Português

 

Ordem do Comissário Nacional para a Defesa da União Soviética.

 

Moscou, 28 de julho de 1942.



O inimigo lança novas forças no front sem levar em consideração as grandes perdas e penetra profundamente na União Soviética, enquanto arrebata novas regiões, destrói nossas cidades e aldeias, violando, saqueando e matando a população soviética.

Os combates continuam na região de Voronej, próximo ao Don, no sul e nos portões do norte do Cáucaso. Os invasores germânicos penetram em direção a Stalingrado, para o Volga e querem a qualquer preço capturar o Kuban e o norte do Cáucaso com o seu petróleo e seus cereais. O inimigo já capturou Vorochilovgrad, Starobelsk, Rossosh, Kupyansk, Valuyki, Novochercassk, Rostovsobre o Don, e metade de Voronej. Parte das tropas da frente Sul, seguindo a disseminadores de pânico, abandonou Rostov e Novochercassk sem resistência severa e sem ordens de Moscou, cobrindo seus estandartes de vergonha.

A população de nosso país, que ama e respeita o Exército Vermelho, começa a ser desestimulada e a perder a fé no Exército Vermelho e muitos amaldiçoam o Exército Vermelho por deixar nosso povo debaixo do jugo dos opressores germânicos, ele próprio escapando para o leste. Algumas pessoas estúpidas no Front acalmam a si mesmas com a conversa de que nós podemos nos retirar mais além para o leste, porque nós temos muito território, muito solo, muita população e que sempre haverá muito pão para nós.

Eles querem justificar seu infame comportamento no Front. Mas tal conversa é falsidade, útil somente para nossos inimigos.

Cada comandante, soldado do Exército Vermelho e comissário político deveriam entender que nossos meios não são ilimitados. O território do Estado Soviético não é um deserto, mas habitado - trabalhadores, camponeses, intelectuais, nossos pais, mães, esposas, irmãos, crianças. O território da URSS que o inimigo capturou e almeja capturar é pão e outros produtos para o exército, metal e combustível para a indústria, fábricas, usinas que provêem o exército com armas e munição, vias férreas.

Depois da perda da Ucrânia, da Bielorússia, das Repúblicas do Báltico, do Donetzk e de outras áreas nós temos muito menos território, muito menos habitantes, pão, metal, usinas e fábricas. Nós perdemos mais de 70 milhões de pessoas, mais que 800 milhões de libras de pão anualmente e mais de 10 milhões de toneladas de metal anualmente. Agora nós não temos predominância sobre os alemães em reservas humanas, em reservas de pão. Retirar-se mais além - significa perder-se a nós mesmo e ao mesmo tempo perdermos a nossa Pátria. Então é necessário eliminar a conversa de que nós temos a capacidade infindável para nos retirar, que nós temos muito território, que nosso país é grande e rico, que há um grande população, e que o pão sempre será abundante. Tal conversa é falsa e parasítica, ela debilita-nos e beneficia o inimigo; se nós não pararmos de nos retirarmos nós ficaremos sem pão, sem combustível, sem metal, sem matéria-prima, sem fábricas e usinas, sem vias férreas. Isto leva à conclusão, está na hora de acabar com as retiradas. Nem um passo atrás! Tal deveria ser agora nosso principal slogan.

É necessário defender cada posição, cada metro de nosso território, até a última gota de sangue, apegar-se a cada lote de terra soviética e defendê-lo por quanto tempo for possível. Nossa Pátria está experimentando dias difíceis. Nós temos que parar e então fazer retroceder e esmagar o inimigo sem considerar os custos.

Os alemães não são tão fortes, como parecem aos disseminadores de pânico.

Eles desdobram suas últimas forças. Resistir ao impacto delas agora, significa assegurar nossa vitória em algum meses. Nós podemos resistir ao impacto e então arremessar o inimigo de volta para o oeste? Sim nós podemos, porque nossas fábricas e usinas na retaguarda estão bem e nosso exército recebe cada vez mais aviões, tanques, artilharia e morteiros. O que falta para nós?

Não há nenhuma ordem e disciplina nas companhias, batalhões, regimentos, unidades de tanques e esquadrões aéreos. Esta é nossa principal deficiência.

Nós devemos estabelecer em nosso exército a mais rigorosa ordem e a mais sólida disciplina, se nós queremos salvar a situação e manter a nossa Pátria.

É impossível tolerar comandantes e comissários que permitem às unidades abandonarem suas posições. É impossível tolerar comandantes e comissários que admitem que alguns disseminadores de pânico tenham determinado a situação no campo de batalha e induzam à fuga os outros soldados, abrindo a frente para o inimigo. Os disseminadores de pânico e os covardes devem ser exterminados no local. Daqui em diante a sólida lei de disciplina para cada comandante, para cada soldado do Exército Vermelho e comissário político deve ser a exigência - nem um único passo atrás sem ordens do alto comando. Companhia, batalhão, regimento e divisão - os comandantes e os próprios comissários, quem se retirar sem ordens do alto comando será um traidor da Pátria. Estas são as ordens de nossa Pátria.

Executar esta ordem - significa defender nossas terras, poupar a Pátria, exterminar e derrotar o odiado inimigo.

Depois da retirada de inverno sob a pressão do Exército Vermelho, quando a disciplina das tropas alemãs tornara-se frouxa, os alemães para recuperação da disciplina impuseram medidas severas que resultou em conseqüências bastante boas.

Eles formaram 100 companhias penais de soldados que eram culpado de falhas de disciplina por causa de covardia ou confusão, colocaram-nos então em setores perigosos da frente e ordenaram a eles para redimirem os seus pecados com sangue. Eles também formaram aproximadamente dez batalhões penais de chefes culpado de ruptura de disciplina por covardia ou confusão, privaram-nos das condecorações, transferindo-os para os setores mais perigosos da frente e ordenando-lhes que resgatassem seus pecados. Finalmente, eles formaram esquadrões especiais e os puseram atrás das divisões instáveis e ordenaram que atirassem nos disseminadores de pânico no caso de retiradas sem autorização ou tentativa de rendição. Como sabemos nós, estas medidas foram eficazes e agora as tropas alemãs lutam melhor do que lutaram no inverno.

E esta é a situação, que as tropas alemãs têm boa disciplina, entretanto elas não têm o elevado propósito de proteção da Pátria, têm só um extorsivo propósito - subjugar outros países. Nossas tropas que têm o propósito mais alto de proteger a Pátria ultrajada não têm tal disciplina e assim sofrem derrotas. É isto necessário para aprendermos com nossos inimigos, como nossos avós estudaram seus inimigos no passado e alcançaram a vitória? Eu penso que é necessário.


O Supremo Quartel-General do Exército Vermelho ordena:


1. Os conselhos militares das frentes e em primeiro lugar todos os comandantes do Front devem:

a) Incondicionalmente eliminar a disposição para retiradas nas tropas e com uma mão firme barrar a propaganda de que nós podemos e deveríamos nos retirar mais além para leste e que tal retirada não causará nenhum dano;

b) Incondicionalmente remover dos seus postos e enviar ao Alto Comando, para corte marcial, aqueles comandantes de exército que tem permitido retiradas de tropas de posições ocupadas, sem ordens do comandante do Front.

c) Formar dentro de cada Frente, de um até três (dependendo da situação) batalhões penais (800 homens) para onde serão enviados os comandantes, os altos chefes e os próprios comissários de todos os serviços das armas que foram culpados de falha de disciplina devido a covardia ou confusão, e colocá-los nos setores mais difíceis da frente para lhes dar uma oportunidade de redimirem com sangue os seus crimes contra a Pátria.

2. Os conselhos militares dos exércitos e em primeiro lugar os comandantes de exército devem;

a) Incondicionalmente remover do corpo de oficiais do seu exército comandantes e comissários que aceitaram retiradas de tropa de posições ocupadas sem a ordem do comando do exército e os enviar aos conselhos militares das frentes para corte marcial;

b) Formar dentro dos limites de cada exército 3 a 5 esquadrões defensivos bem armados (até 200 homens em cada), e pô-los diretamente atrás das divisões instáveis e requisitá-los no caso de pânico e de retiradas dispersas de elementos das divisões, para fuzilarem no local os disseminadores de boatos e os covardes e assim ajudar os honestos soldados das divisões executarem a sua obrigação para com a Pátria;

c) Formar dentro dos limites de cada exército até dez (dependendo da situação) companhias penais (de 150 a 200 homens em cada) para onde, os soldados rasos e os comandantes subalternos que forem culpados de falha de disciplina devido a covardia ou confusão, serão enviados e pô-los em difíceis setores do exército para lhes dar uma oportunidade para redimir com sangue os seus crimes contra a Pátria.

3. Os comandantes e comissários de corpos de exército e divisões devem;

a) Incondicionalmente remover dos seus postos comandantes e comissários de regimentos e batalhões que aceitaram retiradas não autorizadas de suas tropas sem ordens do corpo de exército ou do comandante de divisão, tirar-lhes e as medalhas e condecorações e os encaminharem aos conselhos militares das frentes para corte marcial;

b) Dar toda a ajuda e apoio aos esquadrões defensivos do exército na sua obrigação de fortalecer a ordem e a disciplina nas unidades.

Esta ordem será lida em todas as companhias, esquadrões de cavalaria, baterias, esquadrões, comandos e quartéis-generais.

O Comissário Para a Defesa Nacional:

J. Stalin.


 

 

Stalin

Português