A Frente Mundial Vermelha

DECLARAÇÃO DE FORMAÇÃO

da

Liga dos Combatentes da Frente Vermelha

29 de Julho, de 2019

 

 

DIRETRIZES

PARA A AÇÃO ANTIFASCISTA

ARMAR O ANTI-FASCISMO!

DESARMAR O FASCISMO!

por Wolfgang Eggers

Editor: Comintern (EH)

dedicado à fundação da RFL em 29 de julho de 2019

Tradução em inglês dedicado à fundação da Seção dos EUA da RFL em 29 de julho de 2020

 

 

 

nova coleção

On occasion of the first anniversary of the re-founding of the RFL

ÁLBUM 2

 

 

ÁLBUM 1

 

 

Ernst Thalmann

Discursos e escritos 

A Internacional, Edição 6, 1932

A nossa estratégia e tácticas na luta contra o fascismo

A questão básica da bolchevização do PCA

(Extrai)

 

A acção anti-fascista como o "elo da cadeia"

O camarada Lenine dizia em 1920:

"O caminho de concreto ou um melhor rumo dos acontecimentos, a abordagem leva as massas de realmente decisivo, a última grande luta revolucionária para descobrir herauszufühlen para determinar correctamente. É o objeto principal da presente comunismo na Europa Ocidental e na América."

Esta questão da ligação direita, temos de tomar, a fim de mobilizar as massas para lutar contra a ditadura da burguesia e seus satélites e desenvolver estes luta de massas para formas superiores, o Partido Comunista tem respondido com o lançamento da Ação Anti-Fascista.

A Acção Anti-Fascista pretende sintetizar todas as formas de resistência em massa proletária contra o fascismo, a guerra ea fome e desdobre a luta de massas ativa. Vai permitir-nos para organizar um movimento sólido de milhões de absorver a frente unida vermelha. Ele também procura facilitar a festa para reunir as massas para lutar contra todas as formas capitalistas de sair da crise e para lutar pela saída revolucionária para a revolução proletária para se preparar.

Assim, a ação anti-fascista é o próximo elo nossos política revolucionária, a forma em que aplicamos a frente unida abaixo da base das plantas, estações de estamparia, o bairro de classe operária na maior abrangência possível. Mas não é o suficiente para identificar esta ligação, mas também precisamos desenvolver nossa prática revolucionária, todos os métodos que são necessários para a implementação desta política.

Precisamos tomar no trabalho anti-fascista Ação intra-união para criar um movimento de oposição de largura, nos sindicatos reformistas com a maior energia no ataque.

Precisamos melhorar o trabalho da RGO como uma das correias de transmissão mais importante do movimento revolucionário para as massas, que facilita o desprendimento das massas trabalhadoras da área de influência do inimigo de classe e de um agente, a taxa de câmbio nas fazendas.

Devemos despertar as massas compreensão da importância das lutas parciais dentro do desenvolvimento da luta de massas a greve política de massas.

Temos de aproveitar a acção anti-fascista de fortalecer a aliança entre a cidade eo país sob a bandeira da hegemonia do proletariado, que é apenas na luta contra a contra-revolução fascista de extrema importância.

No serviço da Acção Anti-Fascista, colocamos toda a nossa campanha para as eleições parlamentares. Isso também significa que nós explorar essa campanha inteiramente com base na concentração de nossas forças em operações e locais de selo para a mobilização em massa extra-parlamentar para lutar. Quanto mais forte a milhões de compromissos com o comunismo falhar, queremos alcançar com o esforço de todas as nossas forças nas eleições para o Reichstag, a luta alegre e as massas estão determinados a greve fora do Parlamento durante as greves e na defesa de seu partido revolucionário saber.

Esta é a grande importância desta eleição geral extra-parlamentar, nós. A cada operário consciente, cada trabalhador, cada jovem trabalhador que precisamos para trazer as pessoas que trabalham na cidade e país a consciência.

 

A nossa estratégia revolucionária 

Que conclusões emergem da análise apresentada sobre a situação actual da nossa estratégia e táticas? O objectivo da nossa luta é a derrubada da burguesia, a remoção da ditadura da burguesia em todas as suas formas. Na prática, isso significa que, na situação actual que conduzir nossa luta com o objectivo de vencer o governo Papen esmagamento junto com seu lutador fascista e uma organização terrorista, o partido de Hitler, e que nós concentrar todas as forças nessa meta.

Qual é a estratégia que temos nesta luta contra o inimigo principal, a burguesia se aplica? Temos que vencer as camadas decisivos da classe ", até o final do revolucionário" está sozinha e chamou-lhe, este objetivo de lutar pela derrubada do capitalismo como uma força de liderança: é a classe trabalhadora!

Então nós temos que ficar com outras palavras inalteradas em nossa principal tarefa estratégica, como mais recentemente formuladas de acordo com a linha da Internacional Comunista, a sessão plenária de Fevereiro do Comitê Central em 1982, em suas decisões: vencer a maioria da classe trabalhadora na luta pela conquista do poder político.

Quais os resultados dessa tarefa? Devemos, sem o menor concessões a qualquer embuste social-democrata ou tendências oportunistas, especialmente aplicado à linha de nossa política de classe, na nova situação, o principal impulso da estratégia contra a democracia social no seio da classe trabalhadora. O que isto significa? Nossa luta pela abolição da ditadura burguesa torna um compromisso irrenunciável de milhões de trabalhadores do PSD e do ADGB pela concentração energética ganhar o nosso trabalho em fazendas para a luta anti-fascista e anti-capitalista.

Enquanto eles não estão isentos da influência dos líderes social-fascista, esses milhões de trabalhadores perderam a batalha contra o fascismo. Por isso continua a ser o isolamento do PSD e do líder ADGB na classe trabalhadora, a nossa tarefa estratégica mais importante. Para este isolamento de fascistas social equivalente à tarefa positiva de ganhar a maioria da classe trabalhadora na luta pela conquista do poder político.

Nada mudou nesta nossa orientação básica. Para aqueles que especulam sobre uma reviravolta oportunista, uma mudança de frente, um movimento à direita do PCA, temos de pôr a nossa prática revolucionária do artesanato.

 

"Bloqueio" ou frente única a partir de baixo! 

Esta orientação estratégica do choque principal contra dentro da classe trabalhadora social-democracia não significa um enfraquecimento da luta contra o nazismo, como dizem os detratores do Partido Comunista do calibre de Leon Trotsky com a preferência, no mínimo. É, pelo contrário, um componente indispensável é uma condição essencial para o êxito da luta contra a ditadura fascista. Mr. Trotsky está atualmente procurando sempre realizar novamente, no interesse da burguesia Alemã contra os trabalhadores Alemães certa decepção com consciência de classe. Ele prega o "bloco" do Partido Comunista com o PSD "contra o fascismo". Uma parte considerável da imprensa burguesa lhe dá esta animada aplausos.

Recentemente, também chama a liderança oficial da democracia sociabilidade no elenco por bola Trotsky e tentaram ocultar a sua verdadeira luta contra o proletário frente unida contra a luta de massas anti-fascista, sob a liderança revolucionária através fraudulentas "manobras de frente unida" e bloquear as propostas contra o PCA. A ocorrência da "frente" do comité executivo do PSD antes de os funcionários Hamburg social-democratas do presidente o apelo da chamada "Frente de Ferro" em 9 de junho, bem como a "duas questões" artista de 14 de Junho sinalizar as futuras táticas fascistas sociais sobre esta questão. Na medida em que as condições para a luta, anti-fascista frente unida do proletariado crescer rapidamente através da rebelião dos PSD de trabalho, levar os líderes social-fascista do PSD e do ADGB seu contra-ataque hoax radical translúcido na maneira de Stampfer, Holtermann, artistas, etc. os líderes da SAP e Brandleristen superar isso os tamanhos oficiais PSD fazer neste tipo de "radicalismo" que não tem nada a ver com uma reflexão honesta da radicalização das PSD-trabalhadores.

Nós não pensamos que para enfrentar a tarefa de luta contra a social-democracia que a luta contra o partido de Hitler, retire a um temporal, a partir do outro. Embora a suposição tola Trotsky que os comunistas "só" quer bater a social-democracia ", depois" atacar e destruir o nazismo corresponde à abordagem mecânica de Trotsky, que ele nunca superou seus melhores dias, mas com a realidade, não fazer a política comunista, no mínimo.

Invertida: Mr. Trotsky e similar "guia" do proletariado a classe trabalhadora gostaria de sugerir uma tal política, que separa a luta do partido revolucionário contra o fascismo e contra o social-fascismo, contra o partido Hitler e contra a social-democracia do outro e de frente para o outro. O PCA é hoje sem a luta contra a social-democracia, formar um bloco com o partido do socialismo Hindenburg, com "Noske e Grzesinski" e "lutar" Hitler neste tipo para sua receita.

O PCA tem o problema de distorção oportunista da Frente tática graves experiências históricas unidos por trás deles. Contra a falsificação de Lenin, projetado pelo proletariado do método das táticas de frente unida do V Congresso Mundial do Comintern países capitalistas, o Partido Comunista acaba de entregar na medida em especial as armas ideológicas. Campeões abertas de uma tática da frente única somente a partir de cima, uma "política bloco" com líderes do PSD e do ADGB, pode já não estar nas fileiras do Partido Comunista hoje. Mas o fato de que, devido ao crescimento numérico do nosso partido, um grande percentual de filiação partidária tem 1923-1928 ainda não é parte ativa nos conflitos internos do ano, torna-se necessário, em nosso trabalho de propaganda, as experiências revolucionárias e os resultados desses conflitos despertar novamente chamar.

Mr. Trotsky se atreve a estabelecer as suas propostas contra-revolucionárias no que diz respeito à tática de Lenin e os bolcheviques em 1917, por ocasião do golpe de Kornilov. A distorção mais ousada da política leninista dificilmente pode ser concebida. Se você quisesse 1917 para permitir a comparação bastante contestável da situação actual na Alemanha e a situação na Rússia antes do próprio golpe Kornilov, táticas do ex-Lenin inteiramente a justificação política, como atualmente realizada pelo Partido Comunista da Alemanha.

Que tática recomendadava Lenin deu os primeiros rumores de um golpe iminente dos regimentos cossacos, como os mencheviques para os bolcheviques - tal como hoje, seguindo a receita Trotsky Mr. Stamper do Partido Comunista - um antrugen "block"? Lenin escreveu o final de agosto 1917 e uma carta, que afirma:

"É difícil de acreditar que poderia encontrar tais simplórios e canalhas entre os bolcheviques, que seria agora dão em um bloco com os defensistas... com as pessoas, que são finais passou para o campo inimigo, você não negociar, celebrar com eles não bloquear.”

A resposta bolchevique a uma proposta dos mencheviques iria bloquear - escreveu Lenine - são as seguintes:

"É claro que vamos nos bater. No entanto, vamos voto de confiança para qualquer conjunto de vós mesmos - assim como os social-democratas lutou em fevereiro de 1917 com os cadetes juntos contra o czarismo sem fechar qualquer aliança com eles, sem pagar-lhes para uma fé momento. A menor confiança no mencheviques hoje seria tanto uma traição à revolução, como dasVertrauen aos cadetes nos anos 1907-1917 teria sido."

Com a mesma clareza que nós comunistas Alemães devemos dizer a classe trabalhadora hoje:

Você não pode bater o nazismo, sem a luta mais profunda contra o social-democracia e para o seu isolamento, sem a luta pela independência dos trabalhadores os milhões freigewerkschaflicher da influência de ADGB burocracia, sem fazer a batalha frente comum com eles, enquanto o PSD líderes lutar com todos os meios de propaganda, demagogia e enganos.

Você não pode lutar com sucesso contra o inimigo principal, a burguesia, o governo Papen e sua liderança guarda nazista sem a estratégia do choque principal contra dentro da classe trabalhadora social-democracia sem essa estratégia na luta para a maioria da classe trabalhadora. Não "política bloco" com os líderes social-fascista, não, e da política de frente nunca unidos apenas a partir de cima, mas a política de frente única a partir de baixo, com base em fazendas e lugares selo de mobilização em massa para lutar, satisfaz as condições da presente situação. Isto inclui, em certos casos, e especialmente em um estado de movimento de massa não superior desdobrada da aplicação da frente única a partir de baixo e de cima, no sentido revolucionário.

 

 

 

A frente unida global de todos os antifascistas e anti-social-fascistas

 

Nove tarefas:


1.

-A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas opõe-se a todas as tentativas da burguesia mundial e de suas agências dentro do movimento mundial operário e comunista, de sabotar a luta anti-social-fascista da luta antifascista, respetivamente, para criar uma barreira entre o antifascismo e o anti-social-fascismo.


2.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas opõe-se a todas as tentativas da burguesia mundial e de suas agências dentro do movimento mundial operário e comunista, de enganar os antifascistas e anti-social-fascistas sobre a verdade, que o capitalismo (capitalismo de estado inclusivo) é a fonte do fascismo e do social-fascismo.


3.

- A frente global unida dos antifascistas e anti-social-fascistas desmascara e combate todas as tentativas do revisionista moderno, de desarmar o proletariado mundial e todos os trabalhadores por meio da ideologia e política da "transição pacífica". Isso torna as massas indefesas em sua luta contra o terror fascista e social-fascista. As tarefas da frente unida dos antifascistas e anti-social-fascistas só podem ser cumpridas organizando a luta armada globalmente contra a luta armada organizada da frente mundial fascista / social-fascista.


4.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas desmascara e combate todas as tentativas dos neorrevisionistas de abusar dos ensinamentos dos cinco Clássicos do Marxismo-Leninismo na luta antifascista e anti-social-fascista , especialmente para "justificar" o terror do social-fascismo.

 

5.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas insiste no indispensável da violência revolucionária contra o terror fascista e social-fascista.

 

6.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas luta pelos direitos democráticos de todas as classes exploradas e oprimidas, pela democracia socialista proletária, mas não pelo sistema "democrático" explorador da burguesia que leva inevitavelmente ao fascismo. Portanto, a luta por direitos democráticos é inseparavelmente parte da derrubada do capitalismo mundial e de seu sistema de estado imperialista.

 

7.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas luta pela abolição da inevitabilidade do fascismo e do social-fascismo por meio do estabelecimento da ditadura do proletariado mundial, do sistema soviético global e da república socialista mundial.


8.

- A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas luta pela erradicação das sobras de todas as forças fascistas e social-fascistas dentro do período do socialismo mundial.

 

9.

- O Comintern (EH) é o centro global do movimento internacional antifascista e antissocial-fascista. O Comintern (SH) unifica e lidera as forças antifascistas e antissociais-fascistas de todos os países em direção à revolução socialista mundial.


 

A frente unida global dos antifascistas e anti-social-fascistas insiste no indispensável da violência revolucionária contra o terror fascista e social-fascista.

Nossa luta contra o fascismo e o fascismo social

Excertos da Linha Geral por Wolfgang Eggers

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O comunismo mundial é a única sociedade livre de qualquer censura de pessoas por pessoas.



Parem com a censura na Internet!

Hoje: Fascismo mundial 



O que será proibido amanhã ?

  

A censura do governo protege-os da realidade…


Ontem foi o: Fascismo Salazarento e Nazismo Hitleriano.

 


Goebbels:

"Vamos acender novos fogos para que os cegos não acordem!"

 

 

Lista de queimaduras livro

1932-1939

 

 

 

 

Carta e póster

de nossos camaradas egípcios


Enviado em 15 de junho de 2020


Meus camaradas,
Quero informá-los (...) sobre as condições horríveis aqui neste país. As pessoas estão morrendo em todos os lugares agora, a crise está terrivelmente aumentando no Egipto enquanto o governo ainda insiste em seu silêncio. O problema é que as pessoas temem dizer que estão infectadas. Cairo e Gizé ambas as províncias mais populosas de todo o Egipto, por milhões, estão horrivelmente infectadas, estamos recebendo a notícia da morte de todos os lugares, das ruas, e de qualquer outro lugar.
Eu não sei onde todo esse pesadelo e terror terminam, o que torna a lama mais húmida é que o governo ainda insiste apesar de todas as declarações horríveis "oficiais" sobre o "status" da epidemia; em enviar os alunos do ensino médio, e os alunos do último ano da faculdade para ir para os exames, tornando os alunos e os jovens tão ansiosos como suas famílias com as suas vidas. O sistema fascista egípcio não se importa com nada, e mesmo em tais dias, a máquina opressiva da polícia, segurança do Estado e exército, ainda oprimindo qualquer voz, ousa se opor a esse gangue fascista que governa.
Os professores que deveriam estar cuidando dos alunos foram em grupos enormes às agências e aos escritórios do ministério da educação para enviar seus pedidos de não comparecer, nas escolas, por medo do vírus corona.
A imprudência é o mestre da nossa situação no Egipto, não tenho mais nada a dizer, apenas que estamos vivendo os momentos mais difíceis de nossa vida, e o povo egípcio não terá mais nada a perder nos próximos dias, pois a morte está nos cercando de todos os lados.
Apesar do fato real de que o Estado fascista egípcio é responsável por todos os horrores que estamos vivendo agora, a grande máquina da imprensa está culpando os cidadãos, dizendo que as "pessoas por suas ações são os responsáveis pelos horrores que estamos vivendo".
Primeiro o Estado estava negando completamente que havia uma infecção pelo vírus corona entre as pessoas. Segundo eles, foram declarar que havia alguns turistas, incluindo um turista alemão e outro turista chinês que foram infectados, e mais tarde eles começaram a "perceber" que o coronavírus estava se espalhando entre as pessoas e matando-os silenciosamente. Essas são todas as "declarações oficiais", para não contar sobre os jovens que morreram e os muitos outros que enfrentaram a morte, os trabalhadores que foram infectados, e as muitas outras histórias conhecidas e desconhecidas e os rumores reais que se espalharam entre as pessoas.
Agora, as pessoas, mesmo os jovens, alguns deles vão-se suicidar como uma "solução" devido ao desespero que vêem por não receber um bom tratamento de nenhum hospital. Sem mencionar aqueles que morrem aos 10 anos, agora, na frente dos hospitais do Egipto.
Todos esses horrores acontecem enquanto o Estado está em silêncio.
Em uma palavra, o povo trabalhador do Egipto, os trabalhadores, os agricultores, os recrutas e soldados, as famílias pobres, os sem-teto, em todas as partes do Egipto, estão todos enfrentando um holocausto silencioso pelas mãos do Regime Fascista Egípcio.
saudações revolucionárias,
um camarada do Egipto

 

 

 

 

O Estado Burguês face à crise epidémica do Coronavírus

Face ao caso da crise epidémica do Coronavírus também designado por COVID19, hoje, dia 18/03/2020, o governo, juntamente com o Presidente da República, preparam-se para declarar caso de emergência nacional.

Portugal foi dos últimos países europeus onde chegou o Coronavírus. Só em final de fevereiro começaram a aparecer alguns casos suspeitos e apenas nos dias 12/13 de março começou a verificar-se uma subida nos casos suspeitos e detetados. Nos últimos dias deram-se cerca de 100 novos casos por dia subindo rapidamente de 0 para 448. Neste momento estão 6.852 pessoas sob vigilância, havendo 1 caso mortal. A faixa etária mais afetada tem sido a de entre os 30 e 60 anos, provavelmente por ser aquela que mais se desloca para trabalhar e tratar de assuntos pessoais.

Ainda não estando numa situação semelhante a Espanha (país vizinho) que apresenta uma taxa 70 vezes maior, num país muito mais populoso, em que alguns de seus habitantes já se estão a dirigir a Portugal, já foram tomadas medidas bastante impactantes.

Já se verifica a quarentena geográfica obrigatória “com nível de calamidade” de uma cidade (Ovar), que começará a partir de 18 de março, até 02 de abril — embora “reavaliado continuamente”. As escolas fecharam, assim como várias empresas, institutos, foram restringidas ou proibidas visitas em Hospitais, prisões e lares de idosos, lojas, alguns centros comerciais, diminuição até 1/3 da lotação em bares, além da suspensão de prazos judiciais, suspensão de voos para a União Europeia, suspensão de barcos de cruzeiro, funcionamento demoradíssimo em vários serviços públicos essenciais, verificando-se como era de esperar uma diminuição no turismo (uma das principais receitas deste país semidesenvolvido), etc…

Apesar de ainda não estarmos no pico da epidemia, a crise já põe a nu a indiferença para a saúde das populações paentes nas reformas neoliberais na saúde com cortes catastróficos, diminuição de pessoal e privatizações. Quando era necessária a existência de maior número de camas o que se verifica são os preços especulativos de produtos de proteção e desinfeção. Mais uma vez se verifica que as privatizações são sempre um meio para enriquecer alguns, mas quando é hora de responder a crises graves, lá está o estado, pago pelo dinheiro dos contribuintes, para as suportar (os diretores de hospitais privados tiveram a lata de enunciar que têm camas livres para ajudar a combater o vírus, mas esqueceram-se de dizer o que farão às pessoas que aparecerem lá com outro tipo de doenças – provavelmente ficam à porta).Contudo esta situação, causada pela crise epidemiológica, não é assim tão simples, levantando diversas questões:

1 - As notícias relativas à epidemia foram públicas desde o início de fevereiro, não se tendo tomado imediatamente medidas de protecção da saúde pública, nem se dando a devida importância ao caso, tomando algumas das medidas que estão a ser tomadas neste momento e verificando o stock de materiais hospitalares e farmacêuticos que se verificam insuficientes com o crescimento da pandemia (um dos exemplos é que não se encontram máscaras à venda nas farmácias), que evitariam que a crise epidémica iniciasse o seu alastramento nos últimos dias. Agora a Diretora Geral de Saúde atira para o ar, números de 1 milhão e possíveis infetados, vá-se lá saber baseada em que estudos. Desta forma, verifica-se o carácter imperioso de apostar no SNS, na valorização dos seus profissionais, no reforço dos meios humanos com a contratação de mais trabalhadores e no investimento que os sucessivos governos PS, PSD e CDS negligenciaram, o que só efectivamente uma sociedade socialista poderá fazer completamente. As enérgicas medidas de emergência que qualquer estado deveria ter tomado imediatamente para travar a contaminação foram contrariados pela relação com os danos que causariam aos lucros dos accionistas, especialmente de companhias aéreas, de multinacionais da área do turismo, mas também de muitas outras; Esta é a primeira prova que um sistema socialista, com planificação e antecipação dos problemas poderia ter evitado ou diminuído inexoravelmente;

2 – O facto do caso do coronavírus ter-se iniciado na cidade de Wuhan, a 6ª cidade mais povoada e uma das mais desenvolvidas economicamente da china, em que se encontram pessoas de todos os continentes e vários países e o seu maior laboratório de armas químicas é, minimamente, estranho. Verifica-se um aproveitamento na compra de acções baixas por parte da China, tornando-se dona ou aumentando o capital em grande parte de empresas mundiais, em vários ramos, incluindo portugueses. Verifica-se igualmente que componentes para telemóveis (cujas peças estão a começar a faltar em várias marcas, mas que as marcas chinesas têm à disposição), e o mesmo acontecendo nos componentes de peças automóveis, por outro lado, dedicam-se a comprar barato os sistemas de preservação dos seus alimentos às novas regras sanitárias. Faz-nos facilmente suspeitar se não foi introduzido para se espalhar rapidamente, fortalecendo o imperialismos chinês, qua conseguiu contê-lo, mostrou eficácia na construção rápida de hospitais e até assistimos hoje, ao facto, do ministério da defesa da China anunciar ao mundo que já conseguiu fabricar uma vacina, para começar com testes em humanos no início do próximo mês – se assim for verificamos mais um esplendoroso destaque desta potência Imperial;

3 – Que no capitalismo global uma recessão trás sempre outra futura mais profunda, estando no momento ideal dos trabalhadores abrirem os olhos e escolherem bem o partido proletário mundial, o Comintern (Stalinista-Hoxista), pois como é óbvio, já não existe nenhuma muralha da china a dividir os países. Quando uma crise é desencadeada, é necessário distinguir entre a causa e o efeito. Nos últimos dois anos, houve uma desaceleração muito significativa na produção material em várias grandes economias como Alemanha, Japão, França e Itália, e a produção industrial reduziu ou desacelerou significativamente (China e Estados Unidos). Em alguns sectores industriais em que se verificou uma retoma após a crise de 2007-2009, como a indústria automobilística, entraram numa crise muito forte durante os anos de 2018 e 2019, com uma queda muito significativa nas vendas e na produção, tal foi o caso da Alemanha. A produção automóvel nos EUA e na China também caíram em 2019, tal como na Índia e França. O mesmo se verificou no sector que produz máquinas e equipamentos, no caso da produção de máquinas-ferramentas e outros equipamentos industriais. Ouve um estagnamento no comércio internacional no qual, num período mais longo, a taxa de lucro caiu ou estagnou na produção material e os ganhos de produtividade caíram. Por outro lado, enquanto em 2018-2019, esses diferentes fenómenos de crise económica na produção e vendas se manifestaram com muita clareza, embora na esfera financeira continuasse tudo a funcionar enganadoramente em pleno, os grandes media e os governos fizeram de tudo para afirmar que a situação era mundialmente favorável ao desenvolvimento; Para disfarçar esta próxima crise nada melhor que uma epidemia, tal como a desculpa do surto de COVID 19, que também tem costas largas, na quebra geral de compras e vendas, de artigos diversos;

4 – Quem paga a crise são sempre os mesmos, os trabalhadores. Quando a garantia que as contribuições para o sistema previdencial de segurança social cumprem a sua finalidade, que é o pagamento de prestações sociais nas eventualidades de perda ou quebra de rendimentos dos trabalhadores, estas não podem nem devem continuar a ser sistematicamente utilizadas como instrumentos de política de apoio às empresas, apoios estes que, a serem necessários, devem ser suportados através de verbas gerais do orçamento do Estado, que a política de défice zero da união europeia não permite, nem a política global tem em conta. A resposta do governo é uma concessão de vários apoios e benefícios às empresas, começando numa espécie de regime simplificado de lay-off – que aponta para uma retribuição dos trabalhadores no valor de 2/3 da sua retribuição normal ilíquida, até um máximo de três salários mínimos (€1905), que são pagos em 30% pelo empregador e 70% pela segurança social (só a AutoEuropa pede ao governo 200 milhões de euros para aplicação desta medida), abertura de uma linha de crédito especial, novos sistemas de incentivos e concessão de várias moratórias ao cumprimento de obrigações fiscais pelas empresas, que comportam o adiamento de 3 000 milhões de impostos.

Quanto aos trabalhadores, são aplicadas medidas severas, desde o corte num terço do seu ordenado, passando por empresas que propõe cortar pausas e obrigar os trabalhadores a trabalhar mais de 5 horas seguidas, contenção do crescimento dos salários, retirar direitos específicos aos trabalhadores (tais como a greve e manifestação – o que já se verifica na requisição civil no porto de Lisboa para fazer face aos constrangimentos provocados pela greve dos estivadores), a antecipação praticamente obrigatória das férias dos trabalhadores (a fim de ser permitida a introdução da lay- off), aproveitamento para despedimento de trabalhadores mais precários;

5 - Por último, mas não menos importante: os contágios e paranóias sempre justificaram o abuso e controlo por parte do estado numa lógica alarmista, que permite com alguma facilidade, se as massas não se puserem em guarda, a promoção de medidas reacionárias e antidemocráticas. Principalmente nas últimas décadas em que se assiste a uma tendência crescente a utilizar o estado de exceção como método normal de governo. Por norma, estas atitudes e leis aprovadas imediatamente pelos governos, utilizando como justificação o normal funcionamento da sociedade ou a saúde pública a uma verdadeira militarização dos países ou regiões afetadas, mesmo que exista apenas uma pessoa infectada pelo vírus”. Quando já se esgotou a fase da utilização dos ataques terroristas para estas medidas excecionais, a invenção ou exagero de uma epidemia poderá oferecer o pretexto ideal para estende-las além dos limites normais.
O permanente estado de medo que se espalhou nos últimos anos nas consciências dos indivíduos traduz-se numa situação de estados de pânico coletivos, aos quais uma epidemia oferece o pretexto ideal, caindo-se numa realidade em que a liberdade é abruptamente limitada, em nome de uma segurança que poderá permitir cometer as maiores atrocidades.

É contrastante, como neste momento, em que a Europa se encontra praticamente em estado de sítio, 30 mil soldados norte-americanos desembarcam no continente até Julho nas suas maiores manobras militares em solo europeu nos últimos 25 anos. Ao mesmo tempo estas manobras que contam com vários milhares de soldados de outros países da Nato dão-se numa altura em que o presidente dos Estados Unidos decidiu banir as entradas dos europeus no seu país. Parece que a guerra é imune a qualquer tipo de vírus.


Trabalhadores e restante povo, não continuem a fechar os olhos à realidade da exploração e humilhação capitalista e a uma realidade que apodrece sem retorno!


Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenin, Stalin e Enver Hoxha!

Viva a revolução socialista violenta e à ditadura do Proletariado!

Vivam o Socialismo Global e Comunismo Global!

Viva o Comintern (SH) e sua Secção Portuguesa em reconstrução!

 

 

 

 

Caros camaradas.

Os fascistas estão aproveitando a quarentena para reverter os direitos sem protestar, porque isso infringe as regras de "distanciamento social". Em Porto Rico, por exemplo, o governo está tentando remover os direitos democráticos básicos já concedidos às pessoas LGBTQ +.

Orbán está se tornando um ditador na Hungria.

Donald Trump tentou reivindicar "poder absoluto em tempo de crise" e só retrocedeu nesta alegação após indignação em massa não apenas isso, mas o FBI, a organização conhecida por destruir grupos comunistas desde o início, tem o direito de acessar à história da Internet de todos os americanos, sem dúvida, em uma tentativa de encontrar mais comunistas para destruir.

Camaradas, eles estão usando o Covid-19 para esconder suas ações sujas. Os fascistas não estão apenas nas ruas em que estão em nossos governos.

Junte-se a nós para esmagar o fascismo!

Junte-se a nós para acabar com sua opressão!

Junte-se a nós para um socialista amanhã!

Junte-se a nós para um futuro comunista!

Viva o Comintern (Estalinismo-Hoxhaismo)!

Viva a Liga dos Lutadores da Frente Vermelha (RFL)!

 

 

traduzido para o português pelos novos camaradas de Portugal

 

 

 

 

ENSINO DA CONSPIRAÇÃO NA ORGANIZAÇÃO ILEGAL DO PARTIDO

O ensino do Marxismo-Leninismo e Stalinismo-Hoxaismo
Na Organização Ilegal do Partido e Tarefas Secretas
E como evitar Erros Legalistas, Sectarios, Reconciliadores, e
Centristas.


Estudo do Texto do Comintern M/L (mudou a designação, para
Comintern S/H, a 7 de Novembro de 2009
By Wolfgang Eggers
Original German text - May 6th, 2003
English translation - October 2018
Tradução Portuguesa – Junho 2020

O Oportunismo Tático do Bloco de Esquerda

 

Quando surgiu em 1999, como uma frente agrupando os restos da esquerda radical socialista e extrema-esquerda, assim como alguns intelectuais, muitos de uma espécie de esquerda radical socialista, para muitos proletários e intelectuais de esquerda, este facto foi visto como uma brisa de ar fresco, a última esperança revolucionária para Portugal.

Em conjunto com outras forças, quiçá, contribuiria para uma mudança socialista revolucionária, na Europa.

Por fim o movimento que continha os militantes e pensadores anti-sistema alinhados, que embora sem grande base ideológica, contavam com PSR, Política XXI e UDP, como uma espécie de influência dirigente, pré-organizada, para levar o projecto às massas, enquadrá-lo com um fim revolucionário, com base em tudo o que houve de positivo no passado do Marxismo e Movimento Popular, desde a Comuna de Paris à Revolução Bolchevique e imune aos erros do passado que permitiram o advento do revisionismo (mas também já criticando o Stalinismo – por questão ideológica e tática, assim como, para agradar e não assustar todos os entorpecidos com a propaganda burguesa anti-comunista ao longo de décadas) e falta de participação popular.

Embora críticos ao chamado «socialismo real», e Stalinismo, mantinham uma referência à revolução socialista.

Desta forma, foram muitos os que acreditaram nesta força, que em votações, já é a maior “de esquerda” em Portugal e muitos, também, os que foram entrando e saindo decepcionados, com a realidade observada de completa institucionalização, do partido, aproveitando-se do esforço e apoio de muitos proletários bem intencionados, oportunisticamente e de forma arbritária. O facto de se apresentar um movimento com causas ditas fracturantes: direitos LGBT, ambientalistas, pró-aborto livre, casamento homossexual, legalização da droga (cannábis) para fins recreativos, medicinas alternativas (ou charlatanice, digo eu) também trouxeram ao movimento, principalmente dirigentes (pessoas instruídas acima da média).

No início declaravam no seu manifesto Começar de novo: “Em nome da sua perpetuação no poder a partir de 1999, o Partido Socialista comporta-se na sociedade portuguesa como o seu mais poderoso anestesiante. O centrismo é a sua condição de existência, tal como essa é a vocação do PSD agora amparado pela muleta do PP. Mas não será o agitar do "papão" da direita, politicamente debilitada por uma derrota de que ainda se não recompôs, que fará com que os portugueses perdoem aos socialistas, mal se torne evidente que a anestesia é parte de uma doença nacional profunda e escondida, e não um meio de cura, quando neste momento actual já aprovaram ou deixaram passar dois orçamentos de estado, calamitosos, para o povo, enchendo os bolsos à burguesia, por parte de um governo que já exibe toques de autoritarismo, como da última manifestação dos camionistas de matérias perigosas, proibiram totalmente a greve, incluindo serviços mínimos legais, chegando a ir acordar trabalhadores com polícias armados de espingarda. Basta dizer que apoiam um governo que enterrou nos bancos falidos mais de 20 000 milhões de euros e assumiu uma dívida impagável perante o FMI, Banco Mundial e União Europeia, que impede qualquer devenvolvimento vigoroso no país.

No início criticavam o PCP, por procurara entendimentos para um governo com PS há vários anos, que é o que BE ultimamente tem feito.

Defesa das 35 horas de trabalho semanal, já nem fala delas, participação direta dos cidadãos na política, muito menos, que eram as grandes lutas iniciais.

Da linguagem de que: “O Bloco assume as grandes tradições da luta popular no país e aprende com outras experiências e desafios; renova a herança do socialismo e inclui as contribuições convergentes de diversos cidadãos, forças e movimentos que ao longo dos anos se comprometeram com a busca de alternativas ao capitalismo.” Agora apelam à calma e bom senso, tendo um dos seus principais fundadores representados no Conselho de Estado.

Antigamente o PS (Ditos socialistas democráticos) e PSD (basicamente a chamada direita liberal), equivaliam-se e rodavam, enquanto hoje em dia o grande perigo é o tal papão da direita. Isto de um movimento que, ainda para mais, usou, para atrair fervorosos militantes, dos quais se aproveitou e vai aproveitando, de sua boa vontade e incapacidade de compreender a fraude onde estão inseridos, da dita equivalência dos partidos do centrão.

Como isca aos elementos mais radicalizados e honestos lançam iscas como a do VI Congresso: “já não esperamos nada do PS e não ficamos à espera do PCP”. O que contradiz totalmente a prática de hoje em dia.


Já é tempo de surgir um partido verdadeiramente proletário, popular, revolucionário, internacional socialista e comunista.

Um partido que lidere o proletariado e massas populares à sua merecida e justa revolução.

No entanto, para tal só apoiados nos ensinamentos dos 5 grades clássicos: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha! Assim como no Comintern (Stalinista-Hoxaista) e sua secção Portuguesa em restruturação.

 

Viva a ditadura proletária mundial!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Viva o Comintern (EH)!

 

 

MANIFESTAÇÃO EM PORTUGAL PROMOVIDA PELO PARTIDO DE EXTREMA-DIREITA “Chega”.

Sábado, 27 de junho de 2020- Lisboa

 

 

Anexo
documento histórico

(2014)



25 de Abril de 1974 - 25 de Abril

de 2014

Mensagem do Comintern (EH)

por ocasião do 40º aniversário

da Revolução dos Cravos

Portuguesa


Hoje, há 40 anos, a forma fascista de ditadura burguesa foi substituído pela forma "democrática" da ditadura burguesa em Portugal. Como já havíamos explicado e afirmado no nosso artigo sobre o 90º aniversário do P "C" P, ela esteve muito longe de ser qualquer tipo de "revolução socialista", mas foi apenas um golpe de Estado organizado por uma secção da burguesia contra outra que permaneceu ligada ao fascismo. De facto, desde o final da II Guerra Mundial, quando o regime fascista - colonialista Português perdeu seus principais parceiros ideológicos (a Alemanha Nazi-fascista e a Itália fascista), certas partes da burguesia de Portugal compreenderam os perigos da manutenção de uma forma abertamente fascista de sua ditadura de classe , pois promoveu a aquisição de uma consciência comunista pelos trabalhadores em face da natureza de classe explicitamente burguesa e repressiva do estado fascista. No entanto, durante muitas décadas, as aspirações desta chamada burguesia "liberal" tiveram que ficar paradas, porque o imperialismo Anglo-Americano surgiu como o novo grande apoiante do fascismo Português como um baluarte na luta contra o campo socialista do camarada Estaline e mais tarde contra os seus rivais social-imperialistas para dominar o mundo. Foi assim que o fascismo Português durou por 48 anos (!), o período mais longo de forma fascista de ditadura burguesa que já existiu. Portugal teve mais anos de fascismo do que a Albânia teve de socialismo. Após a derrota das forças do Eixo e a rendição da Alemanha nazista, muito poucos acreditavam que o fascismo Português poderia durar. Mas graças aos interesses e necessidades dos capitalistas-imperialistas ocidentais no seu combate para impedir a revolução socialista mundial, as classes trabalhadoras Portuguesas tiveram de suportar a repressão fascista até 1974. Neste ano, as secções supostamente "liberais" da burguesia conseguiram finalmente convencer o exército (anteriormente um dos principais pilares do fascismo, mas que estava ficando insatisfeito com a guerra colonial mal sucedida que estava sendo travada em colónias Africanas) a ficar do seu lado e a derrubar o regime, em 25 de Abril de 1974, em que foi chamado de "a Revolução dos Cravos", devido ao facto de que, naquele dia, para celebrar o fim do período fascista, algumas mulheres de Lisboa colocaram cravos vermelhos nas espingardas dos soldados que estavam a tomar parte nas operações para pôr fim ao antigo regime. Mesmo hoje em dia, revisionistas e neo-revisionistas declaram várias vezes que este episódio é a prova do alegado "carácter pacífico e poético da revolução Portuguesa". Os social-fascistas do P “C” P afirmam que:

“ (…) o movimento militar foi transformado numa revolução pacífica.” (http://www.pcp.pt/avante/1378/7803m4.html, 25 de Abril Sempre, edição em Português)

De facto, se tal se revelar alguma coisa, é que a "revolução Portuguesa" nunca poderia ser outra coisa do que uma revolução "democrático-burguesa", que pretende substituir um ramo da burguesia por outro e que visa perpetuar o capitalismo a maximização dos lucros escondendo a natureza de classe inevitavelmente e inerentemente opressiva e exploradora do seu estado por trás de máscaras "democráticas" e até mesmo "populares e socialistas", evitando que as massas exploradas e oprimidas em geral e os trabalhadores em particular, adquiram uma verdadeira consciência revolucionária e mantendo-os longe do Marxismo-Leninismo-Estalinismo-Hoxhaismo. E isto porque todas as revoluções genuinamente socialistas e proletárias devem necessariamente envolver violência de classe e derramamento de sangue, pois as classes exploradoras e opressoras devem ser ferozmente esmagadas pelas classes exploradas e oprimidas sob a liderança de um partido comunista do tipo Bolchevique. Em breve, elas devem sempre incluir a ditadura do proletariado. Isto pode não soar tão "poético" e "romântico", como mulheres que dão flores a soldados, mas isso já foi comprovado pelos ensinamentos dos Clássicos e confirmado pela história. Como o camarada Lenine disse uma vez:

"Cientificamente falando, a ditadura (do proletariado) é um poder que não é limitado por lei (...) e que está directamente baseado na violência." (Lenin , citado por Stalin nas questões do leninismo , 1931, traduzido do francês edição )

Claro que, com isso, não queremos ignorar que a virada democrática na história do povo Português lhe custou um monte de sacrifícios na luta do fascismo. Nem queremos negar que a Revolução dos Cravos Portuguesa e a vitória sobre o fascismo tinha um certo conteúdo progressista e foram actos relevantes da evolução na sociedade Portuguesa e o significado da luta democrática para a preparação da revolução socialista em Portugal, para a abolição da inevitabilidade do fascismo e para o estabelecimento da democracia proletária através da vitória da ditadura do proletariado não pode ser subestimado. A Revolução dos Cravos permitiu que colónias Africanas Portuguesas obtivessem uma independência formal, mesmo que elas tenham sido prontamente transformadas em neo-colónias Soviéticas. Alguns "direitos" burgueses formais que simplesmente não existiam sob o fascismo foram concedidos. Afinal, não é o mesmo que lutar em condições de fascismo aberto ou com algumas oportunidades legais. Claro que nunca poderíamos ignorar essa diferença. Afinal de contas, temos de lutar pela democracia e não podemos deixá-la na posse dos revisionistas. Se os revisionistas detêm o campo democrático da luta de classes para enganar as massas, então devemos tirar esta arma deles. Devemos denunciá-los e convencer as pessoas de que somos os únicos verdadeiros representantes da luta pela democracia proletária e contra a "democracia" burguesa. As massas devem aprender a diferença dos caracteres de classe da democracia. Sem combinação da revolução socialista com a luta pela democracia do povo, do proletariado, isso não seria suficiente para arrebatar o poder político. Se a luta democrática está nas mãos da burguesia e da pequena burguesia, então não temos permissão para deixar o nosso próprio campo da luta de classes para a democracia - o que facilita a nossa luta pela revolução socialista. Nunca devemos desistir da alavanca da luta democrática que é vital para a nossa luta socialista. Isso não significa que devemos esquecer que só o socialismo, sob a ditadura do proletariado, garante a eliminação do perigo de restauração fascista. A restauração do fascismo é inevitável se a classe trabalhadora não destruir o capitalismo por completo. Somente em combinação com a luta socialista e, especialmente, por meio da subordinação da luta democrática á luta socialista pode a ditadura burguesa violentamente ser derrubada. A luta democrática em si, é totalmente incapaz de se livrar da exploração e da opressão das classes dominantes. Tudo o resto é lixo revisionista - reformista e serviço de bordo "democrático" no interesse de manter a dominação de classe da burguesia. Além disso, os lacaios social-fascistas são os principais promotores da restauração do fascismo. Nós não podemos derrotar o fascismo crescente, se ignorarmos a importância das reivindicações democráticas na nossa luta pela derrubada revolucionária da ditadura da burguesia. É nosso dever desmascarar os revisionistas como que o que eles realmente são: a agência de transformação fascista dentro do movimento dos trabalhadores com a finalidade de salvar a ditadura burguesa da sua substituição pela ditadura do proletariado. Os social-fascistas e os fascistas são gémeos que são inimigos da democracia. Portanto, devemos lutar por reivindicações democráticas sempre no interesse da revolução socialista contra ambos os gémeos. Subestimar essa necessidade significaria oportunismo de "esquerda", e sobrestimá-la significaria oportunismo de direita. Temos que combater tanto desvios de direita como de "esquerda" e defender a nossa linha comunista correcta no manuseio correcto da questão democrática.

Hoje, a luta pela democracia em condições concretas do curso da actual crise capitalista mundial está ficando com cada vez mais importância. Em Portugal, a crescente resistência do proletariado e de outras classes trabalhadoras é muito perigoso para a manutenção do domínio da burguesia Portuguesa. A invasão colonialista recente e suas "medidas de austeridade" orquestradas pelos imperialistas da UE e do mundo têm causado sofrimentos indizíveis sobre os trabalhadores portugueses, que estão agora submersos na miséria mais horrível. Mesmo para os mais politicamente inactivos deles, a "Revolução dos Cravos" democrático-burguesa deixou muito a desejar. É também por isso que devemos absolutamente apelar para a luta das classes exploradas e oprimidas contra o terrorismo fascista aberto através de demandas democráticas e socialistas, porque a burguesia mundial em geral e a burguesia Portuguesa em particular, estão inevitavelmente obrigadas a elaborar e implementar mais cedo ou mais tarde a transformação da sua ditadura em formas terroristas fascistas abertas contra os trabalhadores e o povo, e especialmente contra as forças revolucionárias em Portugal, incluindo os Estalinistas-Hoxhaistas, que vão liderar a luta de classes em Portugal.

A classe burguesa Portuguesa e Mundial teme-nos a nós, Estalinistas-Hoxhaistas, porque nós somos os únicos que podemos liderar a luta de classes em Portugal, que podemos orientar as massas Portuguesas para a vitória como um destacamento do exército vermelho mundial marchando para a revolução socialista mundial, para a ditadura do proletariado mundial, pelo socialismo e o comunismo mundiais.

Classes exploradas e oprimidas Portuguesas - uni-vos!

Não se deixem enganar pelas fachadas "democráticas" burguesas!

Sob o capitalismo, todos os regimes, sem excepção, são ditaduras repressivas de exploração burguesa - não importa se eles usam roupas "democráticas" ou fascistas!

Abaixo os revisionistas e neo-revisionistas que querem a luta democrática como um fim em si mesma!

A luta democrática não é nada sem a luta pelo socialismo!

Comunismo mundial = a única forma de abolir definitivamente a inevitabilidade do fascismo!

Viva o lado progressista da Revolução dos Cravos!

Viva a revolução socialista mundial e a ditadura do proletariado mundial!

Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lenine, Estaline e Enver Hoxha!

Viva o socialismo mundial e o comunismo mundial!

Viva o Comintern (EH)!

 

 

 

PCP (R)

Tal como o seu nome indica, o objectivo do partido era reconstruir o movimento comunista português, era expurgá-lo de toda a espécie de tendências revisionistas e oportunistas que infiltravam as classes trabalhadoras portuguesas. O PCP (R) foi o primeiro e, até este momento, o único partido político português que defendeu a Albânia Socialista e a luta anti-revisionista do PTA. O partido também seguia os ensinamentos de Enver Hoxha e honrava a herança de Estaline. O PCP (R) constituiu uma importante secção do Movimento Mundial Marxista-Leninista liderado pelo Camarada Enver Hoxha.

Em Janeiro de 1976, o Congresso fundador do PCP (R) enviou uma mensagem de saudações ao Comité Central do Partido do Trabalho da Albânia:

“O Congresso para a reconstrução do Partido Comunista Português gostaria de enviar as mais calorosas saudações ao PTA, ao seu grande líder, o Camarada Enver Hoxha e ao heróico povo Albanês. A Albânia Socialista é o país da ditadura proletária, é a luz que guia o socialismo na Europa. A sua luta corajosa e combativa contra o imperialismo internacional e contra o revisionismo constitui um grande exemplo para a defesa dos princípios Marxistas-Leninistas e para a defesa da causa do comunismo.


Desde os primeiros momentos da traição revisionista, o PTA sempre conseguiu erguer a bandeira da revolução sem se submeter a qualquer tipo de ameaças ou intrigas e ultrapassando todas as espécies de obstáculos. (…) A experiência do PTA é uma fonte inspiradora para os Marxistas-Leninistas portugueses na sua luta contra o imperialismo e o fascismo, (…) contra a traição revisionista e a sabotagem do movimento operário a partir do seu interior, contra a ideologia burguesa (…) e a favor da revolução popular e da edificação do socialismo no nosso país (…).

Em 1921, foi criada a vanguarda organizada da classe trabalhadora. Durante várias décadas, o PCP orientou a luta do povo português contra o fascismo e contra a exploração capitalista, contra o imperialismo e o colonialismo e a favor da democracia popular e do socialismo. O passado glorioso do PCP, os seus heróis e combatentes pertencem aos Marxistas-Leninistas e não á clique revisionista de Cunhal. O PCP (R) foi formado após 12 anos de luta contra o revisionismo moderno (…) (que) tentou extinguir o fogo revolucionário no nosso país (…). O PCP (R) dá continuidade ás tradições da luta de classes no nosso país e levanta bem alto o estandarte de Marx, Engels, Lénine e Estaline (…) o PCP (R) quer ser a força principal na concretização da missão histórica do proletariado português que consiste em preparar o caminho para a edificação do socialismo e do comunismo (…).”

No dia 6 de Março de 1976 (o 55º aniversário do PCP), uma delegação do PCP (R) deu uma entrevista á Rádio Tirana sobre: “A situação em Portugal e as tarefas presentes do PCP (R)”:

“O PCP (R) guia-se pelo Marxismo-Leninismo e as suas fileiras são compostas pelos mais corajosos combatentes proletários. O PCP (R) sublinha a tarefa essencial que cabe ao partido no que respeita á unificação do povo e á afirmação do papel dirigente da classe operária no contexto da luta revolucionária.

Portugal atravessa uma situação muito difícil. As massas têm de resistir a um inimigo que multiplicou as suas forças e que está pronto para tudo. Os representantes dos grandes monopolistas e do imperialismo internacional são guiados pelo Imperialismo Americano que deseja um regresso á antiga ditadura fascista. Entretanto, os preços sobem, os salários estão congelados, o desemprego afecta quase meio milhão de pessoas e o panorama geral revela uma grande pobreza. De maneira a conseguirem sair da crise económica, o governo está a pedir mais créditos aos capitalistas e aos revisionistas, o que só aumenta a dependência de Portugal relativamente a outros países. Nesta situação, o PCP (R) estabeleceu que a sua primeira tarefa é unir o povo português com o propósito de evitar o regresso do fascismo. Vamos lutar contra as políticas anti-populares da burguesia! Vamos defender a liberdade, a independência nacional e a vitória popular! Estes são alguns dos principais slogans do partido.

(…) o partido também aumentou a vigilância em relação ás actividades dos social-imperialistas soviéticos que estão em luta contra o imperialismo americano com o objectivo de conquistar posições dominantes na península Ibérica.

Nenhuma destas tarefas terá sucesso sem uma luta honesta contra a clique revisionista que ainda usa slogans socialistas para se infiltrar nas organizações de massas, para praticar a reconciliação das classes e para dividir o povo trabalhador. Os revisionistas enganam as massas através da ilusão de que a forma democrática do domínio capitalista pode resolver os seus problemas. A política dos revisionistas opõe-se directamente aos interesses do povo e esta é uma situação muito complicada porque dificulta a luta popular contra o inimigo.

O PCP (R)(…) desenvolve a luta ideológica contra o revisionismo através da imprensa do partido com o objectivo de educar as classes trabalhadoras (…). Além disso, o partido leva a cabo um trabalho diário para remover as influências revisionistas no interior das organizações de massas, sindicatos e cooperativas (…) este é um trabalho difícil que requer contactos com as massas, que requer uma dedicação firme á defesa dos interesses das classes trabalhadoras.

O propósito do partido é isolar a clique revisionista que está a enganar os elementos honestos envolvidos na luta revolucionária.”

O PCP (R) desenvolveu laços de amizade com todos os outros partidos Marxistas-Leninistas e recebeu muitas mensagens de saudações logo após a sua fundação. Essas mensagens de saudações vieram do Partido Comunista da Bolívia/ML, do Partido do Trabalho do Irão (Toufan), do Partido Comunista do Brasil, etc.


Por exemplo, o carácter internacionalista do PCP (R) evidenciava-se nas relações calorosas que o partido mantinha com o PC do Brasil. Numa declaração conjunta do PCP (R) e do Partido Comunista do Brasil intitulada “Os Partidos Marxistas-Leninistas fortalecem a solidariedade mútua”, ambos os partidos afirmavam que:

“As ligações entre os partidos Marxistas-Leninistas devem ser consolidadas de uma maneira internacionalista baseada na solidariedade mútua e na luta comum contra o capital monopolista, contra o imperialismo e a reacção. Os encontros entre os representantes dos partidos Marxistas-Leninistas constituem uma prova viva do carácter e da unidade internacional do Movimento Marxista-Leninista. (…) (Ambos os partidos) expressam a sua determinação em aprofundarem a cooperação mútua (…) de forma a estarem sempre na vanguarda das lutas revolucionárias das massas trabalhadoras e a orientá-las na direcção da revolução proletária.

O proletariado português deve saber que por detrás da sua fraseologia “comunista” e “revolucionária”, os revisionistas da clique de Cunhal não são mais do que traidores detestáveis, eles são lacaios da burguesia e do social-imperialismo soviético. A clique de Cunhal não tem nada em comum com o Marxismo-Leninismo, não tem nada em comum com a classe trabalhadora nem com as lutas dos povos Latino-Americanos. (…) as nossas fileiras estarão sempre na primeira linha da luta das massas trabalhadoras contra os regimes fascistas impostos pelo imperialismo Americano, elas combaterão sempre a favor da libertação dos povos.”

Em Agosto de 1976, o PCP (R) definiu as suas tarefas principais:

“Recentemente, teve lugar a 6ª Sessão Plenária do Comité Central do PCP (R). Este encontro caracterizou-se pelo sentido proletário da unidade e da responsabilidade e também pelo debate franco e aberto. A Sessão foi um passo em frente na consolidação do trabalho do partido e na liderança da luta das massas oprimidas. (…) Foi apontada a necessidade de estender as actividades a todo o país de forma a aumentar a influência do PCP (R) entre as massas de camponeses e a colocar o partido na linha de frente das suas lutas. O encontro lidou ainda com o trabalho que deve ser levado a cabo pelos membros do partido entre as mulheres e a juventude, porque estas duas secções da população constituem uma força decisiva da luta de classes

O Comité Central do PCP (R) realçou a importância da aplicação dos métodos do trabalho revolucionário de maneira a revolucionarizar as fileiras e a concretizar a proletarização de todas as organizações do partido. Isto contribuirá para aumentar a sua influência e fortalecerá o próprio partido (…).

(…) O Comité Central do PCP (R) também decidiu organizar a juventude comunista revolucionária, e expressou a convicção de que esta decisão será recebida com grande entusiasmo pelos operários, camponeses, estudantes e pela juventude do partido. Eles têm a oportunidade de criar rapidamente uma poderosa organização comunista da juventude constituída por milhares de jovens operários, camponeses e estudantes e contando com o apoio total das massas militantes da juventude portuguesa (…).”

No início do ano de 1977, no III Congresso do KPD/ML, o PCP (R) declarou que:

“ (…) O Partido Comunista Português (Reconstruído) é uma jovem secção do movimento comunista internacional. Após 12 anos de luta, ele foi novamente reconstituído em Dezembro de 1975 e irá agora realizar o se Segundo Congresso (…).Durante os 12 meses da sua existência, o nosso partido fortaleceu-se: por um lado, pela luta contra o revisionismo moderno contra-revolucionário de Cunhal, o espírito comodista e o carreirismo das classes médias; por outro lado, o nosso partido está determinado em participar na acção política revolucionária e lutou constantemente de maneira a ganhar a confiança dos trabalhadores e das massas populares e a liderar a sua luta em direcção á revolução democrática popular, ao socialismo e ao estabelecimento da ditadura do proletariado (…).

Com o colapso da mais longa ditadura fascista da história da humanidade, Portugal mergulhou numa crise profunda. Muitas secções do povo estão envolvidas na luta revolucionária. Houve muitos factos positivos que foram consolidados pela acção da classe operária e do povo. O proletariado rural ocupou pela força as terras pertencentes aos grandes latifundiários, nas cidades o povo ocupou as casas dos ricos e a classe operária ocupou fábricas e expulsou os empresários fascistas.


Queridos Camaradas!

O internacionalismo proletário é um princípio intocável que é agora de importância vital para os Comunistas e para os povos do mundo. A crise do sistema capitalista, especialmente nas duas maiores e mais perigosas superpotências capitalistas que são os EUA e a URSS, está a intensificar a rivalidade e a competição e entre elas em todas as partes do mundo. Ao mesmo tempo, a luta revolucionária da classe operária e dos povos explorados e oprimidos está a recrudescer. Nestas condições, o objectivo comum dos nossos dois partidos consiste em fazer tudo o que for possível para fortalecer ainda mais a unidade do movimento comunista internacional na base dos princípios eternamente válidos do Marxismo-leninismo.”

Em 1977, o PCP (R) elogiou e apoiou a luta dos povos Latino-Americanos contra o fascismo e o imperialismo:

“Os partidos Marxistas-Leninistas tomaram conhecimento das notícias acerca do encontro multi-nacional das delegações dos partidos Marxistas-Leninistas da América Latina e da publicação da sua declaração conjunta. Eles dão as boas-vindas a este encontro dos partidos fraternais da América Latina com todo o seu coração e apoiam as conclusões e as teorias correctas que foram formuladas pelos partidos fraternais da América Latina e (…) avalia o encontro como sendo uma grande passo em frente no fortalecimento da unidade dos partidos Marxistas-Leninistas. Nesta ocasião, os partidos Marxistas-Leninistas reiteram a sua determinação em consolidar os esforços conjuntos para promover a solidariedade e a cooperação entre todos os partidos Marxistas-Leninistas na luta contra os seus inimigos comuns, a burguesia reaccionária e o imperialismo americano; o social-imperialismo soviético e o revisionismo moderno e a favor da vitória da revolução e do socialismo.

O Partido Comunista Português (Reconstruído) expressou a sua total solidariedade com a declaração conjunta dos partidos Marxistas-Leninistas da América Latina e qualifica essa declaração como um documento histórico. O progresso das forças revolucionárias em qualquer país requer o fortalecimento do partido Marxista-Leninista e a (…) solidificação do internacionalismo proletário (…).

O Partido Comunista Português (Reconstruído) qualifica o encontro dos Partidos da América Latina como uma acção de grande significado histórico para o movimento comunista e como um exemplo para os mais jovens partidos Marxistas-Leninistas (…).

A unidade dos Marxistas-Leninistas revolucionários do mundo é consolidada pelo encontro e pela declaração conjunta dos partidos fraternais da América Latina.

(…) o fortalecimento das ligações internacionalistas entre eles é muito importante Porque significa a consolidação de uma verdadeira cadeia de departamentos do proletariado revolucionário em luta aberta contra a hegemonia do imperialismo americano e contra os regimes fascistas que dominam quase todos os países da América Latina.”

Em Abril de 1977, o Comité Central do PTA enviou o seguinte telegrama ao Comité Central do Partido Comunista Português (Reconstruído):

“O Comité Central do PTA, (…) tomou conhecimento de que o Segundo Congresso do vosso partido está a realizar-se. (…) nós queremos expressar a nossa confiança de que o Segundo Congresso do Partido Comunista Português (Reconstruído) inspirado nos ensinamentos imortais de Marx, Engels, Lénine e Estaline será coroado com total sucesso. As vossas decisões devem seguir o caminho da luta revolucionária do vosso partido a favor dos interesses vitais da classe operária portuguesa e do povo trabalhador com o propósito de atingir o progresso social e o socialismo em Portugal; e contra o perigo fascista que ainda existe no país e que promove a exploração e a opressão pelo capital e pelo imperialismo americano.

O galante e patriótico povo português tem uma longa história de aspirações e de lutas pela liberdade e pela independência. Sob as condições da brutal ditadura fascista de Salazar, o povo português lutou pela libertação social contra a exploração fascista e contra a opressão provocada pela burguesia nacional. A batalha decisiva do povo português derrubou a ditadura fascista, mas o partido revisionista de Cunhal, lacaio do social-imperialismo soviético e agente da burguesia, está a tentar (…) afastar a classe operária portuguesa do caminho da revolução.

A fundação do Partido Comunista Português (Reconstruído) constitui um ponto de viragem na história das lutas revolucionárias do povo português. A classe operária portuguesa tem agora a sua vanguarda Marxista-Leninista, e em aliança com o proletariado rural e com as outras massas exploradas, a classe operária portuguesa luta pelo avanço da causa da revolução democrática e popular. Os proletários portugueses marcham com determinação em direcção aos seus objectivos mais elevados, o socialismo e o comunismo. A fundação do vosso partido é uma vitória considerável dos Marxistas-Leninistas sobre o revisionismo moderno e sobre os outros inimigos dos interesses da classe operária. A organização e a unidade dos verdadeiros Marxistas-Leninistas em redor do Partido Comunista Português (Reconstruído) e a denúncia da traição dos revisionistas modernos, dos Trotskistas e de todos os outros oportunistas constitui uma vitória não apenas para a classe operária portuguesa, mas também para a revolução mundial (…).

O PTA e o Partido Comunista Português (Reconstruído) mantêm relações de amizade. Os nossos partidos irmãos aprendem um com o outro e ajudam-se um ao outro, lutando lado a lado na mesma barricada da luta de classes contra as agressões e as políticas hegemónicas das duas superpotências, o imperialismo americano e o social-imperialismo soviético.

A participação da delegação do Partido Comunista Português (Reconstruído) no 7º Congresso do PTA em Novembro de 1976 foi uma expressão clara do internacionalismo proletário, da estreita amizade que une os nossos dois partidos irmãos e um grande encorajamento para os nossos comunistas e para os nossos povos.”

O PCP (R) insistiu sempre na luta contra as tendências revisionistas com base no internacionalismo proletário e no fortalecimento do Movimento Marxista-Leninista. Em Setembro de 1977, a “Resolução do 2º Plenário do Comité Central do Partido Comunista Português (Reconstruído) acerca da necessidade de consolidar a luta contra o revisionismo moderno” declarava que:

“Um dos aspectos mais importantes do trabalho dos partidos Marxistas-Leninistas consiste no seu esforço e na sua luta para desmascarar as actividades e as políticas traidoras e anti-populares dos partidos revisionistas, e para defender o Marxismo-Leninismo contra os ataques e as distorções dos revisionistas, promovendo assim a eliminação das influencias revisionistas no seio das massas trabalhadoras.

(…) o fortalecimento da luta contra a clique revisionista e burguesa de Cunhal com o propósito de a isolar das massas constitui uma das principais tarefas do partido. O PCP (R) (…) sabe que a luta contra o revisionismo é complexa, prolongada e requer muita força e energia da parte do partido revolucionário e da classe operária.

É dever do nosso Partido (…) agir como um poderoso movimento Marxista-Leninista e mostrar ás massas que o revisionismo não pode ser capaz de interromper a grande batalha que está a ser travada desde o tempo de Lénine. É dever do nosso partido publicitar os sucessos do Movimento Internacional Marxista-Leninista entre a classe operária Portuguesa e expor a degeneração burguesa das correntes e tendências que dividem o revisionismo actual.

O Comité Central do PCP (R) (…) está atento ao facto de que (…) o estudo do Marxismo-Leninismo e as ligações com as massas devem ser consolidados nos interesses da revolução proletária.

O Comité Central do PCP (R) destaca a tarefa (…) da defesa do Marxismo-Leninismo e do fortalecimento das ligações com a classe operária e com as massas no sentido de criar um movimento revolucionário forte e unificado (…) a nossa perspectiva é a conquista do poder político.”

Em Agosto de 1978, no seguimento da ruptura entre a China e a Albânia, o jornal “Bandeira Vermelha” [o órgão central do Partido Comunista Português (Reconstruído)], escreveu um artigo denunciando as acções criminosas dos revisionistas chineses em relação á Albânia Socialista:

“ (…) com o cancelamento dos contratos e da ajuda á Albânia, eles alinharam-se com os revisionistas Krushchevistas. (…) Mas apesar das dificuldades que eles causaram á economia Albanesa, eles não conseguirão deter o heróico povo albanês, unido em redor do PTA e liderado pelo Camarada Enver Hoxha, erguendo bem alto a bandeira do Marxismo-Leninismo e constituindo um exemplo para todos os outros comunistas. (…) a liderança chinesa, que segue o caminho da aliança com o imperialismo americano e com a burguesia, está a afastar-se da classe operária e dos povos progressistas de todo o mundo.

Os verdadeiros partidos Marxistas-Leninistas, incluindo o Partido Comunista Português (Reconstruído), estão do lado do PTA, apoiam a causa indestrutível de Marx, Engels, Lénine e Estaline e sairão vitoriosos da batalha contra o revisionismo. Nós aplicamos o internacionalismo proletário que se exprime concretamente no nosso apoio ao PTA e á Albânia Socialista (…). Com as suas acções criminosas, os líderes chinese não irão conseguir causar dificuldades inultrapassáveis ao povo Albanês nem irão conseguir impedir a edificação do socialismo na Albânia Socialista. Os novos revisionistas (…) não atingirão os seus objectivos através da ruptura económica.”

Durante o mesmo período, o jornal Albanês “Zeri i Rini” publicou as impressões da Delegação do Concílio Nacional da Associação da Juventude Comunista Revolucionária de Portugal que tinha visitado a Albânia Socialista a convite do Comité Central da Associação da Juventude da Albânia:

“Se a liderança chinesa insistir com as suas actividades traidoras, hostis, arbitrárias e anti-Marxistas contra a Albânia Socialista, nós apoiaremos solidariamente o povo Albanês, o PTA e a sua determinação em defender os princípios Marxistas-Leninistas. Nós combinaremos a nossa voz com as vozes poderosas de todos os outros Marxistas-Leninistas e de todos os povos revolucionários do mundo para condenar as acções arbitrárias daqueles que tentam por todos os meios aplicar uma linha anti-socialista e anti-Marxista, que tentam promover a reconciliação com o imperialismo e com a reacção sob o disfarce da “teoria dos três mundos”. (Neste texto, é possível notar não apenas a defesa da Albânia Socialista contra o imperialismo chinês, mas também o esforço no sentido da luta ideológica contra o Maoismo).

A nossa bandeira (…) é a bandeira da revolução e do socialismo, é a bandeira da libertação da classe operária, é a bandeira da ditadura do proletariado, do Marxismo-Leninismo e do internacionalismo proletário. (…) O que torna memorável a nossa visita á Albânia é o facto de que nós tivemos oportunidade de ver com os nossos próprios olhos como este país está a erguer heroicamente o estandarte do Marxismo-Leninismo. O internacionalismo proletário é cada vez mais forte (…).”

Em Setembro de 1978, o jornal “Bandeira Vermelha” também publicou um artigo intitulado “Uma nova luta pelo Marxismo-Leninismo”:

“O novo oportunismo está a tentar (…) disfarçar-se de maneira a evitar que o proletariado realize a revolução e a impedir a construção do socialismo, contribuindo assim para proteger o sistema capitalista explorador e opressivo. Estes novos oportunistas estão a seguir uma política pragmática e estão a promover a contra-revolucionária “teoria dos três mundos”. Esta teoria (…) não passa de uma teoria anti-Marxista-Leninista. A luta contra esta teoria é agora uma luta entre os princípios do Marxismo-Leninismo e o revisionismo. O PTA e o movimento comunista mundial opõem-se a esta pseudo teoria (…). Forjado na heróica luta de Libertação nacional, fortalecido na luta contra os inimigos imperialistas e revisionistas, o PTA revelou a tempo as actividades dos revisionistas Krushchevistas e liderou uma luta persistente contra eles. Por causa disso, foram exercidas fortes pressões e chantagens sobre o PTA e sobre o povo Albanês (…). As políticas seguidas pelos líderes chineses contra o PTA e contra o povo Albanês (…) são a prova da sua política reaccionária baseada também nas pressões e nas chantagens. O seu método é, em forma e conteúdo, o mesmo que foi utilizado pelos Krushchevistas nos anos 60 (…). Uma coisa é certa: as pressões contra a Albânia sofrerão uma derrota. O PTA é (…) um modelo de determinação inflexível na defesa do Marxismo-Leninismo e revela, com base em factos concretos e argumentos sólidos, as verdadeiras razoes por detrás da atitude hostil dos líderes chineses. Com as suas firmes posições Marxistas-Leninistas, o PTA está na linha da frente da luta contra todos os tipos de revisionismo moderno.”

Nós devemos notar que o PCP (R) não apenas propagou a luta contra o social-fascismo chinês no interior das suas fileiras, mas também a difundiu entre as massas trabalhadoras. Por exemplo, o Concílio Central dos Sindicatos Albaneses recebeu uma carta do povo trabalhador e revolucionário do sector da construção civil no distrito de Braga (em Portugal). A carta elogia e apoia as corajosas posições Marxistas-Leninistas da Albânia Socialista contra as acções despóticas, chauvinistas e anti-Marxistas dos líderes fascistas chineses:

“ (…) foi com uma profunda indignação que tomámos conhecimento da atitude dos líderes do Partido Comunista da China contra a Albânia Socialista. É óbvio que um tal acto de traição tem como objectivo afastar a Albânia do seu caminho revolucionário. Os líderes chineses querem restaurar o capitalismo na China e liquidar um verdadeiro país socialista como a Albânia. Todos os inimigos do socialismo agem da mesma forma: se são desmascarados, então agem sem qualquer tipo de escrúpulos, de uma maneira desrespeitosa e cancelam todos os compromissos (…) a Albânia aparece aos olhos dos trabalhadores de todo o mundo como grande país por causa da sua destemida determinação revolucionária.

Os trabalhadores portugueses olham para a Albânia Socialista hoje mais do que nunca. Possam os trabalhadores Albaneses continuar a marchar resolutamente em direcção ao socialismo. Os líderes chineses estão enganados se pensam que podem parar a luta revolucionária dos povos. (…) eles nunca conseguirão evitar o colapso do capitalismo e do imperialismo através do auxílio que eles dão á reacção mundial. Em nome dos trabalhadores das obras públicas do distrito de Braga, nós condenamos firmemente as acções traidoras levadas a cabo pelos líderes chineses contra o povo Albanês. Nós estamos em total solidariedade com o governo Albanês, com o PTA e com o seu grande líder, o Camarada Enver Hoxha. Em Braga, os trabalhadores da construção civil estão do lado dos trabalhadores Albaneses e apoiam a sua luta pela completa edificação da sociedade socialista.”

É claro que o P “C”P não gostou do facto de que um verdadeiro partido Marxista-Leninista estavam a crescer e a desenvolver-se, e para evitar isto, os revisionistas portugueses usaram a estratégia tipicamente revisionista que consiste em retratar os comunistas autênticos como “sectários” e “ultra-esquerdistas”. Para além disto, o PCP (R) condenou corajosamente a contribuição activa que os revisionistas portugueses deram para o colapso da reforma agrária e para a reabilitação dos latifundiários exploradores. O PCP (R) afirmou em 1976:

“As recentes medidas têm como propósito a devolução aos grandes latifundiários das propriedades abaixo de uma determinada dimensão. O Sindicato dos trabalhadores rurais (que é dominado pela linha revisionista de Cunhal) também apoiou esta lei.”

Infelizmente, o PCP (R) tinha uma fraqueza que iria acabar por ditar a sua posterior extinção. O calcanhar de Aquiles do PCP (R) consistiu em que o partido nunca conseguiu livrar-se completamente da influência do Maoismo. As influências Maoistas existiram no partido desde o início, mas com a ajuda dos ensinamentos Marxistas-Leninistas do Camarada Enver, o partido demarcou-se aparentemente do Maoismo e do social-imperialismo chinês. Por exemplo, durante a ruptura entre a Albânia e a China em 1978, o PCP (R) ficou do lado da Albânia. Infelizmente, este “anti-Maoismo” do PCP (R) provou ser apenas superficial e o partido começou-se a desintegrar no início dos anos 90, num processo que conduziria ao total desaparecimento do partido em 1992. É claro que não devemos esquecer que a ascensão do revisionismo Albanês e a consequente queda da Albânia Socialista nos anos 1991-1992 foram também factores externos decisivos que determinaram a morte do PCP (R).

Nós, Estalinistas-Hoxhaistas portugueses, devemos aprender com os erros do passado. Nós devemos reflectir acerca dos erros que levaram á liquidação do PCP (R) de maneira a nunca mais os repetirmos. Principalmente, devemos lutar ferozmente contra todo o tipo de tendências Maoistas que possam enfraquecer a consciência revolucionária dos verdadeiros elementos Marxistas-Leninistas.)

Actualmente, a principal tarefa no que respeita á continuação da trajectória revolucionária do PCP consiste em tirar as lições necessárias tanto das suas vitórias como das suas derrotas.

As duas principais lições são:

Em primeiro lugar:

O PCP ultrapassou vitoriosamente a degeneração causada pelos revisionistas modernos através da sua reconstrução pelo PCP (R) no início de 1976.

Em segundo lugar:

O PCP deve agora ultrapassar vitoriosamente a degeneração causada pelo neo-revisionismo através da reconstrução Estalinista-Hoxhaista.

De ambas as vezes, o PCP foi destruído pela pressão externa da burguesia e pela infiltração revisionista no sei do partido. A lição a tirar é clara: devemos evitar que isto aconteça pela terceira vez baseando-nos nas lições dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo.

Uma das principais maneiras de evitar que a degeneração suceda pela terceira vez é erguendo a bandeira Marxista-Leninista do PCP (R).

A fundação do PCP (R) foi o momento mais significativo na gloriosa história do PCP e em toda a história da luta revolucionária do povo português. A classe operária portuguesa readquiriu a sua organização de vanguarda Marxista-Leninista. O PCP (R) lutou pelo avanço da revolução democrática em aliança com os camponeses e com todas as outras classes exploradas. O PCP (R) marchava resolutamente em direcção aos mais elevados ideais – o socialismo e o comunismo. A fundação do PCP (R) foi uma importante vitória dos Marxistas-Leninistas sobre o revisionismo moderno e sobre todos os outros inimigos da classe operária. A organização e a unidade dos verdadeiros Marxistas-Leninistas em redor do PCP (R) provou ser bem-sucedida na luta contra os revisionistas modernos, contra os Trotskistas e contra toda a espécie de oportunistas. Isto não foi apenas uma vitória para a classe operária portuguesa, mas foi também uma vitória para a revolução mundial.

Entre o PCP (R) e o Partido do Trabalho da Albânia - liderado pelo Camarada Enver Hoxha e no centro do Movimento Mundial Marxista-Leninista – estabeleceram-se ligaçoes fraternais. O PCP (R) também estabeleceu laços de amizade com todos os outros partidos Marxistas-Leninistas irmãos. Estes laços eram expressão do internacionalismo proletário, eles eram a expressão da unidade e da força do Movimento Mundial Marxista-Leninista do Camarada Enver Hoxha. A luta do PCP (R) constitui um guia indispensável do caminho que deve ser hoje seguido pelos Estalinistas-Hoxhaistas.

Entretanto, o P “C” P estava enterrado no processo degenerativo comum a muitos outros partidos revisionistas da Europa Ocidental. De facto, durante o fascismo, os revisionistas portugueses eram forçados a executar actividades clandestinas e ainda faziam um esforço para manterem uma certa fachada “revolucionária”. No entanto, após a Revolução dos Cravos e com o estabelecimento da “democracia” burguesa, eles aceitaram abertamente uma linha parlamentarista e legalista que exclui qualquer tipo de trabalho ilegal entre as massas. Esta foi também a linha seguida pelo Partido Comunista de França, pelo Partido Comunista de Itália, pelo Partido Comunista de Espanha, etc.… Estas tendências são já claramente perceptíveis na atitude adoptada pelo P “C”P relativamente ás greves dos trabalhadores imediatamente após a Revolução de Abril. No dia 30 de Maio de 1974, a Comissão Executiva do Comité Central do P”C”P fez uma declaração intitulada “O PC apela ao sentido de responsabilidade” na qual os líderes revisionistas portugueses afirmavam desonestamente que: “Nós denunciamos a colaboração dos elementos reaccionários e o apoio directo ou indirecto por parte de grupos de aventureiros e de esquerdistas que tentam provocar uma crise económica com o objectivo de destruir as conquistas democráticas.” Mas a quem é que os social-fascistas portugueses se estão a referir ao mencionarem os “aventureiros e esquerdistas”? Eles estão a referir-se aos trabalhadores como os condutores de autocarros que faziam greves para lutarem pelo seu salário, mas na visão do P “C”P “os condutores de autocarros desorganizaram o trânsito na capital e paralisaram a produção e o comércio.” Eles estão a referir-se aos padeiros que lutam e fazem greve, mas que são cinicamente denunciados pelo P “C”P como sendo culpados por prejudicarem “a alimentação dos trabalhadores e das famílias pobres” (nesta ocasião, os revisionistas portugueses ultrapassaram todos os limites no que respeita á hipocrisia e á demagogia. Só os lacaios dos capitalistas é que falam desta maneira!!!). Os líderes revisionistas portugueses expõem ainda mais a sua ideologia social-imperialista quando declaram que é necessário “prevenir os conflitos sociais, e as greves desorganizariam a produção, os transportes e o fornecimento de bens essenciais ao povo, o que poderia ser usado em favor da contra-revolução.” Concluindo, durante quase 50 anos de domínio fascista, os trabalhadores portugueses estavam proibidos de organizar greves. E agora, após o 25 de Abril de 1974, é PRECISAMENTE o P “C”P revisionista que proíbe os trabalhadores de fazerem greve!!!

No dia 1 de Junho de 1974, numa entrevista aos meios de comunicação da RDA intitulada “Os comunistas têm a confiança da classe operária”, Cunhal afirmou que: “Nós pensamos que neste momento, uma nova onda de greves, (…) ANTES de todos os outros meios de negociações serem tentados, serviria interesses que não corresponderiam aos dos trabalhadores.” Esta afirmação é uma prova clara da horrenda ideologia social-fascista que Cunhal praticava. Afinal, como é que as greves dos trabalhadores podem ser perigosas para os próprios trabalhadores?!!! Por um lado, Cunhal “defende” o direito dos trabalhadores á greve (puramente económica), mas por outro lado ele entende que as greves não devem ser permitidas se forem dirigidas contra o governo provisório (greves políticas dos trabalhadores)! Isto significa que o governo deve lutar pelas exigências políticas enquanto que os trabalhadores devem estar limitados á luta pelas exigências de carácter económico (esta é a velha ideologia do economismo que foi refutada por Lénine). Cunhal também argumentou que as greves dos trabalhadores “favoreceriam a contra-revolução”. Com estas palavras, Cunhal expõe-se a si próprio como o lacaio burguês e social-imperialista que é; ele confirma explicitamente a sua vontade de perpetuar o capitalismo através da eliminação das lutas de classes que poderiam conduzir á revolução socialista. A verdade é que as greves contra o governo provisório burguês serviriam o proletariado e não a burguesia, mas o propósito de Cunhal era defender o governo provisório burguês e não os interesses revolucionários dos trabalhadores.

Apesar de tudo, os revisionistas portugueses foram muito mais astutos do que os seus homólogos Franceses, Espanhóis, ou Italianos. Por exemplo, a maioria dos partidos revisionistas da Europa Ocidental rejeitaram abertamente o Marxismo-Leninismo, substituindo-o pelas teorias “Eurocomunistas” que promoviam a capitulação face á ordem burguesa e ao sistema capitalista. Pelo contrário, os revisionistas portugueses continuaram a pintar-se a si próprios como “Marxistas Ortodoxos” e como “verdadeiros defensores da União Soviética”. No entanto, nada disto era mais do que palavras vazias e desde 1974 que os “grandes” objectivos dos revisionistas portugueses estão limitados á obtenção de alguns lugares no parlamento burguês e á obstrução da luta de classes ao retratarem-se como sendo os “representantes das classes trabalhadoras portuguesas”.

Na realidade, as acções dos revisionistas portugueses são muito benéficas para a ordem capitalista porque eles contribuem para a idealização da “democracia” burguesa e para dar aos trabalhadores explorados a falsa impressão de uma “liberdade” que pura e simplesmente não pode existir enquanto o capitalismo existir. Por exemplo, no que respeita aos sindicatos, após a Revolução dos Cravos o P “C”P formou o seu próprio sindicato com o objectivo de enganar o proletariado português e de extinguir qualquer sinal de sindicalismo revolucionário. A CGTP (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses), cujo propósito é a manutenção do capitalismo, tenta aliviar as tensões e evitar as lutas de classes.

A GCTP corresponde ao estereótipo do sindicato revisionista que foi desmascarado pelo Camarada Enver Hoxha:

(Os sindicatos revisionistas) “procuram manter o proletariado subjugado, adormecê-lo e, quando ele se revolta e se enfurece, conduzi-lo pela via das conversações com o patronato e calá-lo com alguma pequeníssima migalha dos superlucros capitalistas. Portanto, para o proletariado se libertar do capitalismo, ele precisa necessariamente de escapar ao jugo dos sindicatos dominados pela burguesia e pelos oportunistas bem como de toda a espécie de organizações ou partidos social-democratas e revisionistas. Todos esses organismos apoiam o patronato de diferentes formas e procuram criar a ilusão de serem «uma grande força», «um freio», de que «se podem impor aos grandes capitalistas» supostamente em favor do proletariado. Issonão passa de uma grande mentira (…).” (Enver Hoxha, O Imperialismo e a Revolução, Tirana, 1979, edição em português).

Consequentemente, uma das principais tarefas do proletariado português é eliminar os sindicatos pró-capitalistas. Mas como é que o proletariado português irá fazer isso?

(O proletariado deve) “destroçá-los combatendo a direcção desses sindicatos, erguendo-se contra as suas traiçoeiras ligações com a burguesia, rompendo a «tranquilidade», a «paz social» que eles tentam instituir, uma «paz» que se disfarça com pseudo-revoltas periódicas dos sindicatos contra o patronato. Também se pode actuar para destroçar esses sindicatos penetrando neles, para combatê-los e corroê-los por dentro, para contestar as suas decisões e acções injustas. (…) O enérgico desmascaramento de todos os elementos traidores à frente dos sindicatos, das direções sindicais e dos sindicatos reformistas em geral liberta os operários de muitas ilusões que eles ainda possam alimentar quanto a essa liderança e a esses sindicatos.” (Enver Hoxha, O Imperialismo e a Revolução, Tirana, 1979, edição em português).

Em 1976, o PCP (R) também notou os efeitos prejudiciais do sindicalismo revisionista e apontou soluções revolucionárias para este problema:

“Os partidos Marxistas-Leninistas devem prestar uma especial atenção ao desenvolvimento das actividades revolucionárias no interior dos sindicatos (…) (os sindicatos) são instrumentos cruciais para a concretização da unidade das massas trabalhadoras na sua luta para defender os seus interesses básicos. (…) O partido [PCP (R)] pensa que uma das principais tarefas dos comunistas consiste não apenas em evitar que os revisionistas coloquem os sindicatos ao serviço da sua traição, mas também em motivar a luta do proletariado português no seio dos sindicatos.

O PCP (R) desmascara a traição política da clique de Cunhal no que respeita aos sindicatos. Esta clique tenta imobilizar as massas e prejudicar a sua luta. Os revisionistas querem controlar a liderança dos sindicatos de forma a deterem a luta da classe operária contra o sistema de exploração. Enquanto se escondem por detrás dos seus falsos slogans “socialistas”, o que os revisionistas querem é manter a sua influência sobre os povos e convencer a burguesia de que ainda são populares e podem por isso servir os interesses dessa mesma burguesia.

O PCP (R) realça os importantes esforços que estão a ser desenvolvidos por todos os membros do partido com o propósito de isolarem os líderes revisionistas dos sindicatos e de os separar das massas.

Para atingir estes objectivos (…) nós devemos trabalhar no seio das massas, nós devemos mobilizá-las e devemos mostrar-lhes o caminho da revolução. Nós só seremos capazes de ganhar os sindicatos para o nosso lado (…) se conseguirmos defender esta linha geral. Nestas circunstâncias, o PCP (R) deve formar células do partido nas fábricas e noutros lugares onde se concentra o proletariado. Isto é muito importante para o fortalecimento do partido no contexto da luta nos sindicatos e no contexto das acções revolucionárias entre as massas. Nós devemos lutar contra os revisionistas com o objectivo de desmascarar a sua traição perante os olhos de todos aqueles que foram iludidos e enganados por eles (…).”

Os revisionistas portugueses tentam fazer com que os trabalhadores acreditem que a CGTP é um verdadeiro sindicato “proletário” através do jogo das falsas contradições. Em Portugal, também há sindicatos abertamente revisionistas. A CGTP aproveita-se deste facto e tenta retratar-se como um sindicato “revolucionário” que se aparentemente se opõe aos sindicatos “reformistas”. O P”C”P também tenta jogar o mesmo jogo com os partidos explicitamente reaccionários que existem em Portugal. Como é óbvio, tudo isto não passa de uma grande fraude. No Portugal de hoje não existem sindicatos revolucionários Marxistas-Leninistas tal como não existem partidos revolucionários Marxistas-Leninistas.

Lénine disse uma vez que os sindicatos devem ser escolas do comunismo. Infelizmente, os sindicatos portugueses não são mais do que escolas de oportunismo.

Nós, Estalinistas-Hoxhaistas, devemos ajudar o proletariado a demolir o sindicalismo burguês-revisionista, e para isso devemos trabalhar no interior dos sindicatos reformistas. No entanto, nós nunca nos desviaremos da correcta linha Leninista. Neste sentido, as palavras do Camarada Enver Hoxha são esclarecedoras:

“Ao penetrar nos sindicatos existentes, os marxistas-leninistas nunca caem nas posições trade-unionistas, reformistas, anarco-sindicalistas e revisionistas que caracterizam as lideranças dessas entidades. Eles nunca se tornam parceiros dos revisionistas e dos outros partidos oportunistas e burgueses na direcção dos sindicatos. O seu objectivo é desmascarar o caráter burguês e o papel reaccionário que os sindicatos actuais desempenham, em geral, nos países capitalistas e revisionistas, minar essas organizações e abrir caminho para a criação desindicatos verdadeiramente proletários.” (Enver Hoxha, O Imperialismo e a Revolução, Tirana, 1979, edição em português).

No final dos anos 80 e no início dos anos 90, os revisionistas portugueses sofreram uma derrota da qual nunca recuperaram completamente. O social-imperialismo soviético e os seus satélites desintegraram-se. Isto foi um duro golpe para o P “C”P, cuja principal referência e apoio externo era precisamente o social-imperialismo soviético. Os revisionistas portugueses ainda tentam apresentar a extinção do social-fascismo soviético como o “retrocesso do comunismo”. Esta visão dos factos é completamente falsa. Desde a morte de Estaline e da tomada do poder pelos Krushchevistas, nunca mais houve socialismo na União Soviética. Pelo contrário, o sistema capitalista de exploração e de opressão da classe operária foi restaurado (isto sucedeu não apenas na União Soviética, mas também nos seus satélites governados pelas novas burguesias social-fascistas) e a União Soviética tornou-se numa superpotência imperialista cujo propósito era dominar os mercados mundiais através da expansão colonial e neo-colonial. É claro que os revisionistas portugueses não compreendem nem querem compreender isto e culpam Gorbatchev por este ter alegadamente “destruído o socialismo”. Esta visão é totalmente errónea. Quando Gorbatchev chegou ao poder em meados dos anos 80, ele nunca poderia ter destruído o socialismo simplesmente porque na União Soviética de 1985 já não havia nem rastos de socialismo. A perestroika de Gorbatchev foi apenas a parte final de um longo processo que começou após a morte de Estaline. A perestroika representou a restauração final do capitalismo clássico na União Soviética.

Por outro lado, a visão dos ideólogos do capitalismo que afirmam que, com a desintegração da União Soviética, “o capitalismo provou ser superior ao comunismo” é igualmente falsa. Os EUA e a URSS pós-Estaline eram ambos capitalistas. De facto, eles eram ambos superpotências imperialistas. Quando o Imperialismo Americano minou a União Soviética, ele não estava a destruir um país que representava um sistema social oposto, mas estava simplesmente a remover um imperialismo rival.

Nós não podemos pensar como os revisionistas portugueses, que ainda acreditam que a liquidação do socialismo ocorreu durante os anos 1989-1991. Na realidade, o que aconteceu durante esse período foi o desmantelamento do social-imperialismo soviético. Há muito tempo atrás, o Camarada Enver Hoxha previu tudo isto:

“Ele (o Imperialismo Americano) vai explorar a União Soviética, e com essa exploração vai fazer lucros fabulosos que fortalecerão o seu império mundial. Para além disto, a introdução do capital americano na União Soviética vai eliminar rapidamente os últimos sinais das vitórias da Grande Revolução Socialista de Outubro, vai conduzir ao desmantelamento da União Soviética enquanto união independente de repúblicas. Este é o objectivo do Imperialismo Americano: destruir a União Soviética enquanto perigosa potência capitalista rival. Os “especialistas” dirão: “Isso será algo difícil de acontecer”. Pelo contrário, isso será perfeitamente realizável a partir do momento em que a União Soviética se afastou do caminho do Marxismo-Leninismo.” (Enver Hoxha, Reflexões sobre a China, 30 de Junho de 1973, traduzido a partir da edição em Inglês).

Actualmente, o P “C”P tornou-se num mero partido burguês sem quaisquer sinais de iniciativa revolucionária. O partido revisionista português não passa de um instrumento usado pela burguesia para enganar e iludir as massas trabalhadoras e para as afastar da revolução proletária e da autêntica ideologia Marxista-Leninista.

Lénine ensina-nos que uma das principais diferenças entre os revisionistas e os Marxistas-Leninistas consiste em que os revisionistas não aceitam a ditadura do proletariado como um dos princípios mais básicos do Marxismo-Leninismo. E de facto, se nós observarmos os estatutos e o programa do P “C”P, nós não conseguimos encontrar uma única palavra acerca da necessidade e da inevitabilidade da ditadura do proletariado. Em vez disso, nós deparamo-nos com o seguinte:

A democracia avançada no limiar do século XXI que o PCP propõe ao povo português contém cinco componentes ou objectivos fundamentais:

1ª - um regime de liberdade no qual o povo decida do seu destino e um Estado democrático, representativo, participado e moderno;

2ª - um desenvolvimento económico assente numa economia mista, moderna e dinâmica, ao serviço do povo e do País;

3ª - uma política social que garanta a melhoria generalizada das condições de vida do povo; (ou seja, um estado-providência de tipo capitalista – nota dos autores)

4ª – (…)

5ª - uma pátria independente e soberana com uma política de paz, amizade e cooperação com todos os povos.


(Programa do PCP

Economia mista? Estado-providência? Estes objectivos não são revolucionários nem Marxistas-Leninistas. De facto, eles representam uma capitulação abjecta á ideologia burguesa. Onde está a afirmação da inevitabilidade da ditadura do proletariado? Onde está o apelo á revolução proletária armada? Onde está a defesa da necessidade de uma economia colectivizada e planificada?

Um regime de liberdade? A liberdade não existe fora do comunismo. O comunismo é a liberdade da mesma maneira que a verdadeira liberdade só pode ser comunista. Mas para atingirmos o comunismo, temos primeiro de atingir o socialismo. E nada disto pode ser realizado sem a ditadura do proletariado, que os revisionistas portugueses negam abertamente.

No plano internacional, o P “C”P está alinhado com as forças mais pérfidas do social-imperialismo e do social-fascismo. Em 2003, Cunhal escreveu um artigo intitulado “O Mundo de Hoje” no qual ele afirma desavergonhadamente:

"Os países nos quais os comunistas no poder (China, Cuba, Vietname, Laos, Coreia do Norte) insistem em que o seu objectivo é a construção de uma sociedade socialista. (…) e é essencial para a humanidade que alcancem com êxito tal objectivo.”

Portanto, segundo o líder dos revisionistas portugueses, a China, Cuba, Vietname, Laos e Coreia do Norte são países nos quais “os comunistas estão no poder” e que lutam pela “construção de uma sociedade socialista” !!! A verdade é que os países mencionados não são mais do que estados social-fascistas, opressores dos povos, isto para não falar do facto de que, com esta afirmação, Cunhal está a defender o social-imperialismo Chinês. Para além disso, a China, Cuba e a Coreia do Norte são os países de origem de algumas das mais perigosas e enganosas correntes revisionistas: o Maoismo, o Castroismo e o KimIlSungismo, que devem ser persistentemente combatidas por todos os verdadeiros Marxistas-Leninistas.

No entanto, independentemente dos desejos dos revisionistas portugueses, a revolução proletária mundial é inevitável e a eliminação do sistema capitalista, longe de ser um “sonho”, é uma necessidade histórica objectiva.

O proletariado e as classes trabalhadoras portuguesas precisam de um autêntico partido Marxista-Leninista-Estalinista-Hoxhaista, precisam de um partido que energicamente rejeite todas as espécies de revisionismo (quer de direita, quer de “esquerda”), um partido que honre o estandarte do Movimento Mundial Marxista-Leninista, um partido que baseie coerentemente as suas acções e a sua organização nos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo: Marx, Engels, Lénine, Estaline e Enver Hoxha. Contrariamente aos revisionistas portugueses, que estão totalmente amarrados ás normas reaccionárias da “legalidade democrática”, o partido Estalinista-Hoxhaista português não pode hesitar em desenvolver trabalho ilegal e, se necessário, em violar as leis e as regras burguesas que não são mais do que instrumentos do domínio da classe capitalista.

Tal como afirmou o Camarada Enver Hoxha:

“Os partidos marxistas-leninistas são partidos da revolução. Contrariando as teorias e práticas dos partidos revisionistas, que estão mergulhados dos pés à cabeça no legalismo burguês e no «cretinismo parlamentar», eles não reduzem a sua luta ao trabalho meramente legal nem o encaram como sendo a sua principal actividade. (…) eles dedicam uma especial importância à combinação do trabalho legal com o trabalho ilegal, dando prioridade a este último enquanto factor decisivo para a derrubada da burguesia e para a verdadeira garantia da vitória.”

“Os marxistas-leninistas não se importam se a sua actuação revolucionária viola ou ameaça a constituição, as leis, regras e normas da ordem burguesa. Eles lutam para minar essa ordem, para preparar a revolução. Portanto, o partido marxista-leninista prepara-se a si mesmo e às massas para fazer frente aos contragolpes que a burguesia pode desferir em resposta às acções revolucionárias do proletariado e das massas populares.” (Enver Hoxha, O Imperialismo e a Revolução, Tirana, 1979, edição em português).

Este partido denunciará resolutamente o social-fascismo do P”C”P, despertando assim as massas oprimidas de Portugal e conduzindo-as á verdadeira ideologia revolucionária e proletária.

Nós não temos ilusões acerca da natureza reaccionária e exploradora da “democracia” burguesa:

“O que é a democracia burguesa? É uma forma de domínio da burguesia na qual os direitos e as liberdades “para todos” possuem um carácter formal e ilusório porque num regime baseado na propriedade privada, os meios socio-económicos que poderiam garantir a sua aplicação efectiva estão em falta. Numa democracia burguesa, podemos criticar esta ou aquela pessoa nos comícios ou no parlamento, podemos criticar um determinado partido político ou um certo governo, podemos dizer aquilo que quisermos, mas não podemos mudar nada; temos de nos limitar ás meras palavras porque o poder político e económico capitalista, com o seu aparato repressivo, ataca implacavelmente todos aqueles que lutam contra as classes dominantes e a oligarquia financeira.” (Enver Hoxha, A democracia proletária é a verdadeira democracia, discurso de 20 de Setembro de 1978, traduzido da edição em Francês).

Nós não temos dúvidas quanto ao facto de que se o movimento Estalinista-Hoxhaista português começar a crescer para além dos limites “aceitáveis”, então a burguesia recorrerá certamente á repressão e ao derramamento de sangue, porque as forças capitalistas e revisionistas sabem muito bem que o Estalinismo-Hoxhaismo é a única ideologia que representa um verdadeiro perigo para o sistema capitalista, que é a única ideologia que representa os interesses do proletariado e das massas trabalhadoras e oprimidas, e é também a única ideologia que dá continuidade e que desenvolve o Marxismo-Leninismo de forma correcta e fiel.

Os Estalinistas-Hoxhaistas portugueses não devem ter medo de assumir a sua nobre ideologia. Eles não devem temer os insultos e as calúnias das forças burguesas e revisionistas. Eles devem estar preparados para enfrentar todos os tipos de obstáculos e para sacrificarem tudo em favor da revolução proletária mundial. Nesta tarefa, eles podem contar com o apoio firme, honesto e internacionalista do Comintern (Estalinistas-Hoxhaistas), que é o único verdadeiro defensor da revolução proletária mundial!

Sobretudo, os Estalinistas-Hoxhaistas portugueses nunca podem esquecer que o seu objectivo final é a implementação e o fortalecimento da ditadura do proletariado e a edificação da sociedade socialista e comunista.

A formação em Portugal de uma Secção Portuguesa do Comintern (EH) poderosa e militante não é apenas crucial para o desenvolvimento da luta revolucionária do proletariado português. A formação de uma Secção com estas características e com esta ideologia é também muito importante para o desenvolvimento da luta revolucionária do proletariado á escala global.


Por ocasião do 90º aniversário do PCP, os Estalinistas-Hoxhaistas portugueses sublinham a necessidade da fundação de uma Secção Portuguesa do Comintern (EH). Camaradas, ajudem-nos a realizar esta tarefa primordial!

Antes da sua degeneração revisionista, o PCP propagava e praticava o espírito do genuíno internacionalismo proletário e das ideias revolucionárias do Leninismo e do Estalinismo como representante do Comintern em Portugal, como uma das suas secções, como um dos grandes destacamentos do exército revolucionário do proletariado mundial, como participante na marcha em direcção á revolução mundial proletária e socialista cujo objectivo é aniquilar o capitalismo mundial e estabelecer a República Soviética Mundial.

A Secção Portuguesa do Comintern (EH) deverá dar continuidade a esta gloriosa tradição comunista em Portugal – incluindo a do PCP (R), que em tempos fez parte do Movimento Mundial Marxista-Leninista do Camarada Hoxha.

A Secção Portuguesa do Comintern (EH) deverá propagar e praticar o verdadeiro espírito do internacionalismo proletário e as ideias revolucionárias dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo como representante do Comintern (EH) em Portugal, como uma das suas Secções, como um dos grandes destacamentos do exército revolucionário do proletariado mundial, como participante na marcha em direcção á revolução mundial proletária e socialista cujo objectivo é aniquilar o capitalismo mundial e estabelecer a ditadura do proletariado mundial.

Por ocasião do 90º aniversário do PCP, nós enviamos saudações militantes aos camaradas do Comintern (EH) e a todos os camaradas nos quatro cantos do mundo que têm de enfrentar os mesmos problemas que nós.

Estamos convictos de que todos estes problemas podem ser resolvidos no espírito do internacionalismo proletário. Se nos ajudar-mos uns aos outros solidariamente, a vitória será inevitavelmente nossa.


Trabalhadores Portugueses – uni-vos!


Formem a vossa própria Secção Portuguesa do Comintern (EH) inspirada nos ensinamentos dos 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo!


Destruam a burguesia através da violência revolucionária!


Aniquilem a ordem socio-económica capitalista através da revolução armada!


Desmascarem os traidores revisionistas portugueses!


Lutem contra a traição do P “C”P!


Não se rendam nunca á falsa “democracia” burguesa!


Estabeleçam a ditadura do proletariado!

 

Lutem por uma verdadeira democracia proletária!

 

Viva o Comintern (EH)!


Viva o Internacionalismo proletário!


Viva a Revolução Socialista Mundial!

 

90 anos atrás

de "Rote Fahne" de 12 de agosto de 1930

Manifestação em Portugal
Lisboa, 12 de agosto de 1930.


Em Castanheira de Pera, quase toda a população protestou contra os elevados impostos sobre a propriedade. A polícia que estava no caminho das massas radicalizadas foi atacada. Dois manifestantes foram mortos e vários feridos gravemente em tiros da polícia.

 

 

75º aniversário

9 de maio de 2020

Site da seção portuguesa por ocasião do 75º aniversário da vitória sobre o fascismo de Hitler

 

 

 

Há 79 anos atrás...

A GRANDE GUERRA PATRIÓTICA

COMEÇA ...

 

 

"O camarada Estaline dirigiu a Grande Guerra Patriótica do povo soviético à vitória sobre os ocupantes nazi-fascistas e defendeu com honra as conquistas históricas mundiais da Revolução de Outubro.

O significado internacionalista da Grande Guerra Patriótica, é que o camarada Estaline - como o líder do proletariado mundial - assim, abriu o caminho para a vitória do socialismo em escala mundial.”


O Comintern (EH)

22 de Junho de 2015

 

 

Site especial em  

Inglês

Russo

Alemão

 

 

V. Molotov

Discurso

Sobre a invasão nazista da União Soviética

1941-06-22

 

 

 

 

 

 

 

Discursos e escritos

Fontes - traduzido a partir da Seção Português

 

 

 



 

 

Este site em

 

Inglês

 

 


Alemão

 

 

 

Árabe