueles que prejudicam o internacionalismo proletário por destruições violam as demandas mais elementares da revolução mundial.

As nossas ideias foram constantemente e permanentemente realizadas no período de 5 anos e o Comintern / ML tornou-se a única organização no mundo que trabalha teoricamente a estratégia e as tácticas da futura revolução socialista mundial.

 

 

Somos Hoxhaistas ou não?

 

 

Claro que somos!

Alguns camaradas perguntam-nos: Não está confuso se vocês se chamam Hoxhaistas? A grosseria Maoista do nome "Hoxhaista" é bem conhecida. Os Maoistas querem expressar o "Hoxhaismo" como um desvio do Marxismo-Leninismo. Mas o Hoxhaismo é o Marxismo -Leninismo e o Maoismo é o desvio revisionista do Marxismo-Leninismo. Historicamente não há "outros" Marxistas-Leninistas para além dos Hoxhaistas, que desmascaram o Maoismo como revisionismo, como uma ideologia anti-Marxista-Leninista, como uma ideologia imperialista mundial. É um dos méritos mais importantes do camarada Enver Hoxha que ele purificou o Movimento Mundial Marxista-Leninista de influências Maoistas. Portanto, a resposta é clara e distinta: Não, camaradas, chamar-nos Hoxhaistas não é de todo confuso, porque a nomeação dos Marxistas-Leninistas não é um equivalente abandono para os Maoistas ou a quaisquer outros oportunistas. Olhe para o desenvolvimento histórico da nomenclatura do Marxismo. No início esta palavra "Marxismo" foi usada geralmente como um palavrão contra Marx. Mas, mais tarde, a palavra "Marxismo" foi particularmente usado pelos verdadeiros Marxistas em sua luta contra os anarquistas e, geralmente, contra o oportunismo com todos os seus ramos nos tempos de vida de Marx e Engels e também depois disso. O melhor exemplo de um Marxista era o camarada Lenine como o melhor discípulo e seguidor de Marx e Engels. Toda a oportunista II. Internacional atacou Lenine e zombavam do Leninismo como um "afastamento" do Marxismo. A II. Internacional tinha jurado ser "Marxista" de verdade e trataram Lenine como um "apóstata", como um "rebelde anti-Marxista". A mesma coisa aconteceu com os Maoistas. Chamam Enver Hoxha de "traidor" do Marxismo-Leninismo, porque ele criticou o Maoismo como uma ideologia anti-Marxista-Leninista. Enver nunca foi um Maoista, mas sempre um Marxista-leninista - o melhor que seguiu o camarada Estaline. Então o Hoxhaismo não é um palavrão, mas a definição correcta do Marxismo-Leninismo de hoje. Os Marxistas são aqueles companheiros que defendem o Marxismo, os ensinamentos de Marx e Engels. Os Leninistas são aqueles que defendem o Leninismo, os ensinamentos de Lenine e Estaline. Os Hoxhaistas são aqueles que defendem Hoxhaismo e os ensinamentos de Enver Hoxha e Marx, Engels, Lenine, Estaline. Estes 5 são completamente os Clássicos do Marxismo - Leninismo. Enver Hoxha é o quinto Clássico do Marxismo-Leninismo. E isso pode ser concluído estudando o documento de fundação do Comintern / ML neste link: http://ciml.250x.com/enverclass.htm.

Assim, a definição do Marxismo-Leninismo teve de ser concluída: o Marxismo-Leninismo de hoje não é o ensinamento de Marx, Engels, Lenine e Estaline, sem Enver Hoxha. O Marxismo-Leninismo é o ensinamento de Marx, Engels, Lenine, Estaline e inclusive de Enver Hoxha. Esta definição de cinco Clássicos é a definição do Comintern / ML desde o dia da fundação, o dia 31 de Dezembro de 2000. E nós ainda somos os únicos em todo mundo que defendem o Marxismo-Leninismo (os ensinamentos de Enver Hoxha incluídos).

Os trabalhadores revolucionários voltaram-se para Marx na luta contra o oportunismo naqueles tempos. Os trabalhadores revolucionários se voltaram para Lenine na luta contra o oportunismo naqueles tempos. Os trabalhadores revolucionários se voltaram para Estaline na luta contra o oportunismo na época. E isso aconteceu também na luta contra o oportunismo em nossos tempos: Os trabalhadores revolucionários se voltaram para Enver Hoxha. E o Comintern / ML é a única organização internacional que ajudou o proletariado mundial a voltar para Enver Hoxha.

E hoje? Os oportunistas se recusam a apreciar, reconhecer, respeitar e aceitar o camarada Enver Hoxha como o quinto Clássico do Marxismo-Leninismo. Os oportunistas chamam de "Hoxhaismo" o que quiserem, mas não como o Marxismo-Leninismo - como verdadeiramente é. Chamamo-nos Leninistas sem qualquer entrega ou renúncia de ser Marxistas, e chamamo-nos Hoxhaistas sem qualquer entrega ou renúncia de sermos Marxistas-Leninistas. Foi inalienável para nós comunistas sermos Leninistas para salvar o movimento Marxista nos velhos tempos heróicos. E em nossos tempos é a mesma coisa se ​​nós comunistas nos chamarmos Hoxhaistas nomeadamente para salvar o presente Movimento Mundial Marxista-Leninista. O Hoxhaismo é a única ideologia que desenha a linha de demarcação entre o Marxismo-Leninismo e o tal anti-Marxismo-Leninismo, que é mascarado como "Marxismo-Leninismo" no presente. Era uma vez em que você só poderia ser um verdadeiro Marxista se apreciasse o Leninismo. E hoje você só pode ser um verdadeiro Marxista-leninista, se você apreciar o Hoxhaismo - esta é a essência da coisa, esta é a razão pela qual o Comintern / ML foi fundado com base nos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo, a razão porque o Comintern / ML decidiu no primeiro dia de sua fundação que o camarada Enver Hoxha é um clássico do Marxismo-Leninismo. Tivemos que chamar a linha de demarcação, e a linha de demarcação é: Quem está com Enver Hoxha ou contra ele? = Quem está com o Marxismo-Leninismo ou contra o Marxismo-Leninismo? Soltando uma decisão clara a favor ou contra esta linha de demarcação, é o que o torna tão confuso para obter a resposta certa: Quem é um Marxista-Leninista – e quem não é? Você só pode superar a confusão se você trabalhar uma clara linha de demarcação – e isto é o que o que o Comintern / ML fez nos últimos 5 anos. O Marxismo-Leninismo ensina que não há unidade com o oportunismo. O problema é que os oportunistas se escondem por trás desse princípio, com outras palavras, eles não hesitam em assinalar voluntariamente que estão "de acordo" com este princípio Marxista-Leninista. Portanto, você deve deixá-los assinar seu acordo com o Hoxhaismo com a intenção de diferenciar as ovelhas dos cabritos - pelo menos uma grande parte deles. Não podemos esquecer a diferença entre palavras e acções! Você não pode desenhar uma linha de demarcação sem nomeá-la. Então isso não é apenas uma questão de conteúdo, mas também uma questão de nomenclatura. Nós não podemos fazer sem nomear a nossa linha de demarcação, se queremos aliviar a luta contra o oportunismo nas mãos do proletariado mundial. Não é um fim em si mesmo, se os Hoxhaistas desenham a linha de demarcação. A linha de demarcação é em primeira linha necessária para a luta revolucionária do proletariado mundial contra o oportunismo. Nomes vêm e vão. Decisivo é o conteúdo e não a forma. As pessoas não são o que parecem ser, mas o que elas estão fazendo. Os actos e não palavras fazem a diferença: Então os revolucionários mundiais, internacionalistas proletários, nós Marxistas-Leninistas, chamamos a nós próprios Hoxhaistas apenas para tornar mais fácil para o proletariado mundial nos diferenciar dos inimigos de classe que estão mascarados com o "Marxismo-Leninismo" (existem também alguns inimigos de classe perigosos que se mascaram com o "Hoxhaismo" - mas chegamos a estes neo-revisionistas mais tarde nesse capítulo que trata da luta contra o revisionismo). Tempos de confusão podem apenas serem transformados em tempos de distinções e clareza pelo desenvolvimento do Marxismo-Leninismo, pelo Hoxhaismo, pelos Hoxhaistas e por mais ninguém.

Alguns outros camaradas nos fazem a pergunta: Vocês são Hoxhaistas ou vocês são Marxistas-Leninistas? E eles nos perguntam: Qual é a diferença entre o Marxismo-Leninismo e o Hoxhaismo? Nossa resposta é: nós Hoxhaistas somos Marxistas-Leninistas e não há nenhuma diferença entre Hoxhaismo e Marxismo-Leninismo. Camaradas, estas questões não são questões correctas, porque você não pode perguntar: "ou é isto – ou é aquilo".

Não é o Marxismo-Leninismo de um lado e o Hoxhaismo por outro, porque o Hoxhaismo é Marxismo-Leninismo. Não há Marxistas-Leninistas que não sejam Hoxhaistas. O Hoxhaismo é Marxismo-Leninismo e nada mais. O Hoxhaismo inclui tudo, o que Marx, Engels, Lenine e Estaline fizeram, mais as coisas novas com as quais Enver Hoxha enriqueceu o cofre do tesouro do Marxismo - Leninismo. Vamos dar um exemplo - a luta contra o revisionismo. Marx Engels, Lenine e Estaline enriqueceram a ciência socialista por sua luta contra o revisionismo. O Hoxhaismo inclui este tesouro mais a nova luta contra o revisionismo: a luta contra o revisionismo no poder. Supondo que o revisionismo chegou ao poder após a morte de Estaline, em seguida, consequentemente, nem Marx, nem Engels, nem Lenine e Estaline poderiam ter experimentado a luta contra o revisionismo no poder. Os Clássicos não pertencem às espécies que perecem. Este é apenas o sonho da burguesia: A burguesia não está de todo interessada ​​num novo Clássico do Marxismo-Leninismo - pelo contrário - a burguesia está fazendo de tudo para "refutar" o Clássico Enver Hoxha. A burguesia coloca o Marxismo-Leninismo como um beco sem saída, tenta marcar o socialismo como um episódio que pousou no esterco da história. E a burguesia tem seus lacaios dentro do Movimento Mundial Marxista-Leninista que a ajudam com este trabalho!). No entanto, o camarada Enver Hoxha é um grande exemplo para o facto de que o Marxismo - Leninismo ainda está vivo, permanecendo sempre jovem e imortal - capaz de produzir novos Clássicos.

Podemos definitivamente falar sobre o Marxismo - Leninismo ou sobre o Hoxhaismo (é uma e a mesma coisa!). Mas nós não estamos autorizados a falar sobre o Marxismo-Leninismo e o Hoxhaismo (como algo diferente). Nós não podemos ser Hoxhaistas sem sermos Marxistas-Leninistas e dialecticamente, não podemos ainda permanecer como os Marxistas-Leninistas, sem nos tornarmos Hoxhaistas. Tudo isto pode ser estudado nos nossos documentos. O Hoxhaismo não é o ensinamento do camarada Enver Hoxha menos o Marxismo - Leninismo. O Hoxhaismo é apenas uma definição do desenvolvimento do Marxismo - Leninismo na fase do socialismo com o revisionismo no poder - e quando a Albânia foi o único país socialista do mundo que resistiu a este poder por muitas décadas. E hoje o ensino de Enver Hoxha nos ajuda a obter o socialismo de volta [re- conquista, renascimento, ressurreição, restauração, re- construção do socialismo - como quiser], ajuda-nos a evitar que o revisionismo chegue ao poder uma segunda vez nem num palco nem nacional, nem em um cenário internacional.

Resumido, afirmamos que o camarada Enver Hoxha não era apenas o mais notável Marxista-Leninista em seu tempo após a morte do camarada Estaline. Ele não foi apenas o melhor seguidor e discípulo do camarada Estaline. Enver Hoxha trouxe o Marxismo-Leninismo para um nível mais elevado e desenvolvido e foi o quinto Clássico do Marxismo-Leninismo. Vamos tentar pacientemente convencer todos os companheiros que ainda não estão conscientes sobre a questão do quinto Clássico.

No entanto vamos lutar intransigentemente contra aqueles que tentam nos impedir de fazê-lo. Aqueles que lutam contra o Hoxhaismo nunca podem ser Marxistas-Leninistas! E isso significa, em consequência: Não há unidade com Anti- Hoxhaistas!

Os Hoxhaistas devem-se classificar na vanguarda, mas nunca reclamar ou ocupar uma posição especial privilegiada "acima" de todos os outros. O Hoxhaismo não é um ramo especial (um ramo ao lado de outros ramos), dentro do Movimento Mundial Marxista-Leninista. O Movimento Mundial Marxista-Leninista é o Movimento Mundial Hoxhaista, caso contrário, este movimento iria parar de ser Marxista-Leninista, que iria degenerar para o revisionismo. Não há Movimento Mundial Hoxhaista além do Movimento Mundial Marxista-Leninista. O Movimento Mundial Hoxhaista é o Movimento Mundial Marxista-Leninista de hoje. Os Hoxhaistas não são "super - Marxistas - Leninistas". Os Hoxhaistas não são uma "vanguarda" dos Marxistas-Leninistas, porque uma vanguarda de uma vanguarda é um absurdo. Os Hoxhaistas são estritamente contra qualquer forma elitista. Os Hoxhaistas pertencem simplesmente às melhores forças da vanguarda proletária mundial. Os Hoxhaistas não são obrigados a serem “os mais á esquerda entre os Marxistas-Leninistas." Entre os Marxistas-Leninistas não há "esquerdistas" ou "direitistas". Os Hoxhaistas não são nem de "esquerda" nem de "direita" - eles são Marxistas-Leninistas, embora eles sempre lutem contra "alas de esquerda", alas de direita e alas centristas como pessoas ou grupos de desvios ao Marxismo-Leninismo. Mas isso é outra coisa. Onde quer que os desvios do Marxismo-Leninismo apareçam, os Hoxhaistas devem lutar contra eles. O Marxismo-Leninismo só pode ser defendido pelo Hoxhaismo contra todos os desvios.

Uma coisa é certa: Depois de 5 anos, é importante não só ser um membro desta ou daquela organização Marxista-leninista, grupo ou partido em um único país, mas cada vez é mais importante para ser um membro do Comintern / ML. O Marxismo-Leninismo ensina que você não pode ser um verdadeiro internacionalista proletário sem lutar pela edificação da Internacional Comunista. Hoje é principalmente importante fazer parte da vanguarda do proletariado mundial, na luta da revolução mundial mais do que qualquer outra luta revolucionária. O Hoxhaismo não é nacionalmente restrito dentro das fronteiras da Albânia. O Hoxhaismo é internacionalista. O Hoxhaismo pertence ao proletariado mundial. O Hoxhaismo é a única ideologia revolucionária do proletariado mundial. O Socialismo Mundial, o comunismo mundial é o nosso maior objectivo, e o guia dos nossos esforços é o Hoxhaismo.

 

 

Porque é que o camarada Enver Hoxha é um

 

Clássico do Marxismo-Leninismo?

 

O Comintern / ML define os ensinamentos do quinto Clássico do Marxismo - Leninismo, define Hoxhaismo como se segue (o Hoxhaismo é o conjunto destes quatro pontos):

As experiências das causas originais e génese da ideologia proletária, o processo de elaboração e completar a ciência socialista, prova que foi, é e sempre será desenvolvida na luta contra a burguesia e a ideologia pequeno-burguesa, contra o oportunismo e revisionismo. Toda a luta histórica, presente e futura contra o revisionismo é a origem e a fonte do desenvolvimento do Marxismo-Leninismo. O Hoxhaismo é, portanto, o estágio mais elevado da teoria Marxista-Leninista, é a fase mais desenvolvida da luta contra a burguesia e a ideologia pequeno-burguesa e sua influência dentro do movimento revolucionário até agora.

O Marxismo é a ideologia proletária internacional que se desenvolveu na luta contra o oportunismo em conexão com a luta pela Comuna de Paris, a 1ª e 2ª Internacional. O Leninismo foi desenvolvido na luta internacional contra o oportunismo da 2ª Internacional, em conexão com a Revolução de Outubro, a União Soviética e o Comintern. O Leninismo foi desenvolvido na luta internacional para a edificação e conclusão do socialismo contra o perigo da restauração do capitalismo e do cerco capitalista mundial.

1. O Hoxhaismo resulta da Albânia socialista como o líder do Movimento Mundial Marxista-leninista que desenvolveu o socialismo na luta contra o revisionismo moderno no poder. O Hoxhaismo é a ideologia Marxista-leninista no período do imperialismo, quando o revisionismo veio para o estado de se degenerar, a decompor-se e liquidar, para destruir o socialismo, para restaurar o mundo capitalista, que tem dizimado a existência do socialismo. O Hoxhaismo é a ideologia Marxista-leninista que se desenvolveu na luta pela defesa, fortalecimento e conclusão do socialismo contra todo o mundo capitalista -revisionista incluído o inimigo de classe dentro da Albânia socialista e dentro do Movimento Mundial Marxista-Leninista. Particularmente, o Hoxhaismo é a luta do Marxismo-Leninismo contra as Ideias de Mao Tsetung. E, em geral, o Hoxhaismo é a forma mais alta e presente da luta revolucionária da teoria Marxista-Leninista contra as formas mais altas e presentes das contra-revolucionárias e revisionistas "teorias" - numa escala internacional.

Os ensinamentos de Enver Hoxha são o Marxismo - Leninismo num estágio que progrediu da época do imperialismo, a época da crise mundial, da podridão e decomposição parasitária do capitalismo mundial morrendo. Os ensinamentos de Enver Hoxha são ensinamentos contra essas formas de degeneração capitalistas particulares como o social-imperialismo e o social-fascismo que emergiram do socialismo. O Hoxhaismo é o ensinamento do Marxismo-Leninismo dentro dessa fase em que o mundo capitalista-revisionista lutou para a destruição do "socialismo num só país" de ajuda dos países revisionistas e com a ajuda dos revisionistas no próprio país socialista.

Os ensinamentos de Enver Hoxha são os ensinamentos de uma nova forma de revolução socialista num maior desenvolvimento - a teoria e a táctica da luta anti- fascista e anti- revisionista de um país socialista em uma frente unida com o proletariado revolucionário mundial sob as condições do mundo capitalista-revisionista, em geral, e é a teoria e a táctica da defesa e reconquista do poder da classe trabalhadora, o fortalecimento e o restabelecimento da ditadura do proletariado, em particular - os ensinamentos para o poder da ditadura mundial do proletariado, para a vitória do socialismo pelo rebentamento da cadeia imperialista social-imperialista, para a vitória do socialismo sobre o capitalismo restaurado, para a vitória sobre o revisionismo no poder.

2. O Hoxhaismo é o ensinamento vitorioso do "socialismo num só país", que se desenvolveu apesar da degeneração de um outro país socialista, apesar da restauração do capitalismo em outro país socialista, apesar do revisionismo no poder há décadas, apesar do cerco capitalista - revisionista, internacional. O Hoxhaismo é o ensino da reaplicação anti-revisionista e regeneração anti-revisionista do socialismo, é o ensino ao longo de décadas de resistência vitoriosa contra todo o mundo burguês - revisionista.

3. O Hoxhaismo é o desenvolvimento do Marxismo - Leninismo nas condições da luta anti- fascista e sua transição directamente para a luta vitoriosa pela ditadura do proletariado. O Hoxhaismo é o ensino da quebra renovada com sucesso da cadeia imperialista, ou seja, sob as condições da ocupação fascista de um país. O Hoxhaismo é o ensinamento da construção do socialismo num país, especialmente sobre as ruínas de uma ditadura fascista. O Hoxhaismo pode ser reconhecido como um ensinamento da eliminação do fascismo pelo socialismo á escala nacional e, portanto, um pré-requisito para a vitória sobre o fascismo e sobre a guerra imperialista á escala internacional.

4. O Hoxhaismo é uma prova da justeza do carácter universal e internacional do Bolchevismo. O Hoxhaismo é a prova de que o Bolchevismo não era um ensino nacional limitado sob Lenine e Estaline, em condições Russas. O Hoxhaismo provou que o Bolchevismo não se limitou como uma táctica para todos nos tempos de Lenine e Estaline, não era uma aparência oportuna limitada do passado, mas um ensinamento para toda a época do imperialismo e da revolução socialista, a vida internacional, o imortal ensino adequado e útil num país (ainda menor). O Hoxhaismo é o desenvolvimento dos ensinamentos Bolcheviques de Lenine e Estaline. O Hoxhaismo é o desenvolvimento do ensino da ditadura do proletariado. O ensino do camarada Enver Hoxha é a contribuição mais importante para o mundo definitivamente invencível do Bolchevismo, é a contribuição mais importante para a vitória da revolução socialista mundial e o estabelecimento da ditadura do proletariado mundial desde a morte de Estaline.

 

 

O Hoxhaismo de hoje

 

 

O Hoxhaismo - como já foi salientado - tem seguido desde a luta contra o revisionismo moderno no poder, contra o capitalismo restaurado. Hoje, o Hoxhaismo desenvolve-se na luta contra o neo-revisionismo (Neo-revisionismo = anti-revisionismo em palavras e reanimação do revisionismo em obras) para restaurar um tal socialismo que é uma garantia qualificada contra quaisquer erros repetitivos de restauração capitalista.

O Hoxhaismo de hoje é a luta contra os traidores que ajudaram os imperialistas mundiais a esmagar a Albânia socialista e que os ajudaram com o processo de degeneração do movimento Marxista-Leninista, que foi cortado da Albânia socialista. O Hoxhaismo de hoje é, no entanto, não só a luta pela restauração do socialismo em tempos de vida do camarada Enver Hoxha, mas além disso é uma luta para a vitória final garantida sobre o revisionismo em geral e á escala internacional.

Não pode ser esquecido que a luta dos Hoxhaistas é uma luta de todo um período a partir da luta vitoriosa contra o revisionismo no poder sob as condições do socialismo em um só país e um período que termina com a luta vitoriosa em todo o mundo contra a restauração capitalista. O Hoxhaismo tem que ser provado como a vitoriosa ideologia Marxista-Leninista do proletariado mundial revolucionário sobre a ideologia contra-revolucionária do imperialismo mundial, sobre a ideologia revisionista em um cenário internacional. Temos que diferir três etapas: a primeira etapa é o Hoxhaismo no poder num único país socialista (a antiga Albânia socialista), a segunda etapa é a reconquista do socialismo pelo Hoxhaismo em uma situação onde o socialismo não está mais no poder (a fase em que estamos agora) e o terceiro estágio é a potência mundial do Hoxhaismo. O período de hoje do Hoxhaismo é a transferência do Hoxhaismo de um estágio nacional para a fase internacional do poder. Se você quer entender e lutar pelo Marxismo-Leninismo você tem que elevar o Hoxhaismo da primeira etapa do desenvolvimento de forma ininterrupta para a última etapa de seu desenvolvimento. Você não pode cumprir esta tarefa se você ignorar o facto de que o Hoxhaismo de hoje e o Hoxhaismo de ontem são os mesmos em sua natureza, mas diferentes em suas formas de desenvolvimento de acordo com o desenvolvimento da luta de classes e os processos socialistas em todo o mundo. A nossa tarefa é trazer de volta o Hoxhaismo ao poder através de seu posterior desenvolvimento revolucionário, através do desenvolvimento da nossa Hoxhaista luta anti-revisionista.

Sem mais desenvolvimento do Hoxhaismo você não pode trazer de volta o socialismo ao poder, nem num único país, nem a nível internacional. 5 anos de luta do Comintern / ML podem ser caracterizados como cinco anos luta pelo desenvolvimento do Hoxhaismo.

Além disso não pode ser esquecido que nós Hoxhaistas não nos bastamos com lutar pela restauração do socialismo nas antigas formas sob as condições anteriores - não confinados como uma luta pela restauração na Rússia e Albânia, que não se limita como uma luta pelo socialismo em um único país, não se limita como uma luta pela destruição ditadura burguesa neste ou naquele país. Nós não podemos esquecer que a nossa luta acima de tudo é a luta pela vitória da revolução proletária socialista mundial, é a luta pelo socialismo e o comunismo mundial, uma sociedade mundial futura - estabelecida sobre as ruínas da ditadura da burguesia mundial.

Os Hoxhaistas de hoje direccionam seus objectivos pela socialista revolução mundial como uma questão de prioridade, como uma questão da vitória final do Marxismo-Leninismo, acelerando o processo de desenvolvimento da luta de classes como uma luta de classes de todo o revolucionário proletariado mundial, por consciência socialista mundial dentro do movimento proletário mundial, pelo aumento do movimento proletário mundial no palco do Movimento Mundial Marxista-Leninista, pelo aumento da etapa do internacionalismo proletário para o palco do internacionalismo socialista com os Hoxhaistas no topo.

O Hoxhaismo no poder era o Hoxhaismo no poder apenas num único país socialista do mundo, de acordo com as condições do cerco imperialista-revisionista - um imperialista e um social-imperialista - bem como dos outros países revisionistas e imperialistas, por outras palavras, o cerco do mundo completa capitalista-revisionista. O Hoxhaismo de hoje é a luta pelo poder do socialismo mundial nas condições do imperialismo mundial completamente globalizado e unido (sob a actual liderança do imperialismo Americano).

Bem, nós Hoxhaistas de hoje, estabelecemos as diferenças do processo de restauração do socialismo hoje dos processos que tiveram lugar no período da edificação dos primeiros países socialistas no século passado. O socialismo tal como existia nos tempos de Lenine, Estaline e Hoxha vai mudar pelo processo em curso do imperialismo mundial globalizado. Então, o socialismo futuro não será apenas uma simples cópia do antigo socialismo, mas o socialismo em um estágio superior de desenvolvimento, na etapa de hoje do desenvolvimento de um mundo globalizado, como resultado de uma luta de classes globalizada por uma consciência globalizada dum proletariado globalizado. A revolução socialista mundial ganha uma nova qualidade que não pode ser comparada com a antiga qualidade da luta de classes nos séculos 19 e 20. Essa luta de classes tinha muitos componentes nacionais. A globalização hoje desenvolve componentes internacionais cada vez mais típicos pelos quais os antigos componentes nacionais estão gradualmente forçados a entrar no terreno de volta. E, consequentemente, isso vai mudar a face do socialismo moderno. É por isso que nós, Hoxhaistas de hoje, tentamos colocar a luta de classes globalizada com toda a sua estratégia e tácticas em primeiro plano. É por isso que nós Hoxhaistas de hoje estamos procurando novas formas internacionalistas de luta de classes. O imperialismo mundial globalizado tem levantado obstáculos, desenvolveu as forças produtivas mundiais em degraus mais altos e fez o caminho livre para a socialização globalizada, para o socialismo globalizado. Os Hoxhaistas de hoje, portanto, colocam os dedos sobre a Internacional Comunista como o centro da transportadora consciente da revolução proletária mundial. Damos á revolução mundial um novo significado e compreensão não só do proletariado neste ou naquele país, mas além disso para todo o proletariado mundial como uma classe - a revolução socialista de uma classe internacional.

O socialismo, o Marxismo-Leninismo, o revolucionário Movimento Mundial Marxista-Leninista não pode viver apenas de lembranças do camarada Enver Hoxha, como um episódio histórico heróico: O que nós precisamos como Hoxhaistas é de uma nova orientação socialista internacional clara como foi trabalhada na linha-geral do Comintern / ML. Temos o antigo programa da Internacional Comunista (1926) e temos a estratégia e a táctica da revolução socialista mundial elaborada pelo Comintern / ML (2001-2002). Tanto é combinado a bandeira internacionalista do Comintern / ML com a bandeira sob a qual uma nova geração de Hoxhaistas terá crescido e sido educada num cenário internacional.

 

 

O socialismo num único país e a revolução

 

proletária mundial

 

 

Conclui-se com a globalização que a luta socialista nos países individuais deve mostrar seu carácter internacionalista verdadeiro e pleno pela internacionalização da luta de classes do proletariado e pelo desenvolvimento contínuo do partido mundial Hoxhaista. Virão impulsos fortes da globalização da luta de classes para o proletariado em cada país, especialmente para o proletariado dos países que já estão profundamente envolvidos no processo de globalização, que o processo de mudança de estrutura de classe internacional se tornou numa fase dinâmica progressiva. É a globalização que empurra para a frente a luta de classes em cada país e que lhe dá uma nova qualidade de unificação internacional. E essa é uma característica da nova luta de classes nos países individuais, porque a sua intensificação deve animar e acelerar os processos de revolução mundial, é um reviver mútuo da revolução socialista em toda a Terra, em geral, e especialmente concentrada nos centros industriais do mundo globalizado. A globalização desperta e estimula enormemente as forças colossais do proletariado revolucionário mundial, deve acelerar as contradições de classe internacionais, deverá levar ao agravamento da polarização das duas classes principais do mundo, deve forçar conflitos existenciais dentro do sistema imperialista mundial, deverá introduzir o poder internacional do proletariado, que não pôde ser alcançado durante o período do "socialismo num só país". No entanto, este passo histórico para o poder global do proletariado não seria possível sem a etapa decisiva do poder dos trabalhadores num único país.

O Marxismo-Leninismo ensina, se o proletariado provou historicamente a tomada do poder em um único país, deve, consequentemente, provar a apreensão de seu poder em um cenário internacional, porque o proletariado é uma classe internacional cuja missão é estabelecer o seu próprio sistema socialista mundial. Este sistema internacional do proletariado só pode ser estabelecido e (mantido!) se o poder da burguesia mundial é completamente destruído, de modo que o capitalismo mundial não consegue encontrar mais nenhuma retirada, que não pode se regenerar com a sua transferência reversa para apoiar a restauração da capitalismo como no antigo cerco capitalista-revisionista mundial, de modo que será impossível estrangular o socialismo num único país com a ajuda de enzimas revisionistas que estavam trabalhando com sucesso nos países socialistas do século 20.

O socialismo num único país produziu a prova histórica, que os quadros dirigentes dos trabalhadores desenvolveram uma centena de vezes mais rapidamente e mais profundamente sob o poder proletário do que sob o poder do capital. Os quadros dirigentes internacionais crescerão mil vezes mais rapidamente e mais profundamente sob o poder internacional do proletariado do que sob o poder proletário de um único país socialista. Mas há muitas outras experiências essenciais do socialismo num só país que são muito importantes para o socialismo mundial. Nós escolhemos apenas quatro:

 

1.

O proletariado de um único país pode romper a cadeia do imperialismo mundial apenas em uma determinada posição e sob certas condições, o que torna possível e mais fácil para a burguesia mundial reintegrar e fechar a ligação por esforços de restauração do capitalismo no país socialista longe do sistema capitalista mundial. O proletariado mundial não é o único capaz de quebrar a frente do capital mundial em uma determinada posição - isso já foi feito com sucesso pelo proletariado dum único país - mas em quase todas as outras posições. O proletariado mundial não só rompe o elo mais debilitado da cadeia imperialista mundial. Sua missão é quebrar a cadeia imperialista mundial como um todo. É a luta de classes mundial em toda a frente mundial! A luta em frente do mundo é mais vantajosa, quebrando através deste ou daquele elo da cadeia imperialista mundial. É bem mais fácil para o proletariado como mais difícil para a burguesia.

 

2.

A perda das perspectivas socialistas da construção do socialismo em um único país que está isolado e ameaçado pelo cerco burguês-revisionista, não está tão altamente em perigo nas condições do socialismo mundial e pelo menos nas condições do socialismo nalguns países. Assim, a luta da restauração do capitalismo pela nova burguesia seria muito mais difícil nas condições do socialismo mundial, ou pelo menos sob o socialismo, em alguns países do que a restauração de um único país socialista (como aconteceu no século 20).

 

3.

O perigo futuro da perda das perspectivas revolucionárias internacionais é menor nas condições do poder do proletariado mundial do que o perigo nas condições da construção do socialismo em um só e único, isolado país socialista. Simultaneamente, o perigo da restauração do capitalismo mundial é substancialmente restringido pela existência do socialismo mundial, pois o socialismo mundial restringe as possibilidades do capitalismo contar com uma força interior.

 

4.

O grau de probabilidade do perigo de que os Marxistas - Leninistas poderiam perder sua posição de liderança e, em consequência, o grau de probabilidade de sua transformação em um apêndice do aparelho do Estado e também do partido pela degeneração revisionista é muito maior sob as condições de um único país socialista do que nas condições da república mundial socialista. Se existe uma Internacional Comunista, na parte superior do socialismo mundial, em seguida, um Marxista - Leninista de cada país não vai correr o risco de perder sua posição de liderança com tanta facilidade - como era o caso no passado. O estado mundial socialista é a única garantia para a prosperidade de todos os outros Estados socialistas, é uma garantia para o próximo passo para abolir de todo o estado na sociedade sem classes, no período do comunismo.

É óbvio que o estabelecimento de um sistema mundial do socialismo é vantajoso para o sistema socialista em cada país - aliás, isso significa a garantia plena do socialismo, que não foi alcançada pelos primeiros países socialistas, a União Soviética de Lenine e Estaline, e a Albânia socialista de Enver Hoxha. Para aprender com as suas experiências, temos de nos concentrar em uma melhor estratégia e tácticas para a revolução mundial, para a pergunta de como em concreto o proletariado mundial pode tomar o poder no mundo.

Bem, neste momento, estamos interessados ​​em todas as valiosas experiências históricas do "socialismo num só país" para encontrar uma resposta à questão de como podemos trabalhar para fora e perceber a ideia da derivação do socialismo em um país "isolado" para o socialismo em todos os países do mundo? Como podemos alcançar o sistema mundial socialista harmonicamente exigido? Que podemos contribuir para o cofre do tesouro dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo sobre a teoria da revolução mundial sob as atuais condições de globalização? Temos que comparar as condições anteriores de revolução mundial - numa época em que os cinco Clássicos viviam - com as actuais condições Nós temos que trabalhar as conformidades e as diferenças causadas pelos tempos e circunstâncias.

Em princípio, não há nenhum Movimento Mundial Marxista-Leninista sem teoria revolucionária mundial, que é levada. Em princípio, esta teoria não pertence a apenas um proletariado neste ou naquele país, mas pertence a todos os proletários de forma semelhante, ele pertence a todo o proletariado mundial. O Marxismo - Leninismo é a generalização das experiências do movimento revolucionário dos trabalhadores de todos os países - além disso: o Marxismo – Leninismo é a generalização da experiência da luta de classes globalizada do proletariado mundial como primeira e única classe internacional. O Comintern / ML apontou que os Marxistas-Leninistas, que os trabalhadores revolucionários de todo o mundo, têm que se totalmente familiarizar com o significado profundo desta diferença decisiva. Eles têm de saber que a essência, a natureza, o conteúdo, os objectivos ainda são os mesmos, mas a forma da luta de classes globalizada de uma única classe internacional está num nível mais elevado do que o da luta de classes do proletariado em todos países durante o século 20. A globalização da luta de classes é principalmente a nova forma típica da luta de classes no nosso século 21. O Marxismo-Leninismo de hoje é, portanto, as experiências generalizadas da alavancagem globalizada de instrumentos globais que servem para o moderno mundo proletário de luta de classes. A luta de classes no país "próprio" assim fica num nível mais elevado nestas condições de luta de classes globalizada. Portanto, o Comintern / ML elaborou uma nova estratégia e táctica da revolução socialista mundial sob a situação actual da globalização e que os Marxistas-Leninistas devem urgentemente unir-se sob a bandeira de uma nova linha geral revolucionária mundial. O Comintern / ML é um novo tipo de internacional comunista: o tipo Hoxhaista de internacional comunista globalizada. A Internacional Comunista não é uma espécie de um centro internacional que coordena o trabalho dos partidos individuais com o objectivo de apoiar a luta de classes no seu próprio país (com a consequência fatal de sua dissolução após o seu crescimento "concluído" e desenvolvimento!). O Comintern / ML generaliza as experiências de dissolução do Comintern na linha geral do Comintern / ML. A Internacional Comunista está na primeira linha e, essencialmente, o Partido Comunista do proletariado mundial - que faz a diferença! Os Marxistas - Leninistas neste ou naquele país não podem mudar a teoria da revolução mundial depois de suas próprias ideias. Há apenas um proletariado e apenas uma teoria da revolução mundial. Todos eles são guiados pela mesma teoria Marxista-Leninista, que é uma teoria com características internacionais e internacionalistas, que é uma ideologia mundial do proletariado mundial. E isso significa, em consequência, que é válido não só para o partido deste ou daquele país, mas válido como um todo para os partidos em todos os países. Hoje, isso só pode ser realizado e alcançado pelo partido mundial Hoxhaista que expressa os interesses comuns, teoria, o disposto e actuação de todo o proletariado mundial. A teoria da revolução mundial tem que ser trabalhada pela Internacional Comunista e pelo apoio do partido Marxista-Leninista em cada país. Por quem mais? Não há dúvida sobre isso que a Internacional Comunista é o pioneiro da teoria revolucionária mundial do Marxismo-Leninismo. E é tão bom quanto o apoio de cada partido isolado e de cada camarada individual em todo o mundo. A generalização das experiências da luta de classes globalizada é apenas tão boa quanto o desenvolvimento da globalização dos partidos Marxistas-Leninistas, e a globalização da sua comum luta de classes!

A revolução socialista mundial aprende com todas as revoluções anteriores (desde as mais simples, em particular, e de todas elas como um todo, em geral) - mesmo se elas não são do mesmo tipo. A revolução anterior deixa suas tarefas incompletas á seguinte revolução. A revolução socialista mundial deverá concluir tudo o que foi deixado como problemas não resolvidos por todas as revoluções anteriores. Cada derrota é um excelente exemplo para o rigor da próxima revolução. O revés do socialismo em um só país é uma também parte útil e necessária do futuro sucesso da revolução mundial. Tudo o que não é resolvido pela primeira revolução, fica resolvido pela próxima revolução em um nível mais elevado, o que significa que a permanência do processo revolucionário mundial culmina inevitavelmente no ponto onde o velho capitalismo mundial é muito fraco para sobreviver e onde, simultaneamente, o socialismo mundial é forte o suficiente para tomar o lugar do falecido. Isto vem-se a toda a ciência da revolução socialista mundial: A revolução socialista mundial resolve o problema decisivo da vitória garantida do socialismo num único país. A revolução socialista mundial termina com êxito todas as carências e deficiências da revolução socialista num único país por sua demanda reprimida e coloca-a mais elevada. O início do sistema socialista mundial é, simultaneamente, o fim do socialismo num único país, após um período longo prosperando de seu desenvolvimento. Em seguida, a solução do comunismo está perto. Este é única e exclusivamente, o mérito indiscutível inteiramente do Comintern / ML: a revolução socialista mundial é a ciência mais importante do mundo na história da humanidade. Esta ciência da revolução mundial tem que ser estudada seriamente e cuidadosamente, tem de ser desenvolvida e tem de ser dominada - caso contrário, a Internacional Comunista é incapaz de liderar e organizar o proletariado mundial.

O poder dos proletários de todos os países é baseado na sua uniformização como uma organizada classe internacional consciente. A formação de uma classe mundial consciente permite ao proletariado mundial abrir as portas para o mundo sem classes. Este processo de formação global do proletariado mundial é, simultaneamente, um processo de formação da sociedade sem classes, que só pode ser alcançado á escala mundial. A consciência do processo de desenvolvimento do proletariado mundial depende da condição do Movimento Mundial Marxista-Leninista como o factor subjectivo, mas é baseado no processo de desenvolvimento da globalização da economia capitalista mundial como o factor objectivo. O ser global do proletariado mundial determina a sua consciência global. Esses factores subjectivos e objectivos provocam-se um ao outro, dialecticamente, no qual o factor objectivo pode ser influenciado e acelerado, mas não se anula ou revoga. A Internacional Comunista tem de considerar as regras económicas da globalização e do seu desenvolvimento. As forças produtivas globalizadas são os elementos mais móveis e revolucionários da produção capitalista mundial, mas elas são - no resultado - destruídos pela crise económica mundial. Esta crise é a base económica da revolução mundial. A incongruência globalizada de todas as forças produtivas mundiais, por um lado, e a propriedade privada capitalista mundial, por outro lado, é a origem objectiva do processo revolucionário mundial em curso. E o destino da revolução mundial é, finalmente, remover esta incongruência global, a destruição da propriedade capitalista mundial dos meios de produção pela socialização mundial das forças produtivas globalizadas, pela propriedade socialista mundial dos meios de produção mundial. O carácter económico das relações de produção deve necessariamente conformar-se com o carácter das forças produtivas tem de estar forçando sua maneira globalizada. É uma lei económica internacional e isso significa que as relações de produção devem, necessariamente, internamente, serem conformes com o carácter global das forças produtivas. Sem a existência do proletariado mundial que aproveita o poder através da revolução mundial é impossível activar este direito económico internacional essencial. O sistema económico mundial socialista não poderia sobreviver se a Internacional Comunista não agisse de acordo com essa lei económica da conformação incondicional das relações de produção com o carácter das forças produtivas em um cenário internacional. No que diz respeito ao futuro da resistência da burguesia mundial é mil vezes mais forte do que a resistência de todas as classes reaccionárias em um único país. Assim, o pré-requisito de energia da tomada do poder pelo proletariado mundial não é apenas a consciência revolucionária mundial como o factor subjectivo. Para ser vitorioso o proletariado mundial precisa de ser uma forte classe internacional e também, portanto, da sua quantificação no curso da globalização. E isso depende da capacidade de superar as fronteiras nacionais tradicionais do movimento operário, depende da capacidade de mudar de forma consciente todas as centenas de movimentos dos trabalhadores nacionais num único movimento operário internacional liderado pelo seu próprio centro internacional.

É claro que o futuro pertence ao proletariado mundial, que cresce e se fortalece a cada novo dia. Mas isso não é suficiente. A marcha triunfal do proletariado mundial é longa e difícil - e não sem derrotas.

Hoje é realmente possível que o proletariado mundial supere economicamente a burguesia mundial. Hoje, é possível que o proletariado mundial crie a base do seu próprio sistema económico do socialismo mundial. A indústria do mundo é globalizada e exige a sua socialização global. A expropriação global dos exploradores globais é agora uma necessidade urgente de desenvolver a socialização da produção em grande escala global, para combinar a agricultura global com a indústria no mundo como um combinado económico mundial, para criar as cooperativas Soviéticas globais, kolkhozes globais, para liquidar a conexão entre os países em função da troca de produtos agrícolas e produtos industriais, etc.

Além disso, é possível que o proletariado mundial se preocupe com a necessidade de fechar e liquidar todos os canais internacionais pelos quais as classes estão vindo a ser e pelos quais o capital mundial é gerado principalmente. O proletariado mundial tem, em geral, todos os equipamentos como a disposição para criar uma rede internacional das condições de produção e de distribuição, que directa e imediatamente leve à abolição das classes á escala mundial. O proletariado mundial é capaz de melhorar a situação material e cultural de milhões de pessoas que estão em necessidade e miséria. O proletariado mundial pode conseguir melhores condições de vida para a maioria da população mundial dentro de curto espaço de tempo e em qualquer lugar na Terra, onde é mais urgente. Esta é a medida mais importante para garantir a ditadura do proletariado mundial, o apoio da maior parte da população total mundial, para retirá-la para o lado do proletariado mundial e construir a ordem mundial socialista e baseá-la em condições sociais sempre mais seguras.

O proletariado mundial é - como a única força em todo o mundo - capaz de transformar os Estados burgueses exaustos (que estão em seus últimos fôlegos) em estados socialistas em florescimento por se livrar de exploração do capital estrangeiro. Assim, o proletariado mundial contribui principalmente para a melhoria da satisfação das necessidades nacionais e culturais de todos os países, basicamente. O proletariado mundial governante conta com todos os proletariados, o que leva o seu próprio país dentro da comunidade da república mundial. Novas formas da aliança irão desenvolver-se no apoio mútuo entre o proletariado mundial e o proletariado socialista em cada país. Dentro de curto espaço de tempo a nova ordem socialista mundial irá estabelecer a verdade de sua superioridade em comparação com todas as outras antigas ordens mundiais - especialmente com a ordem imperialista mundial. No topo do mundo estão agora os milhões de produtores mundiais próprios e não mais a minoria de parasitas capitalistas mundiais.

A economia mundial socialista - operando metodicamente - será a economia mais forte condensada, concentrada e eficaz na história da humanidade. O actual sistema económico capitalista mundial não tem nada a opor a ele - mas em vez disso: colapso pelas contradições internas, crise mundial, a acumulação de mais e mais desemprego, pobreza e miséria, a exploração e a opressão da maioria da população mundial, por um lado, e o acúmulo gigantesco de riquezas, vivendo no luxo, etc. por uma pequena minoria mundial, por outro lado que decide o destino da humanidade em suas sangrentas garras bélicas. Nada além de furúnculos, nada além de destruição. Estes são os restos do sistema económico capitalista mundial depois de mais de cem anos. 5 anos de Comintern / ML são pouco, mas são úteis para encurtar esta época do imperialismo mundial.

Tudo foi previsto claramente por Estaline:

"Enquanto nos encontramos no cerco capitalista, desde que o proletariado, pelo menos, não ganhou em uma fila de países, não podemos, portanto, considerar a nossa vitória como definitiva. Consequentemente, não podemos considerar o país da ditadura do proletariado como protegido contra os perigos de fora, não importa quais sucessos serão demonstrados pela edificação do socialismo. Para ganhar definitivamente devemos, portanto, alcançar a remoção do presente cerco capitalista pelo socialista. Deve-se conseguir que o proletariado seja vitorioso em pelo menos um par de países. Só então a nossa vitória pode ser considerada como definitiva." (Estaline, Volume 8, página 235, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã) (sublinhado e salientado pela equipa editorial).

 

E hoje:

 

"Dificilmente se pode duvidar do facto de que a reacção mais escura e pior em todos os países capitalistas se seguiria á destruição da República Soviética." (Estaline, Volume 9, página 123, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã).

O cerco capitalista-revisionista ganhou contra o socialismo em um único país. Este é um facto ou não? Hoje não há nenhum país socialista realmente existente na Terra - isso é um facto que só os revisionistas tentam negar. Claro que há sempre o caso em que a vitória do socialismo em um só país é, simultaneamente, um meio, uma alavanca, uma forma e uma base, uma questão como a revolução mundial deve ser feita. Isto é o que os clássicos sempre ensinaram e ainda é necessário. Não pode haver qualquer socialismo mundial que não é baseado no socialismo dos países individuais, a menos que seja um "mundo socialista" de castelos no ar. Este sonho iria satisfazer a burguesia mundial, mas não o proletariado mundial. Para fazer com que o socialismo mundial se torne realidade é preciso, pelo menos, uma fileira de países socialistas como sua base e alavancas, é preciso um campo socialista mundial, um centro socialista mundial que é capaz de se opor ao campo capitalista mundial vitorioso, é preciso económica, social e nacionalmente pré-requisitos para a eliminação da ordem mundial capitalista, é preciso o poder do proletariado mundial.

Não se deve misturar a vitória do socialismo á escala mundial com a vitória do socialismo em todos os países do mundo. Não se pode amontoar esses dois conceitos diferentes. Eles não podem ser divididos ou contrapostos como assuntos independentes. Se só a vitória é segura á escala mundial, em seguida, os requisitos para a vitória do socialismo em todos os países podem ser obtidos. A revolução proletária mundial começa com a tomada do poder político do proletariado mundial, pelo qual cria o seu próprio centro de poder socialista mundial - e a revolução socialista do proletariado mundial é finalmente coroada pela vitória do socialismo em todos os países do mundo.

Em nome da vitória da revolução socialista mundial devemos elevar cada vez mais alto a tocha da União Soviética de Estaline e Lenine, juntamente com a tocha da Albânia de Enver Hoxha. Para todos os tempos, o socialismo em ambos os países continuará a ser como um exemplo inabalavelmente para todas as pessoas que trabalham do mundo, e estas tochas sempre vão continuar queimando para iluminar todos os reprimidos e oprimidos, e nós Marxistas – Leninistas, teremos um olhar atento sobre eles, de modo que o fogo revolucionário de ambos os países socialistas não pode ser apagado por ninguém. Com ambas as duas tochas pulando vamos avançar a partir da época da vitória do socialismo em um só país para a próxima época da vitória do socialismo á escala mundial - lembrando as palavras de Estaline - especialmente seu real significado profundo,

 

"... que não é permitido a um Marxista misturar essas aparências diversas, como a “vitória do socialismo num só país” e a “vitória do socialismo á escala mundial” e fazer amálgamas. Não se deve esquecer que estas aparições diversas reflectem duas épocas completamente diferentes que não diferem apenas temporariamente (o que é muito importante), mas também em toda a sua natureza (...)

O período da vitória do socialismo á escala mundial é diferente do período da vitória num único país, uma vez que liquida principalmente o imperialismo em todos os países, e uma vez que remove o objectivo da nação e sua dominação bem como o medo do perigo da escravidão da nação, uma vez que elimina a hostilidade nacional a partir do solo, uma vez que une as nações dentro de uma economia mundial socialista uniforme e, assim, cria as condições realmente necessárias para a fusão gradual de todas as nações como um todo. Esta é a diferença fundamental entre estes dois períodos." (Estaline, Volume 11, página 307, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã do KPD / ML).

 

"Seria um erro acreditar que a primeira fase do período da ditadura mundial do proletariado deve ser o começo da morte das nações e das línguas nacionais, o início do cultivo de uma linguagem comum uniforme. Ao contrário da primeira etapa, em cujo curso a opressão nacional será removida finalmente, esta será o palco em que as nações anteriormente reprimidas e línguas nacionais irão desenvolver-se e florescer. Esta é aquela fase em que será estabelecida a igualdade de direitos das nações, o estágio em que a suspeita nacional mútua desaparece, o estágio em que as ligações internacionais entre as nações serão fortalecidas e consolidadas." (Estaline, Volume 11, página 311, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã).

 

"Assim como a humanidade só pode vir com a abolição das classes pelo período de transição da ditadura das classes reprimidas, só pode vir a fusão inevitável das nações pelo período de transição da libertação completa dos povos reprimidos, o que significa: pela liberdade das nações e seu direito à autodeterminação, por seu direito de auto-realização e separação." (Lenine, Volume 20, página 135/1369, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã).

 

"Não até que a segunda etapa do período da ditadura mundial do proletariado, que a economia mundial socialista uniforme seja estabelecida em vez da economia mundial capitalista - não até que esta fase não seja o início de uma espécie de língua comum, não até que nesta fase os países deverão exigir para a necessidade de ter uma linguagem internacional comum além de suas próprias línguas nacionais - para o alívio da comunicação entre todos os outros e para o alívio da cooperação económica, cultural e política. Nesta etapa devem coexistir as línguas nacionais e uma linguagem internacional comum. É possível que a princípio não haverá apenas um centro de economia mundial comum único para todas as nações com uma língua comum, mas vários centros de economia regionais para grupos individuais de nações com uma língua comum, para cada grupo especial das nações e que estes centros devem estar unidos, mais tarde, a um centro comum socialista da economia mundial, com uma linguagem comum para todas as nações.

Na etapa seguinte do período da ditadura mundial do proletariado, se o centro socialista da economia mundial foi consolidado a um certo ponto e se o socialismo é um elemento integrante da vida cotidiana das pessoas, se as nações estão convencidas sobre as vantagens de uma linguagem comum em comparação com as línguas nacionais próprias - então as diferenças e as línguas nacionais começam a morrer e a abrir caminho para uma linguagem comum mundial. Na minha opinião, esta é aproximadamente a imagem do futuro das nações, o quadro do desenvolvimento das nações no caminho para sua fusão futura." (Estaline, Volume 11, página 311/312, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã).

 

O proletariado mundial e o seu partido internacionalista mundial são a única força que dirige e reconquista as nações socialistas na direcção indicada por Estaline – para florescer por completo:

A aliança Internacional do proletariado mundial com os agricultores que trabalham para a liquidação das relíquias do capitalismo mundial em nome da construção vitoriosa do socialismo mundial; eliminação das relíquias da opressão internacional em nome da república mundial socialista; eliminação das relíquias do imperialismo mundial, o cosmopolitismo em nome da vitória dos socialistas internacionais e a amizade socialista mundial do povo, frente unida na luta contra a restauração do capitalismo mundial, frente unida na luta contra a internacional sociedade de classes e para a comunidade mundial sem classes, para o comunismo mundial, - esta é a linha ideológica revolucionária mundial do Comintern / ML.

Se nós estamos agora na situação da derrota temporária do socialismo e não mais na situação da vitória de um único país socialista, então logicamente não somos capazes de nos inclinar sobre o único país socialista como a locomotiva, como a alavanca e a base da revolução mundial – como aprendemos isso em outros tempos (em todos os eventos que não no presente). Enquanto isso, temos que consertar outro ponto de partida decisivo para a nossa estratégia e tácticas. Que tipo de conclusões temos que retirar? Não fazer nada para além da espera de uma revolução socialista num único país? Ok, mas o que fazer se a revolução socialista em um único país não vem? À espera de outros 60 anos (a última revolução socialista ocorreu Albânia)? Ou esperar até que o último país do mundo esteja maduro para a sua revolução socialista = revolução mundial por uma batida? Nada acontece por si só. A história nos ensina que não podemos chegar em forma directa ao socialismo mundial. A história ensina também que não podemos automaticamente e directamente chegar à estação do socialismo mundial sem alterar algumas estações. Para parar o trem socialista mundial em um único país socialista e não para iniciá-lo de lá, não é apenas uma parada para o país socialista, não só uma parada para a revolução mundial, mas uma paralisação do socialismo em geral. Lutar pelo socialismo em um país é uma tarefa internacional(ista) e revolucionária na medida em que é continuada até á revolução mundial.

 

"Esta tarefa [promover o avanço da classe trabalhadora - editora] não consiste no fortalecimento de todo o estado “nacional”, mas no fortalecimento do estado socialista e, consequentemente, do estado internacional [sublinhado pela editora], a causa de que cada fortalecimento deste estado contribui para o poder da classe trabalhadora internacional." (Estaline, Volume 13, página 94, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

 

A luta pelo socialismo em um único país é reaccionária se for reduzida na solução da questão nacional e internacional, se o objectivo da revolução mundial foi sacrificado. Um caminho é o nacionalismo burguês e a outra maneira é a maneira internacionalista proletária. A última maneira leva ao fortalecimento do socialismo em um só país, o outro caminho leva à restauração do capitalismo em um único país. Não pode haver qualquer cruzamento. É uma coisa ou outra! A tarefa consiste em uma luta implacável contra os elementos reconciliatórios na questão internacionalista do socialismo em um só país, também no futuro. Estes elementos não vão entender a necessidade da conexão imediata e inseparável com a revolução mundial (ver a crítica da Linha-Geral do Comintern / ML sobre as decisões do VII. Congresso Mundial da Internacional Comunista).

Qual é a relação dialéctica entre o socialismo num só país e o socialismo á escala mundial? Completo desdobramento do socialismo num único país com a finalidade de preparação das condições para o socialismo mundial = pré-requisito do socialismo em todos os países do mundo para a fusão de todos os países socialistas do mundo para a (finalmente) morte das nações socialistas, para a morte dos estados socialistas, para a morte das classes em todo o mundo, para a transição para a comunidade mundial sem classes e para o comunismo mundial!

A filosofia metafísica, a vulgarização, a absolutização, a transfiguração histórica e idealização da teoria Marxista-Leninista do "socialismo em um só país" nunca pode servir para a defesa necessária dessa valiosa experiência da ditadura do proletariado em um único país. Pelo contrário, a influência burguesa-revisionista consiste apenas na rejeição do espírito internacionalista do socialismo em um único país. Nós nunca estamos autorizados a misturar "rejeição", com "negação". O socialismo mundial é a negação do "socialismo em um único país” [nós colocamos entre aspas para enfatizar o carácter do socialismo existente apenas á escala nacional na demarcação do país único socialista nas condições internacionais do socialismo mundial" - nota pela editora] Há uma coesão dialéctica indispensável entre o socialismo mundial e o "socialismo em um só país". A restauração do capitalismo em um "único país socialista" é a mais profunda e o mais difícil processo contra-revolucionário contra a revolução mundial. Se você não lutar contra a restauração capitalista, defendendo o poder internacionalista do único país socialista, se só lutarem contra a restauração capitalista, de um ponto de vista nacionalista, então você não é um Marxista-Leninista. Defender o socialismo em "um único país" significa principalmente: a defesa do processo em curso da revolução mundial, a luta anti-revisionista contra a revolução mundial não pára com o colapso do socialismo em um único país, pelo contrário. Com isto, estão batendo o prego na cabeça. Quem está activamente lutando contra o revisionismo na questão da revolução mundial? Se você olhar ao redor do mundo, existem apenas alguns poucos camaradas que estão conscientes sobre esta questão e há ainda menos camaradas que realmente lutam pela solução desta questão de forma activa. Desculpe-nos, mas esta é a nossa impressão subjectiva, isto é o que observamos: o Comintern / ML - neste momento - parece ser a única organização no mundo que traz à tona este assunto doloroso: a luta anti-revisionista necessária para a revolução mundial, a luta anti-revisionista pela revolução mundial - esta é a forma mais elevada da luta anti-revisionista em geral.

O "socialismo num só país" não é o nosso objectivo, em última instância final e nunca foi o objectivo em última análise final dos Marxistas-Leninistas. Nós não somos os revisionistas que colocam um fim ao "socialismo em um só país". Nós, como Marxistas-Leninistas, não podíamos e não podemos lutar pelo "socialismo em um só país" sem a luta pela revolução mundial, porque somos internacionalistas proletários: "A classe internacional do proletariado é livre até que ela é livre á escala mundial". O "socialismo em um só país" é um processo inalienável e necessário do desenvolvimento do socialismo em todos os países no caminho do socialismo mundial e, finalmente, do comunismo mundial. O "socialismo em um só país" de velho tipo como o único remove-se por um novo tipo de um país socialista - o país socialista como parte de um mundo socialista e mais tarde - após um longo período – então(!) os países socialistas não são mais necessários e não devem continuar a existir.

Nós, Marxistas-Leninistas não defendemos por toda a eternidade o primeiro tipo de "socialismo em um só país". Para sermos mais precisos, o velho tipo de "socialismo em um só país" - não dessa forma de acordo com a restauração do capitalismo, mas de acordo com a transição inalienável e necessária para a comunidade mundial sem classes. Aqueles que não entendem esta peculiaridade da transformação do "socialismo em um só país" no curso do período de transição do capitalismo para o comunismo, não são capazes nem estão dispostos a compreender a dialéctica dos processos históricos mundiais revolucionários, não estão dispostos ou capazes de compreender a tabuada do Marxismo-Leninismo, directa ou indirectamente retardam o processo mundial do comunismo, colocando um fim ao velho tipo de "socialismo em um só país", são "Marxistas-Leninistas" em palavras, mas na realidade restauradores do revisionismo, restauradores do capitalismo. Eles querem esse tipo de "socialismo" que é restaurável ao capitalismo, eles não querem o socialismo garantido - o socialismo mundial. Eles querem esse tipo de "socialismo mundial" que garanta todos os países "socialistas" para serem restaurados para o capitalismo, eles querem o "socialismo" somente para a finalidade da sobrevivência do capitalismo mundial.

Nem a ultrapassagem (“radicalismo de esquerda”) do "socialismo em um só país", nem o seguir posterior de "o socialismo em um só país" (oportunismo de direita), mas também não o regresso para o "socialismo em um só país" (por assim dizer, como a etapa final do socialismo e não como a etapa de transição para o comunismo) - tudo isso pode nunca ser a nossa linha mundial Marxista-Leninista revolucionária. Todos os Marxistas - Leninistas certamente vão concordar com isso, porque nós Marxistas-Leninistas sempre dirigimos a nossa luta ideológica em duas frentes:

Contra esses elementos mais baixos da classe média radicais, que - (de forma Trotskista - entrar em pânico sobre o próximo fim do mundo pequeno-burguês) - pulam as medidas necessárias para a revolução mundial e que a apressam com antecedência sem levar o proletariado mundial (= aventureirismo), e contra aqueles (que estragam tudo) - que são servilmente suficientes para obter qualquer concessão dos imperialistas mundiais (= capitulacionismo);

Bem como contra os revisionistas que tentam de todas as maneiras imagináveis impedir, fretar e atrasar a revolução mundial. Estes elementos renunciam à luta de classes internacional do proletariado mundial, eles traem a revolução proletária mundial e eles descem para o nível do liberalismo pequeno-burguês.

Ambos os inimigos da revolução mundial tem que ser combatidos, ao mesmo tempo, porque eles trabalham de mãos dadas. Enquanto os direitistas operam abertamente com o seu oportunismo contra a revolução mundial, os "esquerdistas" e o seu oportunismo mascaram-se com frases "revolucionárias mundiais", por outro lado. Jogando com a revolução mundial e a capitulação final para a revolução mundial, na verdade, como essência, as frases de "esquerda" e "revolucionárias mundiais" – traduzem um comportamento aventureiro como uma forma, que esconde o conteúdo submisso e é publicidade adversa – tudo a ver com a natureza da traição Trotskista á revolução mundial.

Se não desmascararmos todas as frases "revolucionárias mundiais" dos Neo-Trotskistas, a consequência será que se tornaria mais fácil para os oportunistas de direita desacreditar a revolução mundial agregando-nos juntamente com os oportunistas de "esquerda" - apenas para fazer mais fácil nos condenar aos Marxistas-Leninistas - como "sectários". Os revisionistas recebem as críticas da "esquerda" com exageros, distorções e falhas na luta pela revolução mundial para se oporem à luta da revolução mundial fundamental e de princípios. Os revisionistas negam a revolução mundial em nome da "revolução mundial". Os revisionistas tentam provar "cientificamente" a impossibilidade da revolução mundial e refutar a sua inevitável vitória. Assim, se queremos frustrar o plano dos oportunistas de direita temos que superar as falhas dos oportunistas de "esquerda". Esta é a maneira correcta, temos de levar a nossa luta Marxista-Leninista contra os desvios na questão da revolução. Mas isto é suficiente? Isto, obviamente, não é suficiente.

No entanto, os processos revolucionários mundiais são realmente activos, imediatamente de forma mais clara. Não é possível para o Comintern / ML tomar os processos revolucionários mundiais imediatamente que estão agora em curso e, portanto, é ainda menos possível influenciar esses processos mundiais como deveriam ser influenciados praticamente em certo tempo. Precisamos de tempo para reflectir sobre esses processos revolucionários mundiais pela nossa consciência. A consciência não vem para a realidade e os factos ao mesmo tempo. A consciência precisa de tempo para reflectir os processos internacionais objectivos em curso. E porque estamos conscientes sobre estas circunstâncias temos de revolucionar a nossa consciência Marxista-Leninista sobre a revolução mundial com a ajuda do materialismo dialéctico e histórico, temos que superar nossa visão estreita, temos que corrigir os nossos equívocos antiquados sobre a revolução mundial, nós temos que ser corajosos o suficiente para os atirar fora. Temos de estar em guarda contra a idealização da revolução mundial, assumindo o que realmente acontece e o que é absolutamente óbvio. A descoberta da ciência da revolução socialista mundial ainda está em sua infância. Devemos ardentemente fazer nosso trabalho científico internacionalista.

 

 

Em que direcção temos que ir ?

 

Antes de podermos fazer algo correctamente, devemos aprender a evitar o que deu errado. Temos que estudar a história do desenvolvimento do socialismo em um só país mais profundamente. Os estudos de Enver Hoxha sobre o revisionismo contemporâneo são muito úteis para fazer isso. A chave para o entendimento correcto do nosso caminho futuro para o socialismo mundial consiste no conhecimento lógico e histórico do socialismo, como ele se havia desenvolvido ou para falar mais exactamente: como o socialismo regrediu em direcção à restauração do capitalismo. Devemos dar primeiramente uma resposta para a pergunta: qual foi a razão pela qual a etapa do socialismo em um só país não foi seguida pelo passo para o socialismo mundial? Por que o processo da revolução mundial regrediu? O que o segurou? Que elo da cadeia estava desaparecido? O que tem de ser feito? Em que sentido é que temos de ir, se quisermos melhorar a aceleração do processo revolucionário mundial no futuro? Este trabalho científico não pode ser feito em tempo livre. Vitória e derrota dependerão das respostas correctas que temos de descobrir. O que aconteceu com o socialismo em um só país não é para ser repetido no que diz respeito ao socialismo mundial. As lacunas teóricas devem ser fechadas antes de avançarmos na prática. Certamente, isto não significa parar as actividades de apoio á luta de classes internacionalistas diária, porque só podemos adquirir experiência no combate prático e se melhoramos a nossa luta pela generalização das nossas experiências. O Marxista - Leninista é a personificação do movimento proletário mundial que é mesclado com o socialismo mundial científico.

Devemos fazer o que é possível nas condições de hoje (sem deriva em métodos de trabalho pragmáticas e espontâneas!). Devemos analisar as nossas possibilidades disponíveis e estudar cientificamente o método do materialismo dialéctico e histórico. Temos que elaborar uma estratégia e tácticas com base nos resultados de nossa análise. Então nós temos que pegar esse elo da cadeia, com o qual podemos apoiar os processos de toda a cadeia da revolução mundial.

Temos que olhar para o novo suporte, novos meios, novas alavancas, novos caminhos para uma nova base para a reconquista do socialismo, encontrar e criar o que ainda não se pode reconstruir no socialismo em um único país. Que é isto? Há ainda os proletários de todos os países? Sim, eles ainda estão lá e eles crescem rapidamente, a globalização do capital, quantitativa e qualitativamente - uma vez que o Comintern / ML começou a realizar a consciência revolucionária mundial dos movimentos proletários mundiais. E o que temos mais? Nós temos as forças das massas trabalhadoras desencadeadas pela globalização como uma reserva da revolução mundial, uma reserva – o exército globalizado dos desempregados, um exército globalizado dos camponeses pobres, etc. – um grande potencial para frente unida com o proletariado mundial!

O proletariado mundial como a próxima classe globalizada agora passa por um processo de estudo após o outro. No final, o proletariado mundial deve ter feito tudo para se opor à frente internacional do capital como uma classe de frente organizada na sua própria parte. Inevitavelmente, a frente globalizada do capital cria a frente de trabalho globalizado - e isso é evidente para nós, Marxistas-Leninistas - especialmente para os Marxistas - Leninistas de todos os continentes, porque temos de apoiar o processo de formação da frente de trabalho globalizado para facilitar a eclosão dos processos revolucionários mundiais em todos os continentes proletários unidos.

O proletariado só pode construir essa frente de classe universal se o proletariado olhar para o próprio plano nacional. Os partidos Marxistas-Leninistas dos países deveriam ser os primeiros a fazer de tudo para superar suas barreiras nacionais, mas mesmo os partidos Marxistas -Leninistas nos países vizinhos ainda não perceberam que o internacionalismo proletário é mais do que a troca de experiências para "melhorar" a luta de classes no país. Ajudar os outros é pré-condição para ajudar o partido mundial do proletariado mundial – o internacionalismo proletário de outra forma não seria nada mais que um beco sem saída, seria qualquer outra coisa, mas não uma organização centralizada da luta de classes internacional de UMA classe frente a resistir á ofensiva do capital mundial. Isto não significa que o esforço fraternal dos proletários, dos Marxistas-Leninistas seria desnecessário. Pelo contrário, essa relação fraternal com o proletariado dos outros países deve subir a um nível superior, o partido mundial centralizado! Obviamente, parece ser muito difícil para os partidos Maxistas-Leninistas entenderem que um partido mundial centralizado será muito mais eficaz, mesmo para o relacionamento entre si.

Se antigamente era possível para o cerco capitalista-revisionista esmagar a ditadura do proletariado de um único país, esta não será de todo uma táctica tão bem sucedida á escala mundial. Se o proletariado mundial tem uma posição firme e unida como uma frente de classe internacional, não vai ser tão fácil manter o cerco burguês-revisionista de idade na época do único país socialista. No futuro, a frente de classe do proletariado mundial deve enfraquecer as frentes nacionais dos países burgueso-revisionistas, de modo que a possibilidade da vitória da revolução socialista em um único país é maior. Hoje, a abertura da central internacional da frente de classe do proletariado mundial é a chave para abrir a revolução socialista em todos os países. Esta é a direcção em que temos que ir. A formação da frente de classes internacionalista mundial centralizada de uma classe internacional - esta é a maneira de compreender neste momento o slogan: "Proletários de todos os países – uni-vos!"

Nos dias da Revolução de Outubro era vantajoso para Lenine agarrar sua oportunidade porque não havia uma situação no mundo apta em particular, entre os países capitalistas - foi um momento de fraqueza, porque os imperialistas estavam a lutar entre si. Os comunistas Albaneses também puderam usar o momento certo para se livrar dos ocupantes Alemães para que o fraco poder da burguesia no país pudesse ser removido de forma relativamente fácil. Eram momentos mais ou menos extraordinários e excepcionais da história, em condições que não poderiam ser aplicadas e multiplicadas em todos os outros países. Nunca se esqueçam de que os imperialistas aprenderam com suas falhas e pontos fracos na sua luta contra a revolução. Eles tomaram suas medidas preventivas e numerosas precauções. Hoje os imperialistas mundiais concentram as suas forças contra-revolucionárias quase uniformemente em pontos de inflamação revolucionários - na primeira linha e sob o comando das ricas metrópoles burguesas, mas também sob a inclusão de um grande número de Estados membros da ONU. Isso já é praticado desde há um tempo considerável porque os estados capitalistas teriam demasiadas dificuldades na jogada individual e sem a aliança com todos os estados capitalistas unidos. No entanto, o carácter de pontos de inflamação revolucionários do anti-imperialismo deve mudar a partir das lutas de libertação nacional do passado para as lutas de libertação internacionais do futuro causadas pela globalização da contra-revolução. A única saída é a concentração internacional de todas as forças revolucionárias mundiais. Nós temos a opor-se uma estratégia e táctica revolucionárias do proletariado mundial à estratégia contra-revolucionária e tácticas dos imperialistas mundiais. Temos não só que romper o cerco contra-revolucionário, mas temos que combinar com o cerco revolucionário mundial. O momento é propício para preparar o cerco revolucionário proletário mundial para bater os imperialistas mundiais em seu próprio jogo. O primeiro cerco era burguês, o segundo cerco era burguês -revisionista, o terceiro e último cerco deve ser um proletário mundial. A questão da remoção da cadeia imperialista mundial é também uma questão de romper o elo mais fraco e rasgá-lo em pedaços, como também a questão da sua combinação com estrangulamento global e o cerco mundial da frente da classe proletária mundial. Sob as condições globalizadas uma não é possível sem a outra. Neutralização dos estados parasitas burgueses a partir de dentro e do opressivo cerco internacional em torno da ordem imperialista mundial a partir do exterior - uma luta interactiva do proletariado de um único país (como uma divisão do exército proletário mundial) com a luta global geral do exército proletário mundial organizado centralmente. A liderança do proletariado mundial é importante para essa interacção revolucionária. Toda a resistência anti-imperialista termina inevitavelmente com uma derrota, se esta condição de liderança do proletariado mundial está em falta.

Hoje estamos mais propensos a quebrar a cadeia imperialista se o proletário mundial forma a sua própria cadeia. Por isso, o proletariado de um único país não vai ser isolado pela solução da tarefa de sair da cadeia imperialista. A corrente proletária mundial se apega à cadeia imperialista mundial para que a cadeia imperialista não só perca um único elo da cadeia, mas se desfaça em ruínas como um todo. Por isso, é também mais difícil para os imperialistas reintegrar o elo da cadeia perdido pela restauração do capitalismo. Isso significa que nós temos que virar as tácticas de cerco dos imperialistas mundiais por 180 graus para vencê-los em seu mesmo jogo que já mencionamos. A reconquista do socialismo é baseada nesta ideia internacionalista. Esta ideia baseia-se também num fundamento materialista uma vez que o imperialismo mundial precisava do quadro nacional para o seu desenvolvimento. No decorrer do desenvolvimento imperialista mundial que ia superar as fronteiras nacionais e globalizadas. Para o socialismo é necessário também num quadro nacional para se desenvolver. A teoria do "socialismo em um só país" foi trabalhada com sucesso e transformada em prática. O socialismo cresce fora do colo da sociedade capitalista. É logicamente de supor que o capitalismo globalizado cria o socialismo globalizado. O capitalismo mundial dá à luz o socialismo mundial, a comunidade mundial socialista. Este curso de renovar o socialismo é uma lei objectiva do desenvolvimento da humanidade de forma independente dos desejos dispostos e subjectivos das pessoas. Nós, como comunistas, temos que olhar através do desenvolvimento futuro da sociedade do mundo pelos nossos olhos internacionalistas. Temos de concentrar a nossa energia na tarefa para acelerar os processos socialista mundiais objectivamente em curso. Temos conscientemente que interferir nos processos revolucionários da globalização do proletariado. Portanto, não foi por acaso quando o Comintern / ML passou toda a sua atenção para o proletariado mundial como uma classe internacional, mas foi uma necessidade que se baseia no conhecimento Marxista-Leninista da verdade sobre a situação mundial do proletariado:

O capital globalizado forjou os proletários de todos os países para a globalização da escravidão assalariada. O proletariado mundial só se pode livrar da escravidão do trabalho globalizado, organizando o seu poder globalizado e centralizado. As correntes da escravidão do trabalho só podem completamente estourar num cenário internacional. A luta contra a escravidão do trabalho tem de ser organizada como uma luta internacional organizada por uma liderança central dos proletários de todos os países.

 

Proletários mundiais – quebrem a vossa cadeia globalizada da

 

escravidão assalariada!

 

Esta é a palavra de ordem do comunismo de hoje!

Esta é a palavra de ordem dos proletários de todos os países – no 5º aniversário do Comintern / ML!

 

As empresas multinacionais, as contagens da indústria e capital financeiro internacional na mobilização das forças produtivas internacionalizadas, na partilha internacional do trabalho. Este processo elimina o velho coveiro em um palco nacional. Este processo capitalista mundial une os coveiros de todos os países a um coveiro internacional. O capital internacional cria o coveiro internacional. No futuro não haverá todos os velhos coveiros, que escavam os túmulos de capitalismo neste ou naquele único país, mas um coveiro universal - o proletariado mundial - que cava a sepultura de todo o capitalismo mundial. Será o proletariado mundial que partirá da sua própria iniciativa e controle sobre greves para trazer a produção mundial a uma situação estável. O que é uma greve em uma fábrica local ou mesmo uma greve geral em um único país em comparação com uma greve geral em todo o mundo e uma preocupação com uma greve multinacional ou com uma greve geral mundial?! Não é por acaso que a princípio o Comintern / ML colocou esta questão de todos os Marxistas – Leninistas. Por acções centralizadas o proletariado mundial interfere nas transacções internacionais sem impedimentos dos imperialistas profundamente e com sensibilidade. Se os proletários tiverem sucesso para interromper a produção mundial, então isso também vão prejudicar a produção na maioria dos países capitalistas individuais, porque eles dependem da produção do mundo para uma grande quantidade. Assim, os imperialistas mundiais terão dificuldades para mover ou remover a produção nos países individuais. Assim, a greve internacional deve desenvolver a sua forma mais elevada como instrumento poderoso da estratégia e táctica proletária revolucionária geral mundial. Para frustrar os planos imperialistas o proletariado mundial trabalha os seus próprios planos de acção. O exército contra-revolucionário dos imperialistas mundiais não pode ser ao mesmo tempo, em qualquer lugar do mundo, mais do que o exército revolucionário do proletariado mundial, ele não pode fazer mais do que ele. O capital internacional só pode ser protegido internacionalmente. Se o proletariado se limita à luta de classes em seu próprio país, a situação do proletariado mundial será impossível, porque dificilmente haverá um efeito duradouro sobre as actividades contra o capitalismo mundial a partir de uma área nacional restrita. Esta é a razão pela qual os proletários de todos os países têm de cuidar comumente sobre o facto de que a vida do capitalismo estará em perigo em toda parte na terra, que os capitalistas mundiais deverão se deparar com todo o exército proletário mundial em vez de divisões proletárias isoladas e não coordenadas neste ou naquele país.

Para fazer o máximo de lucros, a globalização é uma pressão económica do capital imanente de derrubar as barreiras nacionais. Se os proletários de um único país persistem em uma estratégia e tácticas que é restrita numa luta de classes com as barreiras nacionais, então, a luta contra a tomada de lucro globalizado é construída sobre o vazio. A coordenação da política do trabalho dentro das empresas multinacionais, a remoção dos homens de poder de um país para outro tem de ser interrompida pela invalidação da competição nacional do trabalho. Para dar um exemplo: Se os capitalistas portuários da Europa querem substituir os trabalhadores portuários por operários não qualificados para baixar os salários, em seguida, os trabalhadores portuários Europeus se levantam como um só homem. Assim que a reserva do exército de trabalho passivo começa a se mover, assim que o proletariado mundial organiza a resistência no mundo inteiro, assim que o apoiam interesses económicos e políticos próprios, então logo os proletários de países individuais se unem em greves continentais ou intercontinentais, greves continentais ou intercontinentais gerais, manifestações e comícios internacionais, acções de massa - e insurreições internacionais e guerras civis internacionais, uma guerra mundial civil - então os capitalistas mundiais devem realmente ter dificuldades - não pode haver qualquer dúvida sobre isso! Estaríamos acabados se o proletariado mundial não soubesse acerca da experiência de dominar novas formas internacionais socialistas da luta de classes, mesmo as armadas e mais elevadas!

O proletariado mundial é obrigado a organizar-se como uma classe consciente (política) internacional, é forçado a organizar sua luta económica internacional. Ele é forçado a realizar os seus interesses económicos com meios políticos internacionais, também - portanto, de realizar seus interesses políticos internacionalmente. Ele será então forçado a ter que liderar a luta internacional político - a armada luta de classes internacional contra a contra-revolução imperialista mundial. Será particularmente forçado militarmente a se opor ao exército imperialista mundial com o seu próprio exército mundial proletária e conduzi-lo na última batalha mundial decisiva entre capital e trabalho. Esta é a marcha do proletariado mundial para a revolução socialista mundial armada. Desta forma, é geralmente pré-determinado historicamente, bem como logicamente nós não podemos prever os detalhes e formações especiais. No entanto, sabemos perfeitamente bem que que esta maneira revolucionária mundial será a alternativa restante para conseguir a liberação de todas as classes reprimidas e exploradas aqui na terra. É hora de nós, Marxistas-Leninistas, convencermos o proletariado mundial – e o proletariado mundial vai realmente ver por si mesmo - que o caminho do Comintern / ML é o caminho revolucionário. A luta do proletariado mundial é cem vezes mais bem sucedida do que a luta do proletariado isolado em seu próprio país. Você pode esmagar o proletariado nacional, quebrando um dedo continental após o outro, mas nada pode resistir ao punho do proletariado de todos os continentes. Isso é o que o Comintern / ML ensina aos proletários de todos os continentes. Esta é a única maneira de o proletariado mundial poder cumprir a sua missão: garantir o socialismo em todos os países sobre a base de um sistema mundial do socialismo. Nenhum proletariado – excepto o proletariado mundial - pode realmente garantir o socialismo em todos os países. Somente o proletariado mundial como uma classe pode agir de forma independente pode garantir o futuro do comunismo. Neste século da globalização será mais difícil quebrar a cadeia imperialista no elo mais fraco do que no século passado (desde iguais meios, formas, métodos, etc. da luta pelo socialismo no século passado). A cadeia imperialista dos tempos de Lenine e Estaline e mesmo nos tempos de Enver Hoxha não podem ser comparadas num mesmo nível com as condições de hoje da cadeia imperialista. Hoje as condições para romper a cadeia imperialista no elo mais fraco mudaram muito (a antiga rompia-se apenas por um único país que conta com suas próprias forças). Nós não queremos dizer que seja quase impossível no nosso tempo de globalização derrotar o poder da burguesia no quadro nacional e construir um velho tipo de "socialismo em um só país".

Mas queremos dizer que, em qualquer caso, que a acção firme do proletariado mundial como uma classe pode pavimentar o caminho para romper a cadeia imperialista no elo mais fraco enormemente porque agindo como uma classe internacional as possibilidades para evitar que o imperialismo mundial de interceder em nome da burguesia nacional em qualquer país do mundo diminuem. A intervenção do proletariado mundial é a chave para romper a cadeia imperialista mundial no seu elo mais fraco. A revolução socialista dentro do elo mais fraco, em particular, mas em todos os outros países, em geral, tem de ser liderada pelo proletariado mundial em geral, e pelo proletariado de um único país, em particular. A reconquista do socialismo futuro está em primeira linha numa questão do proletariado mundial, conectando com a condição de sua liderança. É por isso que o Comintern / ML concentra essencialmente a sua energia na formação da nova consciência revolucionária mundial do proletariado, é por isso que o Comintern / ML apoia incondicionalmente cada luta de classes para além das suas fronteiras nacionais, incentiva todos os esforços para globalizar a luta de classes dos países envolvidos, para escalar a agitação numa revolução, para ampliar as lutas locais num cenário internacional, para convencer o proletariado de que a liberação internacional tem algo a ver com ajudar os outros. O que é necessário neste século é uma Revolução de Outubro do proletariado mundial e o Comintern / ML é a organização que desenhou esta linha geral, nos últimos 5 anos.

Estar firmemente convencido sobre a hegemonia do proletariado, isto significa hoje: ser convencido de que a hegemonia tem um carácter internacional, que é a hegemonia do proletariado mundial, o que significa dirigir nossa luta na primeira linha directamente contra os imperialistas mundiais com a frente unida dos proletários de todos os países.

A luta de classes em breve decide sobre o capitalismo e o socialismo, ela é a luta de classes directa do proletariado mundial contra a burguesia mundial. Isto significa que as lutas de classes nos países individuais, a luta de classes no país "próprio" deve ter uma nova qualidade, uma nova missão, uma nova direcção, ou seja, a luta contra a burguesia "própria" naquele ponto onde é particularmente dependente da burguesia mundial e vice-versa. Os fornecimentos decisivos de fora têm de ser cortados. Por esta intervenção a burguesia mundial fica enfraquecida nos seus centros e, finalmente, a burguesia mundial será derrotada:

 

Para ter acesso á continuação, á segunda e última

 

parte deste artigo, por favor, clique no seguinte

 

link:

Parte II: “5 Anos – 5 Clássicos”


 

 

"5 Anos – 5 Clássicos"

 

(Parte II)

"Definitivamente, nós só podemos vencer á escala mundial apenas pelos esforços conjuntos dos trabalhadores de todos os países.” (Lenine)

- A teoria da restauração socialista e o socialismo globalizado –

 

Toda a política do Comintern / ML é baseada nesta verdade descoberta pelo camarada Lenine. Claro que sabemos que a revolução internacional nas actuais circunstâncias é mais lenta a desenvolver-se sem o "apoio” de um único país socialista, mas que tipo de internacionalistas seríamos nós se nos deixássemos desencorajar? Os internacionalistas verdadeiros não se sentam à espera de um país socialista que iria começar a apoiar a revolução mundial. Nós conseguiremos apesar de faltar uma base e alavanca da revolução mundial. Não podemos e não vamos desistir de nossa luta revolucionária mundial por causa da falta de uma nação socialista fazendo o papel do “velho único país socialista”. A existência ou a não existência de um país socialista pode influenciar a nossa luta pela revolução mundial, sem dúvida - mas tem que ser absolutamente continuada, não importa se já há um país socialista ou ainda não. A luta revolucionária mundial é uma luta independente de uma classe independente - o proletariado mundial. Nós, Marxistas-Leninistas, temos - em primeira linha - incondicionalmente de servir a revolução mundial. Este dever internacionalista jamais pode ser violado. Não podemos dar qualquer razão como desculpa. Somente os Marxistas-Leninistas são revolucionários mundiais e apenas os revolucionários mundiais são Marxistas - Leninistas. Negar isso seria uma traição ao Marxismo - Leninismo, uma traição da questão do proletariado mundial - a única classe revolucionária do mundo!

A renovação da revolução socialista em um país revisionista - este era o slogan do camarada Enver Hoxha, do PTA e de todo o Movimento Mundial Marxista-Leninista. Esta renovação da revolução socialista nos países revisionistas foi a consequência da derrota na luta contra a restauração capitalista. Esta luta contra a restauração capitalista terminou aproximadamente em 1990, quando os revisionistas na Albânia chegaram ao poder. Dez anos após a perda do socialismo no mundo, os Marxistas - Leninistas fundaram o Comintern / ML para a reconquista do socialismo. A teoria da restauração do socialismo foi o resultado da luta contra a traição dos revisionistas. Se os Marxistas-Leninistas tivessem sido vitoriosos na oposição às tentativas de restauração capitalista, em seguida, a teoria da restauração do socialismo não tinha sido necessária. A teoria da restauração socialista foi elaborada pelo Comintern / ML em consequência e continuação da luta contra a restauração capitalista. O processo do socialismo é um processo de luta contra a restauração capitalista, que se transforma em luta pela restauração socialista. É o mesmo processo em dois períodos. O processo de restauração de socialismo começa quando o processo de restauração do capitalismo chegou ao fim. Quando a luta pela defesa do socialismo terminou com uma derrota, quando o país socialista se transformou em um país capitalista, então está prestes a acontecer que a luta contra a restauração do capitalismo se transforma em luta pela restauração do socialismo em especial no único antigo país socialista em um palco nacional e, em geral - sob a condição de não-existência mundial do socialismo como é hoje - a luta pelo socialismo em todos os países num cenário internacional. A longo prazo, falamos sobre o período passado do único país socialista para o futuro período da restauração socialista á escala mundial. O primeiro período do socialismo foi o período da primeira edificação do socialismo em um único país e o segundo período é o período da restauração socialista á escala mundial - o socialismo garantido.

O socialismo "em um único país" já era, mas o socialismo vai voltar, mesmo sem qualquer luta pela restauração socialista através de viagens cansativas cheias de opções erradas do movimento espontâneo do trabalhador. Nós, como Marxistas-Leninistas, sabemos que podemos encurtar e facilitar o caminho de volta para o socialismo utilizando a bússola socialista - o Marxismo - Leninismo. Assim, a teoria da restauração do socialismo desenvolve-se fora e independentemente do movimento operário espontâneo. Foi elaborada pelos Marxistas-Leninistas, foi elaborada pelo Comintern / ML. Esta teoria baseia-se nas experiências realmente existentes de luta Marxista-leninista contra a restauração capitalista nos países socialistas, em particular, e no curso da luta contra o revisionismo em geral. Nós, Marxistas - leninistas ganhamos nova esperança no futuro do socialismo e do grande tesouro da luta Marxista – Leninista, nós somos contra a restauração capitalista. Este é o segredo das lições da luta contra a restauração capitalista. Não é simplesmente um processo invertido, é, aliás, um processo que leva a um nível superior do socialismo - o socialismo sem a restauração capitalista. A luta pela restauração do socialismo é definida como tal forma de uma luta socialista sem sua resignação á inevitabilidade da restauração capitalista. A restauração socialista é a abolição irreversível da restauração capitalista. O Marxismo-Leninismo de hoje é a teoria da restauração socialista.

Como toda a teoria revolucionária precede o movimento revolucionário em geral, o movimento para a restauração socialista não é possível sem a teoria da restauração socialista, em particular. A teoria da restauração do socialismo é a continuação da teoria do socialismo mundial, dadas as circunstâncias históricas da vitória temporária da restauração capitalista. A ideia do socialismo mundial é confirmada pela globalização do capitalismo e elaborada pelos cinco Clássicos do Marxismo - Leninismo. Este novo movimento Marxista - Leninista não vem do movimento globalizado espontâneo dos trabalhadores, mas a partir do exterior, de forma independente. A ideia da restauração do socialismo não foi criada até á destruição do socialismo, não foi criado até os Marxistas-Leninistas descobrirem as razões e analisarem as origens dos erros que levaram à derrota do socialismo, especialmente as fraquezas e erros sobre a luta contra o revisionismo, contra a restauração do capitalismo. Nesse meio tempo (e governado pelos factores que a destruição do socialismo levou a uma nova divisão mundo imperialista de esferas de influência em matéria de recursos, áreas comerciais, mercados de trabalho etc.) novas formas de trabalho internacionalmente organizado desenvolveram-se com a globalização do capital. Isto dá origem a um movimento novo socialista mundial do trabalho cuja qualidade não pode ser comparada com os tempos dos antigos países socialistas.

O socialismo mundial não pode se desenvolver de diversas formas a partir das experiências vitoriosas da União das Repúblicas Soviéticas. Esta ideia e a transformação prática da unificação das repúblicas socialistas foram grandes conquistas dos camaradas Lenine e Estaline com valores inconcebíveis para o futuro estado de construção do socialismo mundial. As classes para a formação da União das Repúblicas Socialistas são indiscutivelmente importantes para a futura edificação da República Socialista Mundial (RSM). O socialismo em um só país foi e ainda é o elo da cadeia necessário e inalienável para a criação do socialismo mundial. O socialismo reconquistado será o socialismo mundial e o socialismo mundial deve formar novos tipos de países socialistas que não podem ser comparados com os antigos países socialistas que ainda não foram incorporados numa ordem mundial socialista. O primeiro tipo de país socialista foi cercado pelo capitalismo mundial - o novo tipo de país socialista será incorporado pelo socialismo mundial - que é o avanço do protótipo do socialismo em um único país. A revolução proletária internacional deve obter um novo carácter e rosto pela globalização do capitalismo - a revolução mundial será uma revolução globalizada.

Historicamente, o problema do cerco imperialista-revisionista não poderia ser resolvido com o sistema do socialismo num país por conta própria. O imperialismo mundial matou o socialismo um único país antes de o socialismo se poder espalhar por todo o mundo porque o proletariado mundial não poderia revelar seu poder e dar a ajuda necessária para a defesa do socialismo em um único país, porque as revoluções socialistas nas metrópoles capitalistas não podiam ser realizadas, porque o proletariado internacional e os proletários do país socialista ainda não conseguiram ter sucesso para ajudar uns aos outros para continuar a revolução mundial, porque os esforços para construir um campo socialista foram impedidos pelos revisionistas, etc. - tudo isso problemas que foram previstos pelos clássicos do Marxismo-Leninismo e todos eles lutaram para resolver este problema teoricamente, assim como praticamente:

"Partimos do princípio de que o nosso país mostra dois grupos de contrastes: contrastes internos e contrastes exteriores. Os contrastes internos consistem principalmente na luta entre os elementos socialistas e os elementos capitalistas. Dizemos que somos capazes de superar esses contrastes pelas nossas forças próprias para derrotar os elementos capitalistas da nossa economia que incluem as principais massas de camponeses na construção socialista e que podemos construir a nossa sociedade socialista.

Os contrastes exteriores consistem na luta entre o país do socialismo e o ambiente capitalista. Nós dizemos que não podemos remover esses contrastes por nossas próprias forças, mas apenas através da vitória do socialismo, pelo menos em alguns países, que é necessária para a eliminação desses contrastes. Assim, portanto, dizemos que a vitória do socialismo num só país não termina em si mesma, mas deve ser o apoio, meio e instrumento para a vitória da revolução proletária em todos os países." (Estaline, Volume 8, página 291, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

"No entanto, quebrar o poder da burguesia e estabelecer o poder do proletariado num único país não significa ainda a segurança da vitória completa do socialismo. A principal tarefa do socialismo - a organização da produção socialista - ainda está iminente. Podemos resolver este problema, podemos alcançar a vitória definitiva do socialismo num só país, sem os esforços conjuntos dos proletários de vários países avançados? Não, não podemos." (Lenine, citado a partir de Estaline, Volume 8, página 55, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

Estaline escreveu sobre a questão da vitória definitiva do socialismo no seu Volume 7, página 117/118, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML):

"A vitória definitiva do socialismo é a garantia total contra a intervenção - e, consequentemente, contra a sua restauração, porque uma restauração como tentativa bastante séria só pode ser bem sucedida com o sério apoio de fora, apenas com o apoio da comunidade internacional do capital. Por isso, o apoio da nossa revolução, pelos trabalhadores de todos os países e ainda mais a vitória desses trabalhadores, pelo menos, em vários países, é a condição prévia indispensável para a garantia total do primeiro país vitorioso contra as tentativas de intervenção e restauro, a indispensável pré-condição para a vitória definitiva do socialismo."

Para resolver o problema dos contrastes internos e externos, da questão da vitória garantida do socialismo, temos de recorrer ao método dialéctico. Para resolver o problema, temos de desenvolver a unidade, a coesão do contraste interno e externo em um cenário internacional e trazê-la até ao fim internacional final. O que é que isso significa?

Quando anteriormente se disse que os contrastes entre os elementos socialistas e os elementos capitalistas podem ser superados pelas forças próprias e que o socialismo pode ser estabelecido pelos proletários de um único país e seus aliados, então podemos agora falar sobre a possibilidade de que o proletariado mundial e seus aliados podem resolver as contradições entre os elementos socialista mundiais e os elementos capitalistas mundiais por suas próprias forças. As pré-condições objectivas estão disponíveis para estabelecer a sociedade mundial socialista, o estágio do desenvolvimento produtivo mundial é atingido para começar a produção socialista mundial.

Se a vitória ainda não garantida do socialismo em um só país foi de apoio, meios e instrumentos para a vitória da revolução proletária em todos os países, então a revolução proletária em todos os países do mundo, depois da revolução proletária mundial é agora de apoio, meios e instrumentos para a vitória garantida e definitiva do socialismo em um único país.

As contradições internas e externas do socialismo em um só país só podem ser resolvidas através da gestão dos interesses socialistas dos proletários de todos os países, pela fusão da luta de classes internacional e das novas formas do processo revolucionário mundial. Os interesses socialistas do proletariado mundial e os interesses socialistas dos proletários de um único país são os mesmos em princípio. No entanto, se esses interesses iguais são divididos e separados ou estão em oposição (e reconhecidamente os revisionistas trabalham para isso!), então as contradições certamente não podem ser resolvidas. A revolução socialista num país e a revolução socialista mundial são indivisíveis, elas formam uma unidade. Esta unidade é objectivamente amadurecida sob as condições actuais da globalização. Este é todo o segredo! Quando os camaradas Lenine e Estaline sublinharam o papel internacionalista do país socialista para a revolução mundial como uma "alavanca e base", então eles nunca excluíram com esta todas as outras bases e alavancas da revolução mundial. Para assumir que o único país socialista seria exclusivamente a única base e alavanca da revolução mundial é baseado em uma falácia e um "argumento" útil para os inimigos da revolução mundial. Enquanto o proletariado mundial não tenha suas alavancas e base da revolução socialista mundial encarnada por um novo único país socialista, o proletariado mundial deve desenvolver outras alavancas e bases, deve contar com sua própria força, deve criar melhores condições para o proletariado no país, com o elo mais fraco da cadeia imperialista, deve estar consciente sobre a criação de divisões do exército proletário mundial em cada país para atacar o imperialismo mundial como um todo, bem como em todos os países.

Por outras palavras: O proletariado mundial não pode permanecer passivo e inactivo até que uma situação revolucionária esteja disponível em algum lugar do mundo, até que uma revolução socialista traga a ditadura do proletariado. A revolução mundial não espera para o próximo do socialismo. É exactamente o contrário nas condições da restauração do socialismo. O proletariado mundial desempenha um papel activo e de liderança para a restauração do socialismo, tem que ser a classe que conquista a potência mundial. Pelo menos é a tarefa do proletariado mundial fazer a revolução socialista mais fácil em um único país, por exemplo, abrindo caminho para a remoção da ditadura da burguesia em um único país por impedir as forças de intervenção contra-revolucionárias imperialistas mundiais e por dificultar as tentativas de seu cerco.

A vitória do movimento revolucionário dos proletários de todos os países contra o capital globalizado assegura a unidade e a indivisibilidade dos interesses e tarefas do proletariado de um único país isolado, bem como os interesses e as tarefas dos proletários de todos os países. Esta é a negação da negação da revolução socialista, como é previsto na linha geral do Comintern / ML.

Esta é a única maneira como se conquista a ditadura do proletariado, no futuro, e este caminho é o caminho certo para garantir o socialismo em todos os países do mundo. Só com isto o socialismo ganha uma nova qualidade para todos os países e para dizê-lo de forma mais precisa: não é mais a qualidade de uma peça que surgiu sem o todo que - o que é bem conhecido - chegou a uma posição inevitavelmente, mas de uma nova qualidade como uma nova parte estável do todo o crescimento e consolidação. O elemento [o socialismo em um único país] não pode crescer a partir de si mesmo para formar sua própria unidade inteira [crescendo como socialismo mundial] porque o socialismo tem um carácter de unidade mundial - por assim dizer – e não é nacionalmente capaz de sobreviver sem outros elementos. O elemento é somente viável como um elemento da unidade. Sem isso a dimensão internacional do socialismo está fadada ao fracasso. E um único país socialista não pode crescer em direcção ás dimensões internacionais por certo tipo de divisão celular. O socialismo em um só país não pode preencher o espaço do socialismo mundial, pois ele sempre será apenas parte do socialismo mundial. Não pode nem ser importado nem exportado. A unidade só pode crescer a partir da conexão e as forças comuns de todos os elementos. Um elemento é parte de uma unidade internacional de um organismo mundial. Sem todos os elementos necessários a este organismo mundial ele não pode crescer. A simbiose de vários países socialistas já pode ser suficiente para o desenvolvimento do socialismo mundial, mas você não pode construir o socialismo mundial sem os elementos necessários dos países socialistas. Certamente esses processos devem desenvolver-se mais rapidamente no futuro, em seguida, no passado, mas, em princípio, o carácter desses processos não pode mudar. O desenvolvimento do socialismo mundial é predeterminado como um processo dialéctico coexistindo entre os elementos individuais e sua unidade. Mas isto não é a coisa toda. A transformação do socialismo num único país no socialismo mundial é também uma questão da transformação do capitalismo mundial no socialismo mundial, a partir da velha ordem que vai e a nova ordem que vem pela remoção da velha ordem. Ambos os processos de desenvolvimento do socialismo mundial estão construindo uma unidade, você não pode dividir -los ou misturá-los. Este é um processo complexo e difícil, com muitos factores que você tem que trabalhar teoricamente com claros métodos minuciosos para evitar erros. O proletariado heróico dos países socialistas provou que o socialismo pode existir num único país. E a grande lição para o proletariado mundial é: o socialismo num único país foi a melhor escola para aprender a construir o socialismo mundial. Para garantir o socialismo na terra você tem que remover e abolir a inevitabilidade do capitalismo mundial, você tem que construir o socialismo á escala global. O desenvolvimento do socialismo abrange o período do socialismo ainda não garantido ("fase única") em direcção ao socialismo garantido (escala mundial).

A velha unidade capitalista (o capitalismo mundial) já estava fraco demais para impedir que um único elemento da unidade socialista chegasse. No entanto, era forte o suficiente para isolá-lo e para frear e impedir o crescimento de toda a nova unidade do socialismo. Até ao cerco do primeiro elemento socialista de fora e da restauração capitalista de dentro o capitalismo mundial forçou o seu elo perdido de volta para a cadeia imperialista. Mas isso não significa que a cadeia imperialista seja a mesma cadeia como nos tempos antes de uma ligação se soltar. E o antigo elo socialista que foi reintegrado na cadeia imperialista também não é o mesmo que era nos tempos antes de se soltar. A cadeia imperialista foi alterada objectivamente por estes feitos históricos do proletariado e isto é decisivo para tirar conclusões para a estratégia e a táctica da revolução mundial. Ela agora está madura e em consistência para rasgar a cadeia imperialista em pedaços globalmente. A actual crise económica e política do capitalismo mundial são sinais que anuncia a quebra de todo o mundo capitalista. O socialismo em um único país facilitou e acelerou este processo e eram sinais para anunciar o socialismo mundial pronto para substituir o capitalismo mundial. Só a restauração do capitalismo não foi o fim do socialismo em geral, mas a dificuldade acrescida para o desenvolvimento de um estágio infantil para uma fase de maturação. A restauração capitalista era uma contribuição para um processo de crescimento socialista mais profundo e reforçado por um lado, e uma contribuição para um processo mais profundo e acelerando apodrecendo o capitalismo, por outro lado. A restauração do capitalismo era fertilizante para o crescente processo socialista que não pode ser removido, mas apenas acelerado ou prolongado. A nova unidade vai surgir, cultivando todos os elementos para se tornar completa. Uma das razões por que o sistema do velho mundo ainda não pavimentou o caminho para o novo sistema mundial foi o seu prolongamento pela anexação dos antigos países socialistas. Mas: O velho sistema capitalista jamais poderia voltar a ser o mesmo que era antes esta anexação porque era, simultaneamente, o início do novo sistema mundial socialista que abriu o caminho para o seu desenvolvimento. Isso é tudo sobre o processo de transformação dialéctica da transição do capitalismo para o socialismo, o processo de transformação da etapa internacional para a nacional em direcção ao socialismo. Trata-se do desenvolvimento contraditório da história do socialismo sobre a continuação do processo de desenvolvimento que começou com a luta entre o socialismo em um único país e seu cerco capitalista e capitalista-revisionista, esta táctica que o imperialismo mundial refinou depois da restauração do capitalismo e que ainda é praticada contra os países não-socialistas para subjugá-los sob a colonização globalizada de hoje.

A luta entre o socialismo e o capitalismo não é um processo mecânico, puramente quantitativo, onde as coisas crescem e morrem pela evolução pacífica, mas é a interacção de contradições, que só podem ser resolvidas na luta das diferenças irreconciliáveis. Estas contradições desenvolvem-se através da transformação de formas nacionais de processos em formas internacionais de processos que depois voltam em uma próxima fase como um processo permanente. A transição do primeiro período do socialismo no século 20 para o segundo período no século 21 tem lugar como um salto qualitativo, que está agora a caminho. Na revolução mundial todas as forças têm de estar totalmente num sistema de sucção para terem energia suficiente para explodir e para colectar a energia para a explosão. A revolução mundial prepara as suas condições de funcionamento e nesta situação os processos de desenvolvimento das revoluções socialistas no cenário nacional revertem para dar á revolução mundial bom balanço. A direcção de reversão é necessário para a distância suficiente para lhe dar objectivo revolucionário - empurrando a sociedade mundial no seu desenvolvimento, a sociedade socialista para o seu estágio globalizado. O carácter do salto qualitativo da revolução de Outubro já era internacionalista, mas ele precisava do tempo de todo um período de transição revolucionária mundial.

Particularmente com o princípio metódico da unidade da lógica e da história, os Marxistas - Leninistas resolvem o problema da questão da revolução proletária mundial. O sistema orgânico do socialismo num país muda dialecticamente para um sistema mundial orgânico internacional e, assim, não directamente, mas apenas numa etapa superior do desenvolvimento socio-económico. Marx disse:

"Este sistema orgânico tem como totalidade os seus próprios pré-requisitos, e para a conclusão da totalidade apenas subordina todos os elementos da sociedade ou ele cria todos os elementos em falta e órgãos fora dele. Por isso, o sistema orgânico se torna sua totalidade historicamente. A tomada em relação a este conjunto forma um momento de seus processos, o seu desenvolvimento." (Marx, Outlines, Berlim, 1974, página 189, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

O socialismo "num único país" não é apenas um resultado histórico em si, mas também ponto de partida da história do socialismo mundial, a partir de que o velho tipo de socialismo abre o caminho para um novo tipo. Se falamos de socialismo, nós temos que diferir este termo em dois aspectos: Podemos falar sobre o socialismo em geral - em si - ou como um termo histórico, como um termo relativo, com seu carácter típico formado em um período especial de seu desenvolvimento. O conteúdo geral é o mesmo, mas a forma muda de acordo com as novas circunstâncias históricas. No século 20 - por exemplo - o socialismo começou a se desenvolver em um único país, com suas formas nacionais típicas, mas carácter internacional certamente integral. É claro que até mesmo o carácter do socialismo também se está desenvolvendo e nunca parado (ver: todos os vários estágios do desenvolvimento do socialismo na União Soviética). Sob formas internacionais, o carácter internacional deve obter um nível superior e, em seguida, os conteúdos internacionais podem se desdobrar na sua potência máxima. O processo historicamente desenvolvimento do socialismo passa necessariamente por diferentes fases, a fase do socialismo em um país e a fase do socialismo mundial que transforma as formas nacionais nas internacionais (talvez com a adaptação de diferentes formas continentais do socialismo - por exemplo, o futuro continente socialista eurasiático). A ideia básica do Marxismo - Leninismo consiste no facto de que nós não entendemos o socialismo unilateralmente como um modelo pronto, perfeito, não importa como, em um único país ou á escala mundial, mas também como um complexo de época dos processos revolucionários mundiais que - apesar da escuridão do presente capitalista - devem emergir. É claro que o socialismo em um único país representa uma unidade inteira, não só geograficamente, mas certamente sua natureza básica é ser o elemento para formar a unidade internacional. A totalidade do desenvolvimento socialista em um único país abre caminho para o desenvolvimento total do socialismo mundial e na razão inversa da totalidade do desenvolvimento em um único país (o único, em primeiro lugar, um único, o protótipo) torna-se progressivamente com mais e mais carácter independente como um elemento aberto de todo o socialismo mundial, que perdeu sua totalidade, que tem de descolar sua cobertura de protecção para o antigo cerco capitalista-revisionista.

O socialismo em si é apenas uma abstracção o socialismo historicamente existente, tanto no primeiro período ou nos períodos mais desenvolvidos têm as suas raízes comuns, funcionalidades e características (preparando elementos, construindo, reconstruindo elementos, etc.) - todos estes períodos seguem uma e a mesma linha: o Marxismo-Leninismo. Essencialmente não é apenas o facto de que os diferentes períodos contém elementos característicos iguais ou semelhantes, princípios, etc., mas eles formam todos juntos e, um após outro os membros em falta da sociedade comunista que se aproxima diferem entre si, mas afectam-se uns aos outros, formando a sua unidade.

O que deve ser dito com isso é que o socialismo num único socialismo país e no mundo são o componente necessário para o desenvolvimento da comunidade mundial comunista, que o socialismo em um único país não está só um facto historicamente terminado, mas em primeira linha um período de transição para se aproximar do socialismo mundial. Aqueles que estão confinados ao socialismo em um só país não são Marxistas - Leninistas. Os Marxistas - Leninistas são comunistas mundiais, são internacionalistas e não estão satisfeitos após o estabelecimento da ditadura do proletariado (exclusivamente) em um único país. Quem só está lutando pela revolução socialista no país "próprio" e não luta pela revolução mundial (em primeira linha!) não pode ser um internacionalista, não pode ser um Marxista-Leninista. Os Marxistas-Leninistas não apenas lutam pela revolução socialista em seus países "próprios" e não apenas pelo seu socialismo "próprio", mas além do mais lutam pelo fim do socialismo mundial, pela libertação, liberdade e emancipação de todos os trabalhadores suprimidos e explorados de todo o mundo, para a sociedade mundial sem classes, o comunismo mundial. Nós representamos os interesses revolucionários gerais do proletariado mundial em um todo. Os Marxistas - Leninistas de hoje devem lutar por objectivos mais elevados do que se contentarem com a simples reprodução do primeiro tipo afastado pela restauração do capitalismo "socialismo em um único país." O valor do "socialismo em um só país" não está em contradição com o estágio restrito em que se desenvolveu. O valor consiste sim na certeza, de que as condições sociais ainda verdes, em que o " socialismo num país" se levantou, podem nunca mais voltar. O socialismo só pode ser reproduzido num estágio superior de seu desenvolvimento. O socialismo que foi "roubado" pelos capitalistas, a sua restauração capitalista, não fica sem efeito para a restauração do socialismo. Pelo contrário, o desenvolvimento em direcção ao socialismo mundial continua muito mais a fundo por a prevenção de todas as falhas feitas na história da edificação socialista (negação da negação). A negação da negação significa, que o "socialismo num só país" deve ser restaurado num estágio superior de desenvolvimento pela revolução socialista mundial. Por sinal, a restauração do capitalismo mundial sairia muito mais cara para o proletariado mundial do que a restauração do capitalismo em um único país. Os ensinamentos de nossa derrota são o capital mais valioso para nossas próximas vitórias, camaradas! A coexistência do capitalismo e do socialismo têm um limite de tempo, são causadas historicamente, são relativas. No entanto, os contrastes irreconciliáveis ​​do capitalismo e socialismo são absolutos. Este capitalismo foi vitorioso, mas no final o socialismo se preocupa com o extermínio irreversível do capitalismo.

Mesmo que não haja socialismo hoje, o socialismo ainda está vivo, os processos socialistas estão sempre acontecendo e os feitos heróicos dos proletários, o seu poder, as suas experiências, a sua coragem, sua ousadia, seus sacrifícios e seu sangue nunca foram em vão - enquanto nós, Marxistas-Leninistas, mantivermos a sua bandeira vermelha revolucionária levantada. Os trabalhadores nunca se esquecem de que alguns deles eram outrora livres e felizes com suas próprias realizações socialistas. A União Soviética de Lenine e Estaline e a Albânia de Enver Hoxha viverão para sempre, eles são imortais. Eles ainda permanecem na história como os primeiros verdadeiros países socialistas. Antes de ambos os países, houve a Comuna de Paris e antes da Comuna de Paris houve a ideia do Marxismo. E, no futuro, haverá um mundo Marxista também graças à União Soviética e á Albânia, que abriram o caminho para ele. O socialismo mundial deve fazer bom uso das experiências do "socialismo num só país" (negação da negação).

Serão adicionadas novas qualidades. O socialismo não está morto. A vitória definitiva pertence ao socialismo.

Assim como a Revolução de Outubro não emergiu por acaso, mas como uma necessidade, ou seja, como o início necessário da revolução socialista mundial, a revolução na Albânia não foi por acaso, mas a continuação necessária da revolução socialista mundial e do seu desenvolvimento, assim como as revoluções socialistas não vêm por acaso, mas como a conclusão necessária para a realização da revolução socialista mundial e para a sua vitória. Definindo-se desta maneira, a Revolução de Outubro muda fluentemente para a revolução socialista mundial, no entanto, não directamente, mas num processo complexo, complicado e longo, onde há não só uma vitória e não apenas uma derrota, mas períodos longos inevitavelmente. A nossa consciência sobre esses processos longos e mesmo reversíveis, o enriquecimento dos conhecimentos sobre estes movimentos revolucionários mundiais complexos e difíceis nos ajudam a imaginar e entender o que dimensões gigantescas e enormes da explosão da revolução globalizada devem ter em relação às forças tremendas de destruição do capitalismo mundial, o fascismo mundial e a reacção mundial, bem como as forças colossais de criação de uma nova sociedade mundial sobre as ruínas da velha sociedade. Os processos revolucionários mundiais fazem ziguezague e não seguem uma linha gradual. Este processo é um processo de construção da força para o salto decisivo, qualitativo, revolucionário, global. O que é que isso significa? Isto significa que a nossa consciência revolucionária, os nossos conhecimentos, as nossas experiências da vitória e da derrota do socialismo num só país não se desenvolvem gradualmente, mas também em ziguezagues e são - para dizer a verdade - de vez em quando provados contra pensamentos e ideias atrasadas. Mas estamos optimistas e sabemos que as forças revolucionárias mundiais colossais são alimentadas por dimensões gigantescas de pensamentos revolucionários mundiais, ideias e teorias. Hoje podemos anexar tais enormes importância da teoria revolucionária mundial do Marxismo - Leninismo que não fomos capazes de entender há 5 anos. A revolução mundial globalizada começou a globalizar o nosso poder de imaginação dentro destes 5 anos! Até agora, somos os únicos, mas alguns anos mais tarde nossas ideias revolucionárias mundiais vão avançar ao redor do globo e inflamar o pensamento revolucionário mundial de centenas e milhares de recém-chegados camaradas Marxistas-Leninistas. As ideias revolucionárias mundiais são tão imparáveis como o próprio movimento revolucionário mundial. Representamos actualmente as ideias do movimento revolucionário mundial Marxista-Leninista e a nova geração seguirá connosco e elevará a nossa bandeira se tivermos que deixar este planeta. As descobertas científicas da vindoura revolução socialista mundial devem ensinar-nos a segurar alguns dos princípios orientadores do Marxismo - Leninismo e a soltar aqueles que se tornam inúteis sob as novas condições. Alguns têm de ser revistos e outros têm de ser substituídos. Mas se fizermos as mudanças e correcções, então temos de estar conscientes de que os revisionistas estão nos observando e que eles tentam nos deter. Historicamente, eventos decisivos e voltas de períodos são predestinados por interferências revisionistas. Esta é uma velha verdade Marxista-Leninista e devemos estar preparados com esse conhecimento. A nossa visão afiada sobre a revolução socialista mundial descreve uma curva que se aproxima de uma fileira de círculos, como uma espiral infinita. Cada fragmento, partícula, elemento desta curva pode ser distorcida pela ideologia burguesa em uma linha independente, gradual, que pára em si, que é incapaz de prosseguir e continuar e que se transforma numa linha morta - pronta para virar para o pântano de revisionismo - o socialismo burguês, de volta ao capitalismo. Paralisado o conhecimento do socialismo "num só país", a distorção de suas experiências com o objectivo de mantê-lo fora de jogo do conhecimento sobre o socialismo mundial, negar, impedir e combater a teoria revolucionária mundial do Marxismo - Leninismo - tudo isso são as raízes teóricas dos equívocos idealistas sobre a revolução socialista mundial. A curva revolucionária mundial do desenvolvimento do Marxismo-Leninismo não pode ser interrompida antes de a missão do proletariado mundial esteja completamente cumprida.

Se olharmos para a ordem mundial globalizada agora existente e o seu processo político e económico parasitário, ruinoso, então vamos chegar à conclusão de que a lei da desigualdade ou irregularidade de desenvolvimento dos diferentes países imperialistas não vem só em vigor sobre a ruptura conhecida da cadeia imperialista no elo mais fraco, mas, além disso, podemos verificar que um montante total de elos fracos da cadeia imperialista já estão em ruínas. No curso da nova crise da cadeia imperialista - causada pela globalização - não se pode excluir que encontramos uma situação em que essa lei (descoberta por Lenine) deverá provocar a ruptura completa (a cadeia imperialista come seus elos mais fracos para o adiar do seu próprio estouro). A globalização ruinosa piora a condição da cadeia imperialista, enfraquecendo suas ligações individuais, uma após outra, o que leva ao enfraquecimento global da cadeia imperialista. Isto significa que a revolução mundial deve estar para breve. A lei que Lenine descobriu levou ao nascimento do socialismo em um só país pelo estouro do elo mais fraco e leva ao longo do tempo para o nascimento do socialismo mundial pela quebra do todo grupo de elos da cadeia imperialista. As cadeias imperialistas de ligações se tornam cada vez mais fracas no decorrer de sua competição global ruinosa. Os únicos estados capitalistas e da burguesia, mesmo nos países ricos têm de enfrentar o problema de escapar de sua falência ameaçadora. Eles estão mais ou menos em profunda crise económica e política e sem qualquer esperança para sair desta sua situação duradoura.

O antigo cerco capitalista-revisionista do socialismo em um só país foi possível devido á capacidade das metrópoles para manter a sua estabilidade relativamente, pelo menos o suficiente para estrangular o socialismo em um único país. Agora há uma cadeia imperialista que come as suas próprias ligações. Parece que a cadeia imperialista teria mais poder, porque há mais acção comum, mas essas aparências enganam. A cadeia imperialista é tão forte como as suas ligações. E é essencial reconhecer que os elos estão cada vez mais envolvidos em problemas que põem em perigo a funcionalidade de toda a cadeia imperialista. As metrópoles são forçadas a cooperar apesar de sua competição - e esta contradição deve ser a queda da cadeia globalizada. A globalização está criando para si mesmo, torna-se uma estranha sobre as ligações da cadeia, antagoniza toda a cadeia e seus elos, problemas que não podem ser instalados. Retirar a globalização significa isolamento e morte de um único elo da cadeia. No entanto ficar preso á globalização significa afundar por completo no túmulo da globalização. As cordas que são puxadas pela ditadura imperialista mundial se perdem para a ditadura da burguesia nos países individuais. As cadeias internacionais se fortaleceram em detrimento das nações individuais. A globalização é uma expressão da crise das nações burguesas e não uma indicação da sua vitalidade. A globalização completa torna as nações completamente exaustas. É o próprio capital mundial que arruína as nações. O poder do capital globalizado não só retirou as barreiras nacionais, mas também a estabilidade relativa das nações. Isto não ficará sem consequências, mas causará situações revolucionárias em todos os países do mundo e não só nos países imperialistas. Influências da globalização são, portanto, a velocidade do movimento revolucionário das nações, para dizê-lo de forma mais precisa: o movimento revolucionário das classes exploradas e suprimidas por um lado, e o movimento contra-revolucionário (fascismo e reacção) das classes opressoras e exploradoras por outro lado. A globalização não só alivia, mas também aguça a luta de classes no mundo. A luta de classes internacional é a luta de classes mais nítida e intensa – o que é bom, não é ruim. É bom para a revolução mundial.

Fica claro com isso, que os estados que morrem são os que morrem estados capitalistas -revisionistas e não os estados em si mesmos. Os estados-membros devem ainda estar vivos, porém, como estados socialistas. É o processo dos estados em que os estados burgueses morrem e novos estados socialistas chegam ao nascimento pela revolução socialista no curso do tempo. Alguns separados, outros se unem e aliam. Unidas as nações, elas continuarão, todavia, a sua existência no período de transição do capitalismo para o socialismo e eles não são dissolvidos até á sociedade mundial sem classes. O capitalismo começou a morrer com o início da monopolização - primeiro num único país. O capitalismo começa com a globalização dos monopólios que morrem globalmente. Com o imperialismo e do capitalismo, porém, não apenas morrem em um único país, eles não só prepararam o caminho para a transição para o "socialismo em um só país", mas pela globalização do imperialismo mundial prepara a sua própria queda pela transição para o socialismo globalizado.

A globalização solda juntos a revolução proletária nas metrópoles e as revoluções de libertação dos povos reprimidos. Que o que era válido para a vitória do "socialismo em um só país", ou seja, o pré-requisito da aliança de classes com a classe camponesa, para a realização da ditadura do proletariado, também se aplica à vitória do socialismo mundial, ou seja, a aliança do proletariado mundial e as pessoas que trabalham oprimidas como o pré-requisito para a realização da ditadura mundial do proletariado. Em tempos do "socialismo em um só país" a burguesia se apoderou do poder dos trabalhadores. O futuro deve demonstrar que o proletariado mundial se torna o líder de todas as classes exploradas e oprimidas do mundo globalizado. A liderança do proletariado mundial consiste na liderança comum do proletariado nos países exploradores e opressores e o proletariado nos países explorados e reprimidos. A hegemonia do proletariado mundial é o conjunto da hegemonia centralizada dos proletários dos países em todo o mundo.

Todo o proletariado conquista sua potência mundial, isolando toda a influência política da burguesia mundial reunindo junto as pessoas que trabalham do mundo, levantando e mudando as guerras de libertação nacional numa guerra global de libertação internacional. Somente o proletariado mundial pode garantir a solução final da questão da luta de libertação nacional, porque o proletariado mundial é a única classe revolucionária internacionalista que está predestinada a esmagar o sistema imperialista mundial, o sistema proprietário de escravos moderno e globalizado. A solução da questão da libertação nacional não é apenas um "subproduto" da revolução mundial, é também uma alavanca irrenunciável para a vitória da revolução mundial. O proletariado mundial vai ligar a questão nacional e colonial com a questão internacionalista da destruição do imperialismo mundial para tornar segura a vitória da revolução proletária mundial socialista.

O proletariado mundial só será libertado se ele apoiar incondicionalmente a libertação de todos os povos oprimidos pelo imperialismo mundial. A globalização do capital desencadeia a globalização dos socialistas bem como as revoluções anti-imperialistas em todo o mundo (e não contra este ou aquele poder imperialista ou aliança, mas como uma frente mundial firme contra todo o sistema imperialista mundial!) inflama a globalização e carrega a centelha revolucionária em todo o mundo. Todos acabam no turbilhão de choques sociais e nacionais. As situações revolucionárias neste ou naquele país devem crescer como uma situação revolucionária internacional global, se os imperialistas mundiais não podem continuar explorando e suprimindo o mundo por um lado, e se todas as pessoas do mundo não querem ser exploradas e suprimidas por mais tempo, por outro lado. A situação revolucionária internacional pode fazer com que a revolução mundial, se o factor subjectivo está maduro e preparado (Comintern forte e partidos Marxistas-Leninistas fortes e ligados com as massas conscientes. etc.).

Em situações revolucionárias mundiais, os intervalos das revoluções socialistas encurtam-se em comparação com as situações revolucionárias dos países individuais no passado. A situação revolucionária mundial deve acelerar as situações revolucionárias nos países e vice-versa. As revoluções socialistas devem intensificar o seu carácter internacionalista e os antigos níveis nacionais serão empurrados para o fundo. Tudo isso já foi trabalhado na linha geral do Comintern / ML. Nós não poderíamos evitar erros na primeira fase dos nossos estudos científicos. Estamos conscientes sobre a nossa falta, mas vamos corrigi-los. No entanto, as ideias gerais, a linha política revolucionária mundial, a estratégia e as tácticas da vindoura revolução socialista mundial estão, em princípio, correctamente determinados na medida em que a linha geral do Comintern / ML é uma instrução utilizável adquirida com o movimento comunista e proletário mundial.

Aqueles que já estudaram a linha geral do Comintern / ML vão reconhecer que apenas o VII. Congresso Mundial do Comintern se desviou desta questão decisiva em princípio. A tese anti- Leninista da vitória "final e definitiva" do socialismo na União Soviética foi uma contribuição para a intervenção e a restauração do capitalismo contra o qual o camarada Estaline lutou até á sua morte. A vitória "final e definitiva" do "socialismo em um só país" – foi fixa e, por unanimidade, decidida pelo VII Congresso Mundial – mas foi desmentida pela história há muito tempo e foram confirmadas as lições de Lenine sobre a impossibilidade de um "socialismo num só país" garantido. O Comintern / ML tomou as conclusões correctas a partir da incorrecção do VII Congresso Mundial e as suas decisões que podem ser estudados na Linha-Geral. O Comintern / ML é baseado no Leninismo, que a garantia completa do socialismo só é possível á escala internacional, o que não significa que seja impossível estabelecer completamente o "socialismo em um só país". O camarada Estaline defendeu esta tese Leninista em palavras e actos e lutou com sucesso contra os que se opunham a esta tese da edificação do "socialismo num único país " como os Trotskistas. A existência histórica da União Soviética prova a tese de Lenine e Estaline e refutar a tese Trotskista. Estaline refutou Trotsky em defesa de Lenine como se segue:

"O que, porém, é a vitória "á escala mundial”? Isso significa que essa vitória é equivalente com a vitória do socialismo em um só país? Não, não significa isso. Nas suas obras Lenine difere estritamente entre a vitória do socialismo em um só país e a vitória "á escala mundial”. Se Lenine fala desta "vitória á escala mundial”, ele quer dizer que os êxitos do socialismo em nosso país, que a vitória da construção socialista em nosso país é de tal significado internacional colossal que esta vitória não pode limitar-se ao nosso país, mas deve causar um poderoso movimento para o socialismo em todos os países capitalistas, em que ele, se não coincide com a vitória da revolução proletária em outros países, pode - em qualquer caso - perfeitamente desencadear um poderoso movimento do proletários de outros países para a vitória da revolução mundial. Estas são - de acordo com Lenine - as perspectivas da revolução, se tivermos em conta as perspectivas da vitória da revolução." (Estaline, Volume 9, página 36, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

"A pergunta que tem maiores perspectivas de uma vitória rápida será resolvida pela verdadeira frente de luta internacional [sublinhado pela editora] entre o capitalismo e o socialismo." (Estaline, Volume 9, página 39, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

"Somos da opinião de que esta construção irá certamente desenvolver-se muito mais lentamente do que seria o caso da vitória na escala mundial, mas, no entanto, nós marchamos para a frente e devemos marchar para a frente." (Estaline, Volume 8, página 65, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

Se o socialismo á escala mundial avança mais rápido e fácil do que o "socialismo em um só país" - que tem de lutar contra uma força superior do mundo capitalista-revisionista e esgotar as forças valiosas, então a questão deve ser permitida sobre como podemos alcançar a vitória do socialismo á escala mundial sob tais condições como hoje, onde não há um único país socialista no mundo. A resposta é clara e inequívoca:

O proletariado mundial é forte o suficiente para confiar em suas próprias forças, é consciente o suficiente para criar seu próprio centro internacional (apesar da base de falta e alavanca do "socialismo em um só país"). Se vai ser muito difícil para um proletariado num único país obter o poder, o proletariado mundial tem de entrar activa e directamente no cenário internacional de sua missão e preparar o caminho para a revolução. Hoje, a revolução não é mais o único assunto do proletariado neste ou naquele país, mas é além disso uma tarefa internacionalista do proletariado mundial como um todo.

Vão perguntar-nos: o proletariado mundial, com todo o seu poder, é capaz de criar a sua própria base nova e alavanca nova para a revolução socialista mundial, sem o apoio do "socialismo num só país"? Queremos colocar algumas contra-questões:

Porque é que o que o proletariado já alcançou num único país socialista não há-de ser também possível para o proletariado mundial que tem mais poder à sua disposição?

Porque é que não será possível para o proletariado mundial criar um novo e mais elevado tipo de socialismo á escala mundial?

Porque é que o proletariado mundial não começa a preparar os requisitos para a solução da questão do cerco capitalista – revisionista?

Quem mais, excepto o proletariado mundial, é capaz de derrotar, dificultar ou romper o cerco capitalista -revisionista?

Quem mais, excepto a classe proletária mundial, é capaz de organizar os aliados de todos os trabalhadores explorados e oprimidos do mundo?

Quem mais senão o proletariado mundial pode organizar e comandar um exército de libertação revolucionário mundial?

Será que o Marxismo – Leninismo não significa que este problema só pode ser completamente resolvido á escala mundial?

Nós só temos que repetir os nossos velhos princípios inalterados sobre este problema ou vamos ter a coragem de procurar alternativas?

Nós temos que repetir simplesmente o inter-estágio do "socialismo em um só país" para o socialismo em vários países e para o socialismo á escala mundial ou temos que criar formas internacionais da nossa luta para preparar uma etapa superior, globalizada?

É concebível que novas formas de socialismo surjam sob as próximas condições do mundo e que as velhas formas devem ser abandonadas?

É bastante possível, geralmente, nas actuais condições da globalização construir as mesmas formas socialistas que existiam no "socialismo de um único país" em tempos de Lenine e Estaline ou Enver Hoxha?

É isto ainda viável ou útil?

Era o tipo de "socialismo em um só país" apenas um inter-estágio entre a Comuna de Paris e a ditadura proletária mundial? Lenine, Estaline e Enver Hoxha não tinham nenhuma dúvida sobre isso.

O Marxismo-Leninismo não apenas afirma o socialismo mundial – ele é a ciência do socialismo mundial. Mas nós continuamos a enriquecer esta ciência do socialismo mundial?

Será que já sabemos exactamente o caminho para alcançar o socialismo mundial sob a condição da perda do "socialismo num só país"?

O que temos a fazer é tirar proveito da lei do desnível e irregularidade da cadeia imperialista mundial á escala internacional.

O que temos que fazer é descobrir e mobilizar o poder do proletariado mundial.

O que temos de fazer é tornar o proletariado mundial consciente da sua missão histórica.

O que temos de fazer é preparar o proletariado mundial para a vitória da revolução socialista mundial!

Por sinal, a descrença dos elementos anti-Soviéticos sobre a vitória do "socialismo num só país" tem as mesmas razões de classe da descrença dos actuais elementos Neo-Revisionistas sobre a vitória da revolução socialista mundial, a respeito da vitória do socialismo á escala mundial. Isto é, em primeira linha, a consequência da situação do actual movimento socialista e operário ao qual foi dada a vacina ideológica burguesa, anti-comunista. Isto enfraquece a força do balanço do Movimento Marxista-Leninista internacional e que isto vai levar água ao moinho dos revisionistas é algo que não pode surpreender. Isto significa retardar o declínio do imperialismo mundial que se pinta com cor vermelha. Nós certamente não precisamos de dar mais explicações.

 

 

A luta contra o revisionismo, contra a ideologia do

 

imperialismo mundial dentro do movimento

 

proletário mundial só pode ser organizada, liderada

 

e ganha numa frente centralizada mundial

 

 

Hoje, um revisionista não tem outra alternativa a não ser passar por um "anti-revisionista", um "Marxista-Leninista", um "Hoxhaista", um "anti-Maoista", um "anti-Trotskista", um "partido Marxista-Leninista", o "Movimento Mundial Marxista-Leninista", etc., etc. É tempo - o mais tardar desde a fundação do Comintern / ML – de estarmos atentos a todos os revisionistas, camaradas, porque o revisionismo é uma coisa difícil. A confusão ideológica de hoje nas fileiras do movimento mundial Marxista-Leninista é uma aparência de reanimação de fósseis revisionistas. Temos que limpar o Marxismo-Leninismo e livrar-nos das influências burguesas e pequeno-burguesas radicalmente. A negligência e desprezo da teoria, estudo e educação Marxista-Leninista é o pior inimigo e o pecado mais fatal do movimento mundial Marxista-Leninista no presente. Ninguém, excepto os Marxistas-Leninistas são responsáveis ​​pela situação desolada do Movimento Marxista - Leninista e em consequência por todos os problemas políticos e organizacionais conhecidos em nossas próprias fileiras. Ninguém, excepto os Marxistas - Leninistas têm de mudar esta situação desolada fazendo uma auto-crítica honesta, sincera e completa. O ponto mais fraco é, sem dúvida, a queda do padrão da luta anti-revisionista desde os tempos de Enver Hoxha e temos que definir este problema como o elo decisivo da cadeia das nossas tarefas. A falta da luta anti-revisionista tem de ser colocada na agenda como uma questão de prioridade.

Camaradas! Em questões de princípios do Marxismo – Leninismo, os compromissos são estritamente proibidos - nem um único milímetro de concessões aos revisionistas. Como Marxistas-Leninistas nós não estamos autorizados a reduzir tudo a um denominador comum em questões de nossos princípios. Nós não vendemos os nossos princípios, nós não desistiremos deles, nós não vamos dividi-los nas assim chamadas "frentes unidas". Eles pertencem só a nós, Marxistas – Leninistas, e temos que os manter em segurança. A menor oscilação na defesa de nossos princípios é mal utilizada pelos revisionistas e põe em perigo a coisa toda e pode levar a desorientação, desorganização, confusão, etc., etc. O Movimento Mundial Marxista-Leninista pode regenerar-se apenas com a purificação das influências revisionistas. A luta anti-revisionista de cada organização Marxista - Leninista só pode levar ao sucesso desejado pelo apoio de um centro internacional Marxista-Leninista educado, temperado ideologicamente e íntegro. Isso é necessário, não no que diz respeito á organização, mas em primeira linha no que diz respeito ao carácter internacional e acção do revisionismo e de toda a influência burguesa. A luta anti-revisionista é por sua natureza uma luta internacional e tem, portanto, de ser organizada e liderada internacionalmente!

O Movimento Mundial Marxista-Leninista seria condenado a lutar completamente no escuro contra o revisionismo se não for liderado pelo Hoxhaismo, se ele não está vendo o neo-revisionismo como o sucessor actual do revisionismo moderno, se não tem o objectivo de compreender ou não está disposto a ligar a luta contra o revisionismo com o estudo sobre o neo-revisionismo.

Nestes 5 anos de existência, os estudos volumosos do Comintern / ML foram oferecidos e estão disponíveis na internet. É pouco crível que em todos esses cinco anos não tenha havido um único debate, nenhuma discussão, nem críticas positivas nem críticas negativas sobre o neo-revisionismo. Até mesmo o termo de neo-revisionismo foi totalmente ignorado. Ninguém, excepto o Comintern / ML luta contra o neo-revisionismo e contra os neo-revisionistas! É triste mas é verdade! Observando-se a internet é uma realidade amarga para o Comintern / ML reconhecer que mesmo a luta contra o revisionismo em tempos do camarada Enver Hoxha não é suficientemente defendida. É certo que existem alguns artigos de Enver Hoxha sobre o revisionismo on-line, mas raramente se fala sobre a continuação da sua luta anti- revisionista, na prática, ou mesmo a discussão necessária sobre a forma como a sua luta é para ser defendida e desenvolvida. Principalmente a luta anti-revisionista do camarada Enver Hoxha é descrita sob aspectos históricos puros e não como um elemento irrenunciável da luta anti- revisionista realmente necessária dos Marxistas – Leninistas e das suas organizações. E isto sem falar dos camaradas que deixaram o Marxismo - Leninismo e se desviaram para o neo -revisionismo: ANTI-REVISIONISMO EM PALAVRAS, MAS REVISIONISMO EM ACTOS. A definição de neo-revisionismo é curta e directa ao ponto: "Anti-revisionismo dos 5 Clássicos em palavras e revisionismo em obras". Apenas para os Marxistas - Leninistas, é bastante natural equilibrar as suas palavras anti-revisionistas com seus actos anti-revisionistas. Isto é o que os cinco Clássicos ensinam! E a este respeito, temos de avaliar a gravidade da crítica e auto-crítica de cada camarada crítica e de nós mesmos na primeira linha. Ser um Marxista-Leninista de princípios significa ser um anti-revisionista de princípios. Não há nenhum outro anti- revisionista de princípios, excepto o Marxista - Leninista! No entanto, só podemos chamar-nos anti-revisionistas se provamos que temos dominado a luta anti-revisionista realmente em curso em palavras e acções. E nós estamos muito longe da realização e domínio do anti-revisionismo. O principal problema da luta contra o neo-revisionismo é o baixo padrão ideológico dos Marxistas - Leninistas de hoje. Exactamente este facto é o terreno fértil para a restauração do revisionismo. Só se pode desmascarar o chamado "anti-revisionismo" (por exemplo, os Maoistas se chamam "anti-revisionistas" por engano) se superarmos a própria falta de estudar o Marxismo - Leninismo, se a pessoa não só segura os princípios Hoxhaistas mas além disso, continua a trabalhar seus princípios para forjá-los agora no fogo da luta contra o revisionismo. Hoje, o neo-revisionismo é o obstáculo ideológico na re-conquista da ditadura do proletariado e da restauração do socialismo. Esta é a razão, porque este Comintern / ML atribuiu grande importância ao estudo avançado do Marxismo - Leninismo. A bolchevização do nosso movimento começa com a purificação ideológica de influências revisionistas em nossas próprias fileiras. Só fizemos tempo para o Comintern / ML e o seu arquivo para facilitar e intensificar o estudo Marxista-leninista especialmente dos estudos das obras de camarada Enver Hoxha que ainda eram raras na Internet. A luta contra o revisionismo não está terminada. Está, antes, começada e tem que ser continuada, consequentemente e firme de princípios sobre as bases dos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo - Leninismo.

O neo-revisionismo é um posto avançado da luta da burguesia contra a restauração do socialismo. Portanto, qualquer liberalismo sobre a necessidade da luta contra o neo-revisionismo está fora, é uma loucura que é pouco menos do que um crime. O revisionismo moderno foi desmascarado pelo camarada Enver Hoxha por isso os revisionistas foram forçados a mascarar-se como "adversários" do revisionismo moderno. Não há outra alternativa para o revisionista do que contrabandear o seu lixo sob a bandeira do "anti-revisionismo". Estes novos ideológicos "palatáveis​​" produtos de contrabando da burguesia e pequena burguesia devem ser destruídos. Não há nenhum sentido em discussões com contrabandistas neo- revisionistas. Eles só podem ser desmascarados e apelidados de traidores. É dever internacional do Comintern / ML evitar que o proletariado revolucionário mundial de todas as tentativas de restauração do poder do revisionismo e para limpar o Movimento Mundial Marxista-Leninista de toda influência revisionista. A influência prejudicial do neo-revisionismo dentro das fileiras dos Marxistas-Leninistas tem que ser interrompida e eliminada completamente.

Jamais se esqueça de que os neo-revisionistas com Ramiz Alia no topo esfaquearam o Movimento Mundial Marxista-Leninista e aproveitou a potência revisionista no PTA, na Albânia. Jamais esqueceremos como os neo-revisionistas mantiveram a fé no camarada Enver Hoxha em vida e como eles o traíram após a sua morte. Eles construíram monumentos de Enver Hoxha e abateram-nos. Hoxhaismo em palavras e revisionismo em obras - neo-revisionismo! Não podemos defender os ensinamentos anti-revisionistas do camarada Enver Hoxha se não os usamos contra o neo-revisionismo. É impossível lutar contra o ("moderno") revisionismo em defesa do camarada Enver Hoxha se deixarmos os neo-revisionistas sair impunes. Eles têm que pagar a conta de sua traição. O revisionismo foi espancado, mas nada como o que destruiu o serve a classe que os revisionistas servem. "Os revisionistas ou nós?" Começamos a lutar esta batalha internacional, mas que ainda não ganhámos. Devemos estar preparados para lidar com esses inimigos mais perigosos no nosso movimento revolucionário mundial.

Que impede a vitória do socialismo mundial sobre os revisionistas? Ela deve multiplicar por dez as suas forças usadas para a restauração do capitalismo em um só país! Não haverá nenhuma dúvida sobre isso e, portanto, seria tolo e simplesmente ridículo pensar que o Comintern / ML é supérfluo. O Comintern / ML foi a única organização nos últimos 5 anos que lutou contra o neo-revisionismo á escala mundial.

Nas palavras dos neo-revisionistas, eles pretendem derrotar o revisionismo no movimento dos trabalhadores revolucionários, mas em actos tentam obtê-lo sob a influência revisionista e da dominação da burguesia e da ideologia pequeno-burguesa. O Comintern / ML levantou a bandeira do único anti-revisionismo correcto, o anti - revisionismo do camarada Enver Hoxha. É importante que os Marxistas-Leninistas preparem os estudos do camarada Enver Hoxha para serem armados com as armas ideológicas anti-revisionistas necessárias. O neo - revisionismo é a nova forma de revisionismo moderno, fundido a sua pele depois de ter sido espancado pelo Marxista - Leninistas. O neo-revisionista finge ser "Marxista-Leninista", mas em direcção ao campo burguês finalmente. A classe trabalhadora se sente ainda arrastada para o socialismo de forma espontânea - a despeito das mentiras anti-comunistas que estão espalhadas pelos lacaios ideológicos dos imperialistas mundiais e apesar da traição dos revisionistas - mas a influência burguesa, como sempre foi o caso na ditadura da burguesia, se intromete na classe trabalhadora de forma espontânea na primeira linha. Ainda há um monte de ideologia reformista e revisionista que influencia a classe trabalhadora. Essa é a razão pela qual o movimento dos trabalhadores espontâneo se submete sob a influência burguesa, enquanto ele repousa espontaneamente, desde que o movimento dos trabalhadores não for liderado por sua própria revolucionária consciência de classe socialista e internacionalista mundial e estiver tendendo a se render para os capitalistas. O Comintern / ML se sente obrigado a lutar contra o revisionismo e a promover a ideologia comunista, o internacionalismo proletário em todos os últimos 5 anos. Nossos documentos podem provar este facto impressionante e convincente.

 

 

Sobre as tarefas do proletariado mundial e do Comintern / ML

 

 

Dentro dos últimos 5 anos, demos um empurrão á maior elaboração da teoria da revolução mundial. Olhando para o futuro uma das tarefas teóricas é importante e necessária para cada camarada. As condições socio-económicas da globalização capitalista são a base das ideias revolucionárias - a base de nossa luta revolucionária internacionalista para a socialização do capital globalizado, o que significa que o proletariado mundial e as classes exploradas e suprimida tomam posse mundial revolucionária de acordo com o "Manifesto" de Marx e Engels. Visto sob esse ponto de vista, este é o túmulo de toda ideologia idealista sobre as tarefas da revolução proletária mundial socialista.

As ideias do socialismo e da sua restauração não caem do céu, a globalização nos deu uma nova interpretação sobre as tarefas globais do proletariado mundial. Estamos conscientes sobre o facto de que nossas ideias ainda estão em sua infância, mas quanto mais nós trabalhamos sobre elas, mais intensamente podemos estimar o grande poder de nossas ideias, se o proletariado mundial se apoderar delas. Não exageramos o significado de nossas ideias revolucionárias mundiais para o movimento revolucionário mundial do proletariado, se afirmamos que é útil para a resolução de tarefas futuras do proletariado mundial. Temos fé no proletariado mundial e estamos certos sobre a verdade de que o proletariado mundial deve estar consciente sobre as forças próprias, mesmo sem as nossas ideias que o proletariado mundial instintivamente compreende simplesmente o facto de que a pequena classe de proprietários que toma decisões sobre questões de vida e morte de milhões de pessoas não podem ser mais poderosa do que o poderoso exército de todos os explorados e oprimidos do mundo. Milhões têm mais poder do que um par de milhares de pessoas. Contamos com o mundo e o seu poder revolucionário de massas do mundo. Acreditamos nas forças criativas das massas do mundo se elas tomarem medidas de todo o mundo, se elas se levantam contra o imperialismo mundial para acabar com a pobreza do mundo. O Comintern / ML quer aprender com esta luta das massas, deve observar e analisar o movimento espontâneo das classes exploradas e suprimidas, deve generalizar as experiências de suas lutas, e vamos valorizar tudo o que ajuda o menor levante revolucionário para encontrar e seguir o grande fluxo do movimento proletário mundial que flúi com a revolução mundial para o socialismo mundial. O proletariado mundial deve começar com esta tarefa gigantesca e não deve parar até á vitória final.

A história da União Soviética de Lénine e Estaline, bem como a Albânia socialista de Enver Hoxha provaram que a classe operária no poder é capaz de trabalhar a consciência socialista por suas próprias forças e que foi emancipada o suficiente para criar a sua própria intelectualidade de classe para elevar os ensinamentos do Marxismo-Leninismo em níveis mais elevados de forma independente. Sob a ditadura do proletariado, a classe operária estava na liderança da ciência pela primeira vez. Os resultados da ciência da classe trabalhadora eram gigantescos. A ciência proletária serviu para o bem-estar e as demandas do povo e não para o lucro – o propósito de toda a "ciência" da burguesia mundial. Sob a sua ditadura do proletariado possuía todos os meios e tempo para se tornar o defensor da ciência. Camaradas, você pode imaginar se o proletariado mundial estivesse no poder de dar asas globais á ciência?

Pela destruição da ditadura do proletariado, pela restauração da capitalismo, pelo desarmamento da classe operária socialista, a intelligentsia burguesa foi regenerada como os aguadeiros científicos nas fábricas da capital que lhes deu meios e tempo para a exploração globalizada dos valores intelectuais da humanidade, para a transferência global da ciência para a propriedade privada, apenas para fazer lucros globais. A restauração do socialismo começa, portanto, com a restauração da consciência socialista, a restauração do Marxismo-Leninismo, inicia-se com a sua libertação da sua restauração e influências revisionistas. A ciência socialista abre o caminho para o poder do proletariado mundial e se ela tem o poder sobre o mundo material terá o poder sobre a propriedade intelectual. É a revolução mundial pelo qual o proletariado mundial pode ser o líder da ciência pela primeira vez. O proletariado mundial e seus subsídios aos valores intelectuais das pessoas pertencem ao povo.

Até agora, o proletariado mundial não tem os meios e o tempo para trabalhar a ciência socialista mundial, para elaborar a linha geral, a estratégia e as tácticas para a revolução socialista mundial. Esta é agora a tarefa dos Hoxhaistas. E os Hoxhaistas são aqueles que têm assim a tarefa de fazer o proletariado mundial familiar e familiarizado com a ciência socialista mundial, com o Marxismo-Leninismo á escala mundial. Nós ainda não somos os líderes da ciência socialista mundial, estamos longe de realizar a classe socialista mundial e sua consciência para o proletariado mundial, mas esta é a nossa missão declarada e nos primeiros 5 anos nos preparamos intensamente para cumprir nossa tarefa. Os documentos publicados provam isso.

O Comintern / ML desenvolveu o primeiro passo ideológico para reconstruir o Comintern numa genuína base Marxista-Leninista. O Comintern / ML é uma célula germinativa do novo partido mundial Hoxhaista. A fundação do Comintern / ML é um passo pequeno, mas muito importante para a vitória do proletariado mundial sobre a burguesia mundial. O proletariado mundial pode melhor cumprir sua tarefa revolucionária mundial se ele está consciente sobre o recurso especial da revolução socialista mundial:

O recurso especial da revolução socialista mundial, que difere essencialmente de qualquer outra revolução,

consiste na combinação de crescimento, unificação e fortalecimento das revoluções socialistas nos países individuais,

consiste na capacidade de levantar todas as outras revoluções em seu nível mais alto, da sua fase internacional,

consiste na sua capacidade de ser a única revolução que pode garantir a vitória de todas as outras revoluções ,

consiste na sua capacidade de libertar todas as revoluções do cerco contra-revolucionário dos imperialistas mundiais,

consiste na sua capacidade de destruir todo o sistema imperialista mundial ,

consiste na sua capacidade de criar, organizar e liderar o exército de milhões de massas para sua libertação completa,

consiste na sua capacidade de pavimentar o caminho para o mundo socialista, para o mundo sem classes, para pavimentar o caminho para o comunismo mundial.

A revolução mundial já é vitoriosa se permitir que o proletariado mundial desfira á exploração globalizada golpes sérios. A revolução mundial será vitoriosa, neste caso, mesmo se ela sofre derrotas. Embora o socialismo no mundo foi derrotado, o socialismo, no entanto, mantém-se invencível. Isto parece soar contraditório, mas é absolutamente verdade. O socialismo pode sofrer de uma falha temporária, pode ser derrotado, mas o socialismo não pode ser destruído ainda por um longo tempo. O facto de que nós temos um capitalismo mundial e global neste momento não muda nada no facto de que o mundo permanece dividido em dois campos, o capitalista e o socialista. O socialismo permanece sempre vivo, o futuro pertence ao socialismo. O socialismo final vai derrotar o capitalismo, mesmo que o capitalismo derrote o socialismo cem vezes! O socialismo é finalizado pelo comunismo e não pelo capitalismo!

Ninguém pode comportar-se como se o socialismo "nunca tivesse existido", ou como se o socialismo tivesse sido uma "experiência inadequada" da humanidade e da sua história, como se o socialismo "estivesse num impasse." O proletariado revolucionário mundial e a vida dos Marxistas - Leninistas é dedicada à velha tradição socialista gloriosa para continuar a história socialista.

O socialismo é um facto feito pela União Soviética de Lenine e Estaline, bem como pela Albânia socialista de Enver Hoxha - mesmo que esses dois únicos estados verdadeiramente socialistas do mundo não existem no presente. As classes e as suas forças mantêm seus centros para defender o capitalismo de um lado e voltar a conquistar o socialismo, por outro lado da luta de classes entre o proletariado mundial e a burguesia mundial que vão substituir as suas formas, mas a própria luta não pode ser interrompida ou parada como enquanto existirem essas classes. Ambas as classes formam seus centros de luta de classes que permanecerão enquanto a questão não é finalmente decidida á escala mundial: o capitalismo ou o socialismo? E isso se aplica também a ambas as ideologias - a ideologia proletária mundial, de um lado e a ideologia burguesa mundial, por outro lado, que não param de lutar uns contra os outros, mesmo que o poder das mudanças de uma classe ceda o poder á outra classe temporariamente.

As condições mudam temporariamente - se um país socialista existe ou não - permanece completamente intacto disso. A época do imperialismo, a época das revoluções proletárias inclui vitórias e derrotas - restaurações do capitalismo e do socialismo restaurações que duram quanto mais tempo ou períodos mais curtos até que o período do capitalismo mundial está completa e irreversivelmente substituído pelo período do socialismo mundial.

Esta época do imperialismo, essa época das revoluções socialistas, é, portanto, também uma época de ir e vir de formas e aparências socialistas e capitalistas, é uma época em que o capitalismo pode restaurar algo que já estava perdido tal como o socialismo pode restaurar algo que já foi perdido. A cena dos dois campos está permanentemente em um estado de fluxo. Antes, o capitalismo desaparece completamente da cena como o socialismo desapareceu de cena num período intermediário. Isto, afinal, não refuta o ensinado pelo Marxismo-Leninismo. Pelo contrário, o Marxismo-Leninismo nunca ensinou que o caminho para o socialismo mundial será uma forma gradual e directa. O Marxismo - Leninismo sempre ensinou que é da natureza do materialismo dialéctico e histórico que as coisas se desenvolvem nos cursos em ziguezague, com recuos, etc. que as coisas se desenvolvem em unidades de luta de contradições, que os lados opostos mudam seu lugar não em uma linha circular, mas surge para a frente a partir de uma posição qualitativa mais para uma posição mais elevada e nova, um desenvolvimento de uma coisa fácil para uma coisa complicada, etc. Os reflexos do contínuo desenvolvimento da humanidade provaram que o Marxismo-Leninismo está certo. Nós não podíamos e não podemos cancelar ou manipular as leis do desenvolvimento socialista para encurtar o caminho para o socialismo mundial e evitar a restauração capitalista, e impedir os revisionistas de ficarem no poder. Estes erros foram cometidos por nós Marxistas-Leninistas e por isso tivemos que aprender da maneira mais difícil. Se afirmamos que o desenvolvimento do socialismo é um longo período de transição, em seguida, o período do tipo do socialismo em um só país não foi apenas o primeiro passo para romper a cadeia imperialista no elo mais fraco, mas simultaneamente um enorme passo para estourar toda a cadeia imperialista. E estes passos todo o proletariado mundial tem que seguir. O proletariado mundial é a classe que exerce o desenvolvimento do socialismo, até chegar ao fim vitorioso. Uma vez que o imperialismo mundial removeu o socialismo no poder com a ajuda dos revisionistas, o imperialismo mundial se esforça para desfocar o caminho do socialismo, para quebrar a fé na força do socialismo, para destruir a fé na vitória do socialismo, mas extinguir e destruir o socialismo - isso nunca será possível.

É certo que a restauração do capitalismo dos países socialistas significava recuperação da força, a regeneração de luta competitiva e de guerra com o socialismo, uma posição mais poderosa, a multiplicação de novos lucros, mais oportunidades para acumular poder universal pelo desdobramento da globalização dos monopólios, além de um par de anos para a sobrevivência e preparação para a luta contra o renascimento do socialismo, a redistribuição de valores do mundo, a exploração total do restante dos recursos globais, o aumento das contradições não duram menos com o final da luta contra o inimigo comum - o socialismo no poder. No entanto, este novo maquinário capitalista mundial globalizado corre quente e se torna mais aquecido, o que significa que as contradições e as contradições entre natureza e capitalismo aumentaram enormemente pela implacável sobreexploração da natureza e do trabalho, através da realização de fins lucrativos a extremos. O aprofundamento da crise mundial do capitalismo, a escassez de bens e recursos, a crise de superprodução mundial, etc., etc., tornam impossível para o capitalismo mundial escapar deste desastre global - o colapso final e iminente de todo o sistema capitalista mundial - que são o final desta época e o início das tarefas globais do proletariado mundial: aprofundar a crise do capitalismo globalizado, aprofundar as contradições capitalistas e organizar-se junto com todas as classes exploradas para a revolução mundial.

A restauração do capitalismo causou consequências no mundo todo, não só para o desenvolvimento do socialismo, não só para a classe trabalhadora nos antigos países socialista, não só para o proletariado mundial e todas as classes exploradas e suprimidas, mas também para a burguesia, para as classes exploradoras e opressoras, para o próprio capitalismo mundial. Tudo considerado, a restauração do capitalismo não era simplesmente um processo de reparação pelos quais o antigo status e condições podem ser restaurados de uma maneira como se o socialismo não tivesse existido. Mesmo em tempos de capitalismo o socialismo não era mais o mesmo. A divisão do mundo em dois campos - o capitalismo e o socialismo - influenciou o desenvolvimento do capitalismo de forma decisiva. No período da coexistência com o capitalismo, o socialismo experimentou e aprendeu a viver com essa situação há décadas. Os países imperialistas gastaram muitos cuidados, esforços, tempo e dinheiro no segmento socialista na edificação do cerco capitalista-revisionista, com a infiltração da influência burguesa no país socialista. O capitalismo mundial teve que entrar em acordo com a situação do mundo dividido, que depois poderia restaurar como um mundo capitalista global. O processo parasitário imperialista apodrecendo e morrendo não impediu, pelo contrário a coexistência com o socialismo que era a provocação mais forte para os imperialistas. Eles estavam sob pressão para "provar" ao mundo que o capitalismo é melhor do que o socialismo. Agora, eles acham que eles têm o controle capitalista sobre o mundo e eles pensam que não precisam de "provar" nada. O monopólio da ordem mundial está em suas mãos - desmascarado. Isso torna mais fácil para as classes exploradas e suprimidas olharem através do que realmente está acontecendo com a globalização capitalista. As massas fazem suas próprias experiências e isso é realmente importante para o desenvolvimento de sua consciência revolucionária internacional. Na Rússia e na Albânia a classe trabalhadora pode comparar o período socialista quando ele estava no poder com o período pós-socialista actual quando se vive na miséria e na pobreza - mais uma vez - pela força da nova burguesia. A restauração do capitalismo foi um processo retrógrado, um processo a partir do mais alto nível de desenvolvimento social para o menor, a partir de uma sociedade sem exploração e opressão para uma sociedade com exploração e com classes. Ninguém pode compreender melhor esta humilhação da classe operária socialista do que a própria classe trabalhadora. Ninguém é mais motivado para lutar pela restauração do socialismo contra os revisionistas do que aqueles trabalhadores que construíram e perderam o socialismo. Não há dúvida sobre isso, que as consequências da restauração capitalista devem encontrar expressão em particular em antigos países socialistas e que o capitalismo restaurado vai estar sentado sobre um vulcão! A restauração do capitalismo não pode acabar com a restauração do socialismo. Pelo contrário, ela dá à luz a restauração do socialismo. Esta é uma lei Marxista-Leninista da história de desenvolvimento do socialismo e os restauradores capitalistas que se danem! Por isso, é a tarefa do proletariado mundial apoiar a luta pela restauração do socialismo, especialmente nos países ex-socialistas. Isto não é só simplesmente solidariedade no espírito do internacionalismo proletário mas uma necessidade urgente para a revolução mundial e, portanto, parte da estratégia e da táctica do Partido Mundial Hoxhaista! Em suma: pela restauração capitalista, o imperialismo mundial não pode ser o mesmo de antes. Não é um símbolo da força do capitalismo mundial, mas de sua fraqueza. A restauração do capitalismo é a forma mais elevada do processo parasita de apodrecendo do capitalismo agonizante, é o melhor terreno fértil para a restauração do socialismo. A linha de declínio imperialista deve ser acelerada. A Revolução de Outubro abriu a procissão triunfal do comunismo mundial irremediavelmente. Esta procissão triunfal foi adiada pela restauração capitalista, mas a remoção dos antigos países socialistas não pode substituir a vitória do socialismo mundial conforme a lei:

A lei da desigualdade do desenvolvimento na época do imperialismo nunca por ninguém pode ser revogada, mesmo não pela reconquista dos antigos países socialistas. Pelo contrário, por isso as contradições inerentes aos processos imperialistas apodrecendo devem ser aprofundadas, aceleradas e espalhadas globalmente. Isto deve enfraquecer a frente imperialista e fortalecer a frente proletária. Abre novas oportunidades para a vitória do socialismo em um único país e melhora a possibilidade da vitória á escala mundial, desta vez, também. As vítimas da resistência contra a restauração capitalista, as perdas do socialismo não foram em vão, pelo contrário. A existência temporária do socialismo como um facto em si, mostra que vale a pena lutar pela conquista do socialismo. A luta contra a restauração capitalista não está terminada até que a luta pela restauração do socialismo foi bem sucedida. A verdade histórica de que os trabalhadores de um mesmo país já tinham conquistado o seu poder, que os trabalhadores já destruíram o capitalismo com sucesso, que eles construíram o seu próprio estado socialista com sucesso, que eles ficaram felizes em viver sob as condições do socialismo. Ninguém nunca pode negar tudo isso e os trabalhadores de todos os países devem ser mais do que nunca confiantes para seguir o caminho que eles já tinham trilhado com sucesso. Ninguém precisa do imperialismo mundial, mas todos precisam do socialismo mundial. É tarefa do proletariado mundial confiar em suas próprias forças e lutar contra a influência burguesa que faz acreditar do chamado "socialismo que falhou". O que falhou foi o revisionismo - não o socialismo!

Bem, o poder da classe trabalhadora se perdeu temporariamente, mas isso não significa em absoluto que o poder esteja perdido para sempre. É necessário e indispensável que o proletariado mundial entenda que pode acontecer perder poder num caso especial, mas que isso nunca pode ser um argumento para desistir da luta pelo poder, em geral - A perda de potência em um único país não é um obstáculo para chegar ao poder á escala mundial. Foi o Comintern / ML que tentou convencer os Marxistas - Leninistas a este respeito em todos os 5 anos. A sociedade, a vida, a natureza, o organismo é mobiliado para aprender a se adaptar às novas circunstâncias, que, se a primeira e segunda tentativas falharam, novo, dez, vinte, cem e mil tentativas seguirão. Pode acontecer que o imperialismo come um monte deles, mas não todos. Alguns devem resistir e permanecer para fazer socialismo. Tipos mais fortes devem ser formados que estão melhor preparados para resistir á restauração capitalista e que são capazes de substituir o sistema capitalista. Nunca se esqueça que a história do socialismo estava apenas começando e não terminando.

O Bolchevismo mundial começou com o primeiro golpe de há cem anos atrás, ele apenas começou - e temos que manter em mente isto como Hoxhaistas. Embora ainda não sejamos capazes de suportar as lutas do proletariado mundial suficientemente podemos e devemos mostrar o caminho revolucionário, particularmente após derrotas em tempos difíceis. Temos que fazer o nosso trabalho para propagar, agitar e organizar todos os dias para os objectivos da revolução socialista mundial. É claro que o proletariado mundial vai treinar e usar suas próprias forças intelectuais para impulsionar o movimento proletário revolucionário mundial com sucesso.

O tempo do apodrecimento causado pelo revisionismo mudou para o tempo da fermentação da nova consciência revolucionária mundial. O tempo do retiro que os revisionistas haviam forçado em cima de nós é afinal a época de nossa ofensiva mundial renovada, a época da reconquista do socialismo está começando. Estamos agora vivendo na época da vitória mundial do socialismo.

Se os únicos estados capitalistas, particularmente o estado imperialista dos EUA preparam a luta comum contra a revolução mundial, em seguida, os batalhões do proletariado mundial dos países individuais têm de estar unidos como um poderoso exército mundial.

"Se nós, como um único destacamento do proletariado mundial, nos mudamos para a frente como o primeiro, por isso, portanto, não porque esse distanciamento seria organizado mais fortemente. Não, é pior, mais fraco, menos organizado do que os outros. No entanto, seria a maior burrice e pedantismo julgar da maneira que muitos o fazem: Bem, se o desprendimento melhor organizado teria começado com o trabalho, e se o destacamento menos organizado e, em seguida, o terceiro melhor distanciamento teria seguido, então tudo seria de bom grado o apoio à revolução socialista. Desde que não aconteça desta forma, como todo mundo [sublinhado pela editora], desde que saiu que o líder destacamento não foi apoiado por outros destacamentos, nossa revolução seria condenada ao declínio.

No entanto estamos a dizer: Não! É nossa tarefa mudar completamente a organização, e porque estamos em nosso próprio país, a nossa tarefa consiste em manter e defender a revolução e certificar-se de, pelo menos, uma certa fortaleza do socialismo, não importa quão fraca e menos expandida seria, até a revolução nos outros países crescer, até que os outros destacamentos cheguem. Aqueles que esperam pela história que ela iria começar a mover os destacamentos socialistas dos diferentes países em uma sucessão firme e sistematicamente planeada, não têm qualquer ideia de revolução ou no entanto eles recusam o apoio da revolução socialista a partir da estupidez." (Lenine, Volume 27, página 280, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, Berlim).

Isto também é verdade a respeito do período da restauração do socialismo.

Enquanto uma revolução socialista internacional - que contém, pelo menos, alguns países - não explodiu, e, desde que ela não é forte o suficiente para derrotar o imperialismo internacional, é imediatamente um dever dos Marxistas-Leninistas - que ganharam em um único país, estabelecer uma luta contra os gigantes do imperialismo, para manter a luta clara de perigo, e esperar até que os imperialistas lutando entre si seja cada vez mais o enfraquecimento de todo o imperialismo para fazer os outros países apreciar a revolução. O socialismo completo só vai surgir a partir da cooperação revolucionária dos proletários de todos os países, por uma série de tentativas. Tomado cada tentativa única para si mesma, ele sofreria sob unilateralidade e sob uma certa incongruência.

Já várias vezes os trabalhadores, as classes reprimidas, conseguiram tomar o poder, mas eles ainda não conseguiram manter esse poder garantido. Por isso é necessário que os trabalhadores não têm apenas a capacidade de se levantar para a luta heróica e para sacudir a exploração, mas também a capacidade de se organizar, disciplinar e de perseverar com eles mesmos. Eles devem ser capazes de julgar os camaradas senão eles serão atacados por rumores sem sentido intermináveis ​​zumbindo ao redor do mundo.

Assim, em tais momentos, é necessário que os comités internacionais das plantas globalizados, fábricas e empresas se tornem em primeira linha um órgão para a direcção da revolução proletária mundial em conexão firme com as massas. É necessário, que o proletariado mundial resolva a restauração do socialismo como uma tarefa comum internacional.

Se o proletariado industrial de todos os países está consciente sobre esse requisito, se organiza e une á escala internacional, então será definitivamente vitorioso e os rumores absurdos que estão espalhados pela intelectualidade radical da pequena burguesia são mantidos em silêncio.

O socialismo mundial não é assim introduzido, mas é formado pela crescente luta de classes internacional e nas guerras civis internacionais. O internacionalismo proletário não é apenas uma aproximação dos trabalhadores industriais das nações, mas a fusão internacional em organizações proletárias uniformes - e este é o pré-requisito para a unidade dos trabalhadores de todos os países.

Revoltas internacionais espontâneas e rebeliões não são o mesmo que a revolução mundial. Eles podem anunciar a fabricação da tempestade revolucionária, no entanto, elas ainda são isoladas. Nós internacionalistas ensinamos o proletariado mundial e as massas mundiais dos explorados e suprimidos para planejar e preparar a revolução mundial de forma sistemática. Nós não podemos ser verdadeiros Hoxhaistas se dissermos sim planeando sistematicamente e preparar a revolução socialista em um único país, mas colocamos a nossa confiança no movimento espontâneo em um cenário internacional. Pelo contrário, a revolução mundial é mais complexa do que qualquer outra revolução e, portanto, o planeamento de forma sistemática e o preparar da revolução mundial é mais urgente do que de qualquer outra revolução. Como podemos ver a história da revolução mundial não explodiu automaticamente se a revolução socialista foi a vitória neste ou naquele único país. O planeamento e a preparação do país socialista sistemática é impossível sem incluir a ligação com o planeamento e a preparação da revolução mundial de forma sistemática. A Revolução Mundial é organizada, determinada, por unanimidade e tem que começar no momento certo em uma escala internacional se ela vai ser vitoriosa. Em geral (!) não há diferenças entre os métodos Bolcheviques fundamentais da revolução em um só país e os métodos Bolcheviques da revolução mundial. Ambos não podem ser bem-sucedidos se o partido comunista está faltando, não está liderando etc. a revolução mundial é impossível sem o partido comunista mundial. Aqueles que negam este princípio do Marxismo-Leninismo não podem ser considerados como Hoxhaistas.

Como o socialismo deve ser reconquistado? O que tem que ser feito para resolver o problema do cerco imperialista-revisionista definitivamente? Primeiramente você deve ter um partido Bolchevique, que serve para dominar o exterior e o interior da luta de classes como uma unidade. Tanto na União Soviética e na Albânia os revisionistas prejudicaram e paralisaram em primeiro lugar o Partido Bolchevique no subsolo. Eles traíram Estaline, bem como Enver Hoxha. A restauração capitalista não é possível sem a pré-condição de um partido revisionista no poder. Nós não sabemos o que aconteceria se os partidos bolcheviques não foram colocados fora do tempo, mas sabemos com certeza, que os partidos Bolcheviques jamais capitulam e que eles iriam multiplicar seus esforços para salvar o socialismo por todos os meios. Podemos, portanto, afirmar que o socialismo iria marchar sobre - pelo menos ele iria organizar a resistência total contra o cerco capitalista-revisionista. As mesmas conclusões que tem que desenhar para a reconquista do poder socialista. A classe operária não pode restaurar o socialismo sem uma verdadeira e de princípios do partido Bolchevique, que serve para dominar a luta de classes para a restauração do socialismo.

A Internacional Comunista faz a retaguarda do Partido Bolchevique que defende o "socialismo em um só país" contra o cerco capitalista-revisionista e sua restauração. Pelo menos as condições de prejudicar o inimigo internacional e nacional de classe iriam aliviar a situação de "socialismo em um só país" - esta é uma verdade comprovada pela história do socialismo.

Que impede o socialismo mundial e a sua vitória sobre os revisionistas de multiplicar por dez as forças que eles tinham usado para a restauração do capitalismo em um só país! Não haverá nenhuma dúvida sobre isso e, portanto, seria tolo e simplesmente ridículo pensar que o Comintern / ML é supérfluo. O Comintern / ML foi a única organização nos últimos 5 anos, que lutou contra o neo-revisionismo á escala mundial.

E este é também um princípio do Marxismo-Leninismo, no presente período de restauração `s do socialismo. Para contar com a unidade da Internacional Comunista e os partidos bolcheviques nos países individuais você tem que construir tanto a Internacional Comunista E OS partidos Bolcheviques como o Comintern / ML ensinou incessantemente aos camaradas Marxistas-Leninistas em todo o mundo. Este é o ponto crucial! Você não pode ser um Marxista - Leninista se você quer lutar pela Internacional Comunista ou partidos Bolcheviques nos países individuais. Você só pode ser um Marxista - Leninista se você luta por ambos, se você lutar por sua unificação. Caso contrário, o Movimento Marxista-Leninista Mundial teria ficado sem espinha dorsal e a luta pela restauração do socialismo estaria sem liderança internacionalista. E mais uma vez, um movimento sem a liderança centralista do proletariado mundial é tudo, menos um movimento socialista em tempos de globalização.

Retrospectivamente tomamos, portanto, a visão ambígua - e esta é a nossa firme convicção de que nós trabalhamos na nossa Linha-Geral - que a dissolução do Comintern em 1943 acabou por ser um erro fatal da história socialista. Não há desculpa para a desorganização do proletariado mundial e sua solidariedade com a ditadura do proletariado em um país "isolado". A dissolução do Comintern não serve para a revolução mundial e a defesa do socialismo em um só país, mas, pelo contrário, ao reforço das forças da restauração capitalista, o cerco, a intervenção, o fascismo, a reacção - curto e directo ao ponto: um acto revisionista e contra-revolucionário e não uma decisão revolucionária. A luta heróica do povo Soviético foi uma grande vitória sobre o fascismo, apesar da dissolução do Comintern. A única resposta correcta da guerra imperialista mundial é a organização da guerra civil e internacional, é a revolução mundial, é a solidariedade armada com o único país socialista, é uma guerra internacional de classe anti-intervenção contra o imperialismo mundial. A dissolução do Comintern era o desarmamento do proletariado mundial e da sua mais afiada arma contra o imperialismo mundial. Sem uma Internacional Comunista nem o proletariado internacional pode libertar do imperialismo mundial nem o poder da ditadura em um único país socialista ser garantido. Mas também não pode ser reivindicada a ditadura do proletariado em um país. Este é o ensinamento mais importante do declínio do socialismo. Esta é o ensinamento mais importante para uma restauração vitoriosa do socialismo (leia mais na nossa Linha-Geral).

E a nossa nova fórmula é bastante clara hoje:

 

O socialismo futuro pode ser apenas o trabalho da própria classe

 

trabalhadora internacional unida!

 

O poder mundial do proletariado é baseado no desdobramento, acumulação, organização, concentração e fusão de suas forças internacionais como primeira e única, de classe revolucionária mundial. Se o proletariado quer ganhar o poder do mundo, então ele tem de libertar-se das correntes sociais e nacionais, que confinam com o sistema imperialista mundial e que impedem de se formar como uma classe internacionalista unida. Ele tem de se tornar uma classe internacional consciente que concentra forças, o que supera a sua divisão nacional e cria a sua própria nação - sobreposição, mundo centralizado com a Internacional Comunista como liderança organizada.

O centro líder do proletariado mundial se desenvolve a partir de seus elementos mais progressistas. Os elementos mais progressistas desenvolvem-se a partir dos centros industriais globalizados. Os elementos principais do proletariado mundial são os trabalhadores industriais das empresas multinacionais globais e grupos de produção do mundo. Estas mais avançadas Secções do proletariado mundial vão quebrar mais consistente com a burguesia mundial e são, portanto, o pilar social mais confiável e mais consciente de hoje do Marxismo-Leninismo. Tudo depende dos proletários industriais globais. Eles são os elementos mais avançados que devem ser recrutados para a edificação da liderança da revolução mundial, recrutados pelas organizações internacionais Marxistas-Leninistas, para o Comintern / ML. Eles vão liderar as futuras mudanças radicais do capitalismo mundial para o socialismo mundial. Como Marxistas-Leninistas, por isso, é absolutamente nosso dever concentrar os nossos esforços no recrutamento de vanguarda do proletariado mundial com os equipamentos do Marxismo-Leninismo, com o apoio da organização de sua luta de classes internacional, por solidariedade material e moral e ajudando-os a criar os seus próprios porta-vozes, um órgão central para expressar seus interesses internacionais, um propagandista global, agitador e organizador do proletariado mundial, etc. O Comintern / ML tem de se tornar o porta-voz do proletariado mundial em geral e em particular, o porta-voz do proletariado mundial industrial avançado. Todas as tarefas têm que ser subordinadas sob essa tarefa principal. Não há Internacional Comunista sem comunistas internacionais recrutados nos elementos mais revolucionários do proletariado mundial.

A Internacional Comunista não pode se transformar em qualquer tipo de “federação livre de círculos amadores, autónomos, ideologicamente, organizacionalmente e politicamente independentes, que unem seu estilo restrito nacionalmente como um padrão "internacional" do policentrismo dos partidos. As sementes de ideias Hoxhaistas foram transmitidas em todo o globo. Tudo o que está faltando agora é a unificação de todo este trabalho restrito a nível nacional para o trabalho global de um único partido internacional. Nossa desvantagem para a superação dos quais devemos dedicar toda a nossa energia, é o carácter "amador" do trabalho das organizações Marxistas-Leninistas individuais e não coordenadas, neste ou naquele país. Por causa do amadorismo, a consciência de sua comunidade de interesses em todo o mundo não é suficientemente incutida nos trabalhadores do mundo, não ligam a sua luta suficientemente com a ideia do socialismo mundial. Chega de nosso amadorismo! O Comintern / ML tem que se tornar um partido centralista mundial Bolchevique e não continuar a linha da federação "internacional" de partes autónomas de países individuais. Temos que nos livrar das fraquezas descentralizadas do antigo Movimento Mundial Marxista-Leninista. Para se tornar um partido de tipo de Lenine e Estaline ele deve ser uma Secção da Internacional Comunista. A Internacional Comunista é um edifício construído pelos componentes e unidades dos partidos Maxistas-Leninistas. Os proletários de todos os países são liderados por seus partidos Maxistas-Leninistas e, como exércitos do proletariado mundial, são liderados pelo exército mundo. A Internacional Comunista consiste nas Secções dos partidos Marxistas-Leninistas de todo o mundo. Não há alternativa para expressar e perceber as firmes demandas e acções do proletariado mundial. Caso contrário, não podemos fundir os movimentos revolucionários dos países individuais num todo indestrutível com a actividade do partido revolucionário mundial.

Nós Hoxhaistas somos frequentemente incitados para não nos unirmos em nosso próprio partido mundo com seu próprio centro de uniforme, na parte superior, mas sim a desistir da luta para uma liderança central e deixá-la para o "fortalecimento" dos partidos nos países. A burguesia mundial globalizada ficará satisfeita com esta ideia, mas não o proletariado mundial globalizado!

Os proletários de todos os países e seu partido Marxista-Leninista só podem ser reforçados pela fusão internacional dos proletários, pela fusão dos partidos Maxistas-Leninistas a um partido mundial. A chamada de Marx e Engels: "Proletários de todos os países – uni-vos!" não pode ser entendido como um "fluxo" espontâneo, consulta formal de associação, ou como união federalista, mas como um apelo para a fusão da primeira e única classe mundial, que eleva a sua voz e levanta o punho para a libertação internacional. A chamada de Marx e Engels não lida com a cooperação internacional formal, com lutas separadas, independentes e divididas nos países. É mais um convite para a actuação firme de uma só classe internacional dos proletários liderada pelo primeiro e único partido mundial, em que os partidos Maxistas-Leninistas têm o seu lugar para unir sua luta pela revolução socialista em seu próprio país com a luta comum global para a revolução proletária mundial.

É, essencialmente, dever do Comintern / ML não só tomar os esforços para a unificação do proletariado mundial - começando com a unificação dos centros industriais globalizados e apoiar a construção de sua vanguarda, mas para unir os proletários de todos países no interesse da revolução socialista mundial, bem como no interesse da revolução socialista em cada país. Nós não fazemos comentários depreciativos para os partidos Maxistas-Leninistas de países individuais, se afirmamos que não é suficiente reduzir a luta de classes ao próprio país. Pelo contrário, o isolamento da luta de classes no próprio país impede o atingir do socialismo garantido em todos os países. Portanto, os partidos Maxistas-Leninistas não podem ser excluídos pelo partido mundial para continuar a revolução mundial. Eles são todos partes indivisíveis da Internacional Comunista para garantir a vitória indivisível de todo o proletariado mundial. A vitória indivisível do proletariado mundial garante a vitória indivisível do socialismo em todos os países do mundo. Somente a revolução socialista mundial de um uniforme e liderado centralmente proletariado mundial poderá levar á vitória do socialismo nos países individuais e protegê-lo do isolamento. Aqueles que ignoram este princípio internacionalista, aqueles que tentam fazer os companheiros acreditar que seríamos Trotskistas só porque criticamos as fraquezas dos actuais partidos Maxistas-Leninistas sobre a questão do proletariado mundial, a revolução mundial e da Internacional Comunista, têm que pagar a conta por isso. O desrespeito da revolução socialista em um único país é um desrespeito à revolução mundial do proletariado mundial e na razão inversa. Se os partidos Maxistas-Leninistas bem entenderem este conjunto de coerência, então eles vão nos ajudar e eles mesmos construir comumente o Comintern / ML, então eles vão enriquecer o Movimento Mundial Marxista-Leninista, eles vão ajudar-nos a levar consciência revolucionária do proletariado mundial ao seu país, tal consciência de que não são apenas os proletários de seu próprio país, não uma classe de âmbito nacional, mas uma unidade nacional da classe proletária internacional, que forma em conjunto o proletariado mundial. Só se os proletários de todos os países estão conscientes sobre o facto de que eles são uma única classe internacional, (só então!) eles podem remover o poder da burguesia mundial e, finalmente, o poder da burguesia em seu próprio país. Enquanto o proletariado mundial não está consciente sobre sua própria missão global, não haverá qualquer revolução proletária mundial para sacudir o jugo do imperialismo mundial. O proletário só pode ficar livre como um soldado do exército da classe internacional a que pertence - contanto que ele é confrontado com o exército mundial governante da burguesia. É válido martelar essa verdade no cérebro de cada proletário, diariamente, de hora em hora, onde quer que ele está lutando por sua liberdade.

Temos que convencer todos os verdadeiros companheiros Hoxhaistas em todo o mundo por que a edificação de um partido mundial Hoxhaista é agora irrenunciável. O Comintern / ML lutou por este objectivo durante 5 anos e nunca vai desistir desta luta urgente.

Se a vitória da Revolução de Outubro estava a precisar de um partido Bolchevique como um todo homogéneo, como um e uniforme, um partido proletário revolucionário Russo, então, por favor, diga -nos o que é necessário para a vitória da revolução socialista mundial? Um partido Bolchevique, que destrói a ditadura da burguesia em um único país é uma coisa, um partido que quer derrotar a burguesia mundial, é outra completamente diferente. Para resistir ao ímpeto do imperialismo mundial você precisa de um partido mundial que ultrapasse todos os antigos padrões Bolcheviques. O Bolchevismo mundial não pode ser concedido sem partido Bolchevique mundial superando aqueles cujo padrão tem levantado de forma permanente. Precisamos do tipo Bolchevique global do Comintern, no espírito de Lenine e Estaline. Foi isto o que o camarada Enver Hoxha disse aproximadamente.

O novo partido Bolchevique mundial precisa de um novo tipo de partido bolchevique mundial, construído sobre a base do partido do tipo de Lenine e Estaline, porém, em um estágio mais elevado, o partido mais forte do mundo global, um partido que lidera o proletariado mundial no seu conjunto. Em relação ideológica, política e organizativa este partido tem que ser partido que nunca existiu antes, simplesmente para ser forte o suficiente para destruir o imperialismo mundial completamente e para sempre, um partido que é capaz de resistir á restauração capitalista mundial, bem como á restauração capitalista em cada país, um partido que é necessário para remover todas as classes exploradoras e a supressão do globo, uma Internacional Comunista, que não está só em solidariedade com um único país socialista e com a revolução socialista em um único país, mas a Internacional Comunista que lidera a revolução mundial e a edificação do socialismo mundial.

Queremos e devemos unir os proletários de todos os países o mais rápido possível. Como se fará isto acontecer? As barreiras nacionais em passagens de nível têm que ser eliminadas para superar a divisão e isolamento dos proletários de todos os países! Mas, para sermos capazes de derrubarmos as barreiras nacionais em passagens de nível, os partidos Maxistas-Leninistas devem derrubar suas barreiras em passagens de nível ideológicas, políticas e organizacionais entre si para preparar sua unificação com a Internacional Comunista.

Nós somos centralistas e internacionalistas e dirigimos a nossa atenção principal nos interesses globais, gerais e comuns dos proletários de todos os países, porque o proletariado é a classe internacionalista. A representação comum de interesses não pode ser realizada de forma diferente a partir de uma organização centralista do proletariado mundial.

Os interesses individuais dos proletários dos países individuais têm um significado subordinado - na medida em que diferem dos interesses gerais do proletariado mundial por suas condições e circunstâncias especialmente nacionais, no entanto eles não são, portanto, de todo indiferentes aos interesses gerais do proletariado mundial. Eles sim servem ao assunto proletário internacionalista comum. Às vezes, alguns desses interesses individuais dos proletários em um único país podem ser de alto significado para a revolução de todo o proletariado mundial. Para realizar os interesses comuns dos proletários em geral, é útil e necessário, que os problemas específicos da revolução em um só país sejam geridos soberanamente e de forma independente pelo proletariado seu partido Marxista-Leninista em um único país. Actualmente, o problema não é apenas a existência ou não existência deste ou daquele partido Marxista-Leninista, não é apenas para servir aos interesses dos proletários neste ou aquele país, mas a questão prioritária é a Internacional Comunista. Você não pode satisfazer as exigências de um único proletário se você excluir a luta pelos interesses globais de todo o proletariado mundial e da sua Internacional Comunista. Do significado superior são tais interesses dos proletários, que são os mesmos em todos os países. E só para realizar esses interesses comuns dos proletários eles precisam não só do partido Marxista - Leninista no país "próprio", mas de um partido mundial supra ordenado de que cada partido Marxista-leninista seja membro. Se queremos promover e fortalecer a consciência de classe internacionalista do proletariado então também temos de promover e fortalecer a organização internacionalista e trazer a consciência de classe internacionalista do proletariado mundial. Se nos quisermos levantar contra o imperialismo mundial, então temos de levantar um exército proletário internacional. Sem internacional comunista isso é completamente impossível.

Os partidos Maxistas-Leninistas devem desenvolver-se em seus países individuais - tudo muito bem, mas como todos eles deverão desenvolver-se em uma direcção comum, como eles devem fortalecer e apoiar uns aos outros, como eles devem tornar-se uma força unida, se não pela sua unificação em uma organização mundial central? O partido organizado nacionalmente organiza a luta de classes em um palco nacional, organiza a luta de classes do proletariado em um único país. No entanto, o inimigo de classe conduz uma luta internacional organizada contra os proletários de todos os países também com organizações internacionais. Nem mesmo o melhor partido Marxista-Leninista de um único país pode organizar a contra-ofensiva internacional necessária contra o inimigo de classe internacional e as suas organizações. Isto é impossível. Fazer isso sem a Internacional Comunista, sem o partido mundial, não significa apenas capitular à luta de classes global da burguesia mundial, mas enfraquecer a luta de classes no país "próprio" e enfraquecer a próprio partido Marxista-Leninista.

Para roubar o proletariado mundial dos seus direitos, nomeadamente o direito de construir as suas próprias organizações políticas centralizadas, isto significa roubar as armas do proletariado mundial, isso significa o desarmamento mais fatal. Um proletariado mundial sem suas armas não pode esmagar o imperialismo mundial. E não há nenhuma outra classe que é capaz de destruir o imperialismo mundial. Como poderá o proletariado mundial ganhar sua própria consciência de classe internacional, se for impedido de construir a sua própria Internacional Comunista? Um Marxista - Leninista que dificulta ao proletariado construir a Internacional Comunista não pode ser declarado como um verdadeiro Marxista-Leninista - e este é , sem dúvida, a verdade desde o ponto de vista do proletariado mundial.

 

As lutas dos proletários de todos os países juntam as suas águas para o grande fluxo do movimento proletário mundial.

"Divide e reina!" - Esta é a política global do imperialismo mundial!

Unir para vencer os parcelamentos impotentes e a desorganização para esmagar comumente e centralmente o poder imperialista mundial e conquistar o poder do mundo - esta é a política do proletariado mundial!

A destruição de qualquer inimizade nacional a discórdia nacional não pode ser removida até que o capitalismo seja removido, que é a raiz e razão para a desigualdade, a discórdia, a supressão e exploração. Isso só pode ser gerido pelo proletariado mundial e a Internacional Comunista com o apoio do proletariado nos países isolados e seus partidos Maxistas-Leninistas.

Anteriormente, os capitalistas principalmente associavam-se a nível nacional - hoje eles têm fortes, influentes associações globais que deslocam a produção mundial por instrumentos internacionais com os quais as organizações de monopólio violam os interesses sociais e nacionais dos trabalhadores e suas organizações.

 

A internacionalização da luta de classes do lado dos trabalhadores, a formação da Internacional Comunista, não é um efeito que está lentamente chegando. Desenvolve-se com a mesma velocidade com a qual globalização está chegando em geral. Vimos a necessidade da fundação de um partido revolucionário internacional Marxista-Leninista já há décadas, mas tal apenas começou concretamente desde há 5 anos. Temos mais uma vez um partido comunista mundial. O primeiro foi fundado por Marx e Engels, quando o capitalismo começou a atravessar o mundo inteiro, mas quando o movimento operário estava em sua infância. A Segunda Internacional (ver o famoso artigo de Lenine: "O significado histórico da III Internacional."). A Terceira Internacional Comunista foi fundada após a revolução mundial pela Revolução de Outubro, e resultou em conjunto com a fundação da União Soviética de Lenine e Estaline, que foi o primeiro Estado socialista do mundo. E há 5 anos - o Comintern / ML foi fundado - 57 anos após a dissolução do Comintern quando o revisionismo se preparava para obter o poder. Os resultados fatais do curso errado - o slogan do chamado socialismo "garantido" e "invencível" em um país "único", que foi criado para funcionar como um álibi - ainda estão activos e fazem parte da renúncia á revolução socialista mundial e promoveram eficazmente o isolamento do primeiro e único país socialista existente, eram um convite para a subordinação do socialismo sob o capitalismo, eram a subordinação da luta anti-imperialista, anti-fascista e anti-guerra sob a luta pela regeneração do capitalismo em vez da propagação do socialismo internacional, e que foram, efectivamente, uma declaração de capitulação do socialismo, a longo prazo (decisões do VII Congresso Mundial da Internacional Comunista - leia mais na Linha-Geral do Comintern / ML). O Comintern / ML foi fundado num tempo em que os verdadeiros Marxistas - Leninistas regeneraram as suas forças para a preparação da próxima corrida para varrer fora o imperialismo mundial e para reconquistar e para restaurar o socialismo não apenas nos antigos países socialistas do mundo - a União Soviética de Lenine e Estaline e a Albânia de Enver Hoxha, não só nos estados onde a construção do socialismo foi interrompida e impedida pelos revisionistas, não só nas metrópoles do imperialistas e social-imperialistas, mas em todos os estados do mundo. O socialismo mundial está objectivamente maduro, um problema que teórica e praticamente se classificou para a solução.

Para sermos capazes de resolver este problema correctamente, um partido de vanguarda do proletariado mundial é necessário. Para começar, a edificação de um novo partido de vanguarda do Comintern / ML foi fundada na noite de Ano Novo 2000/2001 pelos Marxistas-Leninistas que não poderiam aceitar desistir dos antigos países socialistas amados - os países de origem do proletariado mundial; aqueles Marxistas-Leninistas que queriam vingar-se da traição dos revisionistas que organizaram a restauração capitalista e que foram determinados o suficiente para organizar a luta anti-revisionista como uma luta internacional centralizada. Esses Marxistas-Leninistas não eram mais do que os dedos de um punho, mas firmes e determinados a continuar a luta pela revolução socialista mundial pela qual os antigos países socialistas sacrificaram todas as suas forças. Estes Marxistas-Leninistas, que fundaram o Comintern / ML, decidira, que a centelha da revolução mundial que foi inflamada pelos cinco Clássicos nunca poderia ser apagada e eles concentraram todas as suas forças para proteger a chama revolucionária do proletariado mundial. O capitalismo vai passar, o socialismo retornará! Esta convicção guiou estes camaradas quando arriscaram sua vida para fazer "do impossível = possível: "DÊEM-NOS UMA ORGANIZAÇÃO DE REVOLUCIONÁRIOS MUNDIAIS E VAMOS INCENDIAR O MUNDO!" (de acordo com a citação de Lenine no volume 5, página 467, traduzido da edição original em Inglês, Moscovo, 1973: "Dá-nos uma organização de revolucionários e vamos incendiar a Rússia!")

Nós fundamos o Comintern / ML durante o tempo em que o movimento operário internacional ainda não foi organizado á escala mundial. E isso não é surpreendente se estudarmos Lenine, o que também é - em princípio - a linha guia para a organização dos revolucionários mundiais profissionais e para a edificação do Comintern / ML: "O que deve ser feito?":

"Eu afirmo: (1) que nenhum movimento revolucionário [na primeira linha do movimento revolucionário mundial – comentado pela editora] pode suportar-se sem uma organização estável de dirigentes em continuidade, (2) que a mais ampla massa popular, desenhada de forma espontânea no luta, que é a base do movimento e participa, a mais sólida essa organização deve ser (pois é muito mais fácil para todos os tipos de demagogos de lado a acompanhar as seções mais atrasadas das massas), (3) que tal uma organização deve ser composta principalmente de pessoas profissionalmente envolvidas na actividade revolucionária, (4) que, num Estado autocrático, mais nos limitam a participação de tal organização para as pessoas que estão profissionalmente envolvidas na actividade revolucionária e que foram treinadas profissionalmente na arte de combater a polícia política, mais difícil será para descobrir a organização, e (5) maior será o número de pessoas da classe operária e de outras classes sociais, que serão capazes de se juntarem ao movimento e activamente trabalharem nele." (Lenine, Volume 5, página 464, traduzido da edição original em Inglês, Moscovo, 1973).

Lenine tocou na questão que o trabalho local e nacional tem que estar conectado dialecticamente e que o isolamento e outras fraquezas do trabalho revolucionário local têm de ser superadas com a criação de um partido centralista. Nós temos que estudar essa conexão, transformando-a em um nível mais alto como uma relação dialéctica entre a obra revolucionária nacional e internacional. Aumentar o trabalho revolucionário nacional isolado para o nível de um trabalho revolucionário internacional centralizado – é o que o Marxismo-Leninismo nos ensina hoje, temos que aprender na teoria e na prática! Por outras palavras, Lenine nos ensina a elevar o nível nacional do trabalho revolucionário de todos os únicos partidos Maxistas-Leninistas a nível internacional através da criação de um partido mundial para centralizar a organização do trabalho revolucionário no mundo inteiro. O isolamento e outros pontos fracos do trabalho em todo o país só podem ser superados por um grande partido centralista mundial – esta é a conclusão mais importante de hoje que temos que tirar artigo de Lenine "O que deve ser feito?", em particular, e o que nós temos que retirar do Leninismo em geral.

Os proletários dos países individuais agora começam a ficar conscientes sobre a necessidade de organizar o movimento dos trabalhadores á escala internacional. Neste tempo, quando o Comintern / ML foi fundado, os trabalhadores progressistas perceberam que os ataques do imperialismo mundial globalizado não podem ser repelidos por instrumentos restritos a nível nacional, que é necessária uma organização revolucionária internacional, para dizê-lo com mais precisão: muitas organizações para muitas diferentes tarefas, a criação de uma força especial de camaradas globalmente treinados pelo Comintern / ML - criando o novo tipo de revolucionários Hoxhaistas profissionais mundiais. Especialização global do trabalho revolucionário mundial pressupõe necessariamente centralização global, e na sua vez, chama imperativamente para ela. Liderando os trabalhadores revolucionários de todo o proletariado mundial ao nível de revolucionários mundiais profissionais é pré-condição imperativa de construir o Comintern / ML e vice-versa: o Comintern / ML é a pré-condição imperativa para organizar a captação de profissionais mundiais revolucionários dos elementos mais avançados do proletariado mundial. Ambos os processos de construção de revolucionários mundiais profissionais não podem ser divididos, eles formam um e o mesmo processo. E isto não é algo pedagógico mas principalmente uma questão política e organizacional internacional.

O proletariado mundial reconhece cada vez mais claramente que ele deve liderar a luta nas dimensões internacionais e que a luta mundial espontânea dos trabalhadores exige um elemento de líder consciente, um centro de liderança global. Temos que reler "O que deve ser feito?" de Lenine. E as formas de organização da luta de classes á escala internacional. Este partido Leninista estava conduzindo com sucesso a Revolução de Outubro. Precisamos de um partido mundial Hoxhaista profissional que prepara com êxito a revolução mundial no espírito revolucionário de "O que deve ser feito?" de Lenine.

Nisto é claro que a edificação da Internacional Comunista inclui apenas a minoria do proletariado mundial - igualmente aos trabalhadores conscientes que representam a minoria de todos os trabalhadores na luta pelo socialismo mundial. Apenas uma minoria dos trabalhadores mais avançados do mundo podem liderar o movimento revolucionário. No final, isso não significa uma identificação entre a ditadura mundial do proletariado mundial e a "ditadura dos líderes" da classe da Internacional Comunista educados pela Internacional Comunista a que constituem a vanguarda do proletariado mundial. Estes devem ser educados com o Marxismo -Leninismo e devem ser capazes de aproveitar o poder dos povos do mundo e da ciência socialista, que é capaz e capaz de organizar junto com eles uma vida contra e sem a burguesia mundial.

 

O Comintern / ML tinha reconhecido desde o início...

 

(1)... que a consciência da sociedade globalizada está crescendo a partir da globalização diária da vida social e que há uma coerência dialéctica entre a globalização das forças produtivas e a globalização da propriedade privada que as crescentes contradições globalmente - resultando disso - devem levar a uma consciência globalizada e explosões internacionais no processo de uma revolução socialista mundial.

 

(2)... que a comunidade mundial socialista não pode ser formada até que as forças produtivas globais estejam suficientemente desenvolvidas em que a comunidade mundial socialista pode basear-se, que as novas formas globais, portanto, de carácter socialista, não podem crescer até que a velho sociedade global esteja suficientemente desenvolvida;

 

(3)... evolução económica mundial de hoje não pode dar à luz a uma evolução económica socialista instalados no quadro dos antigos tipos nacionais de "socialismo em um só país" do século 20, mas dar à luz formas mais elevadas, internacionais de socialismo e novas formas internas de socialismo que resultam dos futuros desenvolvimentos do socialismo mundial e não do capitalismo mundial passado, do socialismo global e não do socialismo restrito nacionalmente nas condições históricas da coexistência inevitável com o capitalismo;

 

(4)... que a globalização da luta de classes, consequentemente, segue a lei natural das contradições entre a globalização do trabalho e a globalização do capital.

 

(5)... que a globalização da luta política consciente de amanhã não pode surgir até que a globalização do movimento económico espontânea de hoje comece as suas actividades, que o proletariado mundial fique consciente sobre a sua situação económica e, em seguida, da sua missão política como coveiros globais do mundo capitalista e que, no curso da luta espontânea mundial a consciência de uma classe global internacional independente pode crescer, pode tornar-se global e de classe. Consciência - a consciência de classe socialista do proletariado mundial;

 

(6)... que as forças mais avançadas do proletariado mundial devem criar seu mundo partido de vanguarda Bolchevique - pronto para levar as ideias internacionalistas, os ensinamentos do internacionalismo proletário, o socialismo científico na consciência dos trabalhadores do mundo - pronto para organizar e liderar a classe mundial e, em seguida, as massas globais a nível global e centralizadas para se tornarem arquitectos internacionalistas da ordem mundial socialista de amanhã.

O Comintern / ML chama a atenção para o facto de que as lutas de classes mudam do nível nacional para campos de batalha internacionais. Os movimentos das classes de um país dependem cada vez mais dos movimentos de classe em outros países. Eles entram em contacto uns com os outros, eles se unem aos movimentos globais de classe.

Por isso, as formas nacionais anteriores de lutas de classes intervêm com novas formas de luta de classes global que será uma melhor expressão das crescentes contradições de classe internacional. A história de classe do proletariado e da sua luta em tal ou qual país vai para a história da luta de classes internacional comum de todo o proletariado mundial.

Os Marxistas-Leninistas devem, então, ser não só representantes deste ou daquele partido Marxista-Leninista de um único país, mas, além disso, representantes de um partido comum mundial unido.

Considerando a situação actual do mundo globalizado o partido mundial e a sua edificação não pode esperar por partidos Maxistas-Leninistas até que estes estejam completamente amadurecidos em sua fase nacional. Não podemos voltar ao século 20, porque a luta mundial de classe mudou pela globalização. Os revolucionários do mundo são companheiros que acumulam o partido mundial e não podem girar seus polegares até que um dos partidos Maxistas-Leninistas seja forte o suficiente para trazer o socialismo para renascer neste ou naquele único país - como isso era possível no século 20. Pelo contrário, hoje precisamos de formas globais de organizações Marxistas-Leninistas de acordo com a situação do mundo global, de acordo com as organizações mundiais do inimigo global de classe. O desenvolvimento dos partidos nacionais dependerá, portanto, hoje do desenvolvimento do partido mundial e, certamente por isso o contrário, também. A velocidade desse desenvolvimento organizacional dependerá da velocidade do desenvolvimento da luta de classes global. Entretanto, não há dúvida de que estes desenvolvimentos organizacionais irão inevitavelmente numa direcção global. O futuro tipo Leninista de organização do partido vai ser um tipo de dimensão global. No final, o internacionalismo proletário prático e a consciência internacionalista cairiam no esquecimento. Há organizações Marxistas-Leninistas que apenas estão olhando através de seus óculos nacionais unilaterais. Uma grande parte dos partidos gasta muito tempo na solução de problemas no próprio país. Se eles se preocupassem um pouco mais sobre a solução teórica e prática de problemas internacionais Marxistas-Leninistas, então eles poderiam aproveitar mais os ensinos globais do Marxismo-Leninismo, em seguida, o processo de unificação dos proletários de todos os países poderia acelerar. Consciente e bem organizada, a força internacional dos proletários de todos os países poderia ser concentrada e a solidariedade seria mais eficaz e estimulante entre si. Em relação à questão da solução da revolução proletária mundial, sobre a organização eficaz das acções proletários internacionais comuns devemos confessar que a maioria dos Marxistas-Leninistas esteve inactivo durante décadas. Esta fraqueza é bastante imperdoável e a solução para alterar esta fraqueza em força consiste na edificação do partido mundial. Esta é uma questão do proletariado mundial e temos que dar a resposta revolucionária - e, teoricamente, numa fase mais actual! Por isso, os Marxistas-Leninistas têm que criar seus instrumentos globais para lidar com essas tarefas profissionalmente. Neste sentido pouco aconteceu e o Comintern / ML coloca o dedo na ferida neste período de 5 anos, mas as nossas sugestões deparam-se com pouca resposta. Esperamos uma iniciativa mais internacionalista dos Marxistas-Leninistas:

 

"Mais atenção á centralização das tarefas teóricas, políticas e

 

organizativas internacionais do proletariado mundial e da revolução

 

mundial!"

 

Este apelo do Comintern / ML poderia ajudar o Movimento Mundial Marxista-Leninista a superar a actual crise...

Nós, comunistas, temos a capacidade de prever os acontecimentos em curso da luta de classes internacional. Nós, comunistas, sabemos que não há nenhuma revolução mundial sem um partido revolucionário mundial. Nós, comunistas, somos capazes de trabalhar a estratégia e táctica revolucionária do proletariado mundial. Nós, comunistas, somos capazes de estabelecer a nossa nova linha geral global do futuro movimento comunista mundial. Durante 5 anos de existência do Comintern / ML, lembramo-nos das palavras de Engels, que precisamos de uma transportadora internacional consciente do processo internacional inconsciente e, de facto, mais urgentemente como o processo inconsciente se desenvolve mais rapidamente e mais profundamente. A classe do proletariado mundial cresce sob as condições da globalização do capital e da consciência correspondente seguirá mais rápido que agora, se nós, Marxistas-Leninistas fizermos mais esforços para o desenvolvimento da consciência socialista do proletariado mundial. A crise mundial toca a propriedade capitalista à sepultura e coloca a questão para o mundo: Declínio com o capitalismo mundial (porque a crise mundial não pára e os capitalistas de todos os países não poderiam escapar com toda a sua propriedade capitalista) ou avançarmos pelo socialismo, onde a propriedade privada será socializada e transformada em propriedade mundo socialista. Quem vai ganhar? - Os parasitas da humanidade ou a humanidade longe dos parasitas? A humanidade pode facilmente viver sem parasitas, mas os parasitas não vivem sem a humanidade. O fim das formas de produção mundiais existentes, a maior acumulação de produção capitalista mundial e a proletarização da maioria da comunidade mundial - estas são as condições objectivas para a génese do socialismo mundial, em que um pré-requisito essencial ainda está faltando - o chamado factor "subjectivo". As condições objectivas já estão essencialmente maduras para o socialismo mundial, mas, no entanto, este ainda não pode ser realizado porque o proletariado mundial e a sua consciência de classe socialista ainda não está desenvolvida para permitir a continuação da vitória da Revolução de Outubro, para afastar não só a burguesia deste ou daquele país, mas a burguesia mundial de todo o planeta.

A revolução socialista mundial não pode ser considerada como um único golpe súbito e curto. A revolução mundial é uma luta longa e contínua das massas em todos os países do mundo, é uma luta pelo poder político do proletariado mundial (e de todas as outras classes anti- proletárias), sobre a burguesia mundial, é um processo persistente arrebatando o passo do capital mundial para a etapa da expropriação da burguesia mundial.

E quem duvida sobre o facto de que o proletariado mundial ainda não pode tomar o poder até que a maioria do mundo ainda não esteja conquistada? A prática da Rússia e da Albânia socialista já provou de forma impressionante que a classe trabalhadora pode tomar o poder embora esta classe não tenha a maioria na sociedade.

Não é claro, que as forças produtivas do mundo se têm desenvolvido no maior palco pela globalização e que o que era "impossível" na época, se tornou absolutamente, possivelmente, e necessariamente urgente, agora, sob as novas condições da globalização? Tudo isso é um afastamento do Marxismo-Leninismo ou uma confirmação do Marxismo-Leninismo? Sim, isso é bem uma confirmação, se você considerar a diferença entre o estado de desenvolvimento do imperialismo mundial de vez em quando. No entanto, se você afirmar que não há diferença em um curso de período do imperialismo mundial depois de um século inteiro de desenvolvimento, então você não pode trabalhar com a nova estratégia globalizada e táctica do Marxismo-Leninismo contra o imperialismo mundial. A alegação de que o imperialismo não mudou desde Lenine e Estaline e a crítica da nossa nova Linha-Geral com tal argumento anti-científico e anti- Marxista-Leninista com a intenção de "defender" o Marxismo-Leninismo contra o "sectarismo" -, então essa tentativa dos oportunistas não é nada além de afirmar que o Marxismo-Leninismo não existe: "refutar" o Marxismo-Leninismo. Quem é o oportunista? Aquele que substitui dogmas velhos que não estão mais actualizados? Aquele que aceita novos princípios que estão de acordo com as mudanças da situação do mundo? Aquele que tenta descobrir novos princípios do Marxismo-Leninismo? Bem, isso não é fácil e os erros inevitáveis, mas isto não é melhor do que se esconder atrás de dogmas velhos que são inúteis para o futuro do proletariado mundial?

Se os Marxistas-Leninistas têm a coragem de mudar o mundo, então nós também temos de ter a coragem de procurar novas maneiras? É este o risco? Sim, é arriscado, mas não há outra alternativa. Se você parar de marchar para a frente você pode evitar todos os riscos, mas essas pessoas não podem ser consideradas como verdadeiros Marxistas-Leninistas.

"O que é o Marxismo? O Marxismo é uma ciência. Pode o Marxismo permanecer e se desenvolver como a ciência se ele não for enriquecido pelas novas experiências da luta de classes do proletariado, se essas experiências não forem generalizadas a partir do ponto de vista do Marxismo e da aplicação do método Marxista? É claro que o Marxismo não pode passar sem isto." (Estaline, Volume 9, página 87, traduzido de versão em Inglês traduzida da edição em língua Alemã, KPD / ML).

Não podemos excluir, que dentro dos 5 anos de trabalho teórico, que o Comintern / ML não teria tomado sempre o ponto de vista correcto do Marxismo. Certamente esta ou aquela fraqueza aparecem e as experiências da luta de classes internacional nem sempre foram correctamente generalizadas pelos métodos Marxistas. Mas quem mais no mundo destacou a questão da revolução mundial mais profundamente do que o Comintern / ML? Quem mais teve a coragem de colocar a questão do proletariado mundial na agenda? Não havia ninguém em todo o mundo, excepto o Comintern / ML. O Comintern / ML fez uma pequena contribuição para manter o Marxismo como uma ciência internacionalista e defender os princípios do Marxismo-Leninismo durante um período de 5 anos globalização. Se você olhar ao redor do mundo de hoje, há muitas imitações do Marxismo-Leninismo, boas e menos boas, há um monte de ecletismo mas são coisas dificilmente utilizáveis, coisas substancialmente velhas, um refogado do velho dogma Marxista. Os neo-revisionistas colocar o Marxismo-Leninismo em um remanso para sua conservação como uma questão histórica fechada – que não serve para a luta de classes real do proletariado mundial.

O Comintern / ML está desbravando novos caminhos globais e isso por si só é encorajador, é um raio de esperança. A globalização do Movimento Mundial Marxista-Leninista é um processo longo da consciência do proletariado mundial, o conhecimento de si próprio, a auto-avaliação, auto-confiança, auto-defesa, auto-encorajamento, etc., até que o proletariado mundial esteja preparado para cumprir sua missão revolucionária contra o capitalismo mundial. É nossa tarefa como Marxistas-Leninistas encurtar e facilitar esse longo e difícil período. O proletariado mundial deve desenvolver-se arduamente passo a passo e mais arduamente do que nós queremos. Mas essas são dificuldades do desenvolvimento da única classe revolucionária mundial e virão aqueles momentos em que o movimento revolucionário do proletariado mundial deve desenvolver-se e acelerar-se a tal ponto como nem nos nossos sonhos mais selvagens. Se o proletariado mundial tem consciência de suas próprias iniciativas e força durante algum tempo, se ele se sente a fraqueza do capitalismo mundial, se ele está consciente sobre o seu próprio poder, então os dias do capitalismo mundial estão contados, pois o proletariado mundial é, então, invencível. Camaradas, esta é a verdade em que acreditamos durante todos os 5 anos de existência Comintern / ML e não vamos esquecê-la no futuro.

Não temos dúvidas sobre o facto de que a situação é precária, basicamente. Estamos optimistas e sabemos com certeza que a situação actual não permanecerá para sempre. Um dia, se o Comintern / ML comemorar uma vitória triunfal internacional sobre o revisionismo, o Marxismo-Leninismo será o governante ideológico do mundo definitivamente. Não há melhores condições para se desdobrar o carácter internacionalista do Marxismo-Leninismo do que as circunstâncias da globalização. A globalização é o melhor campo de florescimento do Marxismo-Leninismo. O proletariado mundial é o único poder que ajuda a florescer o Marxismo-Leninismo - e este poder deve crescer diariamente, de hora em hora! A Revolução de Outubro não ganhou só por causa das condições revolucionárias na Rússia, não foi de todo uma revolução nacional. A Revolução de Outubro foi vitoriosa por causa da então actual situação internacional do imperialismo mundial pela qual os proletários nas metrópoles apoiaram os trabalhadores na Rússia solidariamente para quebrar a cadeia imperialista no mais fraco elo da cadeia. Vamos descrever a situação de hoje dos Marxistas-Leninistas nos países individuais.

Em geral, as coisas não parecem muito animadoras. No entanto vamos tomar em conta as actuais condições internacionais. Não há dúvida sobre isso que o Comintern / ML deu novos impulsos para a teoria do Marxismo-Leninismo num cenário internacional. O Comintern / ML abordou a questão da revolução socialista mundial, elaborou a Linha-Geral revolucionária para o Movimento Mundial Marxista-Leninista, precede todas as organizações ideologicamente, desenvolveu-se com clareza ideológica e princípios firmes. Debilidades teóricas podem ser reconhecidas dentro das organizações Marxistas-Leninistas na maioria dos países em todo o mundo. Para dizê-lo de forma mais precisa: Actualmente podemos reconhecer um desvio geral dos princípios do Marxismo-Leninismo na maioria das organizações Marxistas-Leninistas. Algumas delas se levantarão com cerimónias "Marxistas-Leninistas", mantendo as aparências mas a velha chama do espírito revolucionário é comprometida. As organizações Marxistas-Leninistas de hoje tem que se lembrar de suas raízes revolucionárias de sua fundação, e elas têm que se referir a seus antigos princípios Maxistas-Leninistas nos termos de teoria e prática. É o caminho para a degeneração manter o Marxismo-Leninismo em palavras, mas escorregar para o revisionismo em obras. Quem quer negar este facto triste? Todo mundo deveria fazer um esforço em comparar todos os documentos ideológicos da história da organização e prová-los no fogo da luta de classes. Existem diferenças irreconciliáveis ​​e contradições sobre a questão da revolução mundial. O Comintern / ML estava alarmado com o facto de que a maioria das organizações Marxistas-Leninistas do mundo nem sequer coloca a questão da revolução mundial e não fala sobre colocá-la no centro da agenda de tarefas. A única organização que enfatizou a importância da revolução socialista mundial em toda a sua urgência - foi e ainda é o Comintern / ML .

O Marxismo - Leninismo ensina que durante o início da época das formas prontas da revolução proletária, a ordem socialista desapareceu ou esteve quase ausente. O socialismo teve que criar o seu próprio sistema, desde o início, o estado socialista, a ditadura do proletariado em todo o país - formada como uma ilha num oceano de estados capitalistas e nações. No decorrer do desenvolvimento da revolução proletária, podemos no entanto tirar proveito dessas difíceis condições históricas em que os primeiros estados socialistas tiveram que crescer. Hoje, não precisamos de começar do nada. Podemos remontar a mais de 70 anos de "socialismo num só país". Agora, estamos chegando à fase avançada do desenvolvimento do socialismo na época da revolução proletária - a fase do socialismo mundial. A revolução proletária pode agora desdobrar seu carácter típico internacionalista nas condições de globalização. Vivemos no período de transição de todo o país para o socialismo em todo o mundo - nós estamos vivendo no período da revolução do proletariado mundial depois que tínhamos deixado com sucesso o período da revolução proletária, que trouxe o "socialismo em um só país". Isto significa em primeiro lugar que as novas formas internacionalistas da futura ordem socialista mundial podem crescer mais rapidamente e mais profundamente, aprendendo com as experiências da União Soviética socialista e da Albânia, e em segundo lugar que podemos aprender com as velhas formas do "socialismo em um só país" para construir novas formas de países socialistas sob as condições da vitória da revolução mundial. Em geral, não haverão quaisquer diferenças entre o antigo socialismo do proletariado de um país "único" e o futuro socialismo do proletariado mundial, porque não existem principais diferenças entre o proletariado de um único país e o proletariado mundial, mas há é uma diferença decisiva em especial: o desenvolvimento de um socialismo que não poderia ser garantido para um socialismo que é garantido - e somente o socialismo garantido leva ao comunismo. Essas formas socialistas que não podem ser garantidas eram - mais cedo ou mais tarde - forçadas a sofrer o sacrifício de restauração capitalista. O socialismo em um único país só pode sobreviver nas condições de socialismo mundial - o partido Marxista-Leninista de um único país só pode sobreviver se está unido com a Internacional Comunista. Se os partidos Maxistas-Leninistas são separados da Internacional Comunista, eles não podem garantir a vitória da revolução proletária em seu país "próprio". Garantir o socialismo é impossível sem a Internacional Comunista.

Ou quem se atreve a duvidar de que o proletariado mundial, finalmente, mantém a sua potência mundial? A União Soviética e a Albânia já não provaram historicamente que os quadros dirigentes cresceram sob o poder proletário das linhas dos trabalhadores uma centena de vezes mais rapidamente e mais profundamente do que sob o poder do capital?

Quem se atreve a duvidar de que a tomada do poder do proletariado mundial é muito mais vantajosa para construir o socialismo económico, se o proletariado mundial em primeiro lugar pode inclinar-se sobre as experiências dos países socialistas de outrora, se o proletariado mundial pode generalizar essas experiências á escala mundial, se o proletariado mundial pode usar essa alavanca da reorganização da economia capitalista na economia socialista de um único país como uma alavanca internacional.

Quem se atreve a duvidar de que a tomada do poder do proletariado mundial é muito mais vantajosa para construir o socialismo económico, se o proletariado mundial pode configurar as forças produtivas da economia mundial globalizada do capitalismo para a satisfação das necessidades dos trabalhadores de todo o mundo?

Os maiores monopólios internacionais controlam a produção mundial e os mercados mundiais. Não é claro que o proletariado mundial fica dono da economia mundial, tomando posse das forças produtivas mundiais?

Não é claro que a destruição do imperialismo mundial não significa apenas o desarmamento da classe dominante de um único país, mas o desarmamento das classes exploradoras e opressoras de classes de todos os países, consequentemente, o desarmamento do cerco capitalista e restauração do socialismo á escala mundial? Não é claro que a transição global das circunstâncias actuais capitalistas para futuras circunstâncias socialistas pode ocorrer muito mais facilmente e mais rapidamente do que, dadas as circunstâncias, nos tempos da Revolução de Outubro, quando a Rússia teve que superar as dificuldades do atraso de um país reaccionário?

Não é também claro que, com a eliminação do cerco capitalista-revisionista e do perigo da intervenção bélica está sendo reduzido e que a construção do socialismo mundial pode prosseguir muito melhor, se a razão para as guerras mundiais imperialistas for revolucionariamente removida? Não podemos esquecer que as guerras mundiais imperialistas sobrecarregam enormemente a construção do "socialismo num só país".

A fortaleza do capital internacional, repleta de armas, tem de ser completamente destruída. Isto não é um jogo de crianças, no entanto as forças produtivas mundiais já atingiram um estágio de desenvolvimento que não só permitem, mas também fazem com que o armamento global e arte revolucionária da guerra do proletariado mundial como uma classe mundial armada possa ir além de todas as barreiras nacionais.

É impossível tomar esta fortaleza imperialista mundial sem um exército mundial do proletariado, mesmo se levarmos em consideração esses momentos de fraqueza em que os imperialistas mundiais estão envolvidos em seus próprios problemas e impedidos por suas próprias contradições quando o proletariado mundial e seus aliados se lançam à luta de classes.

O imperialismo mundial nunca desaparece da cena de forma voluntária, mas defende o aparato global de exploração e opressão com unhas e dentes sangrentos e fascistas a nível mundial. O imperialismo mundial é um guerreiro que é muito perigoso pois está em agonia de morte e não pode ser subestimado. O problema não é libertar (não deve ser confundido com a causa da revolução mundial!) a revolução internacional, mas preparar, organizar e realizá-la, aumentando permanentemente acções da luta de classes internacional até ás rebeliões internacionais e até á guerra civil internacional.

Principalmente a resistência da burguesia mundial, a contra-revolução global têm de ser superadas, elas não podem ser destruídas de um só golpe, elas não desaparecem de uma vez, mas - pelo contrário – fortalecem-se com o cêntuplo de resistência. A intensidade inconcebível da luta de classes para o socialismo mundial não pode ser comparada com a intensidade da luta de classes nas condições da ditadura do proletariado num único país - os eventos históricos do século 20 são todos bem conhecidos. Por outro lado, é, obviamente, muito mais difícil para a burguesia mundial destruir um sistema socialista em todo o mundo do que num país isolado. O cerco capitalista-revisionista não pode trabalhar com sucesso nas condições socialistas em todo o mundo. Anteriormente tínhamos que falar sobre deixar um espaço da cadeia imperialista mundial. Nos tempos futuros, o mundo socialista terá que organizar a luta de classes contra as tentativas da burguesia para romper a cadeia socialista no seu elo mais fraco.

Mas quem se atreve a dizer que o proletariado mundial com certeza não seria capaz de organizar uma economia e uma greve geral política em todo o mundo? Será que os trabalhadores Russos e seu partido Bolchevique já não provaram de forma impressionante dentro de um gigantesco império Czarista que uma greve geral política pode iniciar rebeliões e insurreição e colocaram a Revolução de Outubro em movimento conseguindo envolver as áreas de fronteira mais remotas e seus numerosos povos nas greves e trazer o campesinato gigantesco para o lado dos trabalhadores, embora estes fossem apenas uma minoria?

A Revolução de Outubro, em seguida, começou sem revoluções proletárias de sucesso nas metrópoles capitalistas porém com a simpatia e solidariedade dos trabalhadores mais avançados do Ocidente. Hoje, o proletariado mundial é objectivamente capaz de se concentrar no exército revolucionário mundial em todo o mundo. O proletariado mundial é uma minoria dos habitantes do mundo, mas é capaz de envolver todas as classes exploradas e reprimidas na luta de classes do proletariado mundial contra o imperialismo mundial. O equilíbrio do poder mudou a favor do proletariado mundial que ainda não era o caso de acordo com as condições da Revolução de Outubro. Entretanto, não há somente o proletariado das metrópoles capitalistas, mas centenas de exércitos proletários de todos os continentes. Portanto, este é um sinal auspicioso para a revolução proletária mundial começando. A base social do socialismo mundial está muito bem desenvolvida. Assim, as pré-condições da tomada do poder mundial dos proletários, bem como o estabelecimento de um gigantesco organismo socialista da economia mundial estão objectivamente prontas porque há uma base permanentemente protegida da unificação de classe de todas as pessoas que trabalham com o proletariado mundial. A transmissão em todo o mundo agora pode ser configurada em movimento.

Se o proletariado mundial tiver começado a romper o poder do capital mundial, então ele vai ganhar muito mais rapidamente a simpatia e o apoio dos elementos não proletários mundiais como era o caso de acordo com as condições da Revolução de Outubro, porque o proletariado mundial pode satisfazer as necessidades económicas das massas não proletárias que trabalham por conta dos exploradores internacionais hoje mais do que nunca.

A ditadura do proletariado mundial é uma forma particular da aliança de classes entre o proletariado internacional hegemónico mundial, a sua vanguarda, e os milhões de secções sociais não proletárias do povo trabalhador (campesinato, classe média baixa, pequenos proprietários, pequena-burguesia, intelectuais, etc.) ou a maioria, uma aliança mundial contra o capital mundial, uma aliança com o propósito da completa destruição do capitalismo mundial e o desarmamento das classes exploradoras e opressoras em todo o mundo. A ditadura do proletariado mundial é uma forma particular de opressão de toda a burguesia mundial e as suas tentativas de restaurações capitalistas mundiais, uma aliança com o proletariado mundial com a finalidade de estabelecer e fortalecer o socialismo de forma irreversível á escala mundial, uma aliança entre políticos, classes económicas, sociais e intelectuais diferentes de todo o mundo.

Só um sistema mundial da ditadura do proletariado como um todo, como um sistema global de diferentes correias de transmissão torna possível construir o socialismo mundial. A Internacional Comunista, o partido mundial do comunismo, a organização central dos partidos comunistas de todo o mundo, é a mais alta forma de organização da classe unida do proletariado mundial. Não haverá qualquer questão decisiva do mundo que não seja decidida pela Internacional Comunista. A Internacional Comunista goza do respeito e autoridade em todo o mundo. A Internacional Comunista é a força principal básica e central no sistema da ditadura mundial do proletariado, que é competente para conduzir todas as organizações de massa em todo o mundo. Sem a Internacional Comunista como a principal força básica, uma ditadura mundial do proletariado firme e de confiança é impossível:

(A)... principalmente na área da produção mundial de um sindicato internacional do proletariado mundial liderado pela Internacional Comunista. A União Internacional Sindical conecta os sindicatos - as organizações de massa mais importantes dos proletários de todos os países - enquanto que cada sindicato está directamente ligado ao Partido Comunista do país correspondente;

(B)... na área do campo do mundo Soviético como organizações de massa de todos os trabalhadores, que conectam os Sovietes de todos os países e que também são lideradas pela Internacional Comunista, enquanto as organizações de massa dos Sovietes de todos os países são lideradas pelos partidos comunistas em cada país;

(C)... particularmente na área económica, na área da inclusão do campesinato mundial para a construção socialista mundial, uma sociedade cooperativa mundial principalmente como uma organização de massas em todo o mundo dos camponeses que liga as cooperativas de todos os países.

(D)... uma associação mundial da juventude como uma organização de massas em todo o mundo dos camponeses e trabalhadores jovens, como uma organização que é competente para facilitar a tarefa da vanguarda do proletariado mundial para dar ao mundo a educação socialista para a nova geração e facilitar o recrutamento de novas reservas. Esta organização mundial da juventude liga as organizações de jovens de todos os países e é liderada pela Internacional Comunista tal como as organizações de juventude dos países individuais, que são lideradas pelos partidos comunistas individuais.

A Internacional Comunista efectiva a ditadura mundial do proletariado não directamente, mas com a ajuda dessas (ou talvez de outras) correias de transmissão. Sem essas organizações de massa em todo o mundo, o sistema da ditadura mundial do proletariado não cumpriria todas as suas funções.

A Revolução de Outubro só conseguiu ser bem sucedida porque os Bolcheviques agarraram a sua oportunidade em condições extraordinárias que apareceram apenas por um curto momento em que o imperialismo internacional provou não ser forte o suficiente e as contradições entre os imperialistas (Primeira Guerra Mundial) acabaram por serem incapazes de dar a ajuda necessária ao Czarismo contra a Revolução de Outubro. Nós praticamente teremos muitas oportunidades, porque vai haver um monte de situações revolucionárias mundiais nas condições da crise mundial em curso e do seu aprofundamento acelerado pela globalização do capital mundial. Em comparação com a situação revolucionária neste ou naquele país, a situação revolucionária mundial é a forma mais elevada de todas as outras situações revolucionárias na história da humanidade, mais elevada do que a situação revolucionária na Rússia há quase 100 anos. As condições da revolução mundial estão melhores do que nunca. Fomos forçados a recuar e perdemos o "socialismo num só país", mas com este recuo o proletariado mundial reúne forças suficientes para ser forte o suficiente para transformar o recuo do socialismo no recuo da burguesia mundial. Da primeira vez, o capitalismo perdeu neste ou naquele país. Da segunda vez, o capitalismo deve perder todo o mundo – isto é, inevitavelmente, verdade.

"Que as classes dominantes tremam com uma revolução comunista. Os proletários nada têm a perder senão as suas cadeias. Eles têm um mundo a ganhar [!!!]. Proletários de todos os países – uni-vos!"

Assim se diz no "Manifesto Comunista" de Marx e Engels de 1847, e não há como fugir disso!! Naturalmente, o Manifesto de Marx e Engels é também o Manifesto do Comintern / ML!

O Comintern / ML tinha reconhecido que a revolução socialista mundial não será realizada até que o proletariado mundial conquiste o poder político mundial como uma classe uniforme e indivisível. O proletariado mundial necessita apenas da classe política internacional e de luta organizada além de um partido político centralista mundial que dá orientação ao movimento proletário revolucionário mundial.

Batalhas económicas com a construção da união internacional dos sindicatos revolucionários, batalhas políticas com a construção do Comintern / ML – esta é a forma que a luta de classes internacional vai assumir, no futuro, se ela for guiada pela consciência socialista, preenchida com a ideologia Marxista-Leninista.

Não se pode exigir que a Linha-Geral do Comintern / ML, que foi elaborada para todos os partidos na sua totalidade, deva ser especificamente concebida para cada país. Apenas as características comuns estão incluídas na Linha-Geral. Particularidades e diferenças especiais dos países não podem ser levadas em conta por uma Linha-Geral.

Camaradas, por favor, ajudem a edificação do Comintern / ML para que ele possa crescer como uma forte arma nas mãos do proletariado mundial. Não é melhor apoiar o trabalho diário do Comintern / ML do que conversar sobre a revolução mundial?

Actualmente é jornal on-line chamado "Revolução Mundial" que pode unir os tópicos intelectuais entre o Comintern / ML e os Marxistas-Leninistas de todo o mundo. Isso seria um bom começo para criar uma propaganda comunista global, agitadora e organizadora no melhor espírito de "O que deve ser feito?" de Lenine. O apoio de um jornal comunista mundial on-line ajudaria a superar os actuais pontos fracos do Movimento Mundial Marxista-Leninista, ajudaria a aprofundar a ligação com os trabalhadores mais avançados em todo o mundo, daria orientação, confiança e encorajamento aos revolucionários mundiais, tornaria possível responder às questões revolucionárias mais candentes do proletariado mundial. O apoio da "Revolução Mundial" é o instrumento mais eficaz e importante para construir o Comintern / ML e para unir as verdadeiras e genuínas organizações Marxistas-Leninistas de todo o mundo.

 

 

Viva o Comintern / ML!

Wolfgang Eggers

Comité Executivo da

Internacional Comunista / Marxista – Leninista

31 de Dezembro de 2005












 

 

 

leia mais ...

 

Órgão Central do Comintern (EH)

Revolução no Mundo !”