Português

 

Friedrich Engels

(1895)

 

 

 

 

Que Fazer?

Vladimir Ilitch Lenine

1902

A Organização dos Revolucionários

 

 

 

Carta a Um Camarada

Setembro de 1902

Sobre Nossas Tarefas de Organização

 

 

 

Um Passo em Frente Dois Passos Atrás

Maio de

Maio de 1904

 

 

A Revolução na Rússia

10 (23) de Janeiro de 1905

 

 

Novas Tarefas e Novas Forças

8 de Março (23 de Fevereiro) de 1905

 

 

O Começo da Revolução na Rússia

25 (12) de Janeiro de 1905

 

 

A Social-Democracia e o Governo Provisório Revolucionário

5 e 12 de Abril (23 e 30 de Março) de 1905

 

 

 

 

A Ditadura Democrática Revolucionária do Proletariado e do Campesinato

12 de Abril (30 de Março) de 1905

 

 

 

 

Duas Tácticas da Social-Democracia na Revolução Democrática

 

Julho de 1905

 

 

 

A Comuna de Paris e as Tarefas da Ditadura Democrática


17 de Julho de 1905

 


A Revolução Educa


26 (13) de Julho de 1905

 

 

 

Do artigo: A Greve Política e a Luta de Rua em Moscou

17 (4) de Outubro de 1905

 

 

 

A Greve Política de Toda a Rússia


13 (26) de Outubro de 1905

 

 

 

O Exército e a Revolução


15 de Novembro de 1905

 

 

 

Decisão do Comitê Executivo do Soviete de Deputados Operários de Petersburgo Sobre a Luta Contra o Lockout


14 (27) de Novembro de 1905

 

 

 

O Partido Socialista e o Revolucionarismo sem Cunho Partidário


2 de Dezembro de 1905

 

 

 

 

O Socialismo e a Religião

3 de Dezembro de 1905

 

 

 

Da Plataforma Tática para o Congresso de Unificação

20 de Março de 1906

 

 

 

As Lições da Insurreição de Moscovo


29 de Agosto de 1906

 

 

 

A Guerra de Guerrilhas

30 de Setembro de 1906

 

Prefácio à Tradução Russa das Cartas de K. Marx a L. Kugelmann


5 de Fevereiro de 1907

 

 

 

Prefácio à Tradução Russa do Livro

«Cartas de J. P. Becker, J. Dietzgen, F. Engels, K. Marx e outros a F. A. Sorge e Outros»

6 de Abril de 1907

 

 

 

 

O Sucedido ao Rei de Portugal

3 de Março de 1908

 

 

Marxismo e Revisionismo

16 de Abril de 1908

 

Sobre a Atitude do Partido Operário em Relação à Religião

13 (26) de Maio de 1909

 

 

Materialismo e Empirocriticismo

[ introdução ]
Notas e Críticas Sobre uma Filosofia Reacionária

1909

 

 

No Caminho

 

28 de Janeiro de 1909

 

 

 

 

As Lições da Revolução

 

12 de novembro de 1910

 

 

 

 

Algumas Particularidades do Desenvolvimento Histórico do Marxismo

 

23 de Dezembro de 1910

 

 

 

Para  a Memória da Comuna

28 de Abril de 1911

 

 

 

Das Resoluções da VI Conferência de Toda a Rússia do POSDR

(Conferência de Praga)

Janeiro de 1912

 

 

À Memória de Herzen


08 de Maio de 1912

 

 

 

 

O Capitalismo e o Parlamento

 

17 de junho de 1912

 

 

 

A Vida Ensina

 

19 de Janeiro de 1913

 

 

As Três Fontes e as

Três partes Constitutivas do Marxismo

Março de 1913

 

 

 

 

Sobre o Conceito Liberal e Marxista da Luta de Classes

5 de Maio de 1913

 

 

A Classe Operária e o Neomalthusianismo

 

29 de Junho de 1913

 

 

 

O

V Congresso Internacional de Luta Contra a Prostituição

 

26 de Julho de 1913

 

 

 

 

 

O Trabalho da Mulher na Agricultura no Regime Capitalista

 

31 de Julho de 1913

 

 

 

 

Sobre as Resoluções da Reunião do CC do POSDR com um Grupo de Militantes Responsáveis do Partido, Realizada no Verão de 1913

 

Setembro de 1913

 

 

 

O Capitalismo e a Imigração dos Operários

29 Outubro de 1913

 

 

 

 

A Situação e as Tarefas da Internacional Socialista

4 de Abril de 1914

 

 

 

Sobre a Violação da Unidade Encoberta

com Gritos de Unidade

Maio de 1914

 

 

 

Karl Marx

( Breve Esboço Biográfico Seguido

de uma Exposição do Marxismo )

Julho a Novembro de 1914

 

 

O Socialismo e a Guerra

(A atitude do POSDR em relação à guerra)

Julho/Agosto de 1915

 

 

O Oportunismo e a Falência da II Internacional

Janeiro de 1916

 

 

 

Imperialismo, fase superior do capitalismo

1916

 

 


O Programa Militar da Revolução Proletária

Setembro de 1916

 

 

 

 

Imperialismo e a Cisão do Socialismo

Outubro de 1916

 

 

Relatório Sobre a Revolução de 1905

22 de Janeiro de 1917

 

 

 

Sobre as Tarefas do Proletariado na Presente Revolução

07 Abril de 1917

 

 

Resolução Sobre as Medidas Econômicas Contra a Desordem

25 de Maio (7 de Junho) de 1917

 

 

 

Conselhos de um Ausente

8 (21) Outubro 1917.

 

 

Conservarão os Bolcheviques o Poder de Estado?

14 de Outubro de 1917

 

 

 

Carta ao Comité Central do POSDR(b)

19 de Outubro (1 de Novembro) de 1917

 

 

A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky

Novembro de 1918

 

 

 

 

V. I. Lenine

DISCURSO NO GRAMOFONE

Março de 1919 (do Comintern)

 

Áudio original com legenda em português

 

 

 

 

 

Em Memória do Camarada Yakov Mikhaylovich Sverdlov, Presidente do Comitê Executivo Central Pan-Russo

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

Quem trabalhava dia a dia com o camarada Sverdlov sabe muito bem que seu excepcional talento como organizador nos garantia algo de que tínhamos o pleno direito de nos orgulharmos: a possibilidade de um trabalho harmonioso, racional e organizado, à altura das massas proletárias organizadas, sem o qual não teríamos obtido êxito e que respondia inteiramente às necessidades da revolução proletária. A memória do camarada Yakov Mikhaylovich Sverdlov não será apenas um símbolo do revolucionário devotado a sua causa ou um modelo de combinação entre sensatez e competência práticas, total ligação com as massas e habilidade em dirigi-las, mas será também um aval de que as massas cada vez mais amplas do proletariado avançarão sem cessar rumo à vitória completa da revolução comunista.

 

 

 

 

 

Comunicado sobre as conversações radiotelegráficas com Béla Kun

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

O camarada Béla Kun já era bom conhecido meu em seus tempos de prisioneiro de guerra na Rússia e me visitava com frequência para conversarmos a respeito do comunismo e da revolução comunista. Por isso, quando recebemos o comunicado sobre a eclosão da revolução comunista húngara, ainda mais assinado pelo camarada Béla Kun, quisemos falar com ele para que nos esclarecesse melhor sobre qual era o estado de coisas por lá. As primeiras notícias sobre o ocorrido nos impuseram alguma cautela, pois poderia ser uma enganação da parte dos chamados socialistas ou social-traidores contra os comunistas, os quais, além de tudo, encontravam-se presos. E então, no dia seguinte ao recebimento do primeiro comunicado sobre a revolução húngara, enviei uma mensagem a Budapeste pedindo a Béla Kun que se aproximasse do aparelho de radiotelegrafia, fiz-lhe perguntas que me permitissem verificar se era ele mesmo quem estava ali e lhe questionei sobre as garantias reais em relação ao caráter do governo e à sua política efetiva. A resposta enviada pelo camarada Béla Kun foi plenamente satisfatória e dissipou todas as nossas dúvidas. Ocorrera que os socialistas de esquerda vieram à prisão consultar Béla Kun para a formação do novo governo, em cuja composição participaram somente esses socialistas, solidários aos comunistas, e os centristas, enquanto os socialistas de direita, social-traidores, por assim dizer intransigentes e incorrigíveis, abandonaram o partido, sem atrair consigo um operário sequer. Os comunicados seguintes mostraram quão firme e comunista era a política do governo húngaro: enquanto na Rússia começamos pelo controle operário das indústrias e apenas gradualmente as socializamos, Béla Kun, com seu prestígio e sua confiança no apoio das vastas massas, pôde imediatamente fazer aprovarem uma lei de apropriação social de todas as empresas industriais da Hungria administradas de forma capitalista. Passados dois dias, estávamos plenamente convencidos de que a revolução húngara, de um modo extraordinariamente rápido, havia seguido a trilha dos comunistas: a própria burguesia lhes havia entregado o poder, mostrando ao mundo inteiro que não consegue governar quando sobrevém uma grave crise e a nação corre perigo; e que não há senão um poder realmente popular, realmente amado pelo povo: o poder dos Sovietes de Deputados Operários, Soldados e Camponeses. Viva o Poder Soviético na Hungria!

 

 

 

 

Apelo ao Exército Vermelho

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

Camaradas do Exército Vermelho! Os capitalistas ingleses, americanos e franceses estão guerreando contra a Rússia, vingando-se dessa República Operária e Camponesa Soviética por ela ter derrubado os latifundiários e capitalistas do poder e ter dado, assim, o exemplo para todos os povos da Terra. Os capitalistas ingleses, franceses e americanos estão fornecendo dinheiro e provisões aos latifundiários russos que conduzem contra o Poder Soviético tropas da Sibéria, do Don e do Cáucaso Setentrional, desejando recolocar no poder o tsar, os latifundiários, os capitalistas. Não, isso não há de acontecer! O Exército Vermelho consolidou-se, reforçou-se, expulsou do Volga as tropas latifundistas e os oficiais brancos, reconquistou Riga e quase toda a Ucrânia, e está se aproximando de Odessa e Rostov. Mais alguns reforços e alguns meses de combate ao inimigo, e a vitória será nossa. O Exército Vermelho é forte por lutar consciente e unânime pela terra aos camponeses, pelo poder operário e camponês, pelo Poder Soviético.

O Exército Vermelho é invencível, pois uniu milhões de trabalhadores do campo aos operários que agora aprenderam a lutar, aprenderam a disciplina camaradesca, que não desanimam, temperam-se nas pequenas derrotas e avançam cada vez mais corajosos sobre o inimigo, sabendo que estão próximos de derrotá-lo totalmente.

Camaradas do Exército Vermelho! A união dos operários e camponeses em nossas tropas é sólida, estreita e indissolúvel. Os kulaks e os camponeses mais ricos estão buscando organizar rebeliões contra o Poder Soviético, mas eles são uma ínfima minoria: raramente e por pouco tempo conseguem enganar os camponeses, pois estes sabem que somente vencerão os latifundiários se se unirem aos operários. Por vezes, nos vilarejos, autodenominam-se comunistas os piores inimigos do operariado, opressores aferrados ao poder por interesse próprio e que se permitem agir na base das enganações, injustiças e ofensas aos camponeses médios. O governo operário-camponês decidiu combater com firmeza essa gente e eliminá-la do campo. O camponês médio não é um inimigo, mas um amigo dos operários e do Poder Soviético. Ele é considerado pelos operários conscientes e pelos verdadeiros soviéticos como um camarada que não espolia o trabalho alheio nem enriquece às custas de outros, como fazem os kulaks, mas que ganha a vida com seu próprio esforço. O Poder Soviético esmagará os kulaks, eliminará do campo os que cometem injustiças contra os camponeses médios e efetuará, custe o que custar, a união entre os operários e todos os trabalhadores do campo, sejam estes pobres ou medianos.

Essa união está crescendo no mundo inteiro. A revolução está se aproximando e se intensificando por toda parte, tendo triunfado há poucos dias na Hungria, onde foi estabelecido o Poder Soviético, o governo operário, destino inevitável de todos os povos.

Camaradas do Exército Vermelho! Permaneçam firmes, fortes e unidos! Avancem corajosos sobre o inimigo, pois a vitória será nossa! O poder dos latifundiários e capitalistas, derrotado na Rússia, também o será no mundo inteiro!

 

 

 

 

Sobre os Camponeses Médios

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

A questão mais importante que se coloca hoje diante do Partido Comunista, a que atraiu as atenções para si mais do que qualquer outra coisa no último congresso partidário, é a questão dos camponeses médios.

Naturalmente, a primeira pergunta que se costuma fazer é: quem são os camponeses médios?

E naturalmente, os camaradas do Partido têm nos contado como lhes perguntavam isso várias vezes no campo, ao que respondemos: o camponês médio é o camponês que não explora nem vive do trabalho de outros e não se aproveita de forma alguma, em nenhuma ocasião, dos frutos do esforço alheio, mas ganha a vida por seu próprio mérito.

Sob o capitalismo, os camponeses médios eram mais raros do que agora, pois a maioria dos camponeses era extremamente pobre, e apenas uma ínfima minoria, tanto antes como hoje, era de kulaks, de exploradores, de camponeses ricos.

O número de camponeses médios tem crescido após a abolição da propriedade privada da terra, e assim, o Poder Soviético decidiu firmemente estabelecer com eles, a todo custo, relações plenamente pacíficas e harmoniosas. É claro que o camponês médio não vai aderir imediatamente ao socialismo, pois ele tem hábitos fortemente arraigados, é cauteloso com qualquer tipo de novidade, verifica antes na prática tudo aquilo que lhe propõem e não resolve mudar sua vida enquanto não se convence de que isso seja absolutamente necessário.

Eis a razão exata pela qual devemos conhecer, assimilar e pôr em prática formas de os operários comunistas, ao irem atuar no campo, buscarem e estabelecerem relações de camaradagem com os camponeses médios, terem em mente que os trabalhadores que não exploram o trabalho alheio são camaradas do operariado e que podemos e devemos chegar com eles a uma união voluntária, plenamente sincera e confiante. As diversas medidas que o poder comunista apresenta aos camponeses médios devem ser vistas como simples conselhos, indicações, propostas de adesão à nova ordem.

E somente um trabalho conjunto que teste essas medidas na prática, repare seus defeitos, elimine possíveis falhas e alcance um acordo com os camponeses médios assegurará a união entre operários e camponeses. É uma união que compõe, além da força e apoio principais do Poder Soviético, a garantia de que as causas da transformação socialista, do triunfo sobre o capital e da eliminação de todo tipo de exploração serão conduzidas por nós até a vitória final.

 

 

 

 

 

O que é o Poder Soviético?

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

O que é o Poder Soviético? Qual é a essência dessa nova forma de poder que as pessoas ainda não querem ou não podem compreender na maioria dos países? Sua essência, que está atraindo cada vez mais operários de todos os países, consiste no fato de o Estado, antes governado, de uma forma ou de outra, pelos ricaços ou pelos capitalistas, ser agora governado, pela primeira vez e ainda em número massivo, justamente pelas classes que o capitalismo oprimia. Mesmo na mais livre e democrática república, enquanto subsistirem o domínio do capital e a propriedade privada da terra, o Estado sempre será governado por uma pequena minoria, composta em nove décimos por capitalistas ou por ricaços.

É em nossa Rússia que, pela primeira vez no mundo, o poder de Estado está sendo organizado de forma que apenas os operários e trabalhadores do campo, e não os exploradores, componham os Sovietes, organizações de massas às quais se está transferindo todo esse poder. Eis por que, por mais que os representantes da burguesia de todos os países caluniem a Rússia, por todo o mundo a palavra “Soviete” se tornou não apenas natural, mas também popular e cara aos operários e a todos os trabalhadores. E eis por que, sejam quais forem as perseguições aos partidários do comunismo nos vários países, o Poder Soviético, de forma fatal e inevitável, triunfará em todo o mundo num futuro próximo.

Sabemos bem que ainda existem muitas carências na organização de nosso Poder Soviético. De fato, ele não é um talismã mágico nem suprime de uma vez as mazelas do passado, o analfabetismo, a incultura, as consequências de uma guerra brutal e a herança do capitalismo espoliador. Mas, em compensação, ele possibilita a transição ao socialismo, a sublevação dos oprimidos e que estes tomem cada vez mais em suas próprias mãos toda a direção do Estado, da economia e da produção.

O Poder Soviético é o caminho encontrado pelas massas trabalhadoras para chegar ao socialismo e, por isso, é um caminho justo e invencível.

 

 

 

 

Como Livrar para Sempre os Trabalhadores do Jugo dos Latifundiários e Capitalistas

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

 

Dizem os latifundiários e capitalistas, inimigos dos trabalhadores: “Os operários e camponeses não poderão viver sem nós. Não haverá, além de nós, quem possa assegurar a ordem, distribuir empregos ou obrigar a trabalhar. Sem nós, tudo irá à ruína, e o Estado se desintegrará. Fomos destronados, mas o caos nos reconduzirá ao poder.” Tal discurso dos latifundiários e capitalistas não perturbará, intimidará ou enganará os operários e camponeses. Num exército, é indispensável a mais rígida disciplina. E, todavia, os operários conscientes souberam unir os camponeses, tomar a seu serviço os antigos oficiais tsaristas e formar um exército vitorioso.

O Exército Vermelho engendrou uma disciplina incomumente firme, não com base na força, mas na intencionalidade, na devoção e no desprendimento dos próprios operários e camponeses.

E eis que para livrar para sempre os trabalhadores do jugo dos latifundiários e capitalistas e da restauração de seu poder, é preciso formar um grande exército vermelho do trabalho, que será invencível se contar com a disciplina laboral. Os operários e camponeses devem mostrar, e eles mostrarão, que a distribuição justa do trabalho e a disciplina e devoção desinteressadas no esforço pelo bem comum estão dentro de suas competências, dispensando os latifundiários e capitalistas e até contrariando seus interesses.

A disciplina laboral, a energia impetuosa no trabalho, a disposição ao sacrifício próprio e a união estreita entre camponeses e operários é que livrarão para sempre os trabalhadores do jugo dos latifundiários e capitalistas.

 

 

 

 

 

Sobre os Pogroms Contra os Judeus

Março de 1919

 

Áudio original com legenda em português

 

O antissemitismo é a disseminação da hostilidade aos judeus. A abominável monarquia tsarista, ao viver seus últimos dias, buscava lançar os operários e camponeses ignaros contra eles, e sua polícia, unida aos latifundiários e capitalistas, organizava-lhes pogroms. Os latifundiários e capitalistas tentavam direcionar contra os judeus o ódio dos trabalhadores e camponeses atribulados por suas necessidades, e em outros países não raro também somos obrigados a ver os capitalistas atiçarem esse ódio para enganar a vista dos trabalhadores e desviá-la do verdadeiro inimigo, o capital. A hostilidade aos judeus permanece forte apenas onde a dominação dos latifundiários e capitalistas promoveu um obscurantismo desalentador entre os operários e camponeses. Apenas as pessoas totalmente ignaras ou embrutecidas podem acreditar nas mentiras e calúnias disseminadas contra os judeus e sobradas dos velhos tempos servis em que os popes mandavam queimar os hereges nas fogueiras, os camponeses eram escravizados e as massas eram subjugadas e silenciadas. Esse velho obscurantismo feudal está cessando, e o povo está abrindo seus olhos.

Os inimigos dos trabalhadores não são os judeus, e sim os capitalistas de todos os países. Entre os judeus, os operários esforçados são maioria ‒ e eles são nossos irmãos também oprimidos pelo capital, nossos camaradas na luta pelo socialismo ‒, mas há também kulaks, exploradores e capitalistas, tal como entre os russos e entre todas as nações. Os capitalistas buscam semear e atiçar as hostilidades entre trabalhadores de crenças, nações e raças diferentes, enquanto os que não trabalham se mantêm pela força e poder do capital. Os ricaços judeus, tal como os ricaços russos e de todos os países, unidos uns aos outros, subjugam, oprimem, espoliam e dividem o operariado.

Maldito seja o abominável tsarismo, que atormentava e perseguia os judeus. Malditos sejam os que semeiam a hostilidade aos judeus e o ódio a outras nações.

Viva a confiança fraternal e a união combativa dos trabalhadores de todas as nações na luta para derrubar o capital.

 

 

 

A Terceira Internacional e

o seu Lugar na História

Escrito: 15 de Abril de 1919, traduzido de versão em Inglês.

(Excertos) 

 

 

 

O Estado

11 de Julho de 1919

 

 

 

A Contribuição da Mulher na Construção do Socialismo

28 de Julho de 1919

 

 

As Tarefas do Movimento Operário Feminino na República dos Sovietes

25 de Setembro de 1919


 

 

 

 

O Poder Soviético e a Situação da Mulher

6 de Novembro de 1919

 

 

 

 

O Dia Internacional da Mulher

7 de Março de 1920

 

 

 

Final de março de 1920

Sobre a Restauração dos Transportes

Áudio original com legenda em português

 

Camaradas! As grandes vitórias do Exército Vermelho nos livraram das incursões de Kolchak e Yudenich e quase acabaram com Denikin.

Destroçamos as tropas dos latifundiários e capitalistas que desejavam, com a ajuda dos capitalistas de todo o mundo, restaurar sua onipotência na Rússia.

Mas a guerra imperialista e, a seguir, a guerra à contrarrevolução arrasaram e exauriram terrivelmente o país inteiro.

Precisamos mobilizar todos os esforços para vencer o caos, restaurar a indústria e a agricultura e dar aos camponeses gêneros de primeira necessidade em troca de cereais.

Agora, tendo vencido os latifundiários e libertado a Sibéria, a Ucrânia e o Cáucaso Setentrional, nós podemos restaurar totalmente a economia do país.

Temos muitos cereais, e também carvão e petróleo, mas tudo depende dos transportes, e as ferrovias estão destruídas. Precisamos, portanto, restaurar os transportes, e então traremos cereais, carvão e petróleo às fábricas, traremos sal, iniciaremos a restauração da indústria e acabaremos com a fome entre os operários fabris e ferroviários.

Que todos os operários e camponeses se empenhem, pois, no trabalho de restauração dos transportes, da maneira mais obstinada e abnegada.

Todas as obras necessárias à restauração dos transportes devem ser realizadas com pleno afinco, energia revolucionária e dedicação incondicional. Vencemos no front cruento da guerra, e venceremos também no front incruento do labor. Trabalhemos todos pela restauração dos transportes!

 

 

 

Final de março de 1920

Sobre a Disciplina Laboral

Áudio original com legenda em português

 

Por que vencemos Yudenich, Kolchak e Denikin, embora eles tenham sido auxiliados pelos capitalistas do mundo inteiro?

Por que estamos certos de que agora venceremos o caos e restauraremos a indústria e a agricultura?

Vencemos os latifundiários e capitalistas porque o Exército Vermelho, os operários e os camponeses sabiam que estavam lutando por uma causa vital para si.

Vencemos porque os melhores quadros entre todos os operários e camponeses demonstraram um heroísmo extraordinário nessa guerra contra os exploradores, realizaram prodígios de bravura, suportaram inauditas privações, sacrificaram-se e baniram implacavelmente os arrivistas e os covardes.

Agora estamos certos de que venceremos o caos, pois os melhores quadros entre todos os operários e camponeses, com a mesma consciência, firmeza e heroísmo, estão se levantando para a luta.

E quando milhões de trabalhadores se unem como se fossem uma só pessoa seguindo os melhores quadros de sua classe, então a vitória está garantida.

Expulsamos os arrivistas do exército, e agora diremos todos:

“Abaixo os arrivistas, abaixo os que buscam tirar proveito das situações e esquivar-se ao trabalho, temendo os sacrifícios indispensáveis à vitória!”

Viva a disciplina laboral, o afinco no trabalho e a dedicação à causa operária e camponesa!

Glória eterna aos que tombaram nas primeiras filas do Exército Vermelho!

Glória eterna aos que hoje lideram milhões de trabalhadores, marchando com o máximo ardor nas primeiras filas do exército do trabalho!

 

Esquerdismo:

Doença Infantil do Comunismo

Abril-Maio de 1920

 

As 21 condições de admissão dos Partidos na Internacional Comunista

(1920)

 

 

Projecto de Teses Preliminares

As Questões Coloniais e Nacional

 

Para o II Congresso da Internacional Comunista


05 de Junho de 1920

 

 

Teses

Sobre a questão nacional e colonial

 

28 de Julho de 1920

Projecto de Lenine e teses suplementares de Roy (Índia/México) – adoptados pelo 2º Congresso após terem sido pessoalmente revistas por Lenine

 

 

As Tarefas das Uniões da Juventude

2 de Outubro de 1920

 

 

O Dia Internacional da Mulher

8 de Março de 1921

 

 

Sobre o Imposto em Espécie

(O Significado da Nova Política e as Suas Condições)

21 de Abril de 1921

 

 

 

 

Sobre o Imposto em Espécie
[O prodnaloge]

Áudio original com legenda em português

 

Camaradas!

Substituindo a requisição de produtos, o imposto em espécie deverá deixar aos camponeses nas próximas colheitas médias milhões de toneladas em cereais excedentes. A lei lhes dá o direito de empregá-los com absoluta liberdade, conforme os planos pessoais de melhorar sua alimentação, engordar o gado e trocá-los por produtos industrializados. O livre câmbio de cereais excedentes por artigos da indústria aumentará o interesse dos camponeses em incrementar sua produtividade agrícola e facilitará esse incremento ao desenvolver todo tipo de produção que lhes forneça os bens de uso corrente.

Melhor que tudo seria se conseguíssemos o quanto antes restaurar plenamente as grandes fábricas e usinas, bem como os transportes por ferrovias e águas. Poderíamos então fornecer aos camponeses, com rapidez, abundância e preço baixo, os produtos industrializados indispensáveis – sal, querosene, tecidos, calçados, utensílios agrícolas e fertilizantes. Para restaurarmos rapidamente a grande indústria, precisamos de grandes reservas de combustíveis e víveres nas cidades, mas não estamos em condições de ajuntar e transportar tudo isso. Assim, ao lado do esforço de superar essa dificuldade, precisamos começar um esforço urgente para desenvolver e estimular de todo jeito a pequena indústria. Ela pode e deve fazer o camponês melhorar já sua vida e sua produção sem que o Estado tenha grandes reservas de matérias-primas, combustíveis e víveres.

Que todos os quadros do Partido e dos sovietes entendam direito e cumpram com zelo seu dever de estimular e desenvolver de todas as formas a pequena indústria favorável à economia camponesa.

 

 

 

Apartidarismo e Poder Soviético
[Bespartiynye i Sovetskaya vlast]
25 de Abril de 1921

Áudio original com legenda em português

 

Operários e camponeses! Deem-nos quadros apartidários e íntegros que governem o país e incrementem a economia, pois não bastando apenas os filiados ao Partido, eles são indispensáveis se forem leais ao Poder Soviético. Há inúmeros operários e camponeses não filiados que se destacam pela lisura e aptidão em tarefas administrativas e econômicas, como organizar empresas artesanais, repartir víveres com equidade em cooperativas, fazer melhorias em cantinas, habitações, alimentação infantil e assim por diante. Ainda há em cada província muitos milhares de operários e camponeses apartidários alheios à gestão e restauração da economia nacional, e os quadros do Partido e dos sovietes devem imediatamente descobri-los, promovê-los, dar-lhes trabalho e permitir-lhes revelar capacidades que deverão ser testadas. Não devemos temer, mas aceitar a inevitável e conveniente ajuda dos operários e camponeses apartidários, coibindo apenas os mencheviques e socialistas-revolucionários, que têm arrogado apartidarismo a si para encobrir suas ações traiçoeiras em prol dos guardas brancos e dos latifundiários. Estes grupos, não por acaso, correram todos em auxílio ao motim de Kronstadt, o que nos obriga a desmascarar e prender tais apartidários de fachada. Já os operários e camponeses não filiados, mas sinceros, devem ser chamados ao trabalho por todos os meios disponíveis.

 

Cooperativas de Consumo e de Produção
[O potrebitelskoy i promyslovoy kooperatsii]
25 de Abril de 1921

Áudio original com legenda em português

 

Camaradas!

 

As cooperativas de consumo reúnem operários e camponeses que desejam oferecer e repartir produtos de primeira necessidade, e as cooperativas de produção congregam pequenos agricultores ou artesãos que querem produzir e vender todo tipo de produtos, tanto agrícolas (como hortaliças, laticínios e outros) quanto não agrícolas (industrializados, artigos de madeira, de ferro, de couro etc.).

Substituindo a requisição de produtos, o imposto em espécie deixará um excedente em cereais à disposição dos camponeses, que estarão livres para trocá-lo por quaisquer mercadorias.

As cooperativas de produção ajudarão a pequena indústria a desenvolver-se e ampliar a produção daquilo que os camponeses mais precisam e que em maior parte não exija um demorado transporte ferroviário nem grandes instalações fabris. Dar todo apoio e fomento às cooperativas de produção e prestar-lhes toda assistência é uma obrigação dos quadros do Partido e dos sovietes para aliviar de pronto os camponeses e melhorar-lhes a situação. E vida e produção melhores no campo é do que mais precisamos agora para elevar e restaurar a economia nacional no Estado operário-camponês.

Devemos sustentar e desenvolver também as cooperativas de consumo para garantir uma distribuição rápida, barata e regular dos produtos. As autoridades dos sovietes devem apenas controlar a atuação das cooperativas para evitar sonegações ao Estado, fraudes e desmandos, mas em nenhum caso as constrangendo, e sim dando todo auxílio e colaboração.

 

 

 

Concessões e Estímulo do Capitalismo

[O kontsessiakh i o razvitii kapitalizma]
25 de Abril de 1921

 

Camaradas !

O Poder Soviético está convidando capitalistas estrangeiros que queiram receber concessões na Rússia.

O que são concessões? São um acordo entre o Estado e capitalistas que se disponham a montar ou melhorar uma indústria (por exemplo, extração e transporte fluvial de madeira, extração de carvão, petróleo, minério etc.), pagando ao Estado, por isso, com uma parcela do produto extraído, e a outra parcela recebendo em forma de lucro.

Está o Poder Soviético agindo bem, tendo destronado os latifundiários e capitalistas russos, e agora convidando os estrangeiros? Está sim, pois tendo a revolução operária arrefecido em outros países, precisamos fazer alguns sacrifícios, desde que consigamos de modo rápido, ou até imediato, melhorar a situação dos operários e camponeses. Os sacrifícios consistem em cedermos centenas de milhares de toneladas de víveres importantes aos capitalistas durante alguns anos, e a melhora na situação dos operários e camponeses consiste em recebermos de pronto quantidades adicionais de petróleo, querosene, sal, carvão, utensílios agrícolas etc. Não temos o direito de recusar a melhora imediata na situação dos operários e camponeses, pois ela é indispensável, visto estarmos devastados, e os sacrifícios que citei não vão nos arruinar.

Mas não é perigoso convidar capitalistas, não significa estimular o capitalismo? Sim, significa estimular o capitalismo, mas não é perigoso, pois o poder continuará nas mãos dos operários e camponeses, e as propriedades dos latifundiários e capitalistas não serão restituídas. A concessão é uma espécie de acordo de arrendamento. O capitalista se torna arrendatário de parte da propriedade estatal, por contrato, por um determinado prazo, mas não se torna dono. A posse continua com o Estado.

O Poder Soviético velará para que o capitalista arrendatário respeite o acordo, que ele nos seja vantajoso e que se dê a melhora na situação dos operários e camponeses. Sob tais condições, o estímulo do capitalismo não é perigoso, e a vantagem para operários e camponeses consiste em receber mais produtos.

 

 

 

X Conferência

de Toda a Rússia do PCR (b)

28 de Maio de 1921

 

 

 

 

Para o Quarto Aniversário da Revolução de Outubro

14 de Outubro de 1921

 

Sobre o Papel e as Tarefas dos Sindicatos nas Condições da Nova Política Econômica

Resolução do CC do PC(b) da Rússia

 

4 de Janeiro de 1922

 

 

A Instituição do Divórcio Não Destrói a Família

12 de Março de 1922

 

A Respeito do Problema das Nacionalidades ou sobre a "Autonomizaçom"

 

31. 12. 1922

 

 

 

Sobre a Nossa Revolução

1923

 

 

 

Trotsky e o Trotskismo

 

 

 

Nos sindicatos

 

 

ALBANIAN

ARABIC

ARMENIAN

AZERBAIJANI

BANGLA

CATALAN

CZECH

CHINESE

DANISH

DUTCH

ESPERANTO

FARSI

FINNISH

 

Lenine

 Português