2018

 

Bem-vindo ao Comintern (EH)!

 

 

follow us on facebook

Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo!

Viva o Estalinismo-Hoxhaismo!

 

 

 

8 de Novembro

Dia de criação de nossas seções

 

 

 

hoje:

Estabelecimento da

seção egípcia

 

Site egípcio

 

Proletários de todos os países - uni-vos!
Proletariado mundial-uni todos os países!
Os trabalhadores de todo opaís fazem partedo proletariado mundiale e les se unem comopartes do proletariado mundial.
Assim, as Secções são parte do Comintern (EH) e eles se unemcomo partes do Comintern (EH).
 
O proletariado mundialnão tem outra arma na luta pelo poder político mundial que suas organizações mundiais-com a Internacional Comunistano topo.
O Comintern (EH) cria, suporta, combina, une e centraliza as Secçõesde todos os países para se propagar, para se preparar, para liderar epara garantir


a revolução socialista mundial

para a derruba daviolenta do governoda burguesia mundial, para a ditadurado proletariado mundial, para a remoção e eliminação do capitalismo mundial, para a construçãodo socialismo mundial e para a transformação global do seua vançoparao comunismo mundial.

O proletariado mundialé guiadopela ideologiado Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo.
O Comintern(EH) foi fundado com basenos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo, eisto faztambém preocupação com o fundamento de cada Secção do Comintern (EH).

 

 

Mensagens de Solidariedade

 

Mensagem de Saudação

doComintern (EH)

na ocasiãoda fundação

da Secção Albanesa

7 de Novembro de 2014 - 2018


Long live the 77th anniversary of the founding of the Party of Labour of Albania
and
the 4th anniversary of the founding of the Albanian Section of the Comintern (SH)!



Dear comrades !

The Comintern (SH) sends to all Albanian comrades, to the Albanian Section of the Comintern (SH) revolutionary greetings.
The Comintern (SH) likes to thank you for your revolutionary fight during the fourth year after the creation of your new Section.
All comrades of the Comintern (SH), all Sections, congratulate you today on your fourth anniversary.

The 8th of November 1941 was the turning point in the history of the Albanian people, when the foundation of socialist Albania was laid.

And November 8, 2014 was another turning point in the history of the Albanian people, when you laid the foundation for the restoration of socialist Albania.

All these years were years of heroic struggles and battles for the triumph of revolution and socialism. Your most painful experience was the loss of happy life in a socialist society. We share your hatred against all those traitors who betrayed and destroyed your beloved socialist homeland. We support your firm determination to turn your hatred into the revolutionary struggle for the re-establishment of socialism in Albania. Socialism was achieved by blood and sweat of the Albanian people. And it will cost even more blood and sweat for the restoration of the dictatorship of the proletariat. However, we communists all over the world are convinced about the fact that the Albanian people who have built up socialism, will also be victoriously reconquer their socialist achievements. That's what the enemies of the Albanian people fear most. And that's why they are not tired of slinging mud at you. But you have proved to never give up your struggle against anti-communism in Albania. You rely on the invincible ideological weapon of Stalinism-Hoxhaism, on the glorious heritage of the Party of Labour of Albania, and on international support from all comrades of the Comintern (SH).

The Albanian Section, which was founded four years ago, marches on decisively and without hesitation onto the glorious path of the Party of Labour of Albania.

The Albanian Section of the Comintern (SH) will always be better connected with the Albanian working class and the Albanian people with each new year, and one day you will lead the class struggle to victory. The day will come when the dictatorship of the Albanian bourgeoisie will be overthrown, when the foreign imperialists will be expelled, and the dictatorship of the proletariat re-established under the revolutionary banner of Comrade Enver Hoxha.

We know that you Albanian comrades must fight under difficult conditions of illegality. You are threatened by the social-fascists who dare to block the influence of the Comintern (SH) in Albania. The open and hidden social-fascists try to discredit our members and to keep them away from their struggle for the socialist revolution. Be watchful, comrades! Adhere strictly to the rules of illegality that Enver's Party has taught you during its glorious liberation war against the fascist occupiers and their quislings! The Comintern (SH) and all her Sections stand solidly at your side and support you with all our strength.

Today, the Albanian people experience the consequences of the world capitalist crisis firsthand, and they will protest, fight and rise up. In order to unify the liberation struggle of the Albanian people under your communist banner, it is necessary that you build up a strong Albanian Section of the Comintern (SH).

We know, that you Albanian comrades are still suffering from the current situation of the split within the Albanian Communist Movement. It is therefore the most urgent task of the Albanian Section of the Comintern (SH) to overcome the primitiveness of individual circle-groups who are competing among each other instead of beating jointly the rule of the capitalist bourgeoisie. The split of the various groups means a weakening of the Albanian communist movement as a whole. It is necessary to establish a revolutionary united front under the joint banner of Comrade Enver Hoxha. Only through the struggle for unity can the Albanian communist movement be transformed into strength. However, the unity of the Communist groups in Albania can only be achieved in the struggle against opportunism - against the opportunists and not together with the opportunists.

The unity of the Albanian Communists rests on the common will and on the common action to turn Albania back into a socialist country. But that is not yet the decisive point. The decisive factor is revolutionary unity for the armed overthrow of the dictatorship of the bourgeoisie. A new socialist Albania can flourish only through the violent socialist revolution. Unity can therefore only exist with those forces which follow the revolutionary path of the Albanian Section of the Comintern (SH) which is guided by the teachings of Stalinism-Hoxhaism.

Therefore it is indispensable to draw a clear line tirelessly and obstinately between us and the Albanian opportunists, the lackeys of the Albanian social-fascists.

The unity of the Albanian Communists will be successful only on the basis of Stalinism-Hoxhaism.

Dear comrades,

The PLA with Enver Hoxha at the head has taught you everything how the revolutionary struggle for socialism in Albania is to be conducted. It is now important to implement these valuable teachings consistently and to strengthen the Comintern (SH) in Albania.

The Comintern (SH) and her Sections wish the Albanian Section a lot of success, courage and endurance. We are sure that you will overcome all difficulties in the future , namely in the same way as the PLA has overcome all difficulties in the past.

The victory will be ours if we follow firmly the banner of comrade Enver Hoxha!

Honor and glory to the 77th anniversary of the PLA!

Long live comrade Enver Hoxha - the 5th Classic of Marxism-Leninism!

Long live Marx, Engels, Lenin, Stalin and Enver Hoxha!

Long live the socialist revolution in Albania!

Long live the Comintern (SH) and her Albanian Section!

Long live the unity of all Albanian communists under the banner of Stalinism-Hoxhaism!

Dear Albanian comrades,

in this year we also celebrate the 70th anniversary of the first Congress of the CP Albania. This is a special occasion to be honoured by learning from it for the future of world socialism.

We have published the report of comrade Enver Hoxha to the First Congress in seven languages and wrote a theoretical text on its significance.


Wolfgang Eggers
Communist International (Stalinist-Hoxhaists)
November 8, 2018

 

Mensagens de solidariedade

Mensagem de Saudações da Secção Portuguesa do Comintern (EH)

por ocasião do quarto aniversário da sua fundação


08 de Novembro de 2011 - 8 de Novembro de 2018

 

 

Neste dia histórico, comemoramos o aniversário da fundação do Partido do Trabalho da Albânia (PTA) e os aniversários da fundação das Secções do Comintern (EH) - incluindo o da sua Secção Portuguesa.

O período revolucionário mundial veio como resultado da profunda crise do capitalismo mundial. As actividades das seções são a única conclusão correta de lidar com esse desafio.

A questão da revolução socialista mundial e da construção do socialismo mundial tornou-se uma questão de solução prática.

O capitalismo mundial só é completamente eliminado se totalmente removido em cada país. Sem as revoluções socialistas em cada único país, nunca pode haver revolução socialista mundial vitoriosa. O socialismo mundial não pode ser criado sem o socialismo em cada país. Apenas com base nas suas secções, o Comintern (EH) é capaz de liderar e proteger a revolução socialista mundial com êxito.

Seções desempenham um papel indispensável para a preparação da revolução socialista mundial em cada país. Como o proletariado mundial baseia-se no proletariado de cada país, o Comintern (EH) depende de suas seções.

Seções reconhecer e seguir as regras e normas do Partido Bolchevique Mundial e da disciplina de ferro do proletariado. Eles lutam para o fortalecimento e defesa do Comintern (EH), que é o partido do proletariado mundial. As Secções estão lutando unidos pelo objectivo comum de revolução socialista mundial, da ditadura do proletariado mundial, do socialismo mundial e do comunismo mundial.

Cada Secção tem de aplicar correctamente a Linha-Geral, da Plataforma e os outros / documentos programáticos teóricos da Comintern (EH) sob as condições particulares de seus respectivos países. Eles devem participar no desenvolvimento e na melhoria do Comintern (EH) em todos os campos.

Desde a sua fundação, a Seção de Portuguesa do Comintern (EH) tem como objectivo cumprir honrosamente todos esses deveres revolucionários que pertencem a cada secção do Comintern (EH). Com a ajuda de nossos camaradas das outras secções e da liderança invencível do Comintern (EH), temos a certeza de que o amanhã é nosso.

A Secção Portuguesa do Comintern (EH) deseja a todas as outras Secções muitas militantes lutas, sucessos e vitórias em nossa luta comum e unida para a revolução socialista mundial!

Rumo a novos grandes lutas e vitórias do proletariado mundial em cada país!

Vivam as Secções Portuguesa, Alemã e Georgiana do Comintern (EH)!

Viva o Comintern (EH)!

Viva a revolução socialista mundial violenta!

Viva a ditadura armada do proletariado mundial!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Vivam Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha - os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo!

 

 

8 de Novembro de 2018

Há 77 anos ... 

 

 

Viva o 8 de Novembro de 1941!!  

O 77º aniversário da fundação do Partido do Trabalho da Albânia!

 

 

Grande Revolução Socialista de Outubro

de 1917

 

 

 

1917 - 2018

 

 

 

Mensagens de Solidariedade

 

Greeting Message of the Comintern (SH) on occasion of the 101st anniversary of the Great October Socialist Revolution

on 7th of November 2018

 

Today, the world proletariat celebrates the 101st anniversary of the Great October Socialist Revolution.

We greet all Sections and comrades all over the world. We are especially in solidarity with our Russian Section of the Comintern (SH) which works bravely in deep illegality ! We send our best wishes to the Russian Section for successful struggle in the coming difficult new year.

The Great October Socialist Revolution is the most important event in the complete history of mankind. As communists we have to fight unwaveringly against the capitalist-revisionist lies and to defend the truth about the Red October.

It was the Bolshevik Party with comrade Lenin and Stalin at the lead who guided the Russian proletariat in 1917 against the Russian imperialism. And this struggle must be continued until the current imperialist Putin Regime is defeated.

The Soviet Union of Lenin and Stalin established on the Victory of the October revolution had become the basis and to the lever of the proletarian world revolution.

Comrade Stalin explained the world meaning of the October Revolution as follows:

"In principle, the October revolution is different (...). It was not the aim of the October Revolution replacing an exploitation form by another exploitation form, replacing the one exploitation group by another one, but to eliminate every exploitation of man by man, to destroy all and any exploitation group, to establish the dictatorship of the proletariat, to put the power of that class, which is the most revolutionary of all suppressed classes having been till now, to organize a new, classless, socialist society. The victory just therefore means a basic change for the October Revolution in the history of mankind, a basic change in the historical process of fate of the world capitalism, a basic change in the liberation movement of the world proletariat, a basic change in the fight methods and the organization forms in the way of life and the traditions in the culture and the ideology of the exploited masses of the whole world. This is the reason, why the October Revolution is a revolution of international, of world importance " (Stalin, works volume 12, page 207, "the international character of the October revolution"; German version, KPD/ML 1971).

With the Great October Proletarian Revolution world capitalism was shaken to its foundations but not abolished. Understanding the international significance of the Red October means therefore nothing else but to crown it with the victory of the World Socialist Revolution, to disarm the world bourgeoisie and its world system of exploitation and oppression, to destroy world capitalism, to establish the dictatorship of the world proletariat and to build up world socialism and world communism.

Today, caused by the changed conditions of the globalized world, we create the basis and the lever for the final completion and international safeguarding of the Great Proletarian October Revolution by means of our fight for the Great Proletarian World Revolution.

This is our world political aim, this is our world political program, these are the lessons which we draw from the world historical event of 1917.

"World proletariat - unite all countries for the overthrow of world imperialism !"

For this purpose, all splits and divisions of the workers all over the world must be overcome and abolished.

It is the Western and Eastern camp of world imperialism which split the world proletariat. Both camps wage economic and military wars all over the world. In their largest troop maneuvers after the cold war both world camps prepared the Third World War in this year. They are in a brutal competition struggle for world hegemony which can only be stopped by the world socialist revolution. The world proletariat must creep neither under the one or the other "protection shield" of the imperialist world camps but struggle for its own world hegemony, for an anti-imperialist, anti-fascist world, for a socialist world without world imperialism. The world proletariat can create world socialism only on the ruins of the completely destroyed world capitalism.

The world proletariat is invincible, if it centralizes and globalizes its actions, if it struggles as one global class, guided by the proletarian world party, by the Communist International (Stalinist-Hoxhaists)!

For achieving this goal, the world proletariat must unify all forces under the invincible banner of Stalinism-Hoxhaism !

This is our message to the world proletariat, to all our Sections and to all comrades all over the world on occasion of the 101st anniversary of the Red October.

The October Revolution was invincible because it was guided by Marxism-Leninism. The world socialist revolution is invincible because it is guided by the teachings of the 5 Classsics of Marxism-Leninismus, Marx, Engels, Lenin, Stalin, and Enver Hoxha !


Long live the 101st anniversary of the Great October Socialist Revolution!

Long live world socialist revolution!

Long live Marxism-Leninism-Stalinism-Hoxhaism!

Long live the Comintern (SH)!

Comintern (SH)

7th of November, 2018

Wolfgang Eggers

 

 

GALERIA

 

 

 

Viva o 110º aniversário do camarada Enver Hoxha!



16 de Outubro de 1908

- 16 de Outubro de 2018

 

 

NESTE 110º ANIVERSÁRIO DO

CAMARADA ENVER HOXHA,

A SECÇÃO PORTUGUESA DO COMINTERN (EH)

ENVIA SAUDAÇÕES MILITANTES HOXHAISTAS A

TODOS OS CAMARADAS DE TODO O MUNDO!

VIVA O CAMARADA ENVER HOXHA

- O 5º CLÁSSICO DO MARXISMO-LENINISMO!

 

 

 

Viva o 110º aniversário do camarada Enver Hoxha - o quinto Clássico do Marxismo-Leninismo!

O camarada Enver é imortal - seu génio ilumina o nosso caminho para a revolução socialista mundial vitorioso!

Viva a luta anti-revisionista e anti-social-fascista!

Balas contra a classe burguesa mundial e o capitalismo mundial!

Morte a todos os tipos de imperialismo e de social-imperialismo!

Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!

Viva a revolução armada socialista mundial e a ditadura do proletariado mundial!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Viva o Comintern (EH)!

 

 

 

«Enver Hoxha. Vida e Obra. 1908 — 1985»

A época das revoluções proletárias mal começou. O aparecimento do socialismo representa uma necessidade histórica que emana do próprio desenvolvimento objectivo da sociedade. Isto é algo inevitável. As contra-revoluções que se têm produzido, os obstáculos que se lhe antepõem, podem prolongar por certo tempo a existência do ultrapassado sistema explorador, porém são impotentes para conter o avanço da sociedade humana em direcção ao seu futuro socialista."

(Enver Hoxha, O Eurocomunismo é anticomunismo, Tirana, 1980, edição em Português)

 

 

Há 5 anos atrás...

ENVER HOXHA

O 5º Clássico do Marxismo-Leninismo

e os Fundamentos do Hoxhaismo

 

em língua

Portuguesa

 

 

ENVER HODJA:

Ardor Revolucionário em Defesa do Marxismo-Leninismo

O artigo de Manuel Quirós sobre Enver Hodja foi escrito em 1974.

 

Enver Hodja nasceu na cidade de Arguirokastro, em 16 de Outubro de 1908. Filho de uma família mulçumana, freqüentou a escola primária da cidade natal, que foi um dos  mais antigos centros das aspirações nacionais albanesas, e aí aprendeu, além das primeiras letras, um sentimento patriótico muito elevado, de total identificação com os interesses populares.

No período da revolta democrática de 1924, conduzida pelo bispo ortodoxo e poeta Fan Noli, revolta inconseqüente que iria levar ao regime tirânico de Ahmet Pacha, apoiado por sérvios e italianos, Enver Hodja, então estudante em Kortcha, organizou a primeira manifestação de estudantes contra a opressão. Conhece, nesta altura, pela primeira e última vez na sua vida, o cárcere, aos 16 anos de idade, com muitos colegas do liceu.

Definição como comunista

Como brilhante aluno do liceu francês de Kortcha, Enver Hodja recebe, em 1930, uma bolsa do governo albanês a fim de fazer os estudos superiores na França, para onde parte no fim desse mesmo ano.

Na França, inscreve-se na faculdade de ciências Montpellier, no final de 1931, com 23 anos, e, dentro em breve, entra nas fileiras do Partido Comunista Francês (PCF).

O regime de Zogu segue a sua evolução ideológica, e faz com que lhe seja suprimida a bolsa de estudos, em feve-reiro de 1934. Enver Hodja é então obrigado a ir para Paris à procura de trabalho, e, na capital, começa a escrever, como colaborador, para o jornal do PCF  L´Humanité onde denuncia a ditadura de Zogu, que conduz a Albânia para o fascismo mais descarado, para a entrega total à Itália de Mussolini. Em seus artigos contra o fascismo, Enver Hodja chega mesmo a prever a ocupação da Albânia pelas tropas italianas, o que veio a suceder em 07 de abril de 1939.

Em Paris, Enver Hodja esteve em ligação direta com os imigrantes albane-ses, sobretudo com o grupo de comunistas que tenta criar uma “frente democrática” contra o regime Zogu, na linha das frentes populares proposta pelo Komintern como única forma de luta eficaz contra o fascismo.

Enquanto muitos outros jovens, individualmente ou aconselhados pelo grupo de Paris, partem para as brigadas internacionais, que se vão bater na guerra-civil da Espanha, Enver Hodja regressa à Albânia

Depois de um período de vários meses sem trabalho, Enver Hodja ensina, durante quatro meses, no liceu de Tirana. Em seguida, por causa do domínio da língua francesa, foi enviado para o liceu de Kortcha, onde utiliza as aulas para difundir as idéias marxistas, sob a capa democrática e antimonárquica, para assim passar mais despercebido à repressão, que o conhece bem.

Ao mesmo tempo, dedica-se à atividade política clandestina, como membro do grupo comunista de Kortcha, do qual é um dos militantes mais ativos, sobretudo no movimento sindical, ajudando os operários das oficinas artesanais e das pequenas fábricas, da cidade e dos arredores, a organizarem-se no seio das associações profissionais.

Destituído do seu posto do liceu, em 1939, sob o pretexto de não ter querido filiar-se no partido fascista, mas de fato, por ter sido um dos organizadores da grande manifestação antifascista de Kortcha, do mesmo ano, Enver Hodja passa a só poder atuar na clandestinidade.

A esta altura, ainda reina grande confusão nos grupos comunistas albaneses, separados por profundas divergências internas. Só o grupo comunista de Kortcha defendia, na prática, a criação de um verdadeiro partido comunista e o lançamento da frente anti-fascista. Foi como representante do grupo de Kortcha e com a missão de impor, pelo debate e persuasão, estas posições de princípio, que Enver Hodja foi enviado a Tirana, nos princípios de 1940.

Frente a esta situação política bastante complexa e confusa, que oscilava entre o mais descarado oportunismo de direita e o sectarismo cego, o trabalho de Enver Hodja foi prolongado e difícil, até à afirmação prática, mobilizadora, de uma linha com o completo apoio das massas populares, de luta declarada contra o fascismo.

Partido do Trabalho nasce no fogo da luta

O início da guerrilha popular, no fim de 1940, com o total apoio do grupo de Kortcha, e o deslocamento de Enver Hodja para a montanha, em contato direto com a guerrilha, em junho de 1941, deu uma contribuição decisiva  para a unidade política de princípios com os outros grupos, proporcionando o reconhecimento prático da vanguarda proletária na sua atuação concreta.

Enver Hodja consegue convocar, em 3 de novembro de 1941, uma reunião de todos os grupos comunistas, na qual luta para convencer todos os oportunistas de direita e os esquerdistas de que é possível a construção do Partido num país de classe operária reduzida. Mostra na ocasião que o partido unificado será a condição básica da vitória, a única forma de a Albânia não cair sob a hegemonia de vizinhos poderosos.

A 8 de Novembro de 1941, nasce o Partido do Trabalho da Albânia. Enver Hodja é nomeado, no ato da fundação, primeiro secretário do comitê central e passa a viver nas zonas montanhosas libertadas, onde as nove guerrilhas populares albanesas passam a formar o corpo central de combate do Exército Popular de Libertação. O jornal Zeri i populit (Voz do Povo), criado em agosto de 1942, sob a direção do primeiro secretário do PTA, surge como o elemento unificador de todo o partido, como transmissor a todos os seus membros, da teoria marxista-leninista, da linha única política, ideológica, organizativa e de ação do proletariado revolucionário.

Construindo o socialismo

Em 28 de Novembro de 1944, depois de três anos de luta vitoriosa à Frente do PTA, condutor do Exército Popular de Libertação e da Frente Popular de Libertação, Enver Hodja entra em Tirana e é eleito chefe do governo democrático da Albânia, que se estrutura sob a forma política de ditadura do proletariado vitorioso. É o início da construção do socialismo na Albânia, mas é igualmente o alvorecer de novas lutas.

É também nesta altura que Enver Hodja casa com uma professora e militante do PTA, Nedjmie Djolini, filha de uma família mulçumana da cidade de Dibra, integrante do Partido desde a fundação e responsável pela Juventude Comunista, que sempre teve uma intensa atividade política, com um papel muito ativo no movimento de emancipação da mulher albanesa.

Em 14 de Julho de 1947, Enver Hodja faz uma viagem a Moscou, a convite do secretário-geral do PCUS  Stálin. Desse encontro, derivam os primeiros acordos comerciais e culturais entre os dois países socialistas, bem como o auxílio técnico soviético, num momento em que a Albânia está no auge do esforço da industrialização e de preparação dos terrenos pantanosos do litoral para a agricultura.

Desde 1947, o presidente da Iugoslávia, Josip Broz Tito, deixa claro o desejo de anexar a Albânia, o que não passa de uma política burguesa mascarada de marxismo, que procura transformar a Albânia na sétima república da Federação Iugoslava. Mas, se encontra adeptos dentro do próprio PTA, a idéia suscita, no geral, uma oposição firme na maior parte do Comitê Central e uma total repugnância nas massas populares.

Além da independência política, da afirmação do direito de “cada povo dispor de si próprio”, segundo os princípios básicos de Lênin e de Stálin, a luta contra a tentativa de ingerência iugoslava é, também, a luta entre duas linhas: a linha proletária, o caminhar sobre as suas próprias forças, e a linha capitalista de dar predominância à técnica afastada das massas populares, seus meros executantes. É caminhando com as forças do povo que o PTA realiza a reforma agrária, pratica a diversificação da indústria e da agricultura, precavendo o abastecimento interno, para evitar qualquer gênero de dependência, qualquer tipo de chantagem econômica, como a URSS tentou fazer em 1960, ao cortar o fornecimento de trigo e de carvão, na sua tentativa infrutífera de dominar os albaneses.

O 20.º Congresso do PUCS, em 1956, no qual se juntam os representantes dos interesses da nova burguesia soviética, instalada no aparelho do PUCS e do Estado, nos seus ataques a Stálin abre o combate declarado contra a ditadura do proletariado, mas levanta uma onda de protestos na Albânia contra a defesa de posições burguesas reacionárias.

Seis meses depois do 20.º Congresso do PUCS, Enver Hodja vai a Pequim, à frente da delegação do PTA convidada a assistir ao 8.º Congresso do Partido Comunista da China (PCC), de setembro de 1956. As relações com a República Popular da China, que se tinham incrementado a partir de 1956, com grandes fornecimentos de arroz à Albânia, estreitam-se ainda mais.

Em 1960, em Bucareste, no Congresso dos 81 Partidos Comunistas e Operários, Enver Hodja é o primeiro dirigente a fazer a denúncia pública do revisionismo moderno da própria tribuna do Congresso. Em 1961, o PTA, com Enver Hodja, abandona o Pacto de Varsóvia, denunciando-o como força agressiva contra os povos do mundo, como tentativa de domínio, por parte da URSS, dos países da Europa Oriental e das massas populares

Sob o controle das massas

Em 1967, inicia-se, com toda força e prestígio do PTA, a Revolução Cultural, conduzida pessoalmente por Enver Hodja, processo de extinção das classes e de crescimento ideológico, levado a efeito sob a ditadura do proletariado. A Revolução Cultural incidiu em todos os setores da produção e da vida social. Enver Hodja, que dirige e participa ativamente de todo o processo da Revolução Cultural, apresenta, citando Stálin, a forma correta da sua condução: “ Organizar o controle pela base, organizar a crítica de milhões de homens da classe operária contra o espírito burocrático das nossas instituições, contra os seus defeitos, contra os  seus erros… Só deslocando o centro de gravidade para a crítica da base podemos esperar o sucesso na nossa luta e o burocratismo será extirpado”.

O informe político de Enver Hoda ao 6.º Congresso do PTA contém a essência política e ideológica de todo o movimento da Revolução Cultural, da luta contra o revisionismo, das bases para a continuação da construção do socialismo e  é também o reconhecimento de que é um caminho longo e difícil, um caminho de constante apuramento político e ideológico, perante o cerco do imperialismo e do social-imperialismo soviético, de continuação da luta da classe operária, de participação dos comunistas em todos os trabalhos de vanguarda, sobretudo nos mais perigosos, que exigem maior esforço e dedicação, do seu exemplo no seio do povo, do seu trabalho ao serviço do povo – como afirma Enver Hodja no Discurso histórico de 2 de Fevereiro de 1973 – de total abdicação de si próprio, sem vantagens econômicas ou regalias particulares, mas pela obrigação do seu elevado grau de consciência política, de construtores do mundo novo.

(Manuel Quirós (1939-1975), professor português, ficou preso durante quatro anos (1965-1969) nos porões da PIDE, a temida polícia política da ditadura salazarista.
Foi solto em decorrência do seu estado de saúde, debilitado em razão das torturas sofridas no cárcere. Mas a doença não o acomodou.
Dedicou-se à reconstrução do Partido Comunista Marxista-Leninista de Portugal até o último instante de sua vida.)

 

 

 

 

viva o 4º aniversário!

1. outubro de 2014 - 1º de outubro de 2018

 

A Solidariedade Comunista Internacional

SCI

DECLARAÇÃO FUNDADORA


ASolidariedade Comunista Internacional(SCI)- este é onome da organizaçãoque éfundada peloComintern(EH) -neste diamemorável.

Nós ajudamostodas asvítimas doterror brancoeda justiça de classereaccionária

-Nacontinuação da tradiçãogloriosa daAjudaVermelha Internacional(AVI).


A Solidariedade Comunista Internacional (SCI) é uma organização proletária mundial, que organiza a solidariedade como um princípio fundamental da Internacional Comunista.

Lutamos pela revolução socialista mundial por meio da solidariedade, no espírito do internacionalismo proletário.

"Vamos ter em mente esse princípio fundamental da Internacional: solidariedade. É por estabelecer este princípio que dá a vida em uma base confiável entre todos os trabalhadores em todos os países que devem alcançar o grande objectivo que perseguimos. A revoluçãodeve exibirsolidariedade." (Karl Marx, MEW, Volume 23, página 256)


A solidariedade é a arma mais forte, á qual nenhum adversário resiste.

Os trabalhadores são impotentes contra o capital internacional, mas quando eles se unem em escala mundial, eles vão tornar-se numa grande potência. Na luta comum contra o capital, o sentimento de ódio contra a opressão cresce em todo o mundo. Isso fortalece o sentimento de solidariedade internacional dos trabalhadores, inspira sua luta pela emancipação global. A solidariedade internacional é uma poderosa força motriz da luta de classes do proletariado mundial. O ódio contra o capitalismo mundial, e a solidariedade dos trabalhadores na luta comum contra a exploração global e opressão, protege os trabalhadores da desmoralização que é causada pelas condições miseráveis ​​de vida, a natureza coercitiva do trabalho sob o capitalismo e a escravidão, das leis desumanas dos governantes. A burguesia mundial está plenamente consciente do perigo do grande poder da solidariedade proletária mundial e, portanto, envolvida na clivagem. A contra-revolução tenta derrubar todos os laços de solidariedade proletária. Mas o proletariado mundial vai inevitavelmente superar todas as pressões e divisões. E tudo o mais, isso vai reforçar a solidariedade dos trabalhadores, o amor da liberdade, bravura, heroísmo, o respeito mútuo, a ajuda e cuidado, colectividade, companheirismo, amizade e sacrifício em favor da questão da classe proletária.

A solidariedade internacional do comunismo é, portanto, não é uma ideia fictícia, mas resultado necessário do desenvolvimento social, expressão da moralidade do globalmente crescente revolucionário da luta de classes.

A verdadeira solidariedade pode ser desenvolvida apenas por uma classe sem propriedade como o proletariado mundial. A propriedade privada produziu a burguesia como classe proprietária, que não age de acordo com os princípios de solidariedade, mas de acordo com as leis de estupro de maximização do lucro, que produzem os crimes mais cruéis contra a humanidade. Portanto, a propriedade privada abre o caminho para a sua própria abolição. Solidariedade da classe sem propriedade é mais forte que o egoísmo de classe dos proprietários.

A posição ideológica da SCI é baseada nos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha. Nós só podemos ganhar se a maioria das massas oprimidas e exploradas em todo o mundo estará em solidariedade com as ideias do comunismo mundial. Só assim, eles vão superar as divisões e fragmentações e irá formar uma frente global unificada contra a contra-revolução internacional.

Até agora, todas as organizações de solidariedade revolucionária dos comunistas foram destruídas pela contra-revolução ou manobrado em águas reformista-revisionista. É por isso que estão conscientes sobre diversos críticos da nossa declaração de fundação. Defendendo a independência das organizações comunistas não é "sectarismo", mas uma necessidade que emana de más experiências do movimento comunista mundial. A SCI é uma ajuda organização comunista do Comintern (EH). Isso significa: sem a liderança do Comintern (EH) não haverá organizações de massas comunistas.

As nossas acções de solidariedade são baseadas nos fundamentos ideológicos e políticos do Comintern (EH), como ancorada na linha geral (especialmente no capítulo "Revolução mundial e contra-revolução internacional").

A nossa ajuda internacionalista tem o carácter de classe do proletariado e é uma parte inseparável da nossa luta de classes internacional. A nossa ajuda não se limita apenas aos nossos membros, mas serve toda a classe trabalhadora internacional, todas as classes exploradas e oprimidas.

Qualquer um pode se tornar um membro da SCI, se você apoiar a Frente Revolucionária de solidariedade contra a contra-revolução.

A SCI será equipada com o centralismo democrático e é representada em cada país por sua Secção.

Todo o comunista está comprometido com a solidariedade comunista e deve, portanto, ser automaticamente um membro da SCI.

Nós, comunistas, apoiamos a solidariedade dos trabalhadores na luta de classes internacional. Nós, comunistas, lutamos na linha de frente contra a contra-revolução internacional. Nós lutamos pela abolição revolucionária da dominação de classe da burguesia mundial. Portanto, nós, comunistas, são considerados como os piores inimigos de aula e são brutalmente combatido pela contra-revolução. A guerra de extermínio contra o comunismo mundial, travada pela contra-revolução internacional, é dirigida principalmente contra as nossas organizações comunistas e os nossos sócios e simpatizantes.

Mas o terror de estado do sistema capitalista mundial não parar em nada. Ele oprime todo o proletariado mundial e todas as outras classes oprimidas.

Há fura-greves contra trabalhadores em greve. Os sindicatos reformistas trabalhar lado a lado com os capitalistas e seu Estado contra sindicalistas revolucionários, contra qualquer um que perturbar a "paz dentro da empresa". A SCI luta contra todas as proibições, contra qualquer deficiência e repressão do revolucionário luta sindical e luta revolucionária dentro das empresas.

Protestos de agricultores são suprimidos e revoltas camponesas são derrubadas brutalmente. A SCI suporta todos os camponeses revolucionários que estão sendo perseguidos e punidos por sua luta de libertação.

A polícia toma medidas contra a juventude que protesta nas ruas, na escola, nas universidades ou nas empresas. A SCI organiza a solidariedade da juventude lutando na luta contra o terror do estado capitalista.

Além disso, os requerentes de asilo e refugiados políticos são suprimidos por leis e tratamentos desumanos burgueses. A SCI organiza solidariedade para com os requerentes de asilo e refugiados políticos, suporta as suas greves de fome e outras formas de sua luta, com os quais eles protestam contra a discriminação e tratamento desumano. O racismo e a discriminação nacionalista são crimes contra a humanidade e destina-se principalmente contra as classes oprimidas e exploradas de países estrangeiros. A SCI protege essas pessoas com a arma do internacionalismo proletário.

A SCI apoia quem é discriminado e criminalizados por causa da sua luta contra a barbárie capitalista. Qualquer um que se opõe à dominação do capital está ameaçado de ser punido pelas classes dominantes. As leis são as leis da classe dominante contra as classes oprimidas. Aqueles que lutam contra o capitalismo violam as leis capitalistas e são tratados como "bandidos" e são punidos como "membros de uma organização criminosa". A violência reaccionária é justificada como "defesa da liberdade" e a violência revolucionária é combatida como "terrorismo". Na luta contra as organizações revolucionárias, a contra-revolução adopta todos os meios legais e ilegais. A SCI está em solidariedade com as actividades de todas as organizações revolucionárias que lutam contra a contra-revolução.

A SCI considera como sua tarefa de esclarecer as massas em todo o mundo sobre a natureza de classe de ferramentas de cancelamento do sistema capitalista mundial, e traz todos os crimes à luz. Nós desmascarar a mídia contra-revolucionária que serve para fabricar as suas misturas de mentiras. A imprensa "livre" só é livre desde que ela permite que a dominação burguesa permaneça intocada. A SCI traz os crimes de processos políticos e cativeiro político ao público e está a mobilizar as massas para acções de solidariedade.

E a liberdade de reunião? Assim que é dirigida contra o sistema opressor capitalista, ela vai ser restrita ou mesmo proibida. A SCI luta contra qualquer restrição, proibição e contra qualquer tipo de violência ou obstrução de reuniões, comícios e manifestações, que são dirigidos contra os exploradores capitalistas e sistema de supressão.

A SCI é especialmente em solidariedade com os revolucionários que são forçados a passar à clandestinidade na luta contra a contra-revolução.

Os próprios governantes violar suas próprias leis. Há um duplo padrão: a violência reaccionária fica impune - a violência revolucionária é punida como um crime. Os direitos de uma minoria dominante é protegida e os direitos da grande maioria da população do mundo são pisoteados.

A dominação de classe da burguesia significa prisão política, justiça arbitrária, tortura, desemprego, ruína financeira, perseguição, estupro, crueldade mental, isolamento, intimidação, chantagem, ameaças, golpes e tiros, fluxos intermináveis ​​de lágrimas e sangue. Sim, as ferramentas do estado de opressão, como as agências de inteligência, espiões, polícias, exército e justiça de classe, eles nem sequer parar em assassinatos políticos. Milhões de comunistas e suas famílias foram mortos pelo terror branco. É nossa tarefa assegurar que isto nunca será esquecido.

Mas, com a repressão global também a resistência globalizada cresce. O espírito de opressão domina o mundo. Mas um dia, a humanidade vai libertar-se de todos os algozes.

A arma global de solidariedade revolucionária se transforma em solidariedade global das armas revolucionárias!


Os inúmeros julgamentos contra os comunistas e organizações comunistas e acções comunistas são expressão não da força da burguesia, mas de sua fraqueza. A classe capitalista teme o seu fim histórico e faz a cabeça contra a tempestade da revolução socialista mundial violenta que irá varrer toda a opressão e a exploração do homem pelo homem.


O comunismomundial não pode serproibido!


A brutalidade cresce em tempos de crise, a guerra e o fascismo - ou seja, especialmente nos momentos em que os exploradores não pode governar da mesma maneira como antes, e quando o povo oprimido que não gosta de ser explorado como antes. O movimento revolucionário mundial é reforçado pelo movimento global de solidariedade. Novos lutadores vão seguir e encher nossas fileiras.

A SCI é o símbolo da força da solidariedade proletária na nossa luta de classe mundial e atende principalmente ao apoio material e moral de todos os que são afectados pela violência brutal do sistema capitalista de Estado.


Uma lesãocontraum éuma lesãocontra todos!


Estamos sempre com o pé na barricada e o outro pé em nosso túmulo. Não poupamos sacrifícios na luta para a eliminação da exploração e opressão do homem pelo homem. E nós também não poupar sacrifícios para ajudar os nossos companheiros na adversidade, organizar a solidariedade para eles, e para libertá-los das garras da burguesia.


Liberdade para todos os presos políticos!


Durante a nossa defesa contra as invasões da contra-revolução, nunca perdemos de vista o objectivo final, ou seja, acabar com as atrocidades da contra-revolução para sempre.

"O poder político propriamenteé o poderorganizado deuma classe paraa opressão de outra." (Manifesto Comunista)

"A história nos ensinaque nenhumaclasse oprimidasemprefez, oupoderia, alcançar o podersem passar por umperíodo de ditadura, ou seja, a conquista do poder político erepressão violenta daresistênciasemprepelos exploradores-uma resistênciaque é maisdesesperado, maisfurioso,e quepára emnada." (Lenine, Volume 28, página 458)

"Mesmo quea burguesiaainda estãoem fúria,mesmo que eles podemmataroutros milhares detrabalhadores, a vitória será nossa, a vitória da revolução comunistamundialestá garantida." (Lenine, Volume 28, página 456)

E a rejeição revisionista da violência revolucionária? Com essa traição que prometem perspectiva de aliviar o sofrimento e sacrifício. Os revisionistas querem nos fazer crer que pudessem apaziguar as forças da contra-revolução por meio de suplicando e implorando, por meio de petições e reformas. Assim, os revisionistas tornar-se cúmplices da contra-revolução. Frases mentirosas, frases ocas significar a morte de solidariedade, e, portanto, a morte política do proletariado mundial.

Aqueles que consolam os escravos, em vez de se rebelarem contra a escravidão, os que minam a solidariedade, o apoio dos senhores de escravos. Por meio da força bruta dos carrascos bater o protesto e a indignação do povo oprimido. Enquanto os revisionistas promover a reconciliação entre os oprimidos e os opressores, para manter as classes oprimidas longe de actos revolucionários, para minar o seu espírito revolucionário, e para destruir a sua determinação revolucionária. Os revisionistas são informantes, e eles traem não apenas as ideias de solidariedade comunista, mas também os comunistas. Os revisionistas são o braço prolongado da contra-revolução dentro do movimento revolucionário. Finalmente os revisionistas se transformam em carrascos social-fascistas da Revolução, uma vez que eles têm tomem o poder. A nossa solidariedade comunista com os combatentes revolucionários, portanto, nunca para na fronteira dos países social-fascistas.

Estamos em solidariedade contra todas as formas de violência que é exercida contra as classes exploradas e oprimidas nesta terra. Mas nenhuma forma de violência pode finalmente ser removida sem abolição da sociedade de classes.

A nossa assistência às vítimas da contra-revolução está, portanto, sempre intimamente ligada com a luta do Comintern (EH) para eliminar a inevitabilidade da contra-revolução, estabelecendo a ditadura mundial do proletariado. O proletariado precisa não só da Internacional Comunista para a criação e defesa de sua dominação do mundo, mas também da organização da solidariedade comunista internacional. Assim como o Comintern (EH) é a organização sucessora da Internacional Comunista, a SCI é a organização sucessora do SVI. Ambas as organizações mundiais estão necessária e indispensável, tanto no capitalismo e socialismo. A SCI está empenhada em lutar no espírito do SVI.

A SCI considera como uma de suas tarefas fundamentais para transformar a raiva eo ódio das massas trabalhadoras contra as crueldades dos reaccionários em uma arma afiada de solidariedade. Com o apoio da SCI, os proletários de todos os países expressam sua compaixão com o sofrimento das vítimas, que lutam pela libertação do proletariado mundial. A organização de classe solidariedade começou historicamente já com o primeiro despertar do proletariado. Há solidariedade de classe, desde que há lutas de classes. Desde o surgimento da sociedade de classes, a solidariedade das classes oprimidas contra as classes opressoras desempenha um papel importante na luta de classes e para o progresso de toda a sociedade. Mas os proletários de todos os países foram os primeiros na história que acentuou a arma da solidariedade de classe em uma escala global. Considerando que, na escala global não é a única ou decisiva marca da solidariedade de classe proletária.

A solidariedade da classe operária difere bastante significativa a partir da solidariedade de todas as outras classes oprimidas anteriores, ou seja, em que os trabalhadores se unem a solidariedade de todas as outras classes oprimidas com a sua própria solidariedade para fazer solidariedade invencível.

O proletariado mundial não pode libertar-se de suas correntes, sem, ao mesmo tempo, para quebrar as correntes de toda a sociedade de classes. É por isso que a solidariedade comunista não é apenas uma solidariedade partidária da classe operária revolucionária. Solidariedade proletária inclui expressiva solidariedade para com todas as outras classes oprimidas em todo o mundo que todos sofrem sob a violência da contra-revolução.

A classe trabalhadora é a única classe na história da humanidade que se conecta a sua solidariedade de classe com o objectivo de criar uma sociedade mundial sem classes. Assim, o proletariado mundial transforma sua própria solidariedade de classe, em combinação com a solidariedade de todas as outras classes oprimidas em uma poderosa solidariedade sem classes.

A solidariedade comunista internacional é a fase superior do padrão de convivência humana, que se desenvolveu desde o início da sociedade de classes, na luta contra a exploração e opressão. O futuro da humanidade depende da solidariedade com a revolução socialista mundial - e essa solidariedade pode ser outra coisa senão a solidariedade proletária.

Ambos, a libertação da humanidade através do socialismo mundial e o desenvolvimento da sociedade comunista mundial, serão o resultado dos esforços da "Solidariedade Comunista Internacional".

A solidariedade comunista internacional não termina com a eliminação da sociedade de classes. Pelo contrário. A solidariedade comunista globalizada vai desdobrar-se na plena floração na sociedade sem classes, na época do comunismo mundial.

A partir de hoje, há uma solidariedade comunista internacional.

Por todas as vezes que a SCI vai ocupar um lugar notável na história da humanidade.  



Combatentescomunistasde todos os países, louvemosa glória dasolidariedade!
Uma vez que éa arma mais forte, á qual nenhumadversário resiste.


Viva aSolidariedade Comunista Internacional!

O Comintern (EH)

1 de Outubro de 2014

 


 

 

 

Desenvolvimento da Filosofia do Marxismo por Lenine e Stalin

 

 

 

Mensagens de solidariedade

 

Apelo do Comintern (EH) 

1 de Setembro de 1939 – 1 de Setembro de 2018

 

 Viva o dia anti-guerra vermelho 2018! 

Em 1 de Setembro de 1939, a Segunda Guerra Mundial começou.

O imperialismo significa guerra!

O imperialismo mundial é a causa de todas as guerras imperialistas!

As potências mundiais imperialistas devem todos ser derrubados!

O imperialismo mundial será derrubado pela violenta do proletariado, revolução socialista mundial!

Na vanguarda dos povos anti-imperialistas, o revolucionário proletariado mundial vai estabelecer a sua ditadura do proletariado armado, a fim de garantir uma paz mundial duradoura!

Sobre as ruínas do imperialismo mundial, vamos construir o socialismo mundial e eliminar a inevitabilidade das guerras imperialistas para sempre!

Lutemos por um mundo sem classes e sem guerras!

Vamos lutar para comunismo mundial!

Vamos transformar a guerra imperialista em guerra civil!

Vamos quebrar o poder político e militar do imperialismo mundial!

Viva o dia anti-guerra vermelho de 2018!

Viva a guerra anti-imperialista!

Viva o exército proletário mundial!

Viva a revolução proletária mundial armada!

Viva a ditadura armada do proletariado mundial!

Viva Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!

Viva a Internacional Comunista (Estalinista - Hoxhaista)!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Tomar as ruas para a guerra contra a guerra imperialista!

 

Site especial 

em Inglês

em Alemão


 

 

 

 

 

 

123º aniversário da morte

5 de Agosto de 1895 – 5 de Agosto de 2018

Frederick Engels

 

 

Site especial 

em Inglês

em Alemão

 

 

Há 123 anos, Friedrich Engels morreu.

"Vamos sempre honrar a memória de Frederick Engels, um grande lutador e professor do proletariado!"

Lenine escreveu isso há 120 anos em seu famoso elogio, que o Comintern (EH) publicou em 16 línguas do mundo.

Viva o camarada Engels, o segundo clássico do Marxismo-Leninismo!

Viva os ensinamentos invencíveis dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!

Viva a revolução proletária socialista violenta e a ditadura do proletariado armado mundial!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Viva o Comintern (EH)!

 

 

Friedrich Engels

(1895)

 

 

 

 

 

 

 

WHAT IS STALINISM - HOXHAISM ?

 

16 - 07 - 2018

written by Wolfgang Eggers

published by the Comintern (SH)

A brief guide to the introduction

in some basic teachings of Stalinism-Hoxhaism

 

 

 

 

Há 77 anos atrás...

A GRANDE GUERRA PATRIÓTICA

COMEÇA ...

 

 

"O camarada Estaline dirigiu a Grande Guerra Patriótica do povo soviético à vitória sobre os ocupantes nazi-fascistas e defendeu com honra as conquistas históricas mundiais da Revolução de Outubro.

O significado internacionalista da Grande Guerra Patriótica, é que o camarada Estaline - como o líder do proletariado mundial - assim, abriu o caminho para a vitória do socialismo em escala mundial.”


O Comintern (EH)

22 de Junho de 2015

 

 

Site especial em

 

Inglês

Russo

Alemão

 

 

 

 

 

 

 

 

VITÓRIA SOBRE O

FASCISMO DE HITLER

 

9 de Maio de 1945 – 9 de Maio de 2018

 

 

Mensagens de Solidariedade


Mensagem por ocasião do

 

73º aniversário

 

da rendição Nazi-fascista

Viva o vitorioso Exército Vermelho guiados pelo grande marechal Estaline invencível!

O camarada Estaline era o maior general da revolução socialista mundial no campo de batalha da Grande Guerra Patriótica.

Aprendendo com o camarada Estaline significa: aprender a ser vitorioso - brilhantemente provado pela vitória do 9 de maio de 1945.

Esta grande vitória não foi limitada na destruição completa de Hitler fascismo. Era muito mais do que isso.

A 09 de maio de 1945 foi a maior vitória do proletariado mundial sobre a burguesia mundial no período do imperialismo mundial e da revolução socialista mundial, uma vitória do socialismo sobre o capitalismo, ou seja, em uma escala internacional.

A vitória sobre o fascismo de Hitler abriu o caminho para a vitória do socialismo mundial sobre o imperialismo mundial com base na criação do poderoso campo mundial estalinista.

A 09 de maio de 1945 é conhecido no dia da vitória da Grande Guerra Patriótica, que é comemorado pelo proletariado mundial e todas as classes oprimidas e exploradas.

A pátria dos povos soviéticos também foi a pátria de todo o proletariado mundial, e, portanto, defendido pela guerra de libertação antifascista em escala internacional.

A 09 de maio de 1945 é o dia da vitória de todas as classes exploradas e oprimidas que sofreram sob o jugo do fascismo.

A 09 de maio de 1945 prova que a vitória das classes oprimidas e exploradas sobre o fascismo é invencível se uniram sob a orientação do estalinismo.

No entanto, a derrota do fascismo foi apenas temporária - causada pela traição dos revisionistas modernos. Os imperialistas não foram capazes de derrotar o único país socialista do mundo, matando milhões de pessoas. Isso só foi possível através da colaboração com os inimigos internos da URSS - os revisionistas modernos.

A 09 de maio de 1945 nos ensina que o proletariado mundial só pode ser vitorioso sobre o fascismo se ele derrota simultaneamente social-fascismo que tanto prepara o caminho para o fascismo e a restauração do fascismo.

Portanto, defender o camarada Estaline e o Exército Vermelho, defendendo a paz no mundo de hoje, que pode significar nada, mas criando o exército vermelho do mundo das classes oprimidas e exploradas sob a liderança do proletariado mundial para a completa destruição do imperialismo mundial como fonte de fascismo e do social-fascismo.

O fascismo eo social-fascismo só pode ser derrotado pela eliminação do imperialismo e do social-imperialismo.

A última derrota do fascismo e do social-fascismo só pode ser garantida pela revolução socialista mundial e da construção do socialismo mundial.

As guerras imperialistas são expressão da re-divisão indispensável do mundo através de medidas extremas para cumprir a lei do imperialismo - ou seja, máximo de lucro com o sangue de milhões de pessoas.

A luta anti-fascista só é vitoriosa se for baseada no armamento dos anti-fascistas.

A história provou que o fascismo não pode ser superado de forma pacífica por meio do pacto com a burguesia - nomeadamente a "via pacífica para o socialismo" por meio de frente das pessoas.

Este experimento fracassou historicamente e aqueles que querem repetir esta falha de frente das pessoas, são apenas anti-fascistas em palavras, mas social-fascistas em acções.

Toda a fusão dos partidos social-democratas e os partidos comunistas levou a social-fascismo. Somente o PCUS e o PTA lutaram com sucesso contra a co-existência pacífica ou mesmo fusão do bolchevismo e menchevismo.

Somente o partido comunista que é guiado pelo bolchevismo é capaz de impedir o desenvolvimento em direcção ao fascismo e ao social-fascismo, é capaz de derrotar o fascismo e o social-fascismo, é capaz de impedir a restauração do fascismo e do social-fascismo.

E também a fusão de partidos revisionistas e neo-revisionistas com partidos comunistas inevitavelmente levam ao mesmo resultado - o fascismo e o social-fascismo.

Albânia conseguiu transformar a guerra anti-fascista em revolução socialista e da construção do socialismo. Esta é as lições anti-fascistas que aprendemos a partir camarada Enver Hoxha.

A aplicação das lições anti-fascistas do Estalinismo-Hoxhaismo isto significa:

luta armada anti-fascista / anti-social-fascista em escala mundial e sua transição para a revolução socialista mundial armado.

Só na base do Estalinismo-Hoxhaismo vamos conquistar o fascismo e o social-fascismo em escala mundial, hoje.

Portanto, devemos fortalecer o movimento mundial Estalinista-Hoxhaista.

Por isso precisamos do Comintern (EH) e secções de todos os países para a propagação e recrutamento do antifascista, exército mundial anti-imperialista e seu desenvolvimento para o exército vermelho socialista do proletariado mundial.

Só na próxima época do socialismo mundial a eliminação da inevitabilidade das guerras imperialistas são garantidos, no entanto não a sua evitabilidade. Enquanto as classes existe o perigo de a restauração das guerras imperialistas não pode ser excluída. A paz é uma questão de luta de classes que continua enquanto as classes existe - mesmo no período da ditadura do proletariado mundial.

Portanto, a paz da humanidade precisa da ditadura anti-fascista e anti-imperialista armada do proletariado mundial durante todo o período socialista entre a época do capitalismo e do comunismo.

Abaixo a propaganda anti-comunista da burguesia mundial

e falsificação burguesa-revisionista da história por ocasião do 09 de Maio de 1945!

Aprenda com o Generalíssimo Estaline!

Proletariado mundial

- UNE TODOS OS PAÍSES CONTRA O FASCISMO E O SOCIAL-FASCISMO!

GUERRA CIVIL CONTRA A GUERRA IMPERIALISTA!

VIVA A REVOLUÇÃO SOCIALISTA DO MUNDO!

VIVA A DITADURA DO PROLETARIADO MUNDIAL!

 Viva o 09 de Maio de 1945!

* * *

Site especial

PORTUGUÊS

 

 

 

 

 

Viva o 200º aniversário de Karl Marx!

5 de maio de 1818

5 de maio de 2018

 

Karl-Marx-Album

 

 

site especial em Inglês...


Saudamos todos os marxistas em todo o mundo, porque hoje nós celebramos o 200º aniversário de Karl Marx, o aniversário do nosso primeiro clássico do Marxismo-Leninismo.


Hoje é o aniversário de um dos maiores revolucionários da história humana.


Karl Marx colocou todo o seu pensamento revolucionário e suas actividades revolucionárias altruístas a serviço da libertação da classe operária internacional.


Karl Marx foi o fundador do comunismo científico. Ele criou a ideologia do proletariado e se tornou o grande líder e professor do proletariado mundial.

 

 

O marxismo é indelével. Hoje, o Comintern (EH) é o único verdadeiro defensor de Karl Marx e todos os outros quatro clássicos. Enfatizamos novamente, e vamos continuar a insistir, a saber que é impossível até mesmo para defender um único clássico, sem defender simultaneamente todos os quatro outros clássicos.


Guiada pelos ensinamentos invencíveis dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo estamos marchando resolutamente para a revolução socialista mundial, em direcção à ditadura do proletariado mundial em direcção ao socialismo mundial e do comunismo mundial.

Nós juramos cumprir o grande legado que Karl Marx nos deixou.

 

 

Viva Karl Marx - o primeiro clássico do Marxismo-Leninismo!


Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo, Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!


Proletários de todos os países - uni-vos!


Proletariado mundial - unir todos os países!


Abaixo o anti-Marxismo reaccionário aberto!


Abaixo a traição dos revisionistas e neo-revisionistas do marxismo!


Vivam os Estalinistas-Hoxhaistas que o reforço do ensino do marxismo-leninismo no mundo de hoje!


Viva o internacionalismo proletário!


Viva a revolução proletária e socialista mundial!


Viva a ditadura do proletariado mundial!


Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!


Viva o Comintern (EH) - o único defensor autêntico de Karl Marx e sua revolucionária, proletária herança!


 

 

Viva o 1º de Maio - 2018 !

O dia da luta de classes

internacional do

proletariado mundial!

VIVA O INTERNACIONALISMO PROLETÁRIO!

Viva a revolução socialista mundial!

Viva o comunismo mundial! 

Trabalhadores do mundo – uni-vos!

Proletariado mundial – une todos os países!

 

 

 

Em Portugal, o chamado movimento "comunista" é totalmente dominado por todos os tipos de revisionistas - desde os trotskistas para os maoístas -, mas esta situação não vai durar para sempre! O reforço da Secção Portuguesa do Comintern (EH) - sob a liderança centralizada do Comintern (EH) - é essencial não só para a emancipação do proletariado Português, mas também de todo o proletariado mundial.

Portanto, a fim de tornar-se um destacamento valente do futuro exército vermelho mundo, classes trabalhadoras portuguesas lideradas pelo proletariado deve maciçamente aderir à Secção Portuguesa do Comintern (EH). Este é o presente mais importante tarefa que massas exploradas portuguesas devem resolver e realizar. Assim, este é o nosso principal apelo a todos Português oprimidos e explorados em geral, e para todos os proletários e trabalhadores portugueses, em particular, neste Primeiro de Maio de luta sem precedentes contra todos aqueles que pretendem condenar trabalhadores portugueses para a escravidão sem fim, exploração, opressão e repressão sob ordem capitalista-imperialista. Estes planos sinistros da classe europeia e mundial mundo burguês e seus Português burguês-revisionista, neo-revisionistas e lacaios social-fascista inevitavelmente falhar. O socialismo mundial e o comunismo mundial não são apenas meras possibilidades - eles são realmente necessidades históricas. Através de sua regra selvagem orientada para o lucro máximo e sistema, mundo capitalistas-imperialistas estão cavando sua própria sepultura.

 

 

 

Trabalhadores portugueses e mundiais - uni-vos!


Proletários portugueses, trabalhadores e todas as classes exploradas e oprimidas - lutem contra os dois exploradores capitalistas internos e externos!


Lutar por uma ditadura proletária autêntica, lutar pelo socialismo genuíno em Portugal e em todo o mundo!


Não se deixe enganar pelas mentiras e mentiras reformistas promovidas pelos revisionistas portugueses, neo-revisionistas, social-fascistas e anti-comunistas!


Só a revolução socialista mundial pode libertar trabalhadores portugueses da opressão asfixiantes dos credores capitalistas-imperialistas estrangeiros!


Vamos construir revolucionários vermelhos sindicatos da ISV em Portugal!


Viva a Secção Portuguesa do Comintern (EH)!


Viva a Portugal socialista em um mundo socialista!


Viva o proletariado Português!


Viva o proletariado mundial!


Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!


Viva a violenta revolução proletária socialista mundial!


Viva a ditadura do proletariado mundial armada!


Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!


Viva o Comintern (EH) - a única organização autenticamente comunista do mundo!


Viva o revolucionário 1º de Maio vermelho!

 

 

01 de maio de 2018
em Lisboa

 

 

01 de maio de 1976
na Albânia

 

 

 

 

 

 

Viva o 148º aniversário de  

Lenine!

22 de Abril de 1870 – 22 de Abril de 2018

 

“Sem teoria revolucionária, não há prática revolucionária.”
― Vladimir Lenin

 

“Os capitalistas chamam 'liberdade' a dos ricos de enriquecer e a dos operários para morrer de fome. Os capitalistas chamam liberdade de imprensa a compra dela pelos ricos, servindo-se da riqueza para fabricar e falsificar a opinião pública.”
― Vladimir Lenin

 

“A paz: uma trégua para a guerra.”
― Vladimir Lenin

 

 

 

11 de Abril de 1985

11 de Abril de 2018

 

33º aniversário da  morte

do camarada Enver Hoxha

 

 

Viva o camarada Enver Hoxha - o invencível 5 Clássico do Marxismo-Leninismo!  


Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!


O camarada Enver é imortal - seu génio revolucionário vermelho ilumina o nosso caminho para a revolução socialista mundial vitorioso!


Ele viverá para sempre nos corações e mentes de todos os trabalhadores oprimidos e explorados e de cada comunista!


Todas as mentiras e calúnias capitalista-revisionistas nunca vai apagar glorioso legado do camarada Enver!


Morte á ordem capitalista-imperialista e à sua revisionista, neo-revisionista e lacaios social-fascista!


Viva a revolução proletária e socialista violenta mundial!


Viva a ditadura do proletariado armada mundial!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!


Viva o Comintern (EH) - o único defensor autêntico legado revolucionário proletário e do camarada Enver!

 

 

 

 

 

 

135º Aniversário da

Morte de Karl Marx

14 de Março de 1883 - 2018

 

Karl Marx – faleceu no dia 14 de Março de 1883

 

Hoje, comemoramos o 135º dia da morte do camarada Marx. O legado do camarada Marx é imortal.


Hoje, o Comintern (EH) é o único verdadeiro defensor não só do camarada Marx, mas também de todos os outros clássicos, como é impossível para apoiar um dos clássicos sem igualmente apoiando também todos os outros, sem excepção. Com base nos ensinamentos invencíveis dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo, nós marchamos resolutamente para a revolução socialista mundial, a ditadura do proletariado mundial, o socialismo mundial e do comunismo mundial.


Viva o camarada Marx, o 1º Clássico do

 

Marxismo-Leninismo!



Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-

 

Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e

 

Enver Hoxha!


Viva a revolução socialista violenta mundial

 

e a ditadura do proletariado armada

 

mundial!


Viva o socialismo mundial e o comunismo

 

mundial!


 

Viva o Comintern (EH)!

 

site especial em Inglês...

 

 

 

 

Karl Marx, Friedrich Engels

Demandas do Partido Comunista na Alemanha

24 de Março de 1848

 

 

 

Karl Marx, Friedrich Engels

Mensagem da Direcção Central à Liga dos Comunistas

Março de 1850

  

 

Friedrich Engels

Revolução e Contra-Revolução na Alemanha

Setembro de 1852

 

 

 

 

Friedrich Engels

O Recente Julgamento em Colónia

29 de Novembro de 1852

 

 

 

 

 

A Internacional das Mulheres Comunistas

(Estalinista-Hoxhaista)

 

5 de Março de 1953

65º dia da morte

O camarada Estaline

nunca morrerá!

 

Ele viverá para sempre

nos nossos corações!

 

site especial disponível em

Inglês

Alemão  

 

 

Cabe a nós, Marxistas-Leninistas-Estalinistas-Hoxhaistas, para honrar o legado do camarada Estaline, aplicando correctamente seus ensinamentos imortais nas condições de hoje. Ensinamentos infalíveis e imortais de Estaline são uma luz guia autêntico para todos aqueles que seguem o caminho para a revolução socialista mundial, a ditadura do proletariado mundial, o socialismo mundial e do comunismo mundial.


Nós, Estalinistas-Hoxhaistas, juramos proteger e aplicar camarada lições de Estaline, cuja defesa, desenvolvimento e avanço mais tarde foram brilhantemente assegurada pelo camarada Enver Hoxha - maior discípulo de Estaline e quinto clássico do Marxismo-Leninismo - no contexto da luta contra o moderno revisionismo durante o cerco mundial capitalista-imperialista-revisionista.


Viva o camarada Estaline - o glorioso quarto Clássico do Marxismo-Leninismo!


O camarada Estaline é imortal - seu génio revolucionário vermelho ilumina o nosso caminho para a revolução socialista mundial vitoriosa!


Ele viverá para sempre nos corações e mentes de todos os trabalhadores oprimidos e explorados e de cada comunista!


Todas as mentiras e calúnias capitalista-revisionistas nunca vão apagar glorioso legado do camarada Estaline!


Viva o glorioso PCUS Bolchevista!


Viva a União Soviética dos camaradas Lenine e Estaline!


Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!


Viva o Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo!


Morte á ordem mundial capitalista-imperialista!


Viva a violenta revolução socialista proletária mundial!


Viva a armada ditadura do proletariado mundial!


Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!


Viva o Comintern (EH) - o único defensor autêntico legado revolucionário proletário e do camarada Estaline!

 

 

 

por ocasião do 200º aniversário de Karl Marx

 

Karl Marx

A Dominação Britânica na Índia

10 de Junho de 1853

Publicado no jornal New-York Daily Tribune,

n.º 3804, de 25 de Junho de 1853.

 

 

 

 

120º Aniversário

10 de Fevereiro de 2018

 

BERTOLT BRECHT

10 Fevereiro de 1898

14 de Agosto de 1956

 

Bertolt Brecht

SITE ESPECIAL

 

 

 

 

Há 75 anos

ESTALINEGRADO


Por ocasião do dia 2 de

Fevereiro de 1943

 

Mensagens de Solidariedade


 

 

Message of the Comintern (SH) on occasion of the 75th anniversary of the liberation of Stalingrad

February 2, 1943 – February 2, 2018

 

The Comintern (SH) greets all comrades all over the world, especially the comrades of our new Russian Section.

Today we celebrate the 75th anniversary of the liberation of Stalingrad from Hitlerite fascism.

In Stalingrad the heroic Soviet peoples did shut Hitler up, who had talked big: "We will destroy Russia, so that it can never rise again."

The victory in Stalingrad was the turning point in the Second World War and thus one of the biggest victories of the Red Army, which celebrated its 25th anniversary in 1943 and whose 100th anniversary we will celebrate on 23 February 2018.

Stalingrad was previously called Tsaritsyn. The city was founded in 1589 as a fortress, which should protect Russia from the nomads from the south.

In 1918, the founding year of the Red Army, Zaryzin was liberated in the Civil War.

On June 4, 1918, Stalin went from Moscow to Zaryzin, where he arrived on June 6, to organize, firstly, the vital grain transport from Zaryzin to Moscow and, secondly, the fight against Trotsky, which caused the collapse of the Zaryzin Front, and which was leading to the loss of the North Caucasian areas.

Stalin led the offensive on the Tsaryzin Front. On October 18, 1918, the white-guard Krasnov troops, their Menshevik lackeys and their backers, the English imperialists, were defeated.

At the head of this war of liberation stood the comrade Stalin whose name was honoured by the inhabitants of the city Zaryzin through giving their town the name "Stalingrad". Stalin's order to defend Stalingrad against the Hitlerite fascists with all might and greatest willingness to sacrifice this was not only an honor and obligation of the inhabitants of Stalingrad, but for the entire Soviet Union.

About Zaryzin Stalin wrote on October 30, 1918:

TSARITSYN THE MAIN TARGET

It is on Tsaritsyn that the enemy is concentrating his heaviest fire. That is understandable, because the capture of Tsaritsyn and the severance of our communications with the South, would ensure the achievement of all the enemy's objectives: connection would be established between the Don counter-revolutionaries and the Cossack top sections of the Astrakhan and Ural troops and a united counter-revolutionary front stretching from the Don to the Czechoslovaks would be created; the counter-revolutionaries, domestic and foreign, would secure a firm hold of the South and the Caspian; the Soviet forces in the North Caucasus would be in a helpless plight. . . .

That is the chief reason for the stubborn efforts of the southern whiteguards to capture Tsaritsyn.

Krasnov issued an order for the capture of Tsaritsyn as far back as August. His bands hurled themselves with frenzy against our front and tried to break it, but were beaten off by our Red Army and thrown back beyond the Don.

A fresh order to capture Tsaritsyn was issued in the early part of October, this time by the counter-revolutionary Cossack Assembly in Rostov. The enemy massed no less than forty regiments gathered from the Don, Kiev (Skoropadsky's officer regiments!) and the Kuban (Alexeyev's "volunteers"!). But this time, too, Krasnov's bands were repulsed by the iron hand of our Red Army. A number of the enemy's regiments were surrounded by our troops and wiped out, leaving their guns, machine guns and rifles in our hands. Generals Mamontov, Anto-nov, Popov and Tolkushkin and a whole pack of colonels were forced to seek safety in flight.

 

WHEREIN LIES THE STRENGTH OF OUR ARMY?

The successes of our army are due in the first place to its political consciousness and discipline. Krasnov's soldiers are amazingly obtuse and ignorant and are completely isolated from the outside world. They do not know what they are fighting for. "We had to fight because we were ordered to," they say on being interrogated when taken prisoner.

Not so our Red Army man. He proudly calls himself a soldier of the revolution; he knows that he is fighting not to protect capitalist profits but for the emancipation of Russia, and knowing this he goes into battle boldly and with his eyes open. The yearning for order and discipline among our Red Army men is so strong that not infrequently they themselves punish "disobedient" and ill-disciplined comrades.

A no less important factor is the appearance of a regular corps of Red officers who have been promoted from the ranks and who received their baptism of fire in a number of engagements. These Red officers are the chief cementing force of our army, welding it into a single disciplined organism.

But the strength of the army is not due to its personal qualities alone. An army cannot exist for long without a strong rear. For the front to be firm, it is necessary that the army should regularly receive replenishments, munitions and food from the rear. A great role in this respect has been played by the appearance in the rear of expert and competent administrators, chiefly consisting of advanced workers, who conscientiously and indefatigably attend to the duties of mobilization and supply. It may be safely said that without these administrators Tsaritsyn would not have been saved.

All this is converting our army into a formidable force capable of smashing any resistance on the part of the enemy.

Everything is tending towards the tying of a new international knot in the South. The appearance in Yekaterinodar of a "new" "all-Russian government" composed of British proteges, the combining of the three counter-revolutionary armies (Alexeyev's, Skoropad-sky's and Krasnov's), which have once already been beaten by our forces at Tsaritsyn, the rumours that Britain is contemplating intervention, the fact that Britain is supplying the Terek counter-revolutionaries from Enzeli and Krasnovodsk—all these are not just chance happenings. Their abortive adventure in Samara they are now trying to resume in the South. But they will not have—will certainly not have—that without which victory is unthinkable, namely, an army which has its heart in the foul work of counter-revolution and is capable of fighting to the end. One powerful assault will be sufficient, and the counter-revolutionary adventure will collapse like a house of cards. The earnest of this is the heroism of our army, the demoralization in the ranks of the Krasnov-Alexeyev "armies," the growing unrest in the Ukraine, the increasing might of Soviet Russia, and, lastly, the steady spread of the revolutionary movement in the West. The southern adventure will meet with the same fate as the Samara adventure. [ Stalin, Volume 4, "The South of Russia", (October 30, 1918) ]

25 years after Stalingrad was freed during the civil war, it became the operational target of the German fascists. After all, the conquest of the city which bore the proud name of Stalin would mean a psychological gain in prestige. But Hitler's calculation did not work.

The military plans of Hitler, to destroy Stalingrad was the starting point for the advance into the Caucasus, which he wanted to tear away from the Soviet Union and to annex the Caucasus. The conquest of Stalingrad was to stop the Soviet transport route on the Volga. At the same time, the fascists wanted to pinch the oil deposits at Maikop, Grozny and Baku to supply their war of robbery with fuel.

This semi-megalomaniacal and by time pressure half-imposed parallel military maneuver meant the fragmentation and thus weakening of German troops on the southern front. With the encirclement of the 6th Army and its surrender on February 2, 1943, Hitler's adventure ended in Stalingrad. Hitler's capitulation in Stalingrad was the beginning of Hitler's end, namely the capitulation of German fascism in Berlin and thus the end of World War II.

* * *

The name of Stalingrad was existing for 18 years (since 1925) until the liberation from Hitler fascism. And exactly another 18 years after 2 February 1943, the name Stalingrad was removed and replaced by Volgograd (from 1961). This city, which bore the honorable name Stalingrad for 36 years, was thus not defeated by a foreign enemy but by the inner enemy. The socialist town Stalingrad was restored as a capitalist town, namely as a result of the seizure of power of the Soviet revisionists. Not the German fascists but the Russian fascists had taken over the first socialist homeland of the world and its proud town Stalingrad!

The modern revisionists prevented imperialism from being defeated on a world scale. They transformed the socialist camp, for whose formation the city of Stalingrad was of decisive importance, into a social-imperialist camp, which was then assimilated by the world-imperialist system. Today Russian imperialism reigns in Stalingrad, in Moscow, in Leningrad, all over Russia. Today, the new imperialist Kremlin tsars rule over the country and make plans as Hitler once did - plans for world domination! Everywhere in the world the Russian imperialists leave their blood trail. Russia is one of the most dangerous warmongers in the world. And not least for the city of Stalingrad, this poses a threat to its renewed destruction.

This is the situation after 75 years of Stalingrad.

 

What does Stalinism-Hoxhaism teach us after 75 years of Stalingrad?

 

Stalingrad was for all peoples and not least also for the world imperialism itself an irrefutable proof that the Soviet Union and the oppressed peoples could win the war against Hitler by themselves.

In the course of the anti-fascist resistance, the victory in Stalingrad was of immense importance to all the oppressed and exploited peoples, who now saw the first time that the allegedly "invincible" Hitler fascism had suffered a severe defeat, and that fascism was thus indeed defeatable. This new certainty of victory was an unprecedented boost to the mobilization of anti-fascist resistance of all peoples.

Of course, this was no lost on the Anglo-American imperialists either. The victory over the Hitler fascism which was in fact tantamount to a defeated bulwark against the world socialist revolution, would result in a earnest weakening of the world imperialist system. This would endanger their own Anglo-American domination, and so they were forced to open a second front in the West to restore the anti-communist bulwark of world imperialism. Thus, world imperialism was not concerned with the liberation of the peoples from Hitler's fascism, but the opening of the Western Front was purely for the purpose of self-preservation. To put a stop to the Western expansion of communism - this is the really meaning of "D-Day." The argument of the "anti-Hitler front" was only a cloak to hide the true intentions of Anglo-American imperialism, namely the preparation for the inevitable world class war between the world bourgeoisie and the world proletariat, between the imperialist and socialist world camp, between world capitalism and world socialism. And secondly, the Anglo-American imperialists feared that the oppressed peoples in their own camp would feel encouraged through Stalingrad to revolt as well, free themselves from Anglo-American imperialism, and unite with the socialist world camp, to get rid of the entire system of global exploitation.

* * *

Today, Stalingrad not only gives us hope, but also the certainty that we can bring world imperialism and its predatory wars to its knees, that supposedly "superior" world imperialism can certainly be defeated.

Learning from Stalingrad means learning to win!

In the globalized war of liberation against world imperialism, we will turn every city into a "Stalingrad"!

And the city of Stalingrad itself will one day seal its liberation victory over Russian imperialism by reconquering its original name.

One day, world imperialism will run out of breath, just as happened to German imperialism in Stalingrad. The day will not be far away when it comes to a declaration of surrender of world imperialism.

In the case of the defeat of world imperialism, its regeneration is no longer inevitable. Precisely because of this, the outcome of the coming world civil war differs from all previous imperialist world wars. Although Stalingrad was the decisive turning point for the victory over German imperialism, this victory over Hitler was not enough for the final victory over world imperialism. Therefore, with the end of the Second World War, Stalin opened the fight front against the greatest enemy of the world socialist revolution, against American imperialism, which had emerged strengthened from the Second World War.

Firstly, history has shown in both world wars that the defeated imperialist powers could be reintegrated by the imperialist victorious powers for the purpöose to consolidate the whole imperialist world system.

And second, even the greatest enemy of world imperialism, the victorious power Soviet Union, could finally be turned into one of the main pillars of the defense of the world-imperialist system of exploitation and oppression by the betrayals of Soviet revisionists. The country in which the socialist world revolution began had turned into an imperialist-counterrevolutionary spearhead for the eradication of world socialist revolution.

World Socialism failed because of the betrayal of modern revisionists and enabled the regeneration of world imperialism and its sole reign over the world. This is an important lesson for us Stalinists-Hoxhaists. Without defeat of the revisionists, every restoration of world imperialism remains inevitable.

Only if imperialism is defeated on a world scale can it no longer serve the individual countries to defend their rule from outside. Only if the encirclement of the socialist countries has turned into an encirclement of the imperialist countries, the dictatorship of the proletariat in every country becomes outwardly secured.

If only individual chain links are torn out of the world imperialist chain, then it can and will grow together again. This will no more be inevitable if the world imperialist chain has been completely destroyed by the world socialist revolution.

Our future world-proletarian Red Army should pay attention to Lenin's teaching on a world scale: one should not be too early happy about the victory of the world socialist revolution. At first of all, the proletarian world power, the dictatorship of the world proletariat, must have been established and firmly anchored. And only then can one speak of a real victory in the world socialist revolution, that is, when all the world imperialists and reactionaries are not only defeated, but completely destroyed.

We are asked: In Stalingrad Hitler could be beaten by the strong Soviet Union of Lenin and Stalin, by the invincible Red Army, by the heroism of the peoples in their resistance struggle. But what do we have to offer in terms of strength today, for not only to liberate a city like Stalingrad, but all the cities in the world? No doubt we are still too weak at present. So we will not let us provoke by the class enemy who tries to destroy us before we have gathered the necessary forces for the world socialist revolution. But one has to see the future world events dialectically. The inevitable victory of world socialism over world imperialism is ultimately based on the objective law of social development.

Before Stalingrad was able to free itself from Russian imperialism and finally from German imperialism, the revolutionary movement in Russia was initially tiny and far too weak. This is also true concerning our new Russian Section. But the glorious history of the Soviet Union of Lenin and Stalin teaches us that something small becomes something big if one is guided by scientific socialism and mobilizing the masses for the revolution. And so, out of a small group of today's Stalinist Hoxhaists united in the Comintern (SH), a great invincible force will emerge, guided by the teachings of the 5 Classics of Marxism-Leninism and relying on the invincible force of the world proletariat. Our revolutionary matter is therefore just and we will win, precisely because this matter is fully in accordance with the objective course of world history. The world imperialist matter, on the other hand, is unjust and is doomed to failure because it objectively contradicts with the development of world society. We build on this Marxist insight. And that's why we will win.

It has always been the case in history that the oppressed classes always increased their fighting power in the moment when the supposedly "overpowering" opponent revealed his weaknesses. Class consciousness grows every time the ruling classes reveal themselves weak or vulnerable. After the liberation of Stalingrad, the oppressed classes saw Hitler fascism with different eyes than before the liberation of Stalingrad. A defeated enemy himself destroys his former enemy picture of an allegedly "unbeatable" enemy.

Stalingrad gives us strength on our way to world communism, just as Stalingrad gave the oppressed peoples the decisive strength to defeat Hitler fascism in their own country.

Wolgograd will be renamed in the name of proletarian internationalism and with the solidarity of all proletarian internationalists around the world!

Long live Stalingrad, the heroic city of Stalin!

Long live the 75th anniversary of the liberation of Stalingrad!

Comintern (SH)

Wolfgang Eggers

2 February 2018

 

 

 


 

 

30 janeiro 2018

Cartada SecçãoPortuguesa
para os camaradas de todas as seçõesda Internacional Comunista(EH)
por ocasiãoda ascensão de Hitlerao poder -há 80 anos
 
Caros camaradas de todas as Secções,

A Secção Portuguesa do Comintern (EH) envia-vos a seguinte mensagem:
hoje, no 85º aniversário da ascensão de Hitler ao poder, em cumprimento dos sanguinários interesses de classe dos capitalistas-imperialistas mundiais em geral, e dos capitalistas-imperialistas Alemães, em particular. O Nazi-fascismo é apenas uma outra forma de ditadura exploradora da burguesa, tal como a chamada "democracia" burguesa. Todas as formas de ditadura burguesa são essencialmente iguais. A sua finalidade é permitir a maximização dos lucros dos plutocratas através da repressão e do assassinato de trabalhadores (e dos comunistas, em particular) a fim de evitar a revolução socialista e a ditadura do proletariado por todos os meios.
A única maneira de evitar a inevitabilidade de todos os tipos de tirania burguesa - sejam eles fascistas, social-fascistas, "democráticas", etc. - é através da realização do socialismo mundial e do comunismo mundial, sob a liderança do Comintern (EH) de acordo com os princípios do Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo.

Abaixo comtodas as formas deditadura burguesaem geral, ecom a sua formanazi-fascista em particular!


Vivaa revoluçãosocialista mundial!
 
com saudações comunistas e anti-nazi-fascistas


A Secção Portuguesa do Comintern (EH)

 

 

 

 

 

 

Proletários de todos os países - uni-vos!
Proletariado mundial - unir todos os países!
Os trabalhadores de todo o país fazem parte do proletariado mundial e eles se unem como partes do proletariado mundial.
Assim, as Secções são parte do Comintern (EH) e eles se unem como partes do Comintern (EH).
O proletariado mundial não tem outra arma na luta pelo poder político mundial que suas organizações mundiais - com a Internacional Comunista no topo.
O Comintern (EH) cria, suporta, combina, une e centraliza as secções de todos os países para se propagar, para se preparar, para liderar e para garantir da revolução socialista mundial para a derrubada violenta do governo da burguesia mundial, para a ditadura do proletariado mundial, para a remoção e eliminação do capitalismo mundial, para a construção do socialismo mundial e para a transformação global do seu avanço para o comunismo mundial.
O proletariado mundial é guiado pela ideologia do Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo.
O Comintern (EH) foi fundado com base nos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo, e isto faz também preocupação com o fundamento de cada Secção do Comintern (EH).

 

 

A INTERNACIONAL

(L. Eugéne PottierIM. Pierre
Degeyter)

De pé. o vítimas da fome
De pé, famélicos da terra
Da idéia a chama já consome
A crosta bruta que a soterra
Cortai o mal bem pelo fundo
De pé, de pé, não mais senhores
Se nada somos em tal mundo
Sejamos tudo produtores
/:Bem unidos, façamos nesta luta final
uma terra sem amos a Internacional:/
Senhores, patrões, chefes supremos
Nada esperemos de nenhum
Sejamos nós que conquistemos
A terra mãe, livre, comum
Para não ter protestos vãos
Para sair deste antro estreito
Façamos nós com nossas mãos
Tudo o que a nós nos diz respeito
O crime do rico a lei o cobre
O Estado esmaga o oprimido
Não há direito para o pobre
Ao rico tudo é permitido
À opressão não mais sujeitos
Somos iguais todos os seres
Não mais deveres sem direitos
Não mais direitos sem deveres
Abomináveis na grandeza
Os reis da mina e da fornalha
Edificaram a riqueza
Sobre o suor de quem trabalha
Todo o produto de quem sua
A corja rica o recolheu
Querendo que ela o restitua
O povo quer só o que é seu
Nós fomos de fumo embriagados
Paz entre nós, guerra aos senhores
Façamos greve de soldados
Somos irmãos trabalhadores
Se a raça vil cheia de galas
Nos quer à força canibais
Logo verá que nossas balas
São para os nossos generais
Pois somos do povo os ativos
Trabalhador forte e fecundo
Pertence a terra aos produtivos
ó parasita deixa o mundo
ó parasita que te nutres
Do nosso sangue a gotejar
Se nos faltarem os abutres
Não deixa o sol de fulgurar

 

Partitura

mp3

 

Long live Stalinism-Hoxhaism ! (English)


RROFTE STALINIZEM-ENVERIZMI! (Albanian) SHQIPTAR


Es lebe der Stalinismus-Hoxhaismus ! (German) DEUTSCH

Да здравствует сталинизм - Ходжаизм ! (Russian)

გაუმარჯოს სტალინიზმ–ხოჯაიზმს! (Georgian)

Viva o Estalinismo-Hoxhaismo! (Portuguese)

Viva Stalinismo-Hoxhaismo! (Italian)


斯大林霍查主义万岁! (Chinese)


Viva el Stalinismo-Hoxhaismo! (Spanish)


Vive le Stalinisme-Hoxhaisme! (French)


At zije Stalinismus-Hodzismus! (Czech-Slovak)


Ζήτω ο σταλινισμός - χοτζαϊσμός! ! (Greek)


Živeo Staljinizam - Hodžaizam! (Bosnian)

! زنده باد استالینیسم-خوجهئیسم (Farsi)

Niech zyje Stalinizm-Hodzyzm! - (Polski)

 

Længe leve Stalinismen-Hoxhaismen (Danish)

Hidup Stalinisma dan Hoxhaisma! (Malay) Bahasa Melayu

Staliniyamum-Hoxhaiyamum niduzhi vazga (Thamil)

Viva o Stalinismo e o Hoxhaísmo (Português Brasil)

 

स्टालिनबाद-होक्जाबाद जिन्दाबाद! (Nepali) 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Sem a hegemonia mundial do proletariado sob a liderança da Internacional Comunista não haverá abolição da sociedade de classes e, portanto, não haverá futura Comuna Mundial."

O Comintern (EH)

 

 

SEÇÕES

ALBÂNIA

EGITO

GEÓRGIA

ALEMANHA

RÚSSIA

Seções em (re-) construção:

Mundo árabe

GRÉCIA

ITÁLIA

POLÔNIA

PORTUGAL

EUA

Jugoslávia

 


 

Arquivo

Órgão Central do Comintern (EH)

em Português

Revolução no Mundo !”

2017

2016

Janeiro - Abril

Maio - Dezembro

 


 

2015

Janeiro

Fevereiro

Marco

Abril

Maio-Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro


 

2014

Jan-jun

Jul-dez

Arquivo 2013

Arquivo 2012

Arquivo 2011


 

contato: com.2000@protonmail.com

 

Tarefas da Seção portuguesa
Decisão 6 de agosto de 2015

 

órgão teórico

 

literatura revolucionária

 

A Solidariedade Comunista Internacional (SCI)

 

 

LISTA DE TODOS OS PAÍSES

DO MOVIMENTO COMUNISTA MUNDIAL

 

 

 

LINKS

COMINTERN (EH) centralmente

Arquivo

 

contacto

sobre nós

ajude-nos!

fórum

perguntas e respostas

secções

estatuto

programa

plataforma

 

 

Chamada para o restabelecimento do Comintern



Véspera de Ano Novo 31 Dezembro 2000


 

 

plataforma revolucionária mundial

de 7 Novembro 2009

declaração programática


 

Enver Hoxha:

o quinto Clássico do marxismo-leninismo e  o restabelecimento da Internacional Comunista

2001

 


 

What is Stalinism-Hoxhaism?

 


 

Linhas gerais do Comintern (EH)

Estratégia e táctica da revolução proletária socialista mundial

2001/2002

online:PORTUGUÊS

CAPÍTULO VIII

Ensinamentos históricos do Comintern e do Movimento Comunista Mundial

 


Manifesto do Partido Bolchevique Mundial

2003


 

O que é que o Comintern (EH) quer?

Programa da

Comuna Mundial "nº 1"

11 de Maio de 2014

 


 

movimento mundial

estalinista-hoxhaista

MMEH


 

 

O Sindicato Vermelho Internacional

reconstruído primeiro Maio 2003

S V I


 

 

A Internacional dos Jovens Comunistas

IJ C (EH)


 

 

 Internacional da Mulher Comunista

(Estalinistas-Hoxhaistas)


 

 

União Internacional

de Escritores Revolucionários

- U I E R -